Reavivados por Sua Palavra


ROMANOS 9 by Jeferson Quimelli
31 de maio de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/romanos/rm-capitulo-9/

Depois de Paulo desenvolver uma descrição clara do evangelho nos primeiros oito capítulos, na segunda metade do livro ele passa a apresentar aplicações práticas do evangelho.

Neste capítulo, Paulo expressa sua profunda tristeza pela condição espiritual que os judeus haviam perdido. Estes são seus parentes segundo a carne, mas não são seus irmãos espirituais. Muito tempo antes, alguns dos judeus haviam aceitado o verdadeiro evangelho, como Isaque. Seu nascimento foi um milagre e foi também o início e a confirmação da aliança. Abraão teve outros filhos, mas eles não foram os filhos da aliança.

Aqueles que se tornam parte do Israel espiritual devem ter um novo nascimento, que também é um milagre. O nascimento físico, mesmo alguém nascendo judeu, não salva ninguém. Alguns de nós adventistas do sétimo dia somos como os judeus de antigamente. Acreditamos ter a verdade, mas temos nós suficiente fé em Cristo para alcançar o nascimento espiritual que Deus nos prometeu?

Paulo conclui o capítulo citando Oseias, Isaías e Salmos. Nós todos nos desviamos de Deus como a prostituta que se tornou esposa de Oseias. No entanto, por meio da redenção que há em Cristo, Deus nos fez Seu povo.

Aqueles que crerem no Jesus das Escrituras serão transformados em um remanescente que não se envergonha de Cristo e Seu evangelho. Através deste remanescente Ele irá “terminar a obra e abreviá-la na justiça” (vs. 25-33).

Norman McNulty
Neurologista, Lawrenceburg, TN, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1301
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Também disponível em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/rom/9
Comentário em áudio Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados31-05-2018.mp3



ROMANOS 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
31 de maio de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



ROMANOS 9 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
31 de maio de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

ROMANOS 9 – A verdade precisa ser dita, não de qualquer jeito, tipo: “Doa em quem doer”. É preciso muito cuidado, amor, sinceridade e dependência do Espírito Santo para falar. Do contrário, é melhor ficar quieto.

Paulo é sábio em sua abordagem. Warren Wiersbe divide da seguinte forma a teologia de Romanos:

• Pecado (1:18-3:20 – Justiça necessária)
• Salvação (3:21-5:21 – Justiça imputada)
• Santificação (6-8 – Justiça concedida)
• Soberania (9-11 – Justiça rejeitada)
• Serviço (12:1-15:13 – Justiça praticada).

A justiça é a essência do livro de Romanos. A teologia da justiça é o fio de ouro que atravessa todo o ensinamento desse livro de tão alto valor para o evangelho e para o pecador.

Aprecie sem moderação cada uma das lições que Paulo irá apresentar com profundidade intelectual e espiritual a partir deste capítulo. George R. Knight afirma que “Romanos 9 assinala uma mudança importante no tema que Paulo vinha tratando. Ele assegurou os pontos prévios, e agora precisa, nos capítulos 9 a 11, conectá-los com a situação de Israel”.

A forma em que Paulo introduz estes três capítulos é muito esquisita. “Por três vezes em Romanos 9:1 enfatiza que o que ele vai expressar é verdade, e está dito com toda sinceridade: (1) ‘Digo a verdade em Cristo’; (2) ‘não minto’, e (3) ‘testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência’” – observa Knight.

Paulo, cuidando para não ofender aos judeus, disposto a sacrificar-se por amor a eles (v. 3), passou a ensinar o evangelho e a lidar com assuntos bem delicados, o que em síntese temos:

• Apesar de tantas regalias e privilégios concedidos por Deus, os judeus/israelitas responderam com incredulidade (v. 4);

• A rejeição de Israel como etnia/nação não significa incompatibilidade com as promessas divinas, pois o remanescente fiel é o verdadeiro Israel – independente da hereditariedade (vs. 6-13);

• A rejeição de Israel como etnia/nação não anulou a justiça divina. Deus é justo e Sua Palavra não muda (vs. 14-18);

• Deus é soberano, faz o que sabe ser melhor, elege, e oferece inúmeras oportunidades aos pecadores desprovidos de esperança. Podemos aceitar ou rejeitar Sua oferta de salvação. Portanto, Israel como nação deve reconhecer que sua busca incorreta por justiça é de sua própria responsabilidade, e assim também as consequências: A rejeição (vs. 19-33).

E nós? Aceitaremos ou rejeitaremos ao evangelho? – Heber Toth Armí.



ROMANOS 9 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
31 de maio de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?! Porventura, pode o objeto perguntar quem o fez: Por que me fizestes assim?” (v.20).


Paulo desabafou a sua “grande tristeza e incessante dor no coração” (v.2), em palavras sinceras movidas pelo Espírito Santo. Como alguém que sentia profundo amor pelos irmãos, apelou aos judeus pela força de sua origem, que, como israelitas, possuíam as primícias da eleição de Deus. Discorrendo desde Abraão, evocou a aliança como uma dádiva dada a quem Deus “aprouver ter misericórdia” (v.15). O apóstolo usou diversos textos do Antigo Testamento, que corroboram com seu pensamento. A rejeição de Israel não interferiu em nada com a justiça de Deus e com Seus propósitos. Rejeitar a Deus acarreta consequências pessoais que definem o destino eterno de quem O rejeitou, mas, em hipótese alguma, podem frustrar os desígnios que Ele estabeleceu desde a eternidade.

Quando analisamos a história de Esaú e Jacó, percebemos uma nítida diferença entre os irmãos, não apenas no aspecto exterior, mas na vocação de cada um. Esaú era o braço direito de seu pai Isaque. Era forte e decidido, tinha porte de líder e grande influência sobre seu povo. Jacó, no entanto, era o queridinho da mamãe Rebeca. Era pacato e apreciava os cuidados domésticos. Sendo mais introvertido, e um tanto inseguro, não era tão popular quanto seu irmão. Portanto, apesar da profecia referente à liderança de Jacó, aos olhos humanos, seria mais coerente confiá-la a Esaú. Mas o Deus que esquadrinha os corações nunca Se engana, e Jacó assumiu o lugar que Ele lhe designou como as primícias do Israel de Deus.

Esta comparação feita por Paulo nos revela questões imprescindíveis para compreendermos que as promessas do Senhor são infalíveis e, no seu devido tempo, acontecem, quer o homem queira, quer não. “Que diremos, pois? Há injustiça da parte de Deus? De modo nenhum!” (v.14). E sim que Ele, sendo conhecedor do futuro, sabe exatamente a quem usar e como usar. Faraó foi o típico exemplo disto. Sua rebeldia não foi resultado do que Deus fez, mas as manifestações de Deus foram consequências de sua rebeldia. Em toda a história deste mundo, Deus tem suportado “com muita longanimidade os vasos de ira, preparados para a perdição, a fim de que também desse a conhecer as riquezas da Sua glória em vasos de misericórdia, que para glória preparou de antemão” (v.22-23). Porque a diferença entre o perverso e o justo só é notada quando colocados lado a lado.

À semelhança de Esaú e Jacó, só existem dois grupos aos olhos de Deus: os ímpios e os justos; os bodes e as ovelhas; o joio e o trigo; as virgens néscias e as virgens prudentes. O sábio Salomão dedicou praticamente metade do livro de Provérbios para estabelecer esta divisão. A verdade de que Deus chama a quem quer e salva a quem deseja pode parecer tirana e injusta. Contudo, quando olhamos para Cristo e Sua vida dedicada a servir e amar uma humanidade que merecia a morte, compreendemos que um alto preço foi pago e Deus não pode permitir que alguns o considerem de pouca importância. Se Ele permitisse que todos obtivessem a salvação, independentemente de sua condição espiritual, estaria afirmando que o sacrifício de Cristo foi em vão e que a Sua Palavra é mentirosa.

Portanto, ainda que o número daqueles que se dizem cristãos “seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo” (v.27). “Porque o Senhor cumprirá a Sua palavra sobre a terra, cabalmente e em breve” (v.28). Jacó possuía suas limitações e fraquezas. Usou de mentira para tentar conquistar o que Deus já havia prometido lhe dar. Mas foi neste vaso de desonra que o Senhor viu a possibilidade do reavivamento e reforma. Jacó foi quebrado e refeito em vaso de honra, porque se entregou nas mãos do Oleiro.

Este é o chamado de Deus para cada um de nós: “a história de Jacó é uma segurança de que Deus não repelirá aqueles que foram atraídos ao pecado, mas que voltaram a Ele com verdadeiro arrependimento. Foi pela entrega de si mesmo e por uma fé tranquilizadora que Jacó alcançou o que não conseguira ganhar com o conflito em sua própria força. Deus assim ensinou a Seu servo que o poder e a graça divina unicamente lhe poderiam dar a bênção que ele desejava com ardor. De modo semelhante será com aqueles que vivem nos últimos dias… Em toda a nossa desajudada indignidade, devemos confiar nos méritos do Salvador crucificado e ressuscitado. Ninguém jamais perecerá enquanto fizer isto” (EGW, Patriarcas e Profetas, p. 139).

Bom dia, vasos de misericórdia!

Rosana Garcia Barros

Áudio: https://youtu.be/0NmH4hRY8PI

#PrimeiroDeus#Romanos9#RPSP



ROMANOS 9 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
31 de maio de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

612 palavras

1 Não Minto. Paulo estava ciente de que muitos judeus o consideravam um traidor. Seus frequentes conflitos com os judeus e os judaizantes naturalmente lançavam dúvidas sobre seu amor á própria nação. Por isso, ele expressa a sinceridade de sua preocupação para com seu povo nestes termos fortes. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 640.

3 Anátema. Tem havido discussão sobre o significado desta expressão forte de Paulo. A solução mais simples parece ser a comparação com a oração de Moisés: “Agora, pois, perdoa-lhe o pecado; ou, se não, risca-me, peço-te, do livro que escreveste” (Ex 32:32). A resposta de Deus a Moisés mostra que essa oração não poderia ser atendida. “Riscarei do Meu livro todo aquele que pecar contra Mim” (Ex 32:33). CBASD, vol. 6, p. 641.

5 Segundo a carne. Paulo limita a origem judaica de Jesus a Sua natureza humana (Rm 1:3). CBASD, vol. 6, p. 642.

6 Nem todos os de Israel. O que Paulo esta dizendo é que nem todos os que descendem de Israel pertencem realmente a Israel no pleno significando espiritual desse nome. Seu proposito ao fazer esta declaração é dizer que a palavra de Deus a Israel não falhou. O cumprimento da promessa de Deus é limitado aqueles que reúnem as condições dessa relação de aliança. Para esse remanescente fiel e obediente, a palavra de Deus não falhará. CBASD, vol. 6, p. 643.

8 Os da carne. Estes são os descendentes meramente físicos, que nascem no curso natural dos acontecimentos, como foi Ismael (Gl 4:23). Mas as bençãos de salvação não são herdadas pela ascendência natural. CBASD, vol. 6, p. 643.

12 Será servo do mais moço. Esta predição não se cumpriu literalmente no caso de Esaú e Jacó, mas aconteceu na história posterior de sues descendentes (Gn 25:23). O fato de a eleição divina de Jacó em detrimento de Esaú também incluir as nações que deles descenderiam está claro na predição inicial. CBASD, vol. 6, p. 645.

13 Porém me aborreci de Esaú. Esta expressão não indica aborrecimento, como a palavra é entendida hoje, mas que Deus preferiu escolher Jacó a Esaú como progenitor da nação escolhida. CBASD, vol. 6, p. 645.

16 Pois. A conclusão extraída das palavras de Deus a Moisés é que a eleição do povo escolhido não depende da vontade ou esforço humano, mas de sabedoria de Deus que sabe o que é melhor. CBASD, vol. 6, p. 645.

18 Endurece. O endurecimento do coração resulta de rebelião contra a revelação divina e rejeição ao Espírito de Deus. CBASD, vol. 6, p. 646.

20 Por que me fizeste assim? Subentende-se uma crítica á presunção de queixar-se contra Deus. Como criador, Deus tem o direito  de distribuir dons segundo Sua vontade. CBASD, vol. 6, p. 647.

22 Preparados. Paulo não quer dizer que Deus tinha preparado os vasos de ira para a destruição, mas apenas que eles estavam “maduros” ou “prontos” para isso. CBASD, vol. 6, p. 648.

27 O remanescente. Significa, neste contexto, “só um remanescente”. A doutrina do remanescente era uma parte importante da mensagem de Isaías. Foi incluída no comissionamento divino do profeta para ser mensageiro a Israel. Isaías foi ainda instruído pelo Senhor a chamar um de seus filhos de Shear-Jasub, literalmente, “Um Remanescente Voltará”. CBASD, vol. 6, p. 649.

30 Os gentios. Alguns gentios alcançaram justiça. A conclusão que Paulo faz de sua discussão até aqui é: a promessa de Deus não falhou, mas, enquanto os gentios obtiveram justiça, os judeus não conseguiram encontrá-la, porque a procuraram no caminho errado. CBASD, vol. 6, p. 650.

32 Como que das obras. Literalmente, “como se fosse pelas obras”. Por essa frase qualificadora, Paulo indica que era opinião dos judeus que a justiça podia ser obtida desta forma. Eles pensavam que poderiam se tornar justos mediantes as obras, o que, na verdade, era impossível. Perfeita justiça só é possível pela fé. CBASD, vol. 6, p. 651.

Compilação: Tatiana W



ROMANOS 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
31 de maio de 2018, 0:15
Filed under: Sem categoria



ROMANOS 8 by Jeferson Quimelli
30 de maio de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/romanos/rm-capitulo-8/

Este capítulo é o clímax da explicação de Paulo acerca do evangelho e um dos grandes capítulos de toda a Escritura. Já no primeiro versículo, ele resume tudo o que dissera nos sete primeiros capítulos, afirmando: “Portanto, agora já não há condenação [mas existe justificação] para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito”.

Ser livre da condenação significa que estamos em Cristo Jesus e não andamos segundo a carne, mas andamos segundo a direção do Espírito Santo. Cristo nos libertou do pecado e da morte.
Paulo prossegue nos lembrando que nossa carne é fraca. No entanto, Cristo veio em semelhança da carne do pecado e condenou o poder do pecado, “a fim de que as justas exigências da Lei fossem plenamente satisfeitas em nós, que não vivemos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (v. 4, NVI).

Isto é justificação pela fé. A mente carnal é contra Deus e isso leva à morte. No entanto, aqueles que são justificados pela fé tem paz com Deus viverão com Ele pelos séculos e séculos da eternidade!

Norman McNulty
Neurologista, Lawrenceburg, TN, EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1300 e https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/03/06/romanos-8/
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Também disponível em: https://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/rom/8
Comentário em áudio Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados30-05-2018.mp3

Este texto em áudio:



ROMANOS 8 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
30 de maio de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



ROMANOS 8 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
30 de maio de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

ROMANOS 8 – Se a religião cristã do século XXI aderisse à mensagem de salvação apresentada por Paulo aos romanos mediante inspiração do Espírito Santo, certamente haveria um reavivamento e reforma, assim como aconteceu quando Martinho Lutero conheceu a teologia desta carta.

O problema é que tradições religiosas juntamente ao descaso da mensagem de Romanos estão presentes na Igreja Moderna como esteve na Igreja da Idade Média, embora de forma diferente. A mornidão alcançou os recintos da vida de muitos crentes.

O capítulo inicia com uma verdade contundente. Não obras, nem obediência, nem rituais, resolvem o conflito ou a angústia humana esboçados no capítulo 7; mas, “com a chegada de Cristo, o Messias, o dilema fatal foi resolvido. Os que estão em Cristo não precisam mais viver numa nuvem escura e depressiva”.

Paulo explica: “O Espírito da vida em Cristo, como um vento forte […] libertando vocês de uma tirania brutal nas mãos do pecado e da morte” (vs. 1-2).

Se isto não surte efeito em nossa vida, o cristianismo não tem razão de existir. Desde seu início já existiam muitas religiões e divindades com bons princípios éticos. Entretanto, efeitos da eficácia do sacrifício de Cristo são expressos por Paulo:

1. Aquele que converteu-se genuinamente, agora passa a ser guiado pelo Espírito Santo, diferente de outrora, que era controlado pela carne (vs. 1-17);
2. Aquele que rendeu-se a Jesus tem o Espírito Santo tão intimamente que Ele sofre, geme, aguarda e intercede junto ao perdoado enquanto dura sua caminhada neste mundo arruinado pelo pecado (vs. 18-27);
3. Aquele que ama a Deus terá o mundo e toda hoste diabólica conspirando contra tudo, tentando afastá-lo da salvação; todavia, ao perseverar com Cristo, nada poderá derrotá-lo; pois, nada poderá separar do amor de Deus àquele que Lhe pertence (vs. 28-39).

Para quem quer ser reavivado…

• Não se intimide com a pressão do mundo, porque se todo o mundo se opuser a você, permaneça firme ao lado de Deus e de Seu Filho;
• Assim o Espírito Santo poderá agir em você e através de você; e, quando o mundo todo estiver contra você, o mundo que se prepare para perder!

Assim, é possível ser mais que vencedores! Jamais perdedores! O efeito do verdadeiro cristianismo é bem visível! Aleluia!!! – Heber Toth Armí

 

De: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/03/06/romanos-8-comentarios-pr-heber/

Ouça o texto clicando aqui:

 

 



ROMANOS 8 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
30 de maio de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito” (v.28).


No tocante à nossa condição pecaminosa, temos ciência de que a nossa tendência é a de sempre pender para o lado errado da balança. Somos constantemente tentados a viver segundo os nossos próprios critérios e interesses e a nossa única salvaguarda está descrita no versículo um, que diz: “Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus”. Mas como estar em Cristo e nEle permanecer? O Espírito Santo é a resposta. Enquanto “o pendor da carne dá para a morte”, “o do Espírito, para a vida e paz” (v.6). Enquanto “o pendor da carne é inimizade contra Deus” (v.7), “todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (v.14).

A norma áurea que deve reger a nossa vida é “a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus” (v.2). É o governo da mente aos cuidados do Espírito Santo a fim de estarmos sempre sujeitos à lei de Deus. É Ele quem testifica através de nossa vida “que somos filhos de Deus” (v.16). Ou seja, não são as nossas obras que testificam, mas as obras do Espírito Santo em nós, pela graça de Deus na pessoa de Jesus Cristo, como Paulo mesmo afirmou ao se referir ao seu trabalho e dos demais apóstolos: “antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a graça de Deus comigo” (1Co 15:10).

Somos constrangidos a depender totalmente da guia do Espírito Santo, para que sejamos “herdeiros de Deus e coerdeiros com Cristo” (v.17). E venha o que vier, tribulações, sofrimentos, privações, “não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós” (v.18). Vivemos em um mundo que geme pelos resultados do pecado, “toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora” (v.22). “E não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, igualmente gememos em nosso íntimo, aguardando a adoção de filhos, a redenção do nosso corpo” (v.23). “Porque, na esperança, fomos salvos” (v.24).

O que tem passado em seu íntimo nos últimos instantes deste planeta caído? O Espírito Santo está terminando a derradeira obra de selamento dos filhos de Deus. E estes são os “que suspiram e gemem por causa das abominações que se cometem” na Terra (Ez 9:4). Tenho repetido muito isso ultimamente. Mas porque esta é uma mensagem urgente e denominada de alto clamor. Amados, a Bíblia declara que nem orar como convém nós sabemos! Nem as nossas mais fervorosas orações seriam ouvidas não fosse a intensa e constante intercessão do Espírito Santo com Seus “gemidos inexprimíveis” (v.26). Mas um detalhe que faz toda a diferença está no verso seguinte: “porque segundo a vontade de Deus é que Ele intercede pelos santos”. A Sua intercessão é dirigida a um grupo específico, assim como os anjos de Deus são “enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação” (Hb 1:14).

Mas, quem são estes santos que hão de herdar a salvação? Os “que amam a Deus” e que “são chamados segundo o Seu propósito” (v.28). E quem são os que amam a Deus? “Se Me amais, guardareis os Meus mandamentos” (Jo 14:15). E quem são os que guardam os mandamentos de Deus? “Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” (Ap 14:12). Percebem que se trata de um só povo? Um exército que marcha sob a bandeira ensanguentada do Príncipe da Paz na certeza de que, por Ele, foi justificado. Fazemos parte de um exército vitorioso, pois “somos mais que vencedores, por meio dAquele que nos amou” (v.37). E absolutamente nada poderá nos “separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (v.39).

Portanto, há um povo espalhado entre as nações cuja cidadania não pertence a este mundo. Filhos que sofrem no seu íntimo pelo desejo de estar para sempre com o seu Pai e que são o objeto do Seu mais terno amor. A estes é dirigida a seguinte mensagem:

“Orai para que as poderosas energias do Espírito Santo, com todo o Seu poder vivificador, restaurador e transformador, possam atuar como uma corrente elétrica sobre a alma atacada de paralisia, fazendo com que cada nervo estremeça com nova vida, restaurando o homem todo, de seu estado terreno, morto e sensual, para o de perfeita saúde espiritual. Tornar-vos-eis assim participantes da natureza divina, tendo escapado da corrupção que há no mundo pela concupiscência; e em vossa alma se refletirá a imagem dAquele por cujas feridas fostes curados” (EGW, Testemunhos Seletos, vol 2, p. 100).

Bom dia, filhos de Deus!

Rosana Garcia Barros

Áudio: https://youtu.be/soVJC065mo8

#PrimeiroDeus #Romanos8 #RPSP




%d blogueiros gostam disto: