Reavivados por Sua Palavra


PROVÉRBIOS 26 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
27 de julho de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

480 palavras

1 Ao insensato. Este versículo dá início a uma série de provérbios sobre o insensato. … Elevar uma pessoa sem entendimento a um lugar de honra equivale a lhe dar oportunidade de causar grandes males. Além disso, isso frustra quem verdadeiramente merece esse tipo de promoção (CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 1171.

2 Se causa. Ou, “sem merecer”. A maldição proferida por um inimigo difamador não deve  incomodar os inocentes e justos, pois eles estão sob a proteção de Deus e não temem encantamentos. CBASD, vol. 3, p. 1171.

3 A vara. O insensato precisa de correção dura para não prejudicar a si mesmo e aos outros por meio de seus atos carentes de sabedoria (ver Pv 10:13; 19:29). CBASD, vol. 3, p. 1171.

4 Não respondas ao insensato. Entrar numa discussão com um insensato, nos termos de sua estultícia, é se rebaixar ao nível dele e aceitar que sua perspectiva de vida é digna de consideração. As pessoas que perguntaram a Cristo sobre o dinheiro de imposto tinham a intenção de constrangê-Lo num tema relativo ao egoísmo delas. Se Cristo tivesse respondido segundo a insensatez obstinada de seus inimigos, estes poderiam ter usado a resposta contra Ele. Jesus, porém, se recusou a aceitar a premissa de seus questionadores. Sua resposta partiu de um reino de sabedoria verdadeira, deixando-os envergonhados e em silêncio (Mt 22:12-22). CBASD, vol. 3, p. 1171.

5 Ao insensato responde. Neste caso, “segundo a”significa “conforme ele merece”(ver com. do v. 4). Responda ao insensato de uma forma que a tolice de sua ideia seja revelada. Desse modo, ele pode perceber que está longe de ser sábio e procurar alcançar a sabedoria. Em certo sentido, Cristo seguiu o conselho destes dois versículos aparentemente contraditórios (v. 4, 5) em Sua resposta aos fariseus e aos defensores de Herodes (ver Mt 22:15-22; ver com. de Pv 26:4). Sem tomar parte na estultícia do questionadores, Ele mostrou a tolice maligna deles. CBASD, vol. 3, p. 1171.

6 Corta. Aquele que depende de um insensato para realizar negócios importantes está se destituindo da esperança de cumprir sua missão. CBASD, vol. 3, p. 1171.

2 Pendem bambas. A repetição de parábolas era um dos passatempos preferidos na Palestina, e a sabedoria de uma pessoa costumava ser exibida em campeonatos de narração de histórias. O insensato teria a tendência de esquecer a moral da história ou de contá-la de forma tão desajeitada que o efeito se perderia. CBASD, vol. 3, p. 1171, 1172.

2 Como galhos de espinhos na mão. O ébrio com um galho de espinhos na mão está armado e é capaz de causar grande dano aos outros em sua raiva insensível. Desse modo, a parábola contada pelo insensato é, ao mesmo tempo, inútil e perigosa. CBASD, vol. 3, p. 1172.

10 Como um flecheiro que a todos fere. A lição do texto parece ser que empregar insensatos e incompetentes coloca em risco tanto o empregador quanto os funcionários, assim como a flecha envenenada põe em perigo quem a usa, bem como o indivíduo por ela atingido. CBASD, vol. 3, p. 1172.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: