Reavivados por Sua Palavra


LUCAS 22 by jquimelli
1 de abril de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/lucas/lc-capitulo-22/

Comentário devocional:

À medida que se aproxima a noite mais incrível da história, quando nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo deveria sofrer a agonia mais intensa já experimentada por alguém, para que pudesse “salvar o seu povo dos seus pecados”, essas mesmas pessoas são encontradas em completa confusão:

Satanás usou Judas, que concordou em trair Jesus, entregando-O aos líderes religiosos por uma pequena quantia. Estes se alegram com a traição. Os discípulos de Jesus discutem sobre quem é o maior e mais tarde adormecem na hora da crise. Pedro desconsidera o terno e pessoal aviso de Jesus e nega seu Senhor. E, por fim, o próprio povo de Jesus O condena com base em Seu testemunho pessoal – o que ia contra a sua tão estimada lei (Dt 17: 6). Que momento para o melhor e mais puro entregar a Sua vida!

Em contraste, contemple Jesus: Em meio ao caos Ele se dirige carinhosamente aos doze: “Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês antes de sofrer.” Jesus mostra a Si mesmo “como o que serve.” Incentivando a sua fé, Ele lhes aponta o tempo em que eles deverão “sentar-se em tronos.”. Que Deus compassivo! Sofrendo a traição em um beijo, a negação de Pedro, a condenação e escárnio dos judeus, Jesus diz a verdade, embora saiba que isto vai Lhe significar a cruz.

Na crise, ao final da Sua vida terrena, em meio ao caos, Jesus permanece fiel aos princípios. E quanto a nós? Estamos agora a entrar na crise final da história da Terra. O caos está em toda parte. Portanto, passemos uma hora de reflexão a cada dia contemplando e pensando em Jesus.

Lynn Carpenter
Enfermeira Missionária aposentada

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1241
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados01-04-2018.mp3



LUCAS 22 – COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by jquimelli
1 de abril de 2018, 0:57
Filed under: Sem categoria



LUCAS 22 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
1 de abril de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria


LUCAS 22 – Comentário Pr. Heber Toth Armí by jquimelli
1 de abril de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

LUCAS 22 – Sem sucesso para impedir a execução do plano da salvação, agora Satanás não quer que entendamos tal plano. Ele utilizará todo recurso disponível e possível para impedir tua salvação. O engano é sua melhor estratégia; portanto, estude a Bíblia para não ser iludido.

Observe atentamente:

1. Um dos discípulos de Jesus ficou possuído pelo maioral dos demônios. O próprio Satanás entrou em Judas enquanto Jesus orientava Seus discípulos a preparem a última Páscoa. Endemoninhado, Judas não gritou, não virou os olhos, não gemeu ou babou, nem caiu no chão. Ele simplesmente saiu para trair Jesus, querendo tirar vantagens e ganhar dinheiro (vs. 1-13).

2. Jesus celebrou a última Páscoa; a partir daí, a cerimônia que deve ocupar o lugar desse ritual abolido é a Santa Ceia. Há cerca de 2.000 anos que Jesus deu fim à Páscoa; contudo, ainda as pessoas que dizem segui-lO ainda continuam praticando e, bem diferente da que era celebrada originalmente. Não existia coelho na Páscoa original, nem ovos, muito menos de chocolate. Ou seja, além de não existir mais, a Páscoa celebrada atualmente é totalmente falsa (vs. 14-20).

3. Jesus, antes de morrer na cruz, fez o Seu último discurso (21-38): Ele…

· …intentou de tudo para alertar e salvar ao traidor;

· …falou sobre grandeza, vaidade e orgulho;

· …abordou a questão da autoridade;

· …predisse as negações de Pedro intentando salvá-lo;

· …revelou esperar espada e rejeição.

4. Jesus preparou-Se para a perigosa situação iminente com oração (vs. 39-46);

5. Jesus foi traído, preso, julgado, negado, injuriado, caluniado e condenado por pessoas improváveis (vs. 47-71).

“Lucas nos oferece algumas preciosas informações que não constam nos outros Evangelhos. Lucas é o único que cita Pedro e João como aqueles que prepararam a Páscoa (22.8). Só Lucas transmite as comoventes palavras com as quais o Senhor inicia a ceia (22.15). Somente ele, entre os sinóticos, relata a competição dos discípulos à mesa (22.24) o que provavelmente motivou o lava-pés. Lucas é o único evangelista que registra o consolo do anjo no Getsêmani e o suor de sangue (22.43,44). Todos os evangelistas relatam a negação de Pedro, mas apenas Lucas fala do olhar do Senhor (22.61)” (Hernandes Dias Lopes).

Jesus Se entregou por você. Entregue-se a Ele! Ele sacrificou-Se para te libertar!

Reavivemo-nos!– Heber Toth Armí.



LUCAS 22 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
1 de abril de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“E, indo, tudo encontraram como Jesus lhes dissera e prepararam a Páscoa”

(v.13).


Sendo a primeira da sequência das festas anuais de Israel, a Páscoa era considerada uma santa convocação, um feriado nacional (Lv 23:4-8). Era uma comemoração que lembrava a forma como Deus libertou o Seu povo da escravidão no Egito, de como o Senhor o livrou quando feriu os primogênitos dos egípcios. De como cada família dos hebreus matou um cordeiro e aspergiu o seu sangue nas portas de suas casas. E diante dos discípulos estava o verdadeiro Cordeiro de Deus, o Libertador, Aquele que derramaria o Seu sangue em favor de nós.
 
Cristo nos deixou a santa ceia como um emblema especial que deve ser observado “em memória” dEle (v.19). Todas as vezes que participamos desta sagrada comunhão, lembramos da liberdade que nos foi outorgada pela cruz, para que um dia possamos comer e beber à mesa do Senhor no Seu reino (v.30). Fomos libertos da escravidão do pecado para desfrutar de uma liberdade genuína e eterna. Quão profundo é o tema da entrega do Senhor por cada um de nós! Por isso que é chamado por Paulo de o grande “mistério da piedade“, em que “Aquele que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória” (1Tm 3:16).
 
Pedro e os demais discípulos ainda não haviam compreendido o real sentido do que Cristo realizara naquele cenáculo. Seus corações ainda governados pelo orgulho não os deixava enxergar que diante de seus olhos estava se cumprindo a verdadeira Páscoa. E interpretando de forma equivocada as palavras de Jesus, pensavam que pelo erguer da espada declarariam a vitória. Mas tudo o que ouviram de Cristo foi um “Basta!” (v.38). Logo depois, foram levados por Ele ao monte das Oliveiras onde lhes mostraria a potente “arma” do cristão: a oração.
 
A agonia de Jesus momentos antes de ser entregue aos principais dos judeus, O levou a orar “mais intensamente“, de forma “que o Seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra” (v.44). Ali, o Salvador derramou as primeiras gotas de Seu precioso sangue, por mim e por você. Carregando uma culpa que não era dEle, começou a sentir, o que para Ele era a pior consequência do pecado: “Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus” (Is 59:2). Tomados “de tristeza” (v.45), enquanto Cristo orava, os discípulos dormiam, e pela negligência de tal oportunidade não conseguiram entender que estavam prestes a contemplar o último, perfeito e suficiente sacrifício pascal.
 
A traição de Judas, a negação de Pedro, a zombaria dos soldados, a dureza de coração dos líderes judeus são as provas irrefutáveis de que “a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens” (Tt 2:11). Jamais teríamos condições de retribuir tamanha graça. Por isso que a obediência deve ser manifestada pelo amor de quem reconhece o preço de seu resgate; que antes de declarar os dez mandamentos, Deus declarou: “Eu sou o Senhor, teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão” (Êx 20:2); que Jesus primeiro libertava o pecador, para depois dizer: “Segue-Me“. Por isso também que Tiago chama a Lei de Deus de “lei da liberdade” (Tg 2:12).
 
Amados, quando João viu o povo do advento, ele não viu legalistas sem a essência do amor, nem tampouco “filhos da desobediência” (Ef 2:2), mas filhos salvos pela graça maravilhosa de Cristo “para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas” (Ef 2:10). Ele viu “os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Ap 12:17). Ele viu aqueles que, pelo devotado amor ao seu Redentor, provocam ira no inimigo de Deus. João viu um povo peculiar e santo que como Noé, Jó e Daniel mantém firme a sua fé ainda que caiam os céus. Homens e mulheres que pela fé nAquele que está sentado “à direita do Todo-Poderoso Deus” (v.69), entendem que é tempo de levantar e orar pois o Dia se aproxima.
 
Que assim como Israel, estejamos prontos, em família, aguardando a manhã gloriosa, quando faremos a estelar caminhada para a Terra Prometida. Eis a verdadeira Páscoa que devemos viver todos os dias.
 
Bom dia, salvos pelo Cordeiro de Deus!
 
Rosana Garcia Barros
 
#PrimeiroDeus
#Lucas22
#RPSP


LUCAS 22 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
1 de abril de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 festa dos pães sem fermento, chamada Páscoa (NVI). A palavra “Páscoa” era usada em dois sentidos: 1)Refeição específica que se iniciava ao pôr-do-sol, no dia 14 de nisã (Lv 23.4,5), e 2) semana que se seguia à refeição da Páscoa (Ez 45.21), também chamada festa dos Pães se Fermento [asmos], semana durante a qual era proibido usar fermento (Êx 12.15-20; 13.3-7). Nos tempos do NT, os dois nomes da festa se uma semana de duração eram praticamente intercambiáveis. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A festa [dos Pães Asmos] iniciava-se com a Páscoa e durava sete dias. Os judeus chamavam a ambas as festas, juntas de “Páscoa”. Bíblia Shedd.

3 Satanás entrou em Judas. Desse modo os evangelistas retratam o controle de Satanás sobre Judas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Satanás tinha estado esperando a oportunidade para retornar a atacar Jesus (4:13). Andrews Study Bible.

4 oficiais da guarda do templo. Eram todos judeus, selecionados principalmente entre os levitas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

6 sem tumulto. Era importantíssimo, para os inimigos de Jesus, não despertar uma reação popular favorável a Cristo. Durante a celebração da Páscoa [ao entardecer da quinta-feira] não haveria gente nas ruas. Bíblia Shedd.

7 devia ser sacrificado o cordeiro pascal. No dia 14 de nisã, entre 14h30 e 17h30, no átrio dos sacerdotes – a quinta-feira da Semana da Paixão. Bíblia de Estudo NVI Vida.

8 preparar-nos. Incluía matar e assar o cordeiro e providenciar pão asmo, ervas amargas e vinho. Bíblia Shedd.

10 um homem carregando um pote. Era algo fora do comum ver um homem carregando um pote de água, pois em geral esse era um serviço das mulheres. Bíblia de Estudo NVI Vida.

…os homens transportavam água em odres de pele. Bíblia de Genebra.

Jesus estava desejoso de evitar a Sua captura durante a celebração da Páscoa. Judas não tinha conhecimento prévio do lugar. Bíblia Shedd.

Jesus estava pronto para morrer, mas no tempo de sua própria escolha. Bíblia de Genebra.

16 Desejei ansiosamente comer esta Páscoa com vocês. Jesus ansiava por celebrar essa Páscoa com Seus discípulos, pois era a última ocasião antes de ser sacrificado como o perfeito “Cordeiro pascal” (1Co 5.7). Bíblia de Estudo NVI Vida.

nunca mais a comerei, até que ela se cumpra no reino dos Deus. O simbolismo da Páscoa [Passover] … se cumprirá com a libertação final da morte e do mal. Andrews Study Bible.

19 é. “Representa” ou “significa”. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Isto é o Meu corpo, oferecido por vós. A morte de Jesus não foi uma casualidade, mas aconteceu em benefício dos pecadores (5:32; 1Jo 4:9-10). Andrews Study Bible.

em memória de Mim. Assim como a Páscoa era uma constante lembrança e proclamação de como Deus redimira Israel da escravidão egípcia, assim também observar essa ordenança de Cristo serviria de lembrança e de proclamação de como os crentes haviam sido libertos da escravidão ao pecado mediante a obra expiatória de Cristo na cruz. Bíblia de Estudo NVI Vida.

20 nova aliança. Como a aliança no Sinai, esta aliança separa um povo para Deus (Lc 24:8), mas desta vez com o sangue de Cristo. Ela prometia que a lei de Deus seria escrita nos corações de Seu povo perdoado. Para mais sobre a nova aliança, ver Jr 31:31-34; 1Co 11:25; Hb 8:8-10; 9:15, 20-22, 10:11-18. Andrews Study Bible.

22 ai daquele. A traição de Judas cumpriu o plano de Deus; não obstante, ele deve enfrentar a responsabilidade por suas escolhas (ver At 2:23). Andrews Study Bible.

24 discussão. Só Lucas registra esta disputa que mostrava quão longe, até mesmo os Doze, estavam de compreender aquilo que Jesus viera fazer. Bíblia de Genebra.

25 benfeitores. Título assumido por governantes do Egito, da Síria e de Roma, em demonstração de honrarias, sem muitas vezes representar serviços realmente prestados. Bíblia de Estudo NVI Vida.

26 como o que serve. Jesus conclama ao tipo de liderança que ele mesmo exemplificava – o de bem servir, característica tão incomum naquela época quanto agora. Bíblia de Estudo NVI Vida.

27 Eu sou como quem serve. Jesus estabeleceu o exemplo definitivo de serviço humilde  ao dar o Seu corpo e sangue pelos humanos (versos 19-20). Andrews Study Bible.

31 peneirá-los. Satanás queria testar os discípulos, esperando levá-los à ruína espiritual. Bíblia de Estudo NVI Vida.

36 espada. Os seguidores de Jesus enfrentariam tempos difíceis para os quais eles deveriam estar preparados, e Jesus fala seriamente para os advertir (ver 14:26). Apesar de Ele ter previamente aconselhado paz em lugar de violência (6:27), Seus discípulos, que estavam impacientes para lutar pelo reino, tomaram Suas palavras literalmente (v. 51). Andrews Study Bible.

37 contado entre os transgressores. Jesus estava para ser preso como criminoso, cumprindo assim as profecias das Escrituras. Bíblia de Estudo NVI Vida.

38 Basta! Os discípulos tomaram as palavras da espada literalmente, e a resposta de Jesus significa “Basta desse tipo de conversa”. Bíblia de Genebra.

39 Costume. Jesus não quer evitar a Sua captura; Judas irá para o jardim. Bíblia Shedd.

40 Orai. Um chamado para que os discípulos façam como Ele mesmo tinha sempre feito em tempos desafiadores. Andrews Study Bible.

44 gotas de sangue. … possivelmente a hematidrose, mistura de sangue e suor, como nos casos de extrema angústia, pressões ou sensibilidade. Bíblia de Estudo NVI Vida.

45 dormindo. O sono substitui a oração e resulta em negação da fé (57ss). Bíblia Shedd.

47 beijo. Uma saudação tradicional entre amigos próximos e familiares. Ver tb Mc 14:45. Andrews Study Bible.

50 o servo do sumo sacerdote. Chamava-se Malco; foi Simão pedro que o golpeou. Bíblia de Estudo NVI Vida.

53 poder das trevas. Mais do que a cobertura da escuridão da noite, esta frase se refere aos poderes satânicos que estavam trabalhando com os líderes religiosos (ver versos 3, 31). Andrews Study Bible.

…hora em que as forças das trevas – da iniquidade – fariam o máximo para derrotar o plano de Deus. Bíblia de Estudo NVI Vida.

59 é galileu. Reconhecido pelo seu modo de falar (Mt 26.73) e identificado por um parente de Malco, servo do sumo sacerdote. Bíblia de Estudo NVI Vida.

63 zombavam. Cumprindo a própria profecia de Jesus (18:32). Andrews Study Bible.

71 Acabamos de ouvir. Essa reação do Sinédrio deixa claro que a resposta de Jesus havia representado um taxativo “sim”. Marcos registra simplesmente “Sou”. Bíblia de Estudo NVI Vida.




%d blogueiros gostam disto: