Reavivados por Sua Palavra


I CORÍNTIOS 10 by jquimelli
17 de junho de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/1-corintios/1co-capitulo-10/

O apóstolo Paulo fala de uma “nuvem de testemunhas”, dadas como “exemplos” para nossa “admoestação”. O que é surpreendente a respeito do registro bíblico é que ele apresenta não só os triunfos, mas também os fracassos do povo de Deus ao longo da história sagrada.

Os historiadores têm uma expressão para quando esse tipo de estudo honesto não acontece. Ele é chamado de hagiografia, ou o “estudo da vida dos santos”. O termo passou a significar o estudo não crítico da vida de uma pessoa. Movimentos religiosos muitas vezes fazem isso com seu fundador quando o exaltam, ou colocam um grupo de líderes em um pedestal não reconhecendo suas falhas. Contudo, a Bíblia não é uma hagiografia exatamente por revelar as falhas dos seus personagens principais. De fato, Ellen White observa que o registro bíblico é fidedigno e relata as histórias dos sucessos bem como as falhas do povo de Deus ao longo da história bíblica, o que é uma razão convincente para a inspiração das Escrituras (4T pp. 9-15).
Assim, quando refletimos acerca da história sagrada somos convidados à humildade. “Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia!”

O mais importante, porém, é que a Bíblia nos dá esperança: “Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele mesmo providenciará um escape, para que o possam suportar.”(v. 13, NVI).

Michael W. Campbell
Professor Associado de Religião
Southwestern Adventist University
Keene, Texas USA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1317
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/03/24
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio: Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados17-06-2018.mp3
Comentários em vídeo

Ouça online [Voz Valesca Conty]:



I CORÍNTIOS 10 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
17 de junho de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



I CORÍNTIOS 10 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
17 de junho de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

I CORÍNTIOS 10 – A comunidade de crente, a igreja de Deus, reúne gente de todas as raças, de todas as distâncias, de todas as línguas, de todas as cores, de todas as nacionalidades, de todas as culturas, de todos os níveis e de todos os temperamentos.

O desafio divino para a igreja cristã é que seja cada vez mais pura em sua conduta e em sua doutrina, e deve esforçar-se diligentemente para viver inteiramente unida, na mesma disposição mental e no mesmo parecer.

Para atingir esse alvo elevado, quem sabe a famosa frase de Agostinho nos ajude: “Nas coisas essenciais, a unidade; nas coisas não essenciais, a liberdade; em todas as coisas, a caridade”.

Com isso em mente, abra a tua Bíblia e, juntos vamos estudar o que Deus tem para nós.

Observe que, “as divisões em capítulos e versículos dos livros da Bíblia foram feitas por homens para facilitar a sua leitura. Nem sempre, ao passarmos de um capítulo para outro, significa que mudamos de assunto”, por isso, “leia sem pausa, 1 Coríntios 9:19-10:33. Ao chegar ao capítulo 10:31-33, note como o trecho corresponde ao capítulo 9:19-27. Observe o coração de Paulo por amor ao evangelho. Agora, leia novamente 1 Coríntios 10. Observe a continuação de pensamento de Paulo de 9:24-27 para 10:1. Note o ‘ora, irmãos’ em 10:1”, orienta-nos Kay Arthur.

Após aplicar-te ao estudo, considere:

• Nenhuma comida sofre alteração ao ser oferecida a ídolos; aliás, todo alimento pertence a Deus.
• Carne de açougue cujos fornecedores sacrificavam a ídolos não era contaminada; a questão era com o irmão fraco, cuja consciência estava afetada.
• Crentes fortes devem abster-se de comer e beber ou fazer qualquer outra coisa em prol do bem da comunidade.
• Os cristãos de verdade devem agir sempre regidos pelo amor desenvolvido com autodisciplina.
• Crentes maduros devem ter sempre em mente o bem de todos os crentes e, principalmente, a glória de Deus.

A superioridade, intolerância e indiferença para com o próximo revelam no indivíduo não imaturidade ou debilidade, mas uma existência religiosa desprovida do verdadeiro evangelho.

Todos os membros da igreja devem atuar como guardiões espirituais uns dos outros. Sempre. Devemos encorajar aos desanimados. Precisamos ser apoiadores dos filhos de Deus a fim de adentrarmos juntos nos portões celestiais…

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



I CORÍNTIOS 10 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
17 de junho de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Portanto, quer comais, quer bebais, ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (v.31).


De todo o ensinamento de Paulo, creio que o princípio contido neste versículo é a suma de suas epístolas. Tudo na vida do apóstolo se resumia a glorificar o nome de Deus. Ao utilizar relatos da história de Israel, procurou dirigir os olhos dos coríntios a enxergar através das alegorias do deserto, as mais ricas lições espirituais. Mesmo diante de manifestações sobrenaturais e da constante proteção divina, “Deus não se agradou da maioria” dos israelitas (v.5). A murmuração por alimento e água, a idolatria e a cobiça eram uma prova de que, apesar de todos terem saído do Egito, o coração de quase todos permanecia lá.

Foi “para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado” (v.11) que a história de Israel foi escrita com riqueza de detalhes. Podemos dizer que o Egito simboliza este mundo e seus prazeres temporários, e o deserto o caminho estreito, o único que conduz à terra prometida. No entanto, o fato de apenas estar no deserto não é sinônimo de salvação. Quando Cristo foi tentado no deserto, ele venceu o apetite, a cobiça e a idolatria, justamente o que levou milhares de israelitas a serem “destruídos pelo exterminador” (v.10). Debilitado, fraco e faminto, Jesus confiou na provisão do Pai, e revestido de Sua armadura, guerreou contra Satanás munido das mais potentes armas do cristão: oração, jejum e a Palavra de Deus.

“Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças” (v.13). No mundo espiritual, todo aquele que, como Cristo, passa pelo batismo, segue para a segunda etapa: o deserto. É justamente no deserto que a nossa fé é provada e o fogo das aflições demonstram quem é ouro e quem é escória. Paulo compara a coluna de nuvem e a travessia do Mar Vermelho com o batismo e logo depois relata alguns fatos que aconteceram a Israel no deserto. Através do maná e do manancial da rocha, o povo recebeu provas inequívocas do cuidado de Deus. Ainda que em lugar inóspito e desprovido das necessidades básicas, Deus promete dar sustento ao Seu povo se tão-somente nEle confiar. Porque “sem fé é impossível agradar a Deus” (Hb 11:6).

Enumerando os pecados de Israel, Paulo declarou como em forma de mandamentos:

  1. “não cobicemos as coisas más” (v.6);
  2. “Não vos façais, pois, idólatras” (v.7);
  3. “E não pratiquemos imoralidade” (v.8);
  4. “Não ponhamos o Senhor à prova” (v.9);
  5. “Nem murmureis” (v.10).

Todos aqueles que se recusaram a abandonar tais pecados, não alcançaram a terra prometida. Confiando em seus corações enganosos, pensando estar de pé simplesmente pelo fato de estar no meio do povo de Deus, a esmagadora maioria caiu antes de chegar a Canaã.

Hoje vivemos no mesmo contexto. Sob um disfarce sutil e discreto, Satanás faz parecer que estamos seguros. Ele não está preocupado que abandonemos a igreja, mas que permaneçamos nela indiferentes à vontade de Deus; que nossos próprios interesses e vontades egoístas superem as coisas espirituais que de fato edificam. Que a oração, o jejum e o exame das Escrituras fiquem em segundo, terceiro ou em último plano, ou que sejam simplesmente ignorados. Então, nossa comida, nossa bebida, o que vestimos, o que falamos, o que contemplamos, o que ouvimos, deixam de ser considerados para a glória de Deus, e passam a ser rebaixados para a glória do nosso ‘eu’, nos impedindo de chegar à Canaã celestial.

“Não vos torneis causa de tropeço” (v.32), amados. Não busquemos o nosso “próprio interesse, mas o de muitos, para que sejam salvos” (v.33). “Porque nós, embora muitos, somos unicamente um pão, um só corpo; porque todos participamos do único pão” (v.17). Eis o nosso maná: Cristo Jesus. E todos bebemos da mesma “pedra espiritual”, “e a pedra é Cristo” (v.4). “Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios” (v.21). Portanto, “aquele que pensa estar em pé veja que não caia” (v.12). Servir a Deus requer renúncia e abnegação. Estamos dispostos a crucificar o nosso eu por amor a Jesus e aos nossos semelhantes? Nos desertos desta vida confie no Senhor, que Ele lhe “proverá livramento, de sorte que a [tentação] possais suportar” (v.13), então, chegarás seguro à eternal Terra Prometida.

Feliz semana, um só corpo em Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Coríntios10 #RPSP



I CORÍNTIOS 10 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
17 de junho de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1630 palavras.

2 Batizados. A experiência dos filhos de Israel figurava o batismo. Com a nuvem acima e o mar de ambos os lados, os israelitas estavam envolvidos pelas águas ao passarem pelo mar; e, nesse sentido, foram batizados. Essa experiência pode ser considerada como símbolo da anulação da antiga aliança deles com o pecado na escravidão egípcia, e uma promessa de lealdade a Deus por meio de Seu representante Moisés. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 814.

Manjar espiritual. A palavra “manjar” é usada no sentido de “alimento” em geral. O adjetivo “espiritual” indica que o alimento não lhes era dado por processos naturais. CBASD, vol. 6, p. 814.

Era Cristo. A grande verdade que esse versículo ensina é que Jesus está com seu povo em todos os caminhos e está pronto a suprir suas necessidades quando clamam a Ele. … Historicamente, Cristo foi o líder de Israel, não penas nas peregrinações pelo deserto, mas ao longo de sua história como nação. De fato, toda a relação de Deus com a humanidade caída se dá por meio de Cristo. CBASD, vol. 6, p. 815.

5 Prostrados. Os israelitas descrentes e desobedientes foram “espalhados” pelo deserto porque se recusaram a confiar no amor e a direção do Pai celestial e porque foram indulgentes na satisfação de desejos e paixões carnais. CBASD, vol. 6, p. 816.

Idólatras. Esta é uma referência à adoração ao bezerro de ouro, enquanto Moisés estava no monte com Deus (ver Êx 32:1-5). CBASD, vol. 6, p. 816.

Não pratiquemos. Aqui se faz referência ao vergonhoso episódio dos israelitas em Sitim, onde Satanás usou os moabitas para seduzir muitos do acampamento de Israel e influenciá-los a participar do culto idólatra dos moabitas (ver Nm  25:1-5). CBASD, vol. 6, p. 817.

10 Nem murmureis. No AT, há dois exemplos de murmuração seguida de morte: o caso dos dez espias (Nm 13; 14) e a rebelião de Corá. CBASD, vol. 6, p. 817.

11 Exemplos. Isto não significa que os israelitas tiveram muitas e diferentes experiências apenas para servir de exemplo aos cristãos. Indica simplesmente que a experiência deles serve de advertência para a igreja acerca da importância de evitar os erros do passado. CBASD, vol. 6, p. 817.

Para advertência nossa. Isto é, advertir os cristãos de todos os tempos a não confiar na própria força ou sabedoria. CBASD, vol. 6, p. 817.

Os fins dos séculos. Nota-se que a mensagem do apóstolo Paulo era relevante para sua época  devido ao pronome “nós”. Ela é cada vez mais relevante visto que os que vivem atualmente têm a vantagem dos registros acumulados de todas as épocas da história sagrada, e vivem no tempo quando o propósito de Deus terá seu clímax com a segunda volta de Jesus. CBASD, vol. 6, p. 818.

12 Caia. A autoconfiança é perigosa. O caso de Pedro é um exemplo disso. Ele pensava que nada poderia fazer com que traísse a Cristo (ver Mc 14:31, 50, 67, 68, 70-72). … A verdadeira segurança  está em reconhecer que nada podemos fazer separados de Cristo, e que precisamos sempre da presença do Espírito Santo em nós para nos livrar do pecado (ver Jo 14:26; 15:4-7, 13; 2Co 12:9 10). Esta admoestação precisa ser repetida com frequência, pois o ser humano é inclinado a pensar que é capaz de cuidar de si mesmo. o orgulho espiritual e um grande engano, e é fácil para o tentador levar o cristão autoconfiante a cair em pecado fatal (cf. 2Sm 11:1-4; Rm 11:20). CBASD, vol. 6, p. 818.

13. Tentação que não fosse humana. Isto é, tentação normal para os seres humanos, que possam suportar. … Suas [dos coríntios] provas e tentações não eram diferentes das experimentadas pelas pessoas ao redor do mundo. … Os coríntios corriam perigo de cair e deviam vigiar, mas podiam ser reanimados, pois a tentação não seria maior do que a força para suportá-la. CBASD, vol. 6, p. 818.

Fiel. Deus cumpre Suas promessas e é fiel ao chamado que fez ao ser humano para que O servisse. CBASD, vol. 6, p. 818.

Tentados. O fato de Deus não permitir que o inimigo tente Seus filhos além do que possam suportar deve ser motivo de encorajamento. … Visto que Deus não permite tentações maiores do que se possa suportar, o cristão é totalmente responsável se cair em pecado. CBASD, vol. 6, p. 818 e 819.

Livramento. Literalmente, “a saída”. Para cada tentação há uma provisão feita por Deus. … Jesus, o exemplo cristão do viver correto, encontrou esse “livramento” na Palavra de Deus (ver Lc 4:4, 8, 12). Assim, Seus seguidores podem encontrar o “livramento” em Jesus, a Palavra viva (ver Jo 1:1-3). Ele está pronto a livrar os que clamam a Ele e a impedir que caiam em pecado (Sl 9:9; 27:5; 41;1; 91:15; 2Pe 2:9; Ap 3:10). CBASD, vol. 6, p. 819.

14 Portanto. Diante dos perigos aos quais os coríntios estariam expostos ao participar de festas aos ídolos, e tendo em vista as provisões feitas pelo Senhor para que se obtenha vitória sobre toda tentação, aconselha-se evitar todo e qualquer contato com a idolatria. CBASD, vol. 6, p. 819.

Idolatria. A idolatria tem muitas formas, incluindo a cobiça por lucro, a paixão pelo poder, a satisfação pelos apetites carnais de vários tipos e a busca desenfreada pelo prazer (ver AA, 317). … Ninguém é forte o suficiente para se expor de forma deliberada e sem necessidade ao contato com a “idolatria” de qualquer tipo, e ainda assim não se contaminar. CBASD, vol. 6, p. 819.

15 Criteriosos. Do gr phronimoi, “inteligentes”, “prudentes”, “sensíveis”, isto é, pessoas capazes de entender o que é dito e de tirar conclusões corretas. CBASD, vol. 6, p. 819.

16 Cálice da bênção. Isto é, o cálice sobre o qual se pronuncia a bênção na celebração da Ceia do Senhor. CBASD, vol. 6, p. 820.

Que abençoamos. Quando tomam esse cálice, os cristãos agradecem a Deus por todas as bênçãos concedidas por meio do sangue de Jesus. Em silêncio, O louvam por tê-los resgatado da escravidão do pecado e lhes dado a gloriosa liberdade de filhos e filhas de Deus. CBASD, vol. 6, p. 820.

Do sangue. O sangue representa a morte do filho de Deus, e, pela fé, os crentes participam dessa morte. CBASD, vol. 6, p. 820.

17 Um pão. Referência ao fato do pão da comunhão ser partido em vários pedaços que são comidos pelos crentes. Assim como todos os pedaços vem do mesmo pão, todos os que participam do serviço da comunhão estão unidos a Ele cujo corpo quebrantado é simbolizado pelo pão partido. Ao participar desse rito, os cristãos mostram publicamente que estão unidos e que pertencem a uma grande família cuja cabeça é Cristo. O pão material é uma das principais fontes de nutrição. Da mesma forma, Cristo é o alimento espiritual do qual todos devem participar a fim de manter a saúde espiritual (ver Jo 6:50, 51, 56, 57). CBASD, vol. 6, p. 820.

19 Associados aos demônios. Os cristãos são consagrados a Cristo e pertencem a Ele pela criação e redenção, por isso não devem fazer a mínima concessão a uma forma de culto que honraria a qualquer ser que não fosse o único e verdadeiro Deus (ver Êx 20:3-5; Mt 4:9, 10). … O Senhor deve sempre estar em primeiro lugar, bem como a Sua obra (ver Mt 22:37). CBASD, vol. 6, p. 821.

23 Convém. O cristão deve agir de modo a ajudar os outros em seu esforço de viver corretamente. Se determinada conduta “ilegítima” puder servir de pedra de tropeço no caminho de alguém, então o cristão deve abandonar tal atitude (ver Mt 18:7-10; Rm 14:13, 15; 1Co 8:9; 1Jo 2:10). CBASD, vol. 6, p. 822.

25 Mercado. Após os sacrifícios idólatras, partes dos animais  eram vendidas no mercado. Visto que essa carne não era separada das outras à venda no mercado, um cristão podia comprar carne que fora oferecida aos ídolos sem o saber. O conselho do apóstolo é que essa carne poderia ser comprada pelos cristãos. CBASD, vol. 6, p. 823.

Por motivo de consciência. O cristão não tinha necessidade de perguntar ao vendedor se a carne havia sido oferecida a ídolos (ver com. de 1Co 8:7). CBASD, vol. 6, p. 823.

27 De tudo o que for posto diante de vós. Esta frase deve ser interpretada neste contexto. O assunto é se o cristão deve ou não comer carnes sacrificadas aos ídolos. É com respeito a isso que Paulo orienta que o convidado deixe seus critérios e compartilhe da alegria do alimento servido. Ele não deve constranger seu anfitrião ou se colocar em situação delicada, indagando se o alimento à mesa foi oferecido a falsos deuses. Porém, essa declaração não permite o uso de alimentos proibidos em outras passagens. A carne não deve ser de animal considerado imundo, conforme a lei de Deus referente às carnes limpas e imundas (Lv 11). Se o alimento se ajusta aos critérios, então pode ser aceito com cortesia e gratidão, sem questionamentos (cf. com. de Rm 14:1). CBASD, vol. 6, p. 824.

28. Não comais. A base para a recusa é o efeito desta ação sobre os outros (ver com. do v. 23, 24). Os cristãos não escandalizarão a outros, em especial a um crente. CBASD, vol. 6, p. 824.

30. Com ações de graças. Oração de agradecimento antes das refeições. … Se alguém agradece a Deus o que come, e pode fazê-lo sem peso de consciência, por que deveria ser criticado? CBASD, vol. 6, p. 825.

31. Portanto. De forma consciente e determinada, o cristão deve fazer todas as coisas, mesmo as atividades rotineiras, de forma tal que Deus seja honrado, e não o ser humano. Essa conduta requer dedicação constante de todas as faculdades mentais e físicas ao Senhor, e a entrega diária de todo ser ao Espírito Santo (ver Pv 18:10; 1Co 15:31; Cl 3:17). CBASD, vol. 6, p. 825.

Comais, quer bebais. A aplicação é, em primeiro lugar, ao assunto de se comer e beber aquilo que fez parte do culto aos ídolos, mas o conselho tem uma aplicação geral a comidas e bebidas de todos os tipos. … Comida e bebida são de vital importância na preservação da vida. Muitas enfermidade que afligem a enfermidade se devem a maus hábitos no comer e no beber (ver CBV, 295; CRA, 122, 123). Deus requer que o cristão cuide de seu corpo e o mantenha limpo para ser templo do Espírito Santo (ver 1Co 6:19, 20). … O ideal do cristão é a dieta original provida pelo Criador no Éden (Gn 1:29). CBASD, vol. 6, p. 825




%d blogueiros gostam disto: