Reavivados por Sua Palavra


I CORÍNTIOS 11 by jquimelli
18 de junho de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/1-corintios/1co-capitulo-11/

Ao tratar das questões de coberturas de cabeça e como conduzir a Ceia do Senhor (vv 17-34), Paulo lembra que todo o comportamento para ser adequado deve apontar para Jesus Cristo.

No ambiente altamente sexual de Corinto, uma mulher que não cobria a cabeça estava se identificando como prostituta. Paulo argumenta que naquela época, no contexto do mundo antigo, uma mulher casada devia manter a cabeça coberta. Este texto tem sido interpretado de muitos modos ao longo da história cristã. Os pioneiros adventistas do sétimo dia se direcionavam por princípios ao invés de sustentar a ideia de que as mulheres deviam ir à igreja com a cabeça coberta. Da mesma forma, os primeiros líderes, como Tiago White, opunham-se à ideia de que as mulheres não deviam falar em público (ver Spiritual Gifts, vol. 3, p 24).

Paulo nos lembra também que os emblemas da Ceia do Senhor são sagrados, pois representam o corpo quebrado e sangue derramado de Jesus Cristo na cruz. Esta ordenança reafirma nossa crença na expiação sacrificial de Cristo e na segunda vinda de Jesus Cristo (v 26). Não é de admirar Tiago White observou que a Ceia do Senhor deve ser chamado de “ordenança do Advento”.

Michael W. Campbell
Professor Associado de Religião
Southwestern Adventist University
Keene, Texas USA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1319
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/03/25
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados18-06-2018.mp3
Comentários em vídeo

Ouça online [Voz Valesca Conty]:



I CORÍNTIOS 11 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
18 de junho de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



I CORÍNTIOS 11 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
18 de junho de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria
I CORÍNTIOS 11 – Uma comunidade de crentes que se caracteriza por suas brigas internas deve ler quantas vezes necessárias este capítulo além de extrair princípios práticos para a vida. Cada crente deve assimilá-los a tal ponto de praticá-los em toda e qualquer situação.
Orando, reflita:
1. Discutir se homens possui mais autoridade que mulheres, quem deve usar véu (cobrir) ou descobrir a cabeça (tirar o chapéu para orar), cabelo comprido ou curto, nada disso caracteriza a igreja de Deus. Aqui, a igreja instituída para alcançar pecadores de todas as etnias e culturas está sendo exortada a não perder precioso tempo em questões como essas (vs. 1-16).
2. Os princípios e práticas bíblicos não devem ser afrouxados. A igreja que transforma a Santa Ceia da comunhão em momentos de desunião não tem aprovação divina. Costumes e práticas pagãs e cultura de uma sociedade paganizada que inclui glutonaria, não deve penetrar nos rituais que apontam ao sacrifício de Cristo (vs. 17-34).
Práticas culturais permeadas da filosofia secular ou relativista, pluralista, etc., jamais devem determinar o comportamento do cristão. A cultura deve ser regida pelas Sagradas Escrituras. A conduta do crente deve ser orientada pelos princípios revelados na Bíblia.
• Irmãos e irmãs, homens e mulheres, se for para discordar, que seja pela unidade e harmonia fundamentada na verdade bíblica.
• Outra coisa: ninguém deve participar indignamente da Ceia do Senhor; entretanto, não é por causa disso que se deve esquivar de participar. A Santa Ceia nos força a abandonar o pecado e reavivar-nos; o eximir-se de participar nos força a desprezar ao sacrifício de Cristo.
• Dividir a igreja por causa de práticas culturais, como cobrir ou não a cabeça, ou causar divisões com práticas eclesiásticas indevidas não caracteriza a igreja que é regida pelo amor de Deus. A igreja deve estar unida na revelação dos princípios espirituais.
Deus quer comunhão, não discussão. Quando praticada conforme a Bíblia prescreve, a Ceia do Senhor promove reavivamento e reforma em cada aspecto da vida humana – inclusive nos relacionamentos interpessoais.
A cerimônia da Santa Ceia aponta para o passado (a morte de Cristo), convida cada envolvido à autorreflexão no presente (achar-se digno), e, ergue nossos olhos para o futuro (até que Jesus venha novamente ao mundo).
Precisamos reavivar-nos! – Heber Toth Armí.


I CORÍNTIOS 11 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
18 de junho de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo” (v.1).


Fazer distinção entre tradição e princípio é muito importante dentro do contexto bíblico. É perfeitamente possível, no entanto, que atrás de uma tradição haja um princípio que a norteia. O que Paulo estabeleceu no início deste capítulo não foi apenas uma tradição local que ficou num passado remoto, mas um princípio que não está fundamentado em cobrir ou não a cabeça, mas em levar sempre em consideração a minha forma de adoração. Apesar das tradições estarem em segundo plano com relação aos princípios, elas também ocupam o seu lugar de importância e estabelecem limites, a fim de manter a ordem e a decência no culto que prestamos ao Senhor.

Sendo uma cidade portuária, Corinto tornou-se um antro de prostituição e promiscuidade. E uma das características que revelavam a luxúria das meretrizes era a exposição de seus cabelos em público. Diante deste contexto, o apóstolo não desmereceu as mulheres da igreja, mas as aconselhou a cobrirem os cabelos para a proteção de sua própria reputação e para que o nome de Deus não fosse vituperado. Portanto, o que devemos extrair desta passagem é o princípio que permanece: que a nossa vestimenta também parte da adoração e que transmite uma mensagem a favor ou contra a fé que professamos ter.

Não falo como quem estivesse em plena comunhão com tal princípio, mas como alguém que ainda tem lutado com Deus para sair vitoriosa. Na verdade, este princípio é secundário no sentido de que deve ser uma consequência da transformação que o Espírito Santo realiza em nossa vida, de dentro para fora. Paulo não estava falando a pagãos, nem a leigos, mas aos crentes em Cristo que não haviam compreendido que Deus estabeleceu uma linha divisória bem distinta entre o santo e o profano. O mesmo Deus que um dia disse a Moisés: “Nem subirás por degrau ao Meu altar para que a tua nudez não seja ali exposta” (Êx 20:26), é o mesmo que falou por intermédio de Paulo aos coríntios e que fala a nós hoje: “Hoje se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (Hb 3:15). Portanto, o que usamos ou deixamos de usar interessa sim a Deus e sim, tem total relação com a nossa adoração a Ele. Se mostrar os ombros diante de uma rainha é considerado um insulto, qual tem sido a nossa conduta diante do Rei dos reis?

Não obstante, um outro ponto é abordado por Paulo com tristeza sobremodo profunda. A ceia do Senhor, um dos mais importantes símbolos deixados por Cristo, havia sido transformada em reunião reprovável. As divisões na igreja estavam causando um impacto tão negativo que Paulo reprovou a prática da ceia entre eles. O orgulho e a conformidade com a pobre condição espiritual os estava impedindo de enxergar que viviam o mesmo quadro caótico que viveu Israel quando severamente repreendida por Deus: “não posso suportar iniquidade associada ao ajuntamento solene” (Is 1:13).

Um exame de coração precisa ser feito. É o meu e o seu destino eterno que está em jogo. Ao lidarmos com as coisas sagradas devemos partir do princípio de que o nosso corpo também é sagrado (1Co 3:17). “Por isso, aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor, indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor” (v.27). “Examine-se, pois, o homem a si mesmo” (v.28), não sem discernimento, como quem “come e bebe juízo para si” (v.29). Pois é a falta de discernimento que traz ruína ao corpo de Cristo. Consideremos, amados, estas advertências de Paulo como para nós mesmos, porque, “quando julgados, somos disciplinados pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo” (v.32).

Muito mais do que conselhos acalorados a uma igreja primitiva, que estas palavras inspiradas pelo Espírito Santo sejam um apelo solene e urgente ao remanescente dos últimos dias. Que a nossa adoração e que tudo em nós seja o reflexo da atuação do Espírito em nossa vida. Deus tenha misericórdia de nós!

Bom dia, imitadores de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Coríntios11 #RPSP



I CORINTIOS 11 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
18 de junho de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 Como também eu sou. Todo ministro do evangelho de Cristo deve estar apto a pedir que seus ouvintes imitem seu exemplo ao seguir o Mestre. Se não pode fazê-lo, deve esquadrinhar o coração e rogar a Deus para que viva para Ele em todos os aspectos, e não para si mesmo. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 828.

Sua própria cabeça. Isto pode se referir tanto a Cristo, que é “a cabeça de todo homem” (v. 3), ou à cabeça literal do homem, que seria desonrada estando coberta. O homem que, como servo do Senhor, se recusa publicamente a demonstrar respeito por Cristo, traz desonra tanto ao Senhor quanto à sua própria cabeça. Corinto era uma cidade grega, e, por consideração ao costume grego, Paulo ensinou que ao adorar a Deus, nessa cidade, os homens deviam seguir o modo usual de mostrar respeito, removendo a cobertura da cabeça na presença de um superior. Os homens não deviam agir como mulheres. CBASD, vol. 6, p. 831.

5 Sem véu. Era costume das mulheres cobrir a cabeça com véu, como evidência de que eram casadas, e também como modéstia. CBASD, vol. 6, p. 831.

10 Autoridade. Do gr. exousia. É provável que isso se refira ao sinal da autoridade do marido, o véu, que as mulheres usavam como reconhecimento público de sua posição sob a autoridade do marido. Aceitar de boa vontade esse costume era um privilégio honrado, indicando que a mulher tinha posição de respeito na comunidade, pois ela “pertencia” a alguém, e podia reclamar apoio e proteção deste sob cuja “autoridade” vivia. CBASD, vol. 6, p. 833.

11 No Senhor. Esta relação entre homem e mulher está de acordo com o desígnio e a direção do Senhor. É intenção e ordem de Deus que dependam um do outro, vivam em mútua consideração e promovam o bem-estar e a felicidade um do outro. Cada um é necessário ao bem estar do outro, e esse fato deve ser reconhecido na relação. O homem não pode existir sem a mulher, nem a mulher sem o homem. Um é incompleto sem o outro. Isso devia ser motivo suficiente para evitar a jactância por parte do homem. CBASD, vol. 6, p. 833.

14 Natureza. Neste caso, o termo indica a ordem natural das coisas, o que em geral é aceito pelas pessoas, o costume prevalecente. Na época de Paulo, era costume para um judeu, grego e romano usar cabelo curto. Entre os israelitas se considerava vergonhoso que um homem tivesse cabelo comprido, com exceção daquele que tivesse feito voto de nazireu. CBASD, vol. 6, p. 834.

17 Não para melhor. O propósito das reuniões regulares dos crentes é o fortalecimento espiritual e o encorajamento dos participantes a enfrentar a batalha da vida com mais fé e esperança. Longe de louvar seu comportamento e a forma de observar os ritos da casa do Senhor, o apóstolo achou necessário repreendê-los. Primeiramente, declarou de forma categórica que suas reuniões não produziam bons resultados, mas ruins. Em seguida, ampliou essa afirmação e mostrou como tinham permitido que práticas errôneas privassem o serviço da comunhão de sua santidade e inspiração adequadas. CBASD, vol. 6, p. 835.

27 Indignamente. Ou, sem a devida reverência pelo Senhor, cujo sofrimento e sacrifício estão sendo lembrados. Pode-se dizer que a indignidade consiste na conduta imprópria (v. 21) ou na falta de fé vital e ativa no sacrifício expiatório de Cristo. CBASD, vol. 6, p. 841.

28 Examine-se. Antes de participar da Ceia do Senhor, a pessoa deve rever sua experiência cristã e certificar-se de estar pronta para receber as bênçãos que esse rito proporciona a todos que estão em relacionamento com Deus. Deve refletir se, dia a dia, tem experimentado a morte para o pecado e o novo nascimento para o Senhor, se está ganhando a batalha contra os pecados que o afligem e se sua atitude para com o próximo está correta. Palavras, pensamentos e ações devem ser inspecionados, bem como hábitos de devoção pessoal e tudo que influencie no progresso em direção a um caráter que reflita a imagem de Jesus. CBASD, vol. 6, p. 841.

34 Fome. Isto se refere ao desejo físico por alimento, não o anseio espiritual pelo pão da vida. A Ceia do Senhor não tem o objetivo de satisfazer a fome física. Seu propósito é ser um memorial do maior e mais solene evento, e não um banquete. As instruções dadas neste capítulo, quando seguidas cuidadosamente, fazem da Ceia do Senhor um serviço cheio de consolo e santa alegria. CBASD, vol. 6, p. 843.

Compilação tatianawernenburg



O USO DO VÉU, CORTE E PINTURA DO CABELO – 1Co 11:3-15 by jquimelli
18 de junho de 2018, 0:10
Filed under: Sem categoria

Na cidade de Corinto, uma mulher que cortasse o cabelo ou deixasse de usar o véu estava dizendo perante a sociedade que não mais estava sob a responsabilidade do marido, pai ou irmão mais velho e que, dali em diante, se tornara uma prostituta. Assim, para que as irmãs não fossem confundidas com as prostitutas e o testemunho delas se tornasse uma pedra de tropeço para a pregação do evangelho, Paulo pediu a elas que acatassem àquele costume da cidade de Corinto. Seria horrível para a igreja cristã se as irmãs fossem rotuladas por aquela cultura como sendo prostitutas. Já nos dias do Antigo Testamento, uma mulher prostitua foi identificada por encobrir o rosto com um véu (Gênesis 38:15). Percebeu o fator cultural?

O mesmo se dava em relação aos homens: em Corinto, todo aquele que deixasse o cabelo crescer era considerado homossexual. Já na época de Jesus (e do Antigo Testamento), o homem usava cabelo comprido normalmente. Era em Corinto que havia tal preconceito.

Assim, podemos ver que o assunto da calça comprida e do corte de cabelo não são princípios, mas questões culturais. Há na Bíblia costumes, que podem variar com o tempo por que foram dados apenas para um povo, de forma local. Existem também princípios, que são eternos, por terem sido transmitidos a todos e não a um povo específico. Nisto se enquadra o Sábado como dia de adoração e culto. Sendo que esse mandamento consta no Decálogo e que foi ordenado a todas as pessoas, não apenas para os judeus (ver Gênesis 2:1-3, Isaías 56:1-7, Marcos 2:28, etc.), deve ser observado para sempre em memorial ao Deus Criador. É importante diferenciarmos na Bíblia um PRINCÍPIO de um COSTUME.

Infelizmente, muitos se apegam a um costume cultural e deixam de lado um princípio universal e moral como o Sábado do Criador.

É lícito e correto o cristão se vestir decentemente e com modéstia (1 Timóteo 2:9), pois inclusive em nosso modo de vestir podemos refletir o caráter de Jesus. Porém, isto não significa que devamos ser desleixados com nossa aparência ou com o corpo, pois isso desagrada a Deus. Aqui podemos tratar do pintar o cabelo. Se a pessoa o faz por uma necessidade, para corrigir um problema ocasionado pelo pecado (Deus não criou o ser humano para envelhecer) qual o problema nisto? O errado seria pintar o cabelo com cores chamativas, que não levam a atenção dos outros para Deus.

Sendo que o corpo é o “templo do Espírito Santo” (1 Coríntios 3:16-17, 6:19-20) e o cabelo faz parte dele, também deve ser cuidado. Entretanto, tal questão (de cortar ou não o cabelo) deve ser analisada por cada um, individualmente, respeitando a opinião daqueles que pensam diferente. Também nesse tipo de atitude nosso cristianismo é manifesto.

Leandro Quadros

http://novotempo.com/namiradaverdade/calca-comprida-corte-e-pintura-do-cabelo-deut-225-e-1-cor-113-15/



I CORÍNTIOS 11 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
18 de junho de 2018, 0:10
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: