Reavivados por Sua Palavra


APOCALIPSE 8 by jquimelli
28 de setembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/apocalipse/ap-capitulo-8/

Apocalipse 8:1 encerra a série de sete selos do livro. Em seguida, no verso 2, João vê um grupo de sete anjos que se preparam para tocar sete trombetas. Antes que isso aconteça, porém, o profeta é novamente levado a contemplar o santuário celestial, dessa vez focalizando o altar de incenso. Para entender a descrição feita em Apocalipse 8:3-6 é necessário lembrar o que acontecia no ritual típico do santuário terrestre. É ela que dá o tom para os eventos descritos pelo soar das sete trombetas entre os capítulos 8 e 9.

O fim das atividades diárias no santuário era anunciado pelo toque de trombetas. O cordeiro do sacrifício contínuo era colocado sobre a grelha, seu sangue aspergido à base do altar e o sacerdote designado se colocava diante do altar de ouro no lugar santo para oferecer incenso. No santuário celestial, nosso sumo-sacerdote, tendo feito Seu sacrifício eterno de uma vez por todas para nossa salvação (Hb 7:27), Cristo intercede por nós, por nossas orações (Ap 5:8), junto ao trono divino. Ele ouve nossas orações. Ao orar, saiba que há um Deus vivo no céu que para e ouve você.

Clacir Virmes Jr.
Professor de Novo Testamento
SALT – Seminário Latino Americano de Teologia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1421
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli

Audio online [voz: Valesca Conty]:



APOCALIPSE 8 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
28 de setembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



APOCALIPSE 8 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
28 de setembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

APOCALIPSE 8 – Quando pensamos que o livro esplendoroso do capítulo 5 se abriria na ruptura do sétimo selo, encontramos apenas: “…houve silêncio no Céu por volta de meia hora” (v. 1). Então, imediatamente começou outra séria de sete: As trombetas.
Há suspense nas profecias. A revelação é gradativa, com conteúdo progressivo. A didática divina visa nossa compreensão. O contexto revela que o texto refere-se ao tempo de João na ilha de Patmos; e, descreve a oração dos santos/crentes das igrejas da Ásia Menor (vs. 2-3), em resposta à tribulação (Apocalipse 1:9), quando clamam por intervenção divina.
O objetivo é mostrar que, em meio à tribulação, as orações dos fieis são atendidas por Cristo (8:4), no Santuário Celestial. Ou seja, Cristo está atento ao sofrimento de Seus seguidores, em todas as épocas, embora geralmente imperceptível (Apocalipse 6:10).
Há uma íntima relação entre a profecia dos selos e das trombetas:
• Ambas estão divididas na mesma proporção: um bloco de 4 com os cavalos (selos) e, um bloco de 3, com os ais (trombetas, Apocalipse 8:13).
• Ambas possuem um intervalo/parêntese/interlúdio (Apocalipse 7 // Apocalipse 10-11:15).
• Ambas iniciam e terminam simultaneamente: Vão desde a época de João até a volta de Jesus (6:14; 8:1; 11:15).
O capítulo 8 visa apresentar rapidamente apenas as quatro primeiras trombetas, no qual temos:
1. Como as orações de fato chegam a Cristo que intercede no Céu, a resposta é evidente quando o anjo toma fogo do altar e o atira à Terra (v. 5).
2. Expectativa (v. 6). O que vem a seguir acontece como reação divina às fervorosas orações dos crentes:
• A primeira trombeta anuncia um julgamento com uma prévia pequena de destruição da vegetação (v. 7);
• A segunda trombeta proclama, com uma destruição parcial na fauna e comércio marítimos, um futuro julgamento total (vs. 8-9);
• A terceira trombeta revela a vinda de um juízo mediante a contaminação das fontes de água potável (vs. 10-11);
• A quarta trombeta prenuncia o juízo vindouro ao atingir a terça parte do sol, da lua e das estrelas (v. 12).
Desde que Jesus assumiu a intercessão no Céu, a profecia das trombetas foram, na história, prenúncios de um juízo final!
Nossa oração promove ação no Céu, com grandes resultados na Terra! Então, vamos orar mais? – Heber Toth Armí.



Apocalipse 8 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
28 de setembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

Quando o Cordeiro abriu o sétimo selo, houve silêncio no céu cerca de meia hora” (v.1).

O Céu ficou em silêncio diante da iminência do que estava para acontecer. A abertura do sétimo selo inaugura uma nova sequência de sete. João viu “sete anjos que se acham em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete trombetas” (v.2). Veremos que as sete trombetas se assemelham às sete pragas, porém, o toque de trombeta na Bíblia representa Deus convidando o Seu povo para se ajuntar. No Antigo Testamento, a trombeta anunciava as assembleias solenes, as batalhas e precedia anúncios importantes (Nm.10:2-12; Jr.4:19-20). No Novo Testamento, tornou-se um símbolo do segundo advento de Cristo (1Co.15:52; 1Ts.4:16). As sete trombetas, portanto, não se referem às sete últimas pragas, mas às advertências de Deus para que o Seu povo reconheça que é chegado o tempo de que profetizou Joel: “Tocai a trombeta em Sião, promulgai um santo jejum, proclamai uma assembleia solene” (Jl.2:15).

Quando os anjos saíram do Santuário Celeste, “outro anjo… ficou em pé junto ao altar, com um incensário de ouro… com as orações de todos os santos” (v.3), representando o ministério de intercessão de Cristo e que Sua obra intercessora ainda não havia cessado. Como um prelúdio das sete últimas pragas, o sonido de cada trombeta não é um anúncio de destruição, mas um convite ao arrependimento. Através da história, o Senhor nos deixou revelados os Seus mistérios:

1a. trombeta: O juízo divino sobre Jerusalém, em 70 d.C., cumprindo-se o que o próprio Jesus profetizou ao contemplar Jerusalém: “Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada” (Mt 24:2).

2a. trombeta: Montanha, na Bíblia, é símbolo de poder ou nação (Ez.35:2; Dn.2:35). Mar significa multidões, povos (Ap.17:15). Sangue significa guerra, morte. Portanto, trata-se de um povo numeroso sendo morto pela guerra. Isto ocorreu quando o Império Romano foi subjugado pelas dez tribos bárbaras, em 352 a 476 d.C.

3a. trombeta: Assim como vimos que as estrelas representam os sete anjos ou mensageiros das sete igrejas, João viu “uma grande estrela, ardente como tocha” (v.10). Só que, desta vez, não se trata de um mensageiro de Deus, mas de uma contrafação. Com o passar dos anos, a igreja cristã foi se afastando do propósito divino, permitindo que uma falsa estrela contaminasse as puras águas da verdade, marcando um período de incredulidade e afastamento da Bíblia. Sobre estes falsos ensinadores, Judas escreveu: “estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre” (Jd.1:13).

4a. trombeta: O toque da quarta trombeta revela o período de trevas morais e espirituais da igreja cristã. Alguns estudiosos acreditam ser a fase da Idade Média, quando a verdade havia sido lançada por terra (Dn.8:12) e uma densa escuridão tomou conta do cristianismo. Ainda na quarta trombeta, surge “uma águia, que, voando pelo meio do céu, dizia em grande voz: Ai! Ai! Ai dos que moram na terra, por causa das restantes vozes da trombeta dos três anjos que ainda têm de tocar!” (v.13). A preeminência dos três últimos ais é anunciada com pressa e em alta voz, o que deixa bem claro que se trata de algo urgente e muito sério.

Todas estas trombetas já foram tocadas e veremos que estamos a poucos minutos da sétima e última trombeta. O Senhor nos deixou revelado em Sua Palavra diversas advertências a fim de que não sejamos pegos de surpresa. Eis “o tempo sobremodo oportuno” de tomarmos uma decisão ao lado de Cristo Jesus, “eis, agora, o dia da salvação” (2Co.6:2).

Bom dia, santos de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Apocalipse8 #RPSP

Deixe o seu comentário:



APOCALIPSE 8 – COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
28 de setembro de 2018, 0:08
Filed under: Sem categoria



APOCALIPSE 8 – COMENTÁRIOS ADICIONAIS by jquimelli
28 de setembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

2590 palavras

O sétimo selo – As quatro primeiras trombetas

8:1 Quando abriu o sétimo selo, fez-se silêncio no céu, quase por meia hora.

Rompimento do sétimo selo –  “O sétimo selo só será rompido depois que Cristo vier e os ímpios forem mortos pela glória de Seu aparecimento. Então haverá silêncio no Céu durante cerca de ‘meia hora’ (Apoc 8:1).” – LES892, p. 72.

“Quando for rompido o sétimo selo, tornar-se-á conhecido o conteúdo do livro do destino (Apoc. 5:5 e 9). O povo de Deus será reunido pelos anjos e levado para o Céu. (Ver S. Mat. 25:31; S. João 14:1-3.)” – LES892, p. 116.

“O sexto selo do Apocalipse nos ajuda a descobrir quando começaria o tempo do fim e conclui com a descrição da segunda vinda de Jesus.” – SRA/EP, p. 58.

Silêncio no Céu – “Temor reverente e silencioso do dia do juízo. A paz e a calma que se segue à tormenta.” – LES892, p. 92.

“Deus não guardará silêncio até que os ímpios recebam a punição e Seu povo esteja eternamente redimido. O silêncio em Apocalipse 8:1, que ocorrerá imediatamente após o aparecimento de Cristo (Apoc. 6:12-17), representa o descanso, a paz e o regozijo entre a hoste celestial e os salvos depois que o veredicto do tribunal celestial começar a ser posto em execução. Quando for rompido o sétimo selo [Volta de Cristo], tornar-se-á conhecido o conteúdo do livro do destino (Apoc. 5:5 e 9). O povo de Deus será reunido pelos anjos e levado para o Céu. (Ver S. mat. 25:31; S. João 14:1-3.)” – LES892, p. 116

“Quando vem para destruir Seus inimigos terrestres, Jesus ‘não guarda silêncio; perante Ele arde um fogo devorador, ao redor esbraveja grande tormenta’ (Sal. 50.3…)  … O silêncio não virá até que sejam mortos os ímpios, ressuscitados os justos falecidos, e os justos vivos sejam arrebatados juntamente com eles. O silêncio é a grande bonança depois da tempestade. É um símbolo da grande alegria do Senhor, das hostes celestiais e de Seu povo redimido, ao viajarem para o Céu. […] Alguns afirmam que esse silêncio no Céu, que vem depois dos terríveis acontecimentos que ocorrem na Terra imediatamente antes do Segundo Advento (Apoc. 6:14-16) é causado pela partida das hostes angélicas das cortes celestiais para acompanhar Cristo à Terra (ver S. Mat. 25:31). ” – LES892, p. 72.

“Esse silêncio se produzirá por ocasião da segunda vinda de Cristo, quando os anjos virão com Jesus (São Mateus 25:31). Alguns têm aplicado a essa meia hora o princípio profético de dia-ano e dizem que poderá representar uma semana literal.” – SRA/EP, p. 56.

 “Outra opinião explica esse silêncio no Céu como um silêncio de reverente expectativa (comparar com as referências ao silêncio em Primeiros Escritos, págs. 15 e 16; O Desejado de Todas as Nações. Pág. 664). Até este ponto as cortes celestiais têm sido retratadas como cheias de louvores e cânticos. Agora tudo está quieto, em solene expectativa das coisas que estão prestes a ocorrer. Interpretado desta maneira, esse silêncio do sétimo selo forma uma ponte entre a abertura dos selos e o toque das trombetas, pois denota que com o sétimo selo a revelação não está completa – ainda há algo mais a ser explicado a respeito do programa de Deus no tocante aos acontecimentos no grande conflito com o mal.” SDABC, vol. 7, p. 787, citado em LES892, p. XXX.

Meia hora – 1 dia profético = 1 ano literal = 360 dias literais  è   ½ hora profética=7 dias literais.

“Todos nós entramos na nuvem, e estivemos sete dias ascendendo para o mar de vidro, aonde Jesus trouxe as coroas, e com Sua própria destra as colocou sobre nossa cabeça.” – Primeiros Escritos, p. 16, citado em LES892, p. 116.

8:2 E vi os sete anjos que estavam em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete trombetas.

8:3 Veio outro anjo, e pôs-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para que o oferecesse com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro que está diante do trono.

8:4 E da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso com as orações dos santos.

8:5 Depois do anjo tomou o incensário, encheu-o do fogo do altar e o lançou sobre a terra; e houve trovões, vozes, relâmpagos e terremoto.

                “Vi anjos indo aceleradamente de um lado para outro no Céu. Um anjo com um tinteiro de escrivão ao lado voltou da terra, e referiu a Jesus que sua obra estava feita, e os santos estavam numerados e selados. Então vi Jesus, que havia estado a ministrar diante da arca, a qual contém os Dez Mandamentos, lançar o incensário. Levantou as mãos e com grande voz disse: ‘Está feito.’ E toda hoste Angélica tirou suas coroas quando Jesus fez a solene declaração: ‘Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo…” – Ellen G. White, Primeiros Escritos, p. 279 e 280.

                “Embora a mediação de Cristo em favor dos pecadores tenha cessado com o fechamento da porta de graça, Seu povo selado será conservado sem pecar através da habitação do Espírito Santo.” – LES963, lição 11, p. 5.

                “Não há dúvida de que nosso Planeta vai passar pela sua pior experiência após o fim do tempo da graça. Felizmente será um tempo muito curto. Note o que se sabe: ‘Vi então Jesus depor Suas vestes sacerdotais e envergar Seus mais régios trajes. Sobre Sua cabeça estavam muitas coroas, estando uma coroa dentro da outra. Cercado pela hoste Angélica, deixou o Céu. As pragas estavam caindo sobre os habitantes da Terra.’ – Ellen G. White, Primeiros Escritos, pág. 281.

                “Esse pensamento sugere que o período de tempo durante o qual as pragas estarão sendo derramadas sobre os impenitentes corresponde ao tempo em que Cristo, após concluir Sua obra de mediação, voltará para Seu povo. Ora, esse tempo será muito curto. ‘Quando Jesus deixar o Santíssimo, Seu Espírito refreador será retirado dos dominadores e do povo. Serão deixados ao controle dos anjos maus. Então serão feitas, por conselho e direção de Satanás, leis que, se não fosse muito breve o tempo, nenhuma carne de salvaria.’ – Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 74.

                “O fato de que o tempo da provação é descrito como ‘muito breve’ significa que Deus está muito interessado no que acontecerá no Planeta e quer colocar um fim nisso tudo muito rapidamente. Deus não tem prazer na dor e sofrimento que Satanás causa a seus próprios seguidores.” – LES963, lição 11, p. 3A.

                “Ao acabar o tempo da graça, o remanescente de Deus na Terra terá sido selado (Apoc. 7:1-4); terá dado a mensagem final (Apoc. 18:1-4) e estará pronto para ser transladado (I Tess. 4:16-18). Então começa o grande tempo de angústia (Dan. 12:1). Passarão por angústia os salvos e os não-salvos.” – LES963, lição 11, p. 1.

8:6 Então os sete anjos que tinham as sete trombetas prepararam-se para tocar.

                Sete trombetas: mesmo período das sete igrejas e sete selos – “Jesus nos dá, em Sua revelação do Apocalipse, uma visão profética tridimensional do que finalmente chegaria a ser a história desde os dias apostólicos até o tempo do fim: 1) as sete igrejas, 2) os sete selos, e 3) as sete trombetas. A profecia das sete igrejas nos revela a história religiosa da era cristã, salientando suas faltas e prometendo o galardão aos vencedores. Nessa profecia Deu destaca Seu interesse e amor por Seu povo. Os sete selos profetizam a história social da era cristã, expondo principalmente o triste processo da apostasia. Também se apresenta a Deus controlando a História e dando fim à dor e ao sofrimento. As sete trombetas pintam a história militar que ocorreria na era cristã em relação com a igreja.” – SRA/EP, p. 134.

                “O conceito tradicional adventista. As trombetas abrangem a história da Era Cristã, como fazem as sete igrejas (Apoc. 2 e 3), mas de uma perspectiva diferente. As trombetas são interpretadas como os acontecimentos na História que tiveram influência sobre a história da Igreja. (Ver Uriah Smith, As Profecias do Apocalipse, págs. 123-182; W. A. Spicer, Beacon Lights of Prophecy, págs. 215-267; Roy Allan Anderson, O Apocalipse Revelado, págs. 97-127.)

                “Sete Trombetas Assinalam o Colapso do Império Romano … Este conceito das trombetas se concentra na História como palco da ira de Deus. O Império Romano é destacado como objeto da ira divina por causa do papel que Roma desempenhou na perseguição do povo de Deus e na supressão de Sua Palavra. Tal conceito é compatível com a interpretação profética da História como a esfera em que Deus revela tanto Suas ações salvíficas como Suas manifestações de ira. Quando a Era Cristã é encarada do ponto de vista do grande conflito entre Cristo e Satanás, o livro do Apocalipse assume especial relevância e significação.” – LES892, p. 125 e 126.

                “Os adventistas do sétimo dia estão constantemente estudando a profecia das trombetas. Como admitimos que não possuímos toda a luz, precisamos volver-nos para o Senhor e pedir a iluminação do Espírito Santo ao procurarmos compreender essa profecia.” – LES892, p. 127.

                “No Antigo Testamento, o toque de trombeta apontava para o dia do Senhor – um dia de livramento para os fiéis, mas de destruição para os infiéis. …  Leia estas passagens e indique se expressam salvação ou destruição:

Isa. 27:13 [Salvação]

Jer. 4:5 [Salvação]

Joel 2:1 [Destruição (segundo se pode ver nos versos que vêm em seguida).]

 Amós 3:6 [Destruição]

“Que é anunciado pelo toque de trombeta mencionado nestas outras passagens?

“S. Mat. 24:31 [A Segunda Vinda de Cristo.]

“I Cor. 15:52 [A primeira ressurreição.]

“I Tess. 4:16 [A segunda vinda e a primeira ressurreição.]” – LES892, p. 138 e 139.

                “No Antigo Testamento, o soar da trombeta com freqüência anunciava algum acontecimento bélico ou militar. Advertia os habitantes da cidade do avanço de exércitos inimigos, e convocava os homens para a batalha.

                “As passagens do Novo Testamento citadas mais acima têm que ver com o conflito espiritual entre os exércitos do Céu e as hostes do mal. O som da trombeta constitui boa nova para os fiéis. Assinala a bem-sucedida arremetida final contra os poderes do mal. Os que morreram em Cristo serão libertados da prisão de Satanás e se reencontrarão com os entes queridos no eterno reino de Cristo, de justiça e paz.” – LES892, p. 138.

                Ver Apêndice: “Comparação entre as sete trombetas e as sete pragas”.

8:7 O primeiro anjo tocou a sua trombeta, e houve saraiva e fogo misturado com sangue, que foram

lançados na terra; e foi queimada a terça parte da terra, a terça parte das árvores, e toda a erva verde.

                A primeira trombeta – “Invasão gótica do Império Romano do Ocidente (‘a terça parte’) (410 A.D.).” – LES892, p. 125.

                “A maioria dos comentários bíblicos explicam que esse granizo, fogo e sangue representariam o ataque selvagem dos ostrogodos contra Roma, sob o comando de Alarico. Eles apareceram como granizo e fogo derramando sangue de seus opressores. Com crueldade e violência quase arrasaram com a Grécia, na Ásia Menos, Itália, Espanha e o sul da França. No ano 410 d.C., Roma foi invadida e saqueada por seis dias. …

“As árvores, aqui, têm sido interpretadas como o povo de Deus, e a queima delas representaria a severa perseguição e massacre a que foram submetidos. A erva também seria interpretada neste contexto como os filhos de Deus. Queimar a erva seria entendido como o exílio e ruína que vêm repentinamente sobre os cristãos.” – SRA/EP, P. 139.

8:8 O segundo anjo tocou a sua trombeta, e foi lançado no mar como que um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar.

8:9 E morreu a terça parte das criaturas viventes que havia no mar, e foi destruída a terça parte dos navios.

                A segunda trombeta – “Os vândalos atacam a Roma pelo mar, destruindo a frota romana pelo fogo (455 A.D.).” – LES892, p. 125.

                “A grande montanha [ou monte] tem sido entendida como nação ou reino. Esta grande montanha ardendo tem sido identificada como os vândalos comandados por Genserico. A embarcação indicaria um exército marítimo. Seus barcos controlavam o Mediterrâneo. Os piratas chegaram a destruir 1.100 barcos romanos numa só noite. Em terra saquearam e roubaram. A palavra ‘vandalismo’ se deriva da terrível conduta que tiveram os vândalos. No ano 445.d.C. saquearam a cidade de Roma por 14 dias, tomando cativos a imperatriz e seus filhos.” – SRA/EP, p. 139.

8:10 O terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela, ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas.

                A terceira trombeta – “Roma é atacada pelos hunos, sob a liderança de Átila (quinto século).” – LES892, p. 125.

                “A estrela meteórica tem sido interpretada como Átila, general dos hunos, que com suas tropas dominou e ocupou a Europa desde o Volga até o Danúbio. Seus exércitos destruíam, matavam e subjugavam cruelmente os sobreviventes. Átila se autodenominou o ‘açoite de Deus’ e dizia-se que onde pisava seu cavalo não crescia mais pasto. Seus guerreiros usavam máscaras para infundir mais medo.” – SRA/EP, p. 139.

8:11 O nome da estrela era Absinto; e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.

                “O nome ‘absinto’ reflete a amarga crueldade manifestada pelos hunos.” – SRA/EP, p. 139.

8:12 O quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhante, e semelhantemente a da noite.

                A quarta trombeta – “O governo romano é destruído sucessivamente: primeiro os imperadores, depois os senadores e então os cônsules (quinto e sexto séculos).” – LES892, p. 125.

                “Há quem creia que o Sol, a Lua e as estrelas se referem aos imperadores romanos e a seus senadores que foram mortos ou eliminados. Também se pensa que poderia significar a luz do Evangelho que também foi destruída, deixando o mundo quase em trevas espirituais.

                “A quarta trombeta simboliza o poder dos hérulos, comandados por Odoacro, que destronou Rômulo Augusto, último imperador romano. Odoacro deu o golpe de morte no império romano, no ano de 476 d.C. Os oficiais do governo romano (Sol, Lua e estrelas) foram eliminados. Como conseqüência desse golpe e a invasão das outras tribos bárbaras, Roma se dividiu em dez partes, dando origem às atuais nações européias. Essas tribos também perseguiram os cristãos.

                “Dos primeiros dez reinos sucessores de Roma, três foram hostis ao surgimento do papado, dos quais, em cumprimento da profecia de Daniel 7 foram arrancados da raiz: Hérulos, vândalos e ostrogodos. Isso favoreceu o surgimento de Roma Papal em substituição de Roma dos Césares.” – SRA/EP, p. 139.

8:13 E olhei, e ouvi uma águia que, voando pelo meio do céu, dizia com grande voz: Ai, ai, ai dos que habitam sobre a terra! por causa dos outros toques de trombeta dos três anjos que ainda vão tocar.

                “As últimas três trombetas também são chamadas ‘ais’ porque são extensas e devastadoras.” – SRA/EP, p. 139.

                “Apocalipse 8:2-13 chama nossa atenção para o fim do tempo da graça e para as primeiras quatro trombetas. Cremos que as trombetas predisseram acontecimentos que ocorreriam durante a história da Era Cristã. Esses acontecimentos têm tido muitas semelhanças com a história da Igreja.” – LES892, p. 129 e 130.

                “As primeiras quatro trombetas (Apocalipse 8:6-13) mostram a desintegração do império romano (tanto do oriente como do ocidente), fustigado pelas tribos bárbaras, as quais prepararam caminho para Roma papal. Tanto Daniel como o Apocalipse profetizam que este poder religioso perseguiria durante 1.260 anos os que cressem na Bíblia.

                “A quinta e sexta trombetas (Apocalipse 9:1-21) descrevem a investida das tribos maometanas, sob o comando de vários líderes, constituindo-se em outro poder que lutaria contra o cristianismo.” – SRA/EP, p. 134.

                “A quinta e a sexta trombetas tratam de acontecimentos que afetaram principalmente o Império Romano Oriental, mas atingiram toda a cristandade.” – LES892, p. 134.

Os três ais – “’O ai é repetido três vezes por causa dos três juízos que ainda ocorreriam ao soar das três trombetas restantes.’ – SDABC, vol. 7, págs. 789 e 790. Cada um deles seria tão devastador que recebe a designação especial de ‘ai’.” – LES892, p. 133.

Bibliografia

Anderson, Roy A., O Apocalipse Revelado, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP.

LES892 – Battistone, Joseph J. – Lições da Escola Sabatina, 2º Trimestre de 1989, nº 374, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP.

LES893 – Coffman, Carl – Lições da Escola Sabatina, 3º Trimestre de 1989, nº 375, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP.

LES963 – Gulley, Norman R. – Lições da Escola Sabatina, 3º Trimestre de 1996, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP.

SRA/EP – Belvedere, Daniel – Seminário As Revelações do Apocalipse, Edição do Professor, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP, 2ª ed., 1987.

White, Ellen G., Primeiros Escritos, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP,., 1987.

Seventh Day Adventist Bible Commentary.

White, Ellen G., Atos dos Apóstolos, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP,., .

White, Ellen G., Grande Conflito, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP,., .

Strand, Kenneth A., Interpreting the Book of Revelation. Ann Arbor Publishers, Naples, Florida.

White, Ellen, G., Caminho a Cristo, Casa Publicadora Brasileira, Tatuí, SP.

Publicado originalmente em: http://apocalipsecomentadoversoaverso.blogspot.com/2015/07/apocalipse-8.html




%d blogueiros gostam disto: