Reavivados por Sua Palavra


I Timóteo 3 by Jeferson Quimelli
13 de maio de 2015, 1:00
Filed under: liderança | Tags: , , ,

Comentário devocional:

O palavras bispo, supervisor, e ancião são usadas alternadamente no Novo Testamento. Um homem que “deseja – almeja” essa posição deve ser motivado pelo desejo de fazer um bom trabalho no serviço a Cristo, não para honra pessoal (vs. 1-7).

Este capítulo apresenta orientações para a igreja em sua seleção de anciãos. A sua reputação na comunidade também diz muito a respeito de quem ele é. O fruto de sua vida deve refletir a Cristo. Paulo também alertou a respeito daqueles que desejam o cargo apenas para conseguir posição e poder. Eles não fazem um bom trabalho para Deus.

Ser um diácono (vs. 8-13) também é uma santa vocação que apóia o trabalho de Cristo no mundo. Quando Jesus disse: “Eu estou no meio de vós como quem serve”, Ele se referia a si mesmo como um servo, um diácono. Anciãos, diáconos, diaconisas que seguem os passos de Jesus ajudam suas congregações a bem retratar seu Mestre. Eles são líderes-servos a serviço de  Cristo, o supremo líder da igreja. Paulo escreveu essas coisas a fim de capacitar o jovem Timóteo a prover uma liderança adequada às igrejas.

A “igreja do Deus vivo, coluna e fundamento da verdade” (v. 15, NVI), construída por Cristo, fundada sobre Ele, deve permanecer como um dos pilares para a verdade salvadora de Deus. Empresas seculares ou os governos não atuam como pilares para Deus e Sua verdade. Se a igreja de Deus falhar, onde as pessoas poderão ir a fim de encontrar a salvação?

O verso 16 é uma sinopse do “mistério de Deus” – o maravilhoso fato de nossa redenção ter vindo através da encarnação, vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo. Esta grande salvação é o que a igreja precisa revelar ao mundo.

Lembremo-nos de orar e apoiar aqueles que foram selecionados para exercer liderança nos vários ministérios de nossas igrejas.

David Manzano 
Pastor Aposentado
Collegedale, TN, EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1ti/3/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto Bíblico: I Timóteo 3 
Comentários em áudio 



Colossenses 4 by Jeferson Quimelli
2 de maio de 2015, 1:00
Filed under: graça, oração | Tags: ,

Comentário devocional:

No fechamento de sua epístola aos crentes de Colossos, torna-se claro o que é mais importante para Paulo – ele deseja que Cristo seja revelado a outros. Ele pede aos Colossenses para que orem a fim de que portas sejam abertas para ele continuar a ter a oportunidade de compartilhar o mistério de Cristo (v. 3). Ele deseja falar as verdades ocultas de Cristo de uma forma compreensível para que os outros as compreendam (v. 4). Paulo também encoraja os crentes de Colossos a interagir sempre com os outros de uma forma que revele a graça de Cristo e conduzam suas vidas de uma forma que mostre a sabedoria do modo de vida cristão (v. 5-6). Cristo deve ser revelado, seja pelas palavras ou ações.

Paulo encerra sua carta partilhando algumas curtas notícias sobre cada um de seus colegas de trabalho que foram um conforto especial para ele (vs. 7-12). Um desses trabalhadores que estava com Paulo era Epafras, originário de Colossos, o qual orava fervorosamente pelos crentes colossenses. A oração contínua de Epafras era que eles se mantivessem “firmes em toda a vontade de Deus” (v. 12 NVI).

Logo antes de suas palavras finais, Paulo pede aos colossenses que leiam a carta perante toda a igreja e a compartilhem com outro grupo nas proximidades, a igreja de Laodicéia (v. 16).

Paulo encerra sua epístola pedindo aos fiéis que se lembrem das correntes que ele usava por causa de seu grande desejo de viver para o que era mais importante para ele – tornar Cristo conhecido (vs. 3, 18).

Kenneth Norton
Collegedale, TN
Estados Unidos
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/col/4/
Traduzido por: JDS/JAQ/IB
Texto bíblico: Colossenses 4 
Comentários em áudio 



Efésios 3 by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2015, 1:00
Filed under: oração | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Eu sempre me sinto incentivado quando ouço crentes dizerem coisas positivas a respeito da igreja. No entanto, os mais entusiastas entre nós certamente estão aquém do testemunho exuberante de Paulo sobre a igreja em Efésios 3.

Paulo começa falando acerca de suas orações em favor dos crentes em Éfeso (v 1; cf. 1:15-23), mas interrompe para discutir a maravilha da criação da igreja por Deus (vv 2-13.). Ao longo de seu texto chegamos a entender coisas importantes sobre o “plano” ou o “mistério” de Deus, antes que ele encerre seus pensamento sobre a oração:
    • Na eternidade, Deus concebeu o “mistério” ou o Seu “plano” para a igreja (vs. 3-5, 9, 11).
    • Através da vida e morte de Jesus, o Seu plano, oculto há tanto tempo, é “realizado” (v. 11, NVI; cf. 2:. 11-22).
    • Através da revelação, Paulo compreende “o mistério” da igreja e o fato surpreendente de que os gentios tem o pleno direito de participarem dela (vs. 3-6).
    • Paulo participa na ampla divulgação dessa boa notícia como pregador aos gentios das “insondáveis riquezas de Cristo” (vs. 8-9, NVI).
    • Com muitas pessoas ganhas para Cristo, a igreja, composta de judeus e gentios, exibe “a multiforme sabedoria de Deus” aos “poderes e autoridades nas regiões celestiais,” (v. 10, NVI), anunciando sua futura condenação ( cf. 6:10-20). O plano de unir todas as coisas em Cristo (1:10) está em curso e acontecerá sem demora.

Esta compreensão da Igreja motiva Paulo a orar pelos crentes em Éfeso. Imagine-o, agora, fazendo a oração sincera dos versos 14-21 em favor de você. Imagine-o orando para que você seja cheio de “toda a plenitude de Deus” (v. 19. NVI) e participe plenamente no mistério incrível de uma igreja unificada.

John McVay
Universidade Walla Walla
Estados Unidos



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/eph/3/
Traduzido por: JAQ/JDS
Texto bíblico: Efésios 3 
Comentários em áudio 



Lucas 8 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
23 de dezembro de 2014, 0:00
Filed under: bens materiais, dinheiro, gratidão, milagres, parábolas, ressurreição | Tags: , , , , ,

2 algumas mulheres. Os rabis recusavam-se a ensinar mulheres. Assim, ao aceitá-las em Seu grupo de seguidores, Jesus agiu de maneira incomum. Bíblia de Genebra.

É como se Lucas dissesse que o evangelho do reino dos céus era para homens e mulheres, e que a parte delas na proclamação era tão importante quanto a dos homens. … Com a segunda viagem à Galileia, o alcance do ministério de Cristo expandiu-se rapidamente, e o grupo de pessoas que então O acompanhava cresceu muito em comparação com o grupo que esteve na primeira viagem. Essa situação envolveu gastos e trabalho considerável, a fim de prover alimento e manter as roupas limpas e restauradas. Cristo nunca realizou milagres em proveitos próprio (ver com. de Mt 4:6); agir dessa forma seria contrário ao Seu propósito. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 848

3 com seus bens. Jesus e Seus discípulos mantinham os recursos numa bolsa comum (ver com. de Jo 13:29; cf. Lc 12:6), e parece que essas discípulas ajudavam a evitar que a bolsa ficasse vazia. Pode-se dizer que esse grupo de mulheres devotas constituiu a primeira sociedade missionária feminina da igreja cristã. CBASD, vol. 5, p. 849. 

4 parábola. Na parábola, os inimigos de Jesus não conseguiriam encontrar declarações diretas para usar contra Ele. Bíblia de Estudo NVI Vida.

5 o semeador. Inevitavelmente não era todo terreno em que a semente caiu era solo adequado para o desenvolvimento. Andrews Study Bible.

6 sobre a pedra. Isto é, sobre a pedra coberta com uma camada de terra muito rasa para ter umidade suficiente. Bíblia de Genebra.

10 mistérios. O reino de Deus envolve verdades que estão além da compreensão e sabedoria humanas, mas que Deus agora tornou conhecidas. Bíblia de Genebra.

15 retém a palavraperseverança. O Senhor frisa que só a perseverança garante a vida eterna. Bíblia Shedd.

16 a luz. A palavra de Deus pode ser comparada à luz que ilumina todas as coisas. Andrews Study Bible.

19 A família, pensando que estava “fora de si”, provavelmente queria afastá-Lo de Seu cronograma pesado de tarefas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

irmãos. Na igreja primitiva surgiram várias interpretações quanto ao grau de parentesco deles com Jesus … A conclusão mais natural (proposta por Helvídio) é que eram os filhos mais novos de José e Maria, meio-irmãos de Jesus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

21 Minha mãe e meus irmãos. Não uma rejeição de Sua própria mãe e irmãos, mas um convite para que todos se incluam em Sua família por escutarem e praticarem a palavra de Deus. Andrews Study Bible.

As palavras de Jesus não constituem um repúdio à família terrena; Ele mostrou cuidado para com maria mesmo quando estava pendurado na cruz (Jo 19.26-27). Seu ensino é que o serviço de Deus e Sua obra como Messias são mais importantes do que qualquer parentesco natural. Bíblia de Genebra.

22, 23 O mar da Galileia fica a duzentos e treze metros abaixo do nível do mar e é cercado por montanhas. Por isso o ar frio [do Mediterrâneo] pode descer canalizado e pode provocar repentinas tormentas. O sono de Jesus seguiu-se a um dia de trabalho pesado. Bíblia de Genebra.

24, 25 repreendeu. É possível que Jesus tenha reconhecido o interesse do maligno na tempestade. Bíblia Shedd

25 Quem é este? Esta pergunta e a anterior são deixadas para que a audiência de Lucas responda. Andrews Study Bible.

27 um homem possesso de demônio. A vítima dos demônios foi ao encontro de Jesus, provavelmente, para maltratá-Lo. Logo reconheceu sua fraqueza diante do poder absoluto de Deus. Bíblia Shedd.

37 Todo o povo rogou-Lhe que Se retirasse. Como na parábola do semeador, a colocação em prática da palavra de Deus resultou na rejeição de muitos mas o discipulado de alguns (vv. 38-39). Andrews Study Bible.

39 Volta para casa e conta aos teus tudo o que Deus fez por ti. A família e a vizinhança serão os que melhor poderão confirmar o poder de Deus numa vida transformada. Bíblia Shedd.

41 chefe da sinagoga. Era o homem que organizava o serviço litúrgico, escolhendo os que deviam ler as Escrituras ou conduzir a oração. Bíblia de Genebra.

42 filha única. Na mente de um oriental, um filho único ou filha única é a única chance de se preservar o nome da família; e, assim, é portador de grande responsabilidade. A morte desse filho ou filha era visto como especialmente trágica. Os israelitas consideravam esse acontecimento como uma tragédia para a família, que se extinguiria (ver com. de Dt 25:6). CBASD, vol. 5, p. 849.

43 uma hemorragia. A condição da mulher a tornava cerimonialmente imunda (Lv 15.25), excluindo-a de muitos relacionamentos sociais. Bíblia de Genebra.

44 tocou na orla da veste. Apesar de impura, o seu toque não contaminou Jesus; em vez disso, purificou a mulher. Andrews Study Bible.

45 a cura da mulher precisava ser conhecida publicamente, de modo que ela pudesse retornar à sua vida normal. Jesus tem o cuidado de providenciar isso. Bíblia de Genebra.

48 Filha. É a única mulher a quem Jesus chama de “Filha”, uma afirmação de ternura. Bíblia de Genebra.

50 Não temas, crê somente. 1) a razão diz: crê no possível; 2) a experiência diz: ninguém voltou do túmulo (Lc 16:30); 3) As emoções dizem: “terrores de morte me assaltam” (Sl 55.4); 4) Cristo diz: Crê somente em Mim; Eu sou a única esperança (Jo 11.25). Bíblia Shedd.

52 dorme. Jesus compara a morte ao sono, em vez de confortar seus pais com a afirmação de que ela está agora no Céu. Andrews Study Bible.

55 Voltou-lhe o espírito. Na palavra grega pneuma, que significa “vento” ou “respiração” [sopro]. Andrews Study Bible.

56 Ele lhes advertiu que a ninguém contassem. Cristo não queria que a multidão O seguisse para receber pão (Jo 6.26), e muito menos para que Ele levantasse os seus mortos. O motivo válido para segui-Lo é a comunhão que resulta em glória (cf Jo 5.44; Fp 3.11). Bíblia Shedd.




%d blogueiros gostam disto: