Reavivados por Sua Palavra


MATEUS 16 by jquimelli
10 de fevereiro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/mateus/mt-capitulo-16

Comentário devocional:

Jesus tinha um bom relacionamento com seus discípulos, mas em Seu ministério Ele tinha sempre que se concentrar no quadro maior. A fim de que Sua missão pudesse ser cumprida Ele precisava manter os olhos em Seu Pai Celestial. Os discípulos também precisavam manter o foco no Pai. O caráter de Jesus estava sendo testado não somente pelas situações criadas pelos líderes judeus, mas também pelas criadas por seus amigos. Por isso Ele precisava estar em íntima comunhão com Seu Pai Celestial. Algo que nós também precisamos fazer.

Todos os dias eu me deparo com pequenos testes quanto a manter o foco no meu Pai celestial. Sinto constantemente a pressão do tempo e necessito paciência enquanto tento cumprir todas as minhas obrigações: organizar o meu trabalho, o trabalho da casa, dar atenção às crianças, encontrar tempo significativo com meu marido e ter um tempo tranquilo para mim mesma em que possa me aquietar e pensar.

Por exemplo, hoje à tarde eu estava corrigindo provas de alunos, quando meu pequeno filho veio até mim e disse: “Mamãe, vamos brincar?” Ou seja, ele queria um pouco de atenção e queria que eu brincasse com ele. Senti a necessidade de continuar avaliando as provas, porque o prazo estava quase se esgotando. No entanto, olhando para o seu rostinho de 2 anos de idade, obtive uma perspectiva mais ampla das coisas: eu podia dar notas nas provas durante o seu sono à tarde! Deixei os papéis de lado, e comecei a brincar com ele. E me senti muito feliz por desfrutar deste momento com ele. Pensei como seria bom se eu aproveitasse essas oportunidades mais vezes. A verdade é que nem sempre eu aproveito. Muitas vezes, eu perco esses momentos maravilhosos porque estou presa em coisas que podem ser feitas mais tarde.

Jesus estava tentando explicar o incrível dom da salvação aos discípulos. Eles estavam escutando, mas eles não estavam ouvindo o que o Mestre estava dizendo. Era um conhecimento essencial mas não era o que eles queriam ouvir dele, de forma que eles deixaram de perceber a importância daquele momento. Eles estavam tão focados em suas necessidades imediatas que não viram que o Cordeiro de Deus estava prestes a ser colocado no altar do Calvário. Aquele era o momento áureo em que o mundo seria liberto da maldição eterna do pecado.

É tudo uma questão de perspectiva. O que estamos enxergando? Será que estamos vendo o quadro mais amplo? Estamos abertos aos ensinamentos do Espírito Santo? Meu objetivo é manter o foco em Jesus. Qual é o seu?

Joey Norwood Tolbert
Cantora e compositora cristã

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/mat/16
Tradução anterior: https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/11/17
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/Reavivados/Reavivados10-02-2018.mp3



MATEUS 16 – COMENTÁRIO PR ADOLFO SUAREZ by jquimelli
10 de fevereiro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria


MATEUS 16 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
10 de fevereiro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

MATEUS 16 – Existem dois caminhos, o da dúvida e o da fé; o da rejeição à verdade, e o da aceitação da verdade; o da crença e o da descrença. Em qual você anda depende de você!

Nos versículos iniciais deste capítulo, “encontramos nosso Senhor assediado pela incansável inimizade dos fariseus e dos saduceus. Via de regra, essas duas seitas tinham inimizade entre si. Mas quando resolveram perseguir a Cristo, aliaram-se uma à outra. Essa foi, com certeza, uma aliança iníqua! No entanto, quão frequentemente vemos a mesma coisa acontecendo nos nossos dias. Pessoas de hábitos e opiniões diametralmente opostas concordam em detestar o evangelho e trabalham juntas para se opor ao seu progresso” (J. C. Ryle).

No capítulo em pauta temos os seguintes pontos:

1. Jesus finaliza Seu ministério na Galileia, onde Ele rejeita Seus oponentes e críticos (vs. 1-4);
2. Na Galileia, embora rejeitado pelos líderes religiosos, Jesus começa a ser reconhecido por Seus discípulos (vs. 5-12);
3. Depois, Jesus começa a deslocar-Se para Jerusalém, onde será o palco do Seu sofrimento e os desafios para Seus discípulos: Jesus…
• …reafirma Seu sofrimento, mas recebe uma terrível bronca de Pedro (vs. 21-23);
• …fala da lealdade de Seus discípulos e as consequências de serem fieis (vs. 24:28).

Na lida com os críticos, Jesus transparece estar desinteressado em “provar cientificamente” ser Ele o Messias; na lida com Seus discípulos mais receptivos e abertos à revelação divina, mostra é o Pai quem Lhe revela aos pecadores (v. 17).

Satanás age constantemente para impedir as pessoas de crerem em Jesus. Satanás é um ser real e literal para Jesus, o qual não opera somente em quem rejeita Jesus, mas também nos Seus discípulos. Foi por um descuido de Pedro que logo após ter-se sensibilizado com a revelação divina, que ele chamou Jesus à parte e Lhe reprovou duramente (vs. 22-23).

A descrença pede sinais e evidências, mas quando Deus Se revela através de sinais e evidências, os incrédulos endurecem ainda mais. Precisamos deixar Deus trabalhar em nós para que não sejamos campos de trabalhos dos demônios.

A maior evidência da existência de Deus está na maior prova de amor revelada ao mundo: Jesus entregando-Se por nós, sem que merecêssemos!

Por que não tomar nossa cruz por Ele? – Heber Toth Armí.



MATEUS 16, Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
10 de fevereiro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Se alguém quer vir após Mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-Me” (v.24).

Ao contrário dos líderes religiosos da época, Jesus era Alguém que estava sempre disponível a todos. Crianças, mulheres, publicanos, leprosos, fariseus, todos podiam ter acesso ao Mestre. Contudo, mesmo diante dos inúmeros milagres realizados e de Sua vida abnegada, o Seu ministério era constantemente criticado e ridicularizado pelos líderes judeus. Como agentes de Satanás, tentavam a Cristo (v.1) à semelhança da tentação no deserto a fim de que Ele usasse do poder divino para que o inimigo prontamente pudesse acusá-lo de usar dos atributos da divindade para aliviar o Seu fardo.

Jesus encontrou na Terra “uma geração má e adúltera” (v.4), muito difícil de lidar, dada a falta de conhecimento de Deus (Alguma semelhança com a nossa geração não é mera coincidência). Uma geração onde a doutrina de sua religião foi chamada por Cristo de perigosa: “Vede, acautelai-vos do fermento dos fariseus e dos saduceus” (v.6). Os discípulos haviam crescido ouvindo os seus líderes religiosos e aprendendo a olhar para eles com admiração. Sua religiosidade impecável era-lhes exemplo de santidade. Mas quando conheceram a Jesus e passaram a andar com Ele, Seus olhos começaram a se abrir para O perfeito Exemplo de santidade. Mesmo diante de tão imaturo e incrédulo grupo apostólico (v.7), o amor e a paciência do Salvador atravessava a capa que lhes ocultava o coração e lhes apontava o real significado de Suas palavras (v.11).

Cada passo dado por Jesus era completamente guiado pelo Pai e cada local visitado tinha um propósito específico. “Cesareia de Filipe” (v.13) era um lugar considerado pagão e envolto em mistérios. Conforme relatos históricos e descobertas arqueológicas, Cesareia também era uma espécie de refúgio das maiores autoridades da época. Foi ali que, reunindo Seus discípulos, Jesus lhes perguntou quem o povo dizia ser Ele e quem os próprios discípulos diziam que Ele era. Ali, no palco das atrações romanas e das idolatrias, Pedro declarou: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo” (v.16). E sua inspirada declaração lhe rendeu a sua própria bem-aventurança: “Bem-aventurado és, Simão Barjonas, porque não foi carne e sangue que to revelaram, mas Meu Pai, que está nos céus” (v.17).

Quando avançamos para a fala de Cristo no verso seguinte, nos deparamos com um jogo de palavras que tem sido causa de divergências doutrinárias: “Também Eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha igreja” (v.18). Em grego, o nome Pedro, petros, significa “uma pedra pequena”, enquanto a palavra pedra, petra, significa “pedra maciça”. Era como se Jesus tivesse dito: “Tu és uma pedra pequena, mas sobre esta pedra maciça edificarei a Minha igreja”. Mas, então, que “pedra maciça” é essa? É a própria declaração que Pedro havia feito acerca de Cristo.

Veja o que o próprio Pedro afirmou: “Chegando-vos a Ele [Jesus], a pedra que vive, rejeitada, sim, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa… A pedra que os construtores rejeitaram, essa veio a ser a principal pedra, angular” (1Pe 2:4 e 7). Em Efésios 12:20, Paulo escreveu: “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo Ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular… no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito”. Pedro também afirmou tal verdade diante de uma turba de autoridades acusadoras: “Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular” (At 4:11). Percebem a quantidade de textos afirmando que Jesus é a pedra sobre a qual a igreja seria edificada, e não um ser humano falho e cheio de limitações? “E a pedra é Cristo” (1Co 10:4)! E sobre esta rocha, meus irmãos, “as portas do inferno não prevalecerão” (v.18) contra nós.

Precisamos estar sempre vigilantes quanto as entradas da alma. Satanás, um profundo conhecedor da mente humana, está constantemente à espreita de um deslize de nossa parte. Orgulhoso de sua recente vitória espiritual, o coração de Pedro engrandeceu-se a tal ponto de tentar tornar-se algum tipo de conselheiro de Cristo (v.22). Mas o seu semblante orgulhoso logo se transformou em semblante de vergonha e horror ao ouvir as mais duras palavras de sua vida: “Arreda, Satanás! Tu és para Mim pedra de tropeço, porque não cogitas das coisas de Deus, e sim das dos homens” (v.23). Jesus não chamou Pedro de Satanás, mas deixou bem claro que suas palavras não mais tinham a ver com a revelação divina, e sim com a obra de Satanás de fazer com que Jesus desistisse de consumar a Sua missão de resgate da raça humana. Isso nos mostra o quão perigoso é baixar a guarda nem que seja por um instante.

Antes mesmo da cruz, Jesus motivou Seus discípulos a participar de Seu sofrimento. A busca por prestígio e por riquezas certamente não é encorajada em nenhum dos discursos e ensinamentos de Jesus, muito pelo contrário, Sua vida deixou um legado de altruísmo e humildade. Negar-se a si mesmo com certeza é a maior das lutas que enfrentamos todos os dias. Que sejamos casas espirituais (1Pe 2:5) edificadas sobre a Rocha, que é Cristo e, muito em breve, Jesus nos retribuirá com a recompensa eterna (v.27).

Bom dia, igreja fundada sobre a Rocha!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Mateus16 #RPSP



MATEUS 16 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
10 de fevereiro de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1 e os saduceus. Pela primeira vez, os saduceus se uniram aos fariseus na tentativa de silenciar Jesus. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 447.

sinal do céu. Sua [de Jesus] analogia mostra que o problema não é a falta de evidência, porém uma má vontade em aceitar o seu significado. Jesus já havia realizado muitos sinais. Bíblia de Genebra.

Eles estavam sem conhecimento porque optaram por rejeitar a luz. CBASD, vol. 5, p. 448.

4 o de Jonas. A ressurreição de Jesus, figurada pelos três dias e três noites que Jonas passou no ventre do grande peixe (12.39-41). Bíblia Shedd.

5 para o outro lado. Para os territórios de Filipe, provavelmente desembarcando em Betsaida, de onde foram caminhando para Cesaréia de Felipe, cidade situada no sopé do monte Hermom, cujo pico se localiza a c. 20 km mais para o norte. Bíblia Shedd.

6 fermento dos fariseus. Fala-se aqui de hipocrisia e perversidade crescentes (v. 12). Bíblia Shedd.

13 Cesareia de Filipe. Filipe, filho de Herodes, o Grande, seguiu o costume de dar o nome do imperador César a uma cidade de destaque, que antes era chamada Panéias, “santuário do deus Pan”. Bíblia Shedd.

O nome antigo sobrevive hoje como Banias. Bíblia de Estudo NVI Vida.

A partir de uma gruta, anteriormente dedicada a Pan, em um penhasco elevado nas proximidades de Paneas … brota uma corrente perene, o rio Banias, um dos principais afluentes do rio Jordão. CBASD, vol. 5, p. 450.

16 Pedro declara que Jesus é o Messias e o Rei profetizado no Antigo Testamento.  Bíblia de Genebra.

o Filho do Deus vivo. Aplicado a Jesus, o título reflete o relacionamento único de Jesus com o pai. Bíblia de Genebra.

17 carne … que to revelaram. O reconhecimento daquilo que Jesus é tem que vir de Deus. Bíblia de Genebra.

18 Pedro … rocha. O texto grego de Mateus joga com estas duas palavras: pethros e petra, respectivamente. A interpretação com o apoio bíblico mais forte e mais amplamente aceito desde a Reforma Protestante é que pethros é Pedro e petra se refere a Cristo que é a fundação e pedra de esquina da igreja (1Cor 3:11; Ef 2:20; 1Pe 2:4-7). Andrews Study Bible.

Quando Pedro diz que Jesus não deve enfrentar a cruz, ele não é chamado a pedra fundamental, mas pedra de tropeçoBíblia de Genebra.

Apesar do jogo de palavras, não é a pessoa de Pedro que é a pedra fundamental da Igreja. É Cristo mesmo, segundo o próprio Pedro (1Pe 2.4-8; cf Mt 21.42-44). Bíblia Shedd.

A esse respeito, Pedro, a quem foram dirigidas as palavras, nega enfaticamente, por seus ensinamentos, que a “rocha” de quem Jesus falou se refiria a ele (ver At 4:8-12; 1Pe 2:4-8). Mateus registra que Jesus usou outra vez a mesma figura de linguagem em circunstâncias que exigem claramente quee o termo se refira a Ele mesmo (ver com. de Mt 21:42; cf. Lc 20:17, 18). Desde os primeiros tempos, a figura da pedra foi utilizada pelos hebreus como um termo específico para Deus (ver com. de Dt 32:4; Sl 18:2, etc.). O profeta Isaías fala de Cristo como “uma grande rocha em terra sedenta” (ver com. de Is 32:2) e como uma “pedra preciosa, angular, solidamente assentada” (ver com. de Is 28:16). Paulo afirma que Cristo era a “Pedra” que seguia com Seu povo nos tempos antigos (ver 1Co 10:4; cf. Dt 32:4; 2Sm 22:32; Sl 18:31). … Jesus Cristo é a “rocha da nossa salvação” (Sl 95:1 [ARC]; cf Dt 32:4, 15, 18; DTN, 413). Ele é o único fundamento da igreja, pois “ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo” (1Co 3:11), … Jesus é sempre, e apenas Ele, a “Rocha” sobre a qual repousa toda a estrutura, pois sem Ele não haveria igreja. A fé nEle como Filho de Deus também torna possível sermos feitos filhos de Deus (Jo 1:12; 1Jo 3:1, 2). A percepção de que Jesus Cristo é verdadeiramente o Filho de Deus, como Pedro enfaticamente afirmou nessa ocasião (ver Mt 16:16) é a chave para a porta da salvação (DTN, 412, 413). Mas é incidental, não fundamental, que Pedro tenha sido o primeiro a reconhecer e declarar sua fé, o que, nessa ocasião, ele fez como porta-voz de todos os discípulos (ver com. do v. 16). Agostinho (c. 400 d.C.), o maior teólogo católico dos primeiros séculos do cristianismo, deixa para seus leitores decidir se Cristo aqui designava a Si próprio ou a Pedro como “a rocha” (Retraciones, i.21.1). … Eusébio, historiador da igreja primitiva, cita Clemente de Alexandria declarando que Pedro, Tiago e João não lutaram pela supremacia da igreja em Jerusalém, mas optaram por Tiago, o Justo, como líder (História Eclesiástica, ii,1). Outros entre os primeiros pais da igreja, como Hilário de Arles, ensinaram a mesma coisa. Foi só quando o apoio bíblico foi procurado em favor das reivindicações do bispo de Roma à primazia da igreja (ver vol. 4, p. 920, 921) que as palavras ditas por Cristo nessa ocasião foram tiradas de seu contexto original e interpretadas para dizer que Pedro era “esta pedra”. Leão I foi o primeiro pontífice romano a alegar, em c. 445 d.C., que sua autoridade provinha de Cristo, por meio de Pedro [cf Kenneth Scott Latourette, em A History of Christianity, 1953, p. 186]. … É extraordinário que nenhum bispo romano tenha descoberto esse significado nas palavras de Cristo, até que um bispo do 5º século considerou necessário encontrar algum apoio bíblico para o primado papal. O significado atribuído às palavras de Cristo, por meio do qual fazem conferir a primazia sobre os chamados sucessores de Pedro, os bispos de Roma, está em completo desacordo com todos os ensinamentos que Cristo transferiu a Seus seguidores (ver Mt 23:8, 10). … Talvez a melhor evidência de que Cristo não nomeou Pedro como a “rocha” sobre a qual Ele edificaria Sua igreja seja o fato de que nenhum dos que ouviram Cristo nessa ocasião – nem mesmo Pedro – interpretou assim Suas palavras, nem durante o tempo em que Cristo esteve na Terra, nem depois. Se Cristo tivesse feito de Pedro o principal entre os discípulos, eles não estariam depois envolvidos em repetidas discussões sobre qual deles “parecia ser o maior” (Lc 22:24; ver Mt 18:1; Mc 9:33-35, etc; DTN, 817; ver com. de Mt 16:19). … Petra é uma “rocha” grande, fixa, imutável, enquanto petros é uma pequena “pedra”. CBASD, vol. 5, p. 454.

portas. O triunfo de Cristo sobre a morte e a sepultura é a verdade central do cristianismo. Não foi possível a Satanás deter Cristo pelos laços da morte (ver At 2:24), nem lhe será possível deter qualquer daqueles que creem em Cristo (Jo 3:16; Rm 6:23). Falando figurativamente, Satanás detém as “portas do inferno”, mas Cristo, por Sua morte, entrou no reduto de Satanás e prendeu o adversário (ver com. de Mt 12:29). Sobre esse fato sublime repousa a esperança cristã de libertação das artimanhas de Satanás nesta vida, de seu poder sobre a sepultura e da sua presença na vida por vir. CBASD, vol. 5, p. 454.

inferno [gr. hades]. Em grego é o lugar dos mortos, equivalente ao hebraico sheol. As “portas dos hades” mais provavelmente se referem aos poderes da morte; isto é, as forças do mal que se opõem ao reino de Cristo. Comparar com Ap. 1:18. Andrews Study Bible.

não prevalecerão. Figurativamente, as “portas do inferno” prevaleceram contra Pedro quando, por três vezes, ele negou seu Senhor (DTN, 413) e, literalmente, quando ele morreu (Jo 21:18, 19). … O pleno significado do que Cristo quis dizer que “as portas do inferno não prevalecerão” pode ser melhor entendido pelo fato de que, imediatamente, ele começou a mostrar que iria “ser morto e ressuscitado no terceiro dia” (ver com. de Mt 12:40; cf. DTN, 418). Cristo triunfou gloriosamente sobre todo o poder de Satanás e, por esse triunfo, deu a certeza de que Sua igreja na Terra também triunfaria sobre ele. CBASD, vol. 5, p. 455.

A igreja é construída não apenas na pessoa de Cristo, mas também na Sua obra que O obrigou a morrer (entrar no hades) e conquistar a morte através da ressurreição (1Pe 3.18). Bíblia Shedd.

19 as chaves. As palavras de Cristo são as “chaves” para o reino dos céus (cf. DTN, 413; cf. Jo 1:12; 17:3). … As palavras de Jesus são “espírito e vida” a todos os que as recebem (Jo 6:63). São as palavras de Cristo que trazem a vida eterna (Jo 6:68). A Palavra de Deus é a chave para a experiência do novo nascimento (1Pe 1:23). … Cristo simplesmente conferiu a Pedro e a todos os demais discípulos (ver com. de Mt 18:18; Jo 20:23) a autoridade e o poder de conduzir as pessoas ao reino. Foi a percepção da verdade por parte de Pedro de que Jesus é verdadeiramente o Cristo que colocou as “chaves” do reino em sua posse e o admitiu no reino. O mesmo pode ser dito de todos os seguidores de Cristo até o fim dos tempos. O argumento de que Cristo conferiu a Pedro um grau de autoridade superior ou diferente da que deu aos outros discípulos não tem base bíblica (ver com. de Mt 16:18). De fato, foi Tiago, e não Pedro, quem exerceu funções administrativas sobre a igreja primitiva em Jerusalém (ver At 5:13, 19; cf. At 1:13; 12:17; 21;18; 1Co 15:7; Gl 2:9, 12). Em pelo menos uma ocasião Paulo “resistiu” a Pedro “face a face”, por agir de maneira errada (ver Gl 2:11-14), o que ele certamente não teria feito se soubesse alguma coisa a respeito de Pedro desfrutar dos direitos e prerrogativas que alguns afirmam que ele tinha, tendo por base Mateus 16:18 e 19. CBASD, vol. 5, p. 455

ligares. Evidentemente, o significado é que a igreja na Terra exigirá apenas o que o Céu exige e proibirá apenas o que o Céu proíbe. Esse é o claro ensino das Escrituras (ver com. de Mt 7:21-27; Mc 7:6-13). Quando os apóstolos saíram para proclamar o evangelho, de acordo com a comissão que lhes foi confiada (ver Mt 28:19, 20), eles foram ensinar os conversos a “guardar todas as coisas que” Cristo havia ordenado; nem mais, nem menos. Estender o significado de “ligar” e desligar” à autoridade de ditar o que os membros da igreja podem crer e o que podem fazer, em matéria de fé e prática, é ler nessas palavras de Cristo mais do que Ele queria dizer com elas, e mais do que os discípulos entenderam com elas. CBASD, vol. 5, p. 455, 456.

20 a ninguém dissessem. As concepções populares a respeito do Messias estavam longe de reconhecer o Seu ministério sofredor. Permitir que Seus discípulos proclamassem abertamente a sua messianidade podia instigar a explosão de um movimento político, o que dificultaria sua verdadeira missão. Bíblia de Genebra.

21 Desde esse tempo. Esta frase marca uma nova fase no ministério de Jesus … Mateus se volta da pregação pública de Jesus, na Galiléia, para a Sua cuidadosa instrução dos discípulos a respeito de Sua morte e ressurreição, Seu papel como Messias e o deles como discípulos. Bíblia de Genebra.

23 A inspiração satânica (e mundana) sempre procura conseguir a salvação sem a cruz (Mc 8.34s). Bíblia Shedd.

24 Aqui, Jesus acrescenta o mandamento da negação de si mesmo. A chamada ao discipulado exige o abandono completo do desejo natural de buscar conforto, fama ou poder. Bíblia de Genebra.

28 de maneira nenhuma passarão pela morte. Mais provavelmente, a “vinda” do Filho do Homem, aqui, se relacione com todo o processo pelo qual Jesus recebe o domínio, especialmente Sua ressurreição, ascensão e envio do Espírito. Todas estas coisas aconteceram durante o tempo no qual os discípulos viveram. Bíblia de Genebra.




%d blogueiros gostam disto: