Reavivados por Sua Palavra


MATEUS 14 by jquimelli
8 de fevereiro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/mateus/mt-capitulo-14/

Comentário devocional:

Imediatamente após a decapitação de João, Jesus procurou por um lugar para ficar sozinho. Ele se sentiu muito triste por seu primo. No entanto, uma multidão afluiu para o planejado lugar de descanso. Jesus manifestou compaixão para com todos, especialmente com os antigos seguidores de João. Ele, então, começa a curá-los de suas doenças; os alimenta espiritual e fisicamente. Em meio a Sua tristeza e dor pessoal, Jesus atende às necessidades do povo. Jesus sabia que João estaria com Ele novamente algum dia, porque a dor e a morte nunca foram parte do plano de Deus.

O clímax deste capítulo é a figura de Jesus caminhando sobre as águas em direção aos discípulos. Eles estão com medo, e questionam aquilo que eles estão vendo. Eles não reconhecem Jesus e especulam – em sua ignorância – se é um “fantasma”, talvez até mesmo o de João Batista. Mas Jesus se faz conhecido para eles. Eles agora estão cheios de paz e reverência.

Você pode ter certeza de que, quando Jesus fala conosco, Ele não nos deixará confusos, cheios de questionamentos. Ele nos dá conforto e paz. E no sofrimento que experimentamos e a perda temporária que enfrentamos, Ele é a nossa ESPERANÇA.

Joey Norwood Tolbert
Cantora e compositora cristã

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/mat/14 ou https://www.revivalandreformation.org/?id=1189
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/11/15
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados08-02-2018.mp3
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: https://credeemseusprofetas.org/



MATEUS 14 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
8 de fevereiro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria


MATEUS 14 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
8 de fevereiro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

MATEUS 14 – O pecado continuado silencia a consciência e abre as portas para a imoralidade descarada. E, ainda pior que isso, é desprezar, maltratar e até matar quem se levanta para denunciar  tais atos perversos. Assim agiram Herodes e sua família.

Leia Mateus 14, depois debruce nesta reflexão:

“Depois da morte de Herodes, o Grande, a Palestina foi dividida entre seus filhos […]. Herodias era filha de Aristóbulo, outro filho de Herodes, o Grande; desse modo, ao unir-se com Filipe, ela estava se casando com o próprio irmão de seu pai. O que precipitou a prisão de João Batista foi o fato de que Herodes Antipas (outro tio de Herodias) convenceu Herodias a deixar seu marido (irmão dele) para se casar com ele (Mc 6.17) configurando assim um incesto, bem como uma violação de Lv 18.16. João irou-se com o fato de que um governador de Israel pudesse cometer um pecado como esse de maneira tão aberta e, assim, repreendeu Herodes de modo severo (v. 4). Por causa disso, foi preso e, mais tarde, morto (Mc 6.14-29)” (John MacArthur).

“Salomé, filha de Herodias e Filipe. De acordo com o historiador judeu Josefo, ela se casou com outro filho de Herodes, o Grande (o irmão de seu pai e tio de sua mãe), entrelaçando ainda mais a teia de incesto nessa família” (MacArthur).

Observe estes pontos:

• Denunciou? Complicou-se! Quem denuncia imoralidade, impiedade e promiscuidade corre sério risco de sofrer humilhações, prisões e até martírio; consequentemente, muitos pregadores agradam seu público não pregando a verdade como ela é realmente na Bíblia (vs. 1-14).

• Apesar dos atos miraculosos, misericordiosos e amorosos de Cristo, muitos O odeiam e O rejeitam por causa da Sua aversão ao pecado. Jesus alimentou uma multidão (vs. 15-24) e acalmou um agitado mar (vs. 22-36); contudo, em breve enfrentaria situações bem piores que a de João Batista.

• Na história mundial “ninguém sabe ao certo quantos deram sua vida pelo evangelho. O que se sabe é que, por gerações, cristãos foram torturados, perseguidos, esquartejados, queimados, mortos à espada e jogados aos leões… Ao ouvi-los, a multidão enfurecida acusava-os de heresia”. Pela falta de cristãos como João Batista, “hoje, Jesus é uma logomarca. Um discurso, qualquer emblema. Há todo tipo de Cristo para agradar a clientela. Basta escolher” (Douglas Reis).

Hoje, faltam-nos Joões Batistas!

Caiamos de joelhos, clamemos: “Senhor, reaviva-nos. Dá-nos poder espiritual” – Heber Toth Armí.



MATEUS 14, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
8 de fevereiro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Reparando, porém, na força do vento, teve medo; e, começando a submergir, gritou: Salva-me, Senhor!” (v.30).


Temendo a reação do povo, Herodes mantinha João Batista na prisão, a contragosto de Herodias, que desejava a morte daquele que expunha o seu pecado. Ao atalaia da verdade foi incumbido preparar os corações para receber o Messias, quer sua mensagem fosse aceita, quer não. E com coragem e santa ousadia, advertia a Herodes de seu pecado com Herodias: “Não te é lícito possuí-la” (v.4), cumprindo com fidelidade a sua missão: “Mas, se avisares o perverso, e ele não se converter de sua maldade e do seu caminho perverso, ele morrerá na sua iniquidade, mas tu salvaste a tua alma” (Ez 3:19). Apesar da forma trágica com que João foi morto, a sua morte foi para a vida (Ap 2:10). Mas, ao decretar a morte de João Batista, Herodes e Herodias decretaram a própria morte, e esta eterna.

A notícia da morte de João fez o coração humano de Cristo sangrar, a ponto de desejar passar o luto em lugar deserto. Entretanto, assim como as multidões se dirigiam ao deserto a fim de ouvir a mensagem de João, muito mais anelavam estar na presença dAquele a quem o profeta anunciara. A compaixão foi maior do que a dor da perda e a cada enfermo curado, Seu coração era confortado. “Ao cair da tarde” (v.15), porém, uma preocupação se instalou no coração dos discípulos: Não havia comida. Então, ao irem a Jesus pensando estar levando a solução, Ele lançou sobre eles a responsabilidade de saciar a fome de “cerca de cinco mil homens, além de mulheres e crianças” (v.21). A partir dali, eles presenciariam uma das maiores lições de confiança no poder de Deus.

Apenas “cinco pães e dois peixes” (v.17) era o que tinham em mãos. Mas ao entregar aquele pequeno lanche nas mãos do Mantenedor, o pouco se tornou em abundância. Notem que Jesus não entregou o alimento às multidões, mas aos discípulos para que estes o compartilhassem. Após todos estarem satisfeitos, sobraram doze cestos cheios. Maravilhadas com aquele milagre, as multidões começaram a segui-Lo não pelo que Ele era, mas pelo que Ele poderia lhes oferecer (Jo 6:26). E, diante da revelação de Cristo: “Eu sou o Pão da Vida” (Jo 6:48), escandalizaram-se e “O abandonaram e já não andavam com Ele” (Jo 6:66). Assim como daquela multiplicação sobraram doze cestos cheios, apenas os doze discípulos permaneceram com Jesus (Jo 6:67). E a eles foi dado o privilégio de viver inúmeras experiências lado a lado com o Salvador do mundo. Por Seu exemplo de íntima comunhão com o Pai (v.23), Jesus lhes ensinava as mais ricas lições espirituais.

Não é nada atrativa a ideia de que a vida cristã requer renúncia e privações, mas igrejas ficam superlotadas quando ali oferecem o que é aprazível às grandes massas. O grande problema que se tem instalado no meio cristão é justamente este, o de transformar o lugar de adoração em lugar de atração. Assim como aquelas multidões não estavam mais indo a Cristo pelo motivo certo, milhares têm seguido pelo mesmo caminho. Mas, ao perceberem que a vida cristã não é aquilo que desejam, abandonam a Jesus com a mesma rapidez com que decidiram segui-Lo. Não aceitam “toda a verdade” (Jo 16:16), fazendo da Bíblia apenas um livro de autoajuda e não o “Assim diz o Senhor”. Agostinho de Hipona sintetizou esta triste realidade em uma frase: “Se você acredita apenas nas partes que você gosta do Evangelho, e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você acredita, mas em si mesmo”.

Assim como Jesus foi ao encontro dos discípulos para socorrê-los alta madrugada (entre três e seis horas da manhã) (v.25), “começando de madrugada” (Jr 7:13), Ele vem ao nosso encontro para nos dizer: “Tende bom ânimo! Sou Eu. Não temais!” (v.27), e nos convida a andar com Ele por sobre o mar das aflições. E mesmo que a nossa falta de fé nos faça submergir, Ele está pronto a atender ao nosso grito de socorro: “Salva-me, Senhor!” (v.30). Cristo não nos prometeu uma vida só de alegrias neste mundo, mas prometeu estar sempre por perto para nos estender a mão e nos conduzir à Sua embarcação em segurança.

Que o nosso cristianismo não seja baseado no que Deus pode nos oferecer, mas no amor pelo Deus que deu o melhor do Céu para nos salvar. Que a nossa adoração a Cristo seja um constante testemunho a declarar: “Verdadeiramente és Filho de Deus!” (v.23).

Bom dia, seguidores de Jesus Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Mateus14
#RPSP



MATEUS 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
8 de fevereiro de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

tetrarca Herodes. Tetrarca, gr tetrarques, significa “quem rege uma quarta parte”. [A Palestina havia sido dividida em quatro partes, e ele havia recebido duas delas: Galileia e Pereia.]. Bíblia Shedd.

Herodes Antipas era o filho de Herodes o Grande, que ordenou a matança dos bebês de Belém (2:16). … Foi Herodes Antipas que escutou o caso contra Jesus antes de Sua crucifixão (Lc 23.6-12). Andrews Study Bible.

a fama de Jesus. Depois das maravilhosas viagens de Jesus pela Galileia, surgiram muitas ideias a respeito dEle, cf. 16.13-14. A consciência supersticiosa e culpada de Herodes apontava logo para a teoria de que Jesus seria João Batista ressurreto. Bíblia Shedd.

3 O cárcere da fortaleza de Maquero, perto do mar Morto, era bem visível, se olhado do magnífico palácio de Herodes Antipas. Duas masmorras escuras, fortes e profundas podem ser vistas até hoje. Ali ficara o profeta, que ministrara ao ar livre, durante um ano inteiro. Bíblia Shedd.

Herodes … mulher de Filipe, seu irmão. A genealogia de Herodes é confusa, com múltiplos casamentos, casamentos de parentes próximos e uso de nomes semelhantes. Bíblia de Genebra.

4 O caso envolve certas complicações de divórcio e incesto. Herodias era descendente de Herodes, o Grande, e esposa de Herodes Filipe [seu tio], de quem se divorciou para casar com Herodes Antipas [irmão de Herodes Filipe], seu [outro] tio . Este, para a receber como esposa, divorciou-se de sua esposa anterior que era filha de Aretas, rei da Arábia, da porção então chamada Nabateia. Bíblia Shedd.

Herodes Antipas, quando hospedado no lar desse casal [Herodes Filipe e Herodias], persuadiu Herodias a abandonar o marido e ser esposa dele. O casamento com a esposa do irmão, enquanto o irmão ainda vivia, era proibido pela lei mosaica (Lv 18.16). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Herodias buscou vingança pedindo a cabeça de João Batista. Andrews Study Bible.

a filha de Herodias. Filha de um casamento anterior ao de seu casamento com Herodes Filipe. Segundo Josefo, o nome da filha era Salomé e ela, posteriormente, se casou com outro filho de Herodes, o Grande: Felipe, tetrarca de Itureia e Traconites (Lc 3.1). Bíblia de Genebra.

Nessa ocasião, Salomé era jovem em idade de casar. Sua dança era sem dúvida lasciva, e a apresentação agradou tanto a Herodes quanto aos seus convidados. Bíblia de Estudo NVI Vida.

prato. Tratava-se de uma travessa de madeira em que eram servidas as carnes. Bíblia de Estudo NVI Vida.

13 ouvindo isto. Parece que Jesus recebeu a notícia da morte de João no final da terceira viagem pela Galileia, ao retornar de Cafarnaum. Mateus se refere a isso como uma das razões que fizeram Jesus ir para o outro lado do lago (ver com. de Mc 6:30). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 434, 435.

13, 14 Jesus, ao atravessar o mar da Galileia, indo de Cafarnaum a Betsaida Júlia deixava os territórios de Herodes Antipas, e entrava numa parte deserta do território de Felipe. Bíblia Shedd.

15-21 Do mesmo modo como Deus providenciou maná no deserto para Israel, assim Jesus providenciou pão para o povo, numa região remota. Bíblia de Genebra.

…é o único milagre registrado em todos os quatro Evangelhos. É, portanto, o mais importante milagre que Jesus realizou. Ele recorda o milagre do maná que alimentou os israelitas no lugar ermo [de wilderness, não desert], o milagre de Elias e o óleo da viúva (2Rs 4:1-7), e a alimentação dos 100 homens de Elias com pães de centeio e alguns recém colhidos grãos (2Rs 4:42-44). Também antecipava a Santa Ceia. … O milagre também antecipa o grande banquete escatológico no fim dos tempos – um banquete amplamente mencionado nos escritos apocalípticos tanto judeus como cristãos. O milagre também demonstrou o ministério holístico de Jesus que reconhecia as necessidades físicas e econômicas de Seu povo. Andrews Study Bible.

17 Os pães e peixes eram o lanche de um único menino (Jo 6.9). Bíblia Shedd.

21 sem contar mulheres e crianças. Somente Mateus registra esse pormenor. Estava escrevendo aos judeus, que não permitiam que mulheres e crianças comessem junto com os homens em público. Por isso, estavam em lugar separado. Bíblia de Estudo NVI Vida.

22 insistiu com (NVI. ARA: compeliu). A palavra grega empregada aqui é enfática. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Do gr. anagkazo, “compelir” ou “obrigar” (ver com. de Lc. 14:23). Essa foi a primeira vez em que Jesus achou necessário falar aos discípulos com tal autoridade e força (DTN, 378). As palavras eutheos, “imediatamente” e  anagkazo “compelir”, indicam tanto pressa e urgência da parte de jesus, quanto hesitação e relutância da parte dos discípulos. A razão para essa relutância está clara em João 6:15 [“Sabendo, pois, Jesus que estavam para vir com o intuito de arrebatá-Lo para O proclamarem rei, retirou-Se novamente, sozinho, para o monte”] (ver DTN, 377, 378; ver com. Mc 6:42). Convencida de que Jesus era o Messias prometido ou o Libertador de Israel, a multidão estava inclinada a coroá-Lo rei ali mesmo. Percebendo o sentimento da multidão, os discípulos tomaram a iniciativa e estiveram a ponto de proclamá-Lo rei de Israel. Judas foi o primeiro dos doze a perceber a importância do sentimento popular e foi ele quem iniciou o projeto de coroar a Cristo como rei (DTN, 718). Essa ação precipitada teria feito concluir prematuramente a missão terrena de Cristo. Foi necessária uma ação imediata e decisiva da parte de Jesus a fim de apaziguar o sentimento popular do povo e controlar os discípulos. CBASD, vol. 5, p. 435.

Decerto era para escudar os discípulos de serem arrebatados pela tentação de querer ver a Jesus como Rei (Jo 6.15). Bíblia Shedd.

23 a fim de orar. Nos montes, Jesus passou várias horas (ver DTN, 379), contudo, não perdeu de vista os discípulos no lago (ver DTN, 381). Nessa ocasião, Sua oração teve um propósito duplo: primeiramente por Si mesmo, para que soubesse como tornar claro o verdadeiro propósito de Sua missão ao povo; e, em segundo lugar, por Seus discípulos, devido á prova e desilusão pela qual passariam.  CBASD, vol. 5, p. 435.
orar sozinho. O segredo de como se pode ser guiado mais efetivamente por Deus do que pelos exemplos e pensamentos dos homens. Bíblia Shedd.

Lá estava Ele só. Não no sentido físico, apenas. Jesus estava “só” também no sentido de que nem os discípulos O compreendiam. No silêncio dos montes e sob o céu estrelado, Jesus teve comunhão com o Pai (ver com. de Mc 1:35).  CBASD, vol. 5, p. 436.

24 a muitos estádios da terra. Os discípulos tinham remado entre 25 a 30 estádios (Jo 6:19), de quatro a cinco quilômetros quando Jesus os alcançou. Em circunstâncias normais, teriam percorrido esta distância em mais ou menos uma hora, mas nessa ocasião levaram aproximadamente oito horas … Isto é uma evidência do forte vento que eles encontraram enquanto cruzavam o lago.  CBASD, vol. 5, p. 436.

o vento era contrário. Se os discípulos tivessem cruzado o lago quando Jesus lhes disse para irem, talvez tivessem escapado da tempestade. Mas sua obstinação fez com que demorassem para partir, até que fosse quase noite (ver DTN, 379, 380). Cerca de oito horas depois … estavam lutando pela vida. Judas tinha encabeçado o projeto de tornar Cristo rei à força e, sem dúvida, se ressentiu mais que os outros com a ordem de embarcarem para o outro lado antes do Mestre… À medida que os discípulos, em obediência a Cristo, saíam para cruzar o lago, sentimentos de humilhação, desapontamento, ressentimento e impaciência lhes perturbavam o coração. Pode-se dizer que a hesitação na praia produziu a descrença. O vento era contrário assim como o coração deles; mas, pela providência divina, o mar tempestuoso se tornou o meio de acalmar a tempestade interior. CBASD, vol. 5, p. 436

25 alta madrugada (NVI). Das 3 às 6 horas (quarta vigília [cf. ARA]). Segundo o cálculo romano, a noite era dividia em quatro vigílias: 1) das 18 às 21 horas, 2) das 21 horas à meia noite, 3) da meia-noite às 3 horas e 4) das 3 às 6 horas (v. nota em Mc 13.35 [onde Jesus cita as quatro vigílias quando o “dono da casa” irá voltar]). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Entre três e seis horas da manhã. A primeira processava-se das 18 às 21 h; a segunda das 21 às 24; e a terceira ia até às 3. Bíblia Shedd.

Os romanos tinham quatro vigílias noturnas. … Os judeus tinham três vigílias noturnas. … Eram horas aproximadas porque mecanismos de medida do tempo ainda não eram comuns no mundo antigo. Andrews Study Bible.

foi Jesus ter com eles. Por toda a noite, Ele não os perdeu de vista, e Jesus foi ter com eles apenas quando desistiram de lutar e clamaram por socorro. CBASD, vol. 5, p. 436

26 aterrados. É provável que a crença em fantasmas fosse comum (ver Josefo, Guerra dos Judeus, i30.7 [599]). Ao que parece, a superstição popular não tinha sido apagada por completo da mente dos discípulos. CBASD, vol. 5, p. 436.

é um fantasma! Do gr. phantasma, “uma aparição”. Um phantasma era algo que não podia ser explicado com base no fenômeno natural. CBASD, vol. 5, p. 436.

28 respondendo-Lhe Pedro. Pedro era responsável pelo negócio de pesca no qual pelo menos quatro dos discípulos estavam envolvidos antes de se tornarem seguidores de Jesus (ver com. de Mc 3:16). … Seu espírito natural de liderança, nesta ocasião como em muitas outras, levou à confiança demasiada e a uma atitude impulsiva e desajuizada. CBASD, vol. 5, p. 437

29 andou por sobre as águas. Pedro saiu do barco com fé. Foi a fé que o susteve nas águas da Galileia. Mas a fé estava operante apenas enquanto mantivesse o olhar fixo em Jesus. CBASD, vol. 5, p. 437.

30 Reparando, porém, na força do vento. Parece que Pedro tivesse esquecido, por um momento, do vento e das ondas. À medida que seus pés se acostumavam a caminhas na superfície da água, ele evidentemente pensou em seus companheiros no barco e imaginou o que eles achavam se sua mais nova habilidade. Ao olhar de volta para o barco, perdeu Jesus de vista. Nesse momento, eles estava entre duas ondas e quando voltou seu olhar de novo na direção de Jesus já não pôde vê-Lo (ver DTN, 381). Tudo o que viu foi a agitação das ondas e o vento. Naquele breve instante, o orgulho minou sua fé, e ele não pôde mais se manter em pé. CBASD, vol. 5, p. 437

teve medo. Não precisamos temer enquanto mantivermos nosso olhar fixo em Jesus e confiarmos na graça e no poder dEle, mas quando olhamos para o eu e para os outros tempos boas razões para temer. CBASD, vol. 5, p. 437.

33 O adoraram. Essa foi a primeira, embora de forma alguma a última, ocasião (ver Mt 20:20; 28:9; Lc 24:52) em que os discípulos adoraram a Cristo. … Mas nesse caso, os discípulos confessaram pela primeira vez que Jesus era Filho de Deus e Lhe prestaram a adoração que se prestava a Deus. Além disso, jesus aceitou a adoração deles. Talvez, essa confissão de fé tenha sido a mais significativa, tendo em vista as dúvidas e remores dos discípulos durante a noite anterior. CBASD, vol. 5, p. 437, 438.

Filho de Deus. Este título reconhece o caráter messiânico de Jesus e a manifestação do Seu poder divino. … Aplicado a Jesus, o título reflete o relacionamento único de Jesus com o Pai [sobre Mt 16,16]. Bíblia de Genebra.

34 Genesaré. A planície sobre a qual se situava Cafarnaum. Bíblia Shedd.

Ou a planície estreita, com uns 6,5 km de extensão e 3 km de largura, do lado ocidental do mar da Galileia, perto da extremidade norte. … Esta planície era considerada lugar ajardinado da Palestina, fértil e bem irrigado. Bíblia de Estudo NVI Vida.




%d blogueiros gostam disto: