Reavivados por Sua Palavra


APOCALIPSE 9 by jquimelli
29 de setembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/apocalipse/ap-capitulo-9/

Enquanto Apocalipse 6 descreve os juízos de Deus sobre os rebeldes dentro de Seu reino, as sete trombetas (Ap 8:7-13; 9:1-21; 11:15-17) descrevem o julgamento divino sobre os opressores de Seu povo. O pano de fundo das sete trombetas é o texto de Números 10:8-10. O soar das trombetas lembraria Deus de salvar os israelitas de seus inimigos. Com a cena introdutória de Apocalipse 8:1-6 focaliza a intercessão de Cristo no Céu e enfatiza o cuidado divino por Seu povo. Mesmo sendo afligidos pelos inimigos, o Senhor ouve a oração de Seus filhos e age para protege-los e livrá-los.

A sexta trombeta (v. 13-21) está ligada ao contexto da descrição dos 144.000 (Ap 7:1-3). Mencionam-se os quatro anjos e as ações de segurar e soltar. De um lado, os salvos são contados; do outro, os inimigos de Deus. A expressão “eu ouvi o seu número” aparece em ambos os textos. Assim, a sexta trombeta mostra o tempo em que o selamento mencionado em Apocalipse 7 acontece. Enquanto a descrição dos 144.000 mostra Seu status diante de Deus, os próximos dois capítulos mostrarão o que o povo escolhido estará realizando nos últimos momentos da história do mundo.

Clacir Virmes Jr.
Professor de Novo Testamento
SALT – Seminário Latino Americano de Teologia

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1422
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli

Audio online [voz: Valesca Conty]:



APOCALIPSE 9 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
29 de setembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



APOCALIPSE 9 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
29 de setembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

APOCALIPSE 9 – Geralmente nos perdemos em pontos irrelevantes nas revelações apocalípticas, e ficamos desprovidos de sua real mensagem.

A mensagem de suas páginas não são datas e bestas esquisitas, ou potências mundiais e poderes demoníacos. Além disso, também “não é meramente vaticinar o curso futuro da história da Igreja. Sua maior preocupação é pastoral: Guiar e aconselhar aos crentes em Cristo Jesus em tempos de perseguição, animá-los a perseverar até o fim na verdadeira fé, e admoestá-los e alertá-los contra o engano e as crenças falsas” (Hans K. LaRondelle).

Desta forma, o último livro da Bíblia tem uma importância vital para o verdadeiro cristão. Isso faz com que o enganador use todos os meios para impedir você de interpretar corretamente a mensagem nele contido. Mas, avance!

Alberto R. Treiyer apresenta resumidamente:

• Trombetas de 1 a 4: Juízos contra a Roma Pagã Imperial, que perseguia e destruía aos fieis servos de Deus no início do cristianismo.
• Trombetas 5 e 6: Juízos contra Roma Papal Medieval (incluindo a Roma Oriental).
• Sétima trombeta: Tempo do fim (juízo final sobre Roma Papal ressuscitada e a humanidade que a segue).

Deus envia juízos visando salvar aos perdidos. Observe o capítulo em análise:

• Quinta trombeta (vs. 1-12): Começa uma nova seção dentro da profecia das sete trombetas, que fica claro em 8:13. Os juízos das três últimas trombetas são mais severos e mais intensos que os juízos anteriores.
• Sexta trombeta (vs. 13-21): Serve de aviso preparatório à sétima trombeta. Seu propósito é mostrar ao leitor que a dureza do coração humano insubmisso ao Deus que usa diversos recursos. Nem mesmo pela dor e morte, tais pessoas se humilham para arrepender-se de seus pecados e buscar a salvação em Cristo.

“Notamos que João vê a sexta trombeta ligada ainda à obra intercessora do altar de incenso no lugar santíssimo do templo celestial (v. 13). Graças a essa obra ‘contínua’ a intercessão celestial, o juízo das seis primeiras trombetas que caem sobre Babilônia (símbolo de Roma), se dão com misericórdia, não ainda numa dimensão total e universal. Jesus continua ‘sempre vivo para interceder’ pelos ‘que se aproximam dEle’, como os antigos sacerdotes o faziam no templo terrestre (Hebreus 7:25). Isso sacia ‘a ira’ de Deus” (Treiyer).

Pecados cauterizam a consciência, renunciemo-los! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.



Apocalipse 9 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
29 de setembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“O primeiro ai passou. Eis que, depois destas coisas, vêm ainda dois ais” (v.12).


Ao soar a quinta trombeta, João viu “uma estrela caída do céu na terra” (v.1). Segundo a maioria dos teólogos, a quinta trombeta descreve o surgimento do Islamismo. Sabendo que estrela significa anjo ou mensageiro, esta estrela simboliza um falso mensageiro, neste caso, aplicado a Maomé, último profeta do Islamismo e autor do Alcorão. Segundo os muçulmanos, Maomé recebeu revelações do anjo Gabriel, da parte de Allah (Deus em árabe). Desde então, da Arábia, “o poço do abismo” (v.2), os muçulmanos se espalharam, como gafanhotos (v.3), por todo o Oriente e parte da Europa.

Como já vimos, que em profecia um dia equivale a um ano, os “cinco meses” (v.5) equivalem a 150 anos (30×5=150). Segundo alguns estudiosos, esse período se refere à invasão do Império Otomano no território da Nicomédia, entre 27 de julho de 1299 a 27 de julho de 1449. Exatamente no fim dos 150 anos, Constantino XII, imperador grego, chegou ao trono. Seus súditos, os turcos otomanos, simbolizados pelos “gafanhotos” (v.7), foram responsáveis por devastar as províncias do Império Romano do Oriente. Assim passou o primeiro “Ai” (v.12).

O sexto anjo tocou a trombeta” (v.13) e eis que uma voz vinda do altar de incenso do Santuário Celeste deu uma ordem ao sexto anjo: “Solta os quatro anjos que se encontram atados junto ao grande rio Eufrates” (v.14). Esta profecia tem sido compreendida como uma sequência da anterior. Os quatro anjos soltos se aplicam aos sultanatos da região do Eufrates: Alepo, Icônio, Damasco e Bagdá. E o período de “a hora, o dia, o mês e o ano” (v.15), equivalente a 391 anos e 15 dias, ocorreu de 27 de julho de 1449 à 11 de agosto de 1840, quando o poder otomano foi abatido.

Observem que “aqueles que não foram mortos por esses flagelos” causados pela sexta trombeta, “não se arrependeram das obras de suas mãos” e continuaram adorando “os demônios e os ídolos de ouro, de prata, de cobre, de pedra e de pau, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar” (v.20). Continuaram com suas práticas pagãs, e afeiçoados às suas más obras (v.21). Nós vivemos em um tempo de oportunidade qual nunca houve. A longanimidade de Deus se estende nestes últimos dias, como nunca antes, como uma das maiores declarações do amor de Deus pela humanidade. Que o Senhor não nos encontre com o coração endurecido, mas que, hoje, aceitemos a Sua perfeita obra:

Dar-lhes-ei um só coração, espírito novo porei dentro deles; tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei coração de carne; para que andem nos Meus estatutos, e guardem os Meus juízos, e os executem; eles serão o Meu povo, e Eu serei o seu Deus” (Ez.11:19-20).

Bom dia, povo de Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Apocalipse9 #RPSP

Deixe o seu comentário:



APOCALIPSE 9 – COMENTÁRIOS ADICIONAIS by jquimelli
29 de setembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria

2678 palavras

A 5ª e a 6ª trombetas

9:1 O quinto anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caíra sobre a terra; e foi-lhe dada a chave do poço do abismo.

                A quinta trombeta – “Os sarracenos (tropas islamíticas) invadiram a parte oriental do Império Romano (sétimo século).” – LES892, p. 125.

                “Ao ser observada no palco da história humana, a quinta trombeta tem sido relacionada com a difusão da fé muçulmana, no sexto século da Era Cristã em diante. Este conceito é apresentado por Uriah Smith em As Profecias do Apocalipse, págs. 139-152; por Stephen N. Haskell, em The Story of the Seer of Patmos, págs, 161-173; por W. A. Spicer, em Beacon Lights of Prophecy, págs. 225-233; e por Roy Allan Anderson, em O Apocalipse Revelado, págs. 103-105.”

                Estrela caída do Céu – “Pode referir-se a um falso profeta ou a Satanás.” – LES892, P. 135.

A estrela representaria o islamismo, fator que uniu esses homens do deserto como uma poderosa máquina militar, a qual em poucos anos conquistou a Pérsia, Síria, Egito, África e Espanha. Esses guerreiros converteram com sua guerra santa dois terços dos cristãos da África em muçulmanos. Com seu Alcorão e sua guerra santa exerceram tão grande influência que ameaçaram apagar a luz do Evangelho. Basicamente suas guerras afetaram Roma oriental.” – SRA/EP, p. 139 e 140.

                A estrela=uma pessoa – “A devastação sobre a Terra, que João viu como resultado do toque da quinta trombeta, foi muito mais terrível do que aquilo que ele presenciou nas cenas relacionadas com as primeiras quatro trombetas. Mais uma vez precisamos lembrar-nos de que as cenas contempladas pelo profeta são descritas em linguagem simbólica, e não devem receber, portanto, uma interpretação literal. João quer salientar que por trás dos acontecimentos da História está a funesta atividade do diabo e seus anjos.

                “Em Apocalipse 9:1 e 2, João declara que viu uma estrela cair do Céu. Ele deduz que a estrela representa uma pessoa a quem foi dada a chave para abrir o poço do abismo.” – LES892, p. 134

                Poço do abismo – “As vastas extensões dos desertos da Arábia; ou a habitação de Satanás.” – LES892, p. 136.

                “O poço do abismo representaria a vasta região do deserto do Saara, na Arábia, de onde vieram os guerreiros que representam as trombetas. Seria referente à conquista sangrenta do maometismo.” – SRA/EP, p. 139.

“O toque da quinta trombeta desvia a atenção do reino da Natureza para o abismo dos demônios – o poço do abismo. Os juízos proclamados pelas primeiras quatro trombetas foram descrito simbolicamente como calamidades cósmicas. A quinta e a sexta trombetas prevêem ataques satânicos contra professos seguidores de Cristo.

”Os textos que seguem contêm referências ao poço do abismo. … Apoc. 9:1  Apoc. 9:2  Apoc. 9:11  Apoc. 11:7  Apoc. 20:1 e 3.” – LES892, p. 134.

9:2 E abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como fumaça de uma grande fornalha; e com a fumaça do poço escureceram-se o sol e o ar.

                Trevas – “O obscurecimento do sol da cristandade ou as trevas da quinta praga.” – LES892, p. 135.

9:3 Da fumaça saíram gafanhotos sobre a terra; e foi-lhes dado poder, como o que têm os escorpiões da terra.

                Gafanhotos – “Eles têm sido identificados com a difusão do poder dos árabes muçulmanos. Também podem ser equiparados às hostes da destruição, no Dia do Senhor (Joel 1:6 e 7; 2:4-11).” – LES892, p. 135.

                “Os gafanhotos simbolizariam os árabes nômades.” – SRA/EP, p. 139.

9:4 Foi-lhes dito que não fizessem dano à erva da terra, nem a verdura alguma, nem a árvore alguma, mas somente aos homens que não têm na fronte o selo de Deus.

                Dano aos que não tem o selo – “Sob a quinta trombeta, foi ordenado que as forças da destruição não deviam causar dano aos que tinham o selo de Deus em suas frontes (Apoc. 9:4). Ellen White diz o seguinte quanto ao que acontecerá durante as sete últimas pragas: ‘O povo de Deus não estará livre de sofrimento; mas conquanto perseguidos e angustiados, conquanto suportem privações, e sofram pela falta de alimento, não serão abandonados a perecer.’ – O Grande Conflito, pág. 634.” – LES892, p. 139.

                “Através de Apocalipse 9:4 sabemos que durante a quinta trombeta é dada a ordem de proteger os que têm o selo de Deus em sua fronte, o que mostra Deus atuando em favor de Seu remanescente fiel e cumprindo Sua promessa do Salmo 119:165: ‘Grande paz têm os que amam a Tua lei; para eles não há tropeço.’ “ – SRA/EP, p. 109.

                “Os que terão na fronte o selo de Deus no fim do tempo são crentes que permanecem fiéis a Cristo em meio à apostasia. Eles observam o verdadeiro dia de descanso. Em todas as épocas Deus teve pessoas que honraram o sábado do quarto mandamento, recusando a transigir com a grande maioria dos cristãos. Pouco antes de Jesus voltar, aqueles que, por Sua graça, forem vencedores espirituais, serão fiéis observadores do sábado. (Ver Ezeq. 20:12 e 20; Apoc. 14:7, última parte.)” – LES892, p. 139.

9:5 Foi-lhes permitido, não que os matassem, mas que por cinco meses os atormentassem. E o seu tormento era semelhante ao tormento do escorpião, quando fere o homem.

                Cinco meses – “Período profético de 27 de julho de 1299 a 27 de julho de 1449.” – LES892, p. 135.

                “Os cinco meses proféticos (5 x 30 = 150 dias proféticos), mencionados aqui são 150 anos que começam em 27 de julho de 1200 d.C., com a invasão da Nicomédia pelos otomanos, e terminam em 27 de julho de 1449 d.C. Exerceram tanto poder, que o imperador grego, Constantino, teve que pedir autorização deles para estabelecer seu trono.” – SRA/EP, p. 140.

                “Os cinco meses são um importante período profético que estabelece a cronologia profética de modo maravilhoso. Reconhecendo o bem provado princípio em cronologia profética de que um dia representa um ano, temos o seguinte: 5 meses de 30 dias cada, seriam 150 dias. Mas reconhecendo um dia como um ano (Núm. 14:34; Ezeq. 4:6), este período de 150 dias torna-se de 150 anos literais, tempo esse em que o Império Otomano atormentaria e destruiria os homens. O historiador E. Gibbon diz: ‘Foi a 27 de julho, no ano 1299 da Era Cristã, que Otman invadiu primeiro o território da Nicomédia; e a singular exatidão das datas parece indicar alguma previsão do rápido e destrutivo crescimento do monstro.’…

                “Partindo, portanto, dessa data, contamos 150 anos, e isto nos leva a 1449 A. D. Durante esses 150 anos o Império Otomano empenhou-se em quase contínua guerra contra o Império Grego [Império Romano Oriental]. Ele não o conquistou antes de 1449 A.D., quando o último dos imperadores gregos, Constantino [Paleólogo], assumiu o trono, mas somente depois de obter permissão do sultão do Império Otomano! – palpável cumprimento da profecia segundo a qual eles deviam ferir os homens por cinco meses, ou 150 anos. Seu crescente poder agora capacitá-los-ia a ‘matar’ sob a próxima trombeta, o que fizeram até seu declínio.” – O Apocalipse Revelado, p. 105.

9:6 Naqueles dias os homens buscarão a morte, e de modo algum a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles.

                Forças demoníacas – “Nos primeiros seis versículos do capítulo, o apóstolo nos informa da origem da origem e missão das forças que se opõem ao cristianismo. Afinal de contas, elas recebem suas ordens de Satanás. Nos versos 7 a 11, João descreve as forças demoníacas. Sua aparência é grotesca. Têm cabelo comprido, seu aspecto é semelhante a cavalos, parecem ser gafanhotos com caudas de escorpiões, usam coroas de ouro, têm rostos de homem e dentes de leões. Por meio desse simbolismo estranho, João representa eventos bélicos que ocorreriam na História.” –LES892, p. 139.

9:7 A aparência dos gafanhotos era semelhante à de cavalos aparelhados para a guerra; e sobre as suas cabeças havia como que umas coroas semelhantes ao ouro; e os seus rostos eram como rostos de homens.

9:8 Tinham cabelos como cabelos de mulheres, e os seus dentes eram como os de leões.

9:9 Tinham couraças como couraças de ferro; e o ruído das suas asas era como o ruído de carros de muitos cavalos que correm ao combate.

                Descrição dos conquistadores – “Notai a acurada descrição desses conquistadores em Apoc. 9:7-9. ‘Os seus rostos eram como rostos de homens’ (Usavam barba). ‘Tinham cabelos como cabelos de mulheres’ (Cabelos longos). Em suas cabeças havia ‘coroas semelhantes a ouro’ (Referência aos turbantes brilhantes que usavam). ‘Seus dentes eram como dentes de leões’ (Guerreiros destemidos). A semelhança dos gafanhotos era como de ‘cavalos aparelhados para a guerra’ (Os cavalos árabes são ainda sinônimo de qualidade entre os entendidos). Quão exata é a Palavra de Deus!” – O Apocalipse Revelado, p. 104.

9:10 Tinham caudas com ferrões, semelhantes às caudas dos escorpiões; e nas suas caudas estava o seu poder para fazer dano aos homens por cinco meses.

                Cinco meses – “Eles deveriam ferir os homens ‘por cinco meses’ (verso 10). Por centenas de anos, as tribos maometanas e tártaras foram divididas em bandos sob líderes distintos, com pouca ou nenhuma organização. Próximo ao século treze, Otman fundou um governo que desde então tem sido conhecido como o Império Otomano. Este se desenvolveu até que se estendeu sobre todas as principais tribos maometanas, consolidando-as numa monarquia.” – O Apocalipse Revelado, p. 104.

9:11 Tinham sobre si como rei o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom e em grego Apoliom.

                Rei – “Alguns acham que isto se refere a Osmã (ou Otman) I, o tradicional fundador do Império Otomano.” – LES892, p. 136.

                Abadom ou Apoliom – “A destruição personificada.” – LES892, p. 136.

9:12 Passado é já um ai; eis que depois disso vêm ainda dois ais.

9:13 O sexto anjo tocou a sua trombeta; e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro que estava diante de Deus,

                A sexta trombeta – “Tropas turcas destroem o Império Romano Oriental (séculos catorze e quinze).” – LES892, p. 125.

9:14 a qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos que se acham presos junto do grande rio Eufrates.

                Soltar os quatro anjos atados junto ao Rio Eufrates – “Assim como em Apocalipse 7:1-3 os anjos segurariam os ventos, na sexta trombeta estão soltos favorecendo o avanço do Império Otomano. Poder-se-ia interpretar que está falando dos quatro sultões do Império Otomano que exerceram o controle do império.” – SRA/EP, p. 140.

“O toque da sexta trombeta põe em movimento os esquadrões de cavalaria que agora têm permissão para destruir a terça parte dos habitantes da Terra. Com o soar da trombeta, é dada a ordem para soltar os quatro anjos atados junto ao Rio Eufrates. Assim como a quinta trombeta assinalou a soltura dos gafanhotos diabólicos do poço do abismo, a sexta trombeta liberta os quatro anjos para que cumpram sua missão de destruição.

Estas passagens contém referências ao Rio Eufrates. Resuma cada uma das passagens […]

Gen. 15:18

Deut. 11:24

Isa. 8:5-8

Apoc. 16:12-16

“O Rio Eufrates marcava o limite entre Israel e seus principais inimigos. Isaías 8:5-8 retrata a invasão assíria de Judá como grande inundação que se alastrou pelo país com pavorosa intensidade. O Eufrates também assinalava os limites orientais do Império Romano. O Eufrates também assinalava os limites orientais do Império Romano. A referência a cavaleiros invasores era um indício de destruição para a Igreja Cristã, visto que ela se volvia para o Estado em busca de amparo e proteção. ” – LES892, p. 140.

                Invasão do turcos – “Quando a sexta trombeta soou, João declara que quatro anjos, que estavam presos junto ao Rio Eufrates, foram libertados. Verso 14. Os estudiosos têm entendido esta expressão como se aplicando aos quatro sultanatos principais: Alepo, Icônio, Damasco e Bagdá, que compreendiam o Império Otomano. Eles estavam situados na região do Rio Eufrates. Deviam ser libertados por um período específico: uma hora, um dia, um mês e um ano.” – O Apocalipse Revelado, p.  105 e 106.

                “Na profecia bíblica, o Rio Eufrates simboliza a terra do inimigo, a residência do paganismo, um lugar  que está que está contaminado espiritualmente, e dominado por forças satânicas. O diabo não está livre para mover esses poderes pagãos à vontade. Ele ainda se acha sujeito à suprema soberania do Senhor.” – LES892, p. 141.

9:15 E foram soltos os quatro anjos que haviam sido preparados para aquela hora e dia e mês e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens.

                Hora, Dia, Mês e Ano – “Hora, dia, mês e ano proféticos, seriam 391 anos e 15 dias. O Império Otomano foi estabelecido no dia 27 de julho de 1449. Se lhe acrescentarmos os 391 anos e 15 dias chegaremos a 11 de agosto de 1840. Nesse dia a Turquia aceitou, por meio de seus embaixadores, a proteção das potências aliadas da Europa e se colocou sob a tutela das nações cristãs. O acontecimento se cumpriu com exatidão.” – SRA/EP, p. 140.

“391 anos e quinze dias de tempo profético. ‘Esta supremacia dos maometanos sobre os gregos devia continuar…por trezentos e noventa e um anos e quinze dias. Começando, terminados os cento e cinqüenta anos, em 27 de julho de 1449, o período devia estender-se até 11 de agosto de 1840. A julgar pela maneira como começou a supremacia otomana, que foi por um voluntário reconhecimento por parte do imperador grego de que reinava só com permissão do sultão turco, devíamos naturalmente concluir que a queda ou perda da independência otomana se efetuaria da mesma maneira; que no fim do período indicado, isto é, em 11 de agosto de 1840, o sultão submeteria voluntariamente a sua independência às mãos dos poderes cristãos, justamente como, havia trezentos e noventa e um anos e quinze dias, o tinha recebido das mãos do imperador cristão, Constantino XIII.’ – Uriah Smith, As Profecias do Apocalipse, p. 157.” – LES892, p. 142.

                “No ano de 1840 outro notável cumprimento da profecia despertou geral interesse. Dois anos antes, Josias Litch, um dos principais ministros que pregavam o segundo advento, publicou uma explicação de Apocalipse 9, predizendo a queda do Império Otomano. Segundo seus cálculos esta potência deveria ser subvertida  ‘no ano de 1840, no mês de agosto’; e poucos dias apenas antes de seu cumprimento escreveu: ‘Admitindo que o primeiro período, 150 anos, se cumpriu exatamente antes que Deacozes subisse ao trono com permissão dos turcos, e que os 391 anos, quinze dias, começaram no final do primeiro período, terminará no dia 11 de agosto de 1840, quando se pode esperar seja abatido o poderio otomano em Constantinopla.’ …

                ‘No mesmo tempo especificado, a Turquia, por intermédio de seus embaixadores, aceitou a proteção das potências aliadas da Europa, e assim se pôs sob a direção de nações cristãs. O acontecimento cumpriu exatamente a predição.” – O Grande Conflito, p. 334.

9:16 O número dos exércitos dos cavaleiros era de duas miríades de miríades; pois ouvi o número deles.

                “’Vinte mil vezes dez milhares‘ (ou 200 milhões) de cavaleiros: Exército inumerável que avançava rapidamente.” – LES892, p. 142.

9:17 E assim vi os cavalos nesta visão: os que sobre eles estavam montados tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saíam fogo, fumaça e enxofre.

                Fogo, Fumaça e Enxofre – “Alguns consideram isto uma representação do uso de fogo de artilharia.” – LES892, p. 142.

9:18 Por estas três pragas foi morta a terça parte dos homens, isto é, pelo fogo, pela fumaça e pelo enxofre, que saíam das suas bocas.

Pragas (ou flagelos) – “Possível ligação com as sete últimas pragas.” – LES892, p. 142.

9:19 Porque o poder dos cavalos estava nas suas bocas e nas suas caudas. Porquanto as suas caudas eram semelhantes a serpentes, e tinham cabeças, e com elas causavam dano.

9:20 Os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras das suas mãos, para deixarem de adorar aos demônios, e aos ídolos de ouro, de prata, de bronze, de pedra e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar.

                Ídolos – “Outra alteração que o papado fez na lei de Deus foi tirar do catecismo o mandamento que proíbe adorar ou reverenciar as imagens (êxodo 20:4-6). Durante a sexta trombeta, junto com uma série de graves pecados, é apresentada a adoração de imagens (Apocalipse 9:20, 21). Deus é muito claro em dizer que não aceita que O adorem por meio de imagens (Isaías 42:8). Por isso é que em Apocalipse 21:8 e 22:15 se diz que os idólatras não se salvarão. Deus é Espírito e só aceita uma adoração espiritual (São João 4:23, 24).” – SRA/EP, p. 107.

9:21 Também não se arrependeram dos seus homicídios, nem das suas feitiçarias, nem da sua prostituição, nem dos seus furtos. 

 

                5ª e 6ª trombetas: Uma analogia – “A quinta e a sexta trombetas predisseram a devastação causada por forças opostas ao cristianismo na Idade Média e no período moderno. Essas forças podem ser consideradas como figura ou analogia das instrumentalidade satânicas que afligirão os seguidores de Cristo antes de Sua Segunda Vinda.” – LES892, p. 142 e 143.

Publicado originalmente em: http://apocalipsecomentadoversoaverso.blogspot.com/2015/07/apocalipse-9.html



APOCALIPSE 9 – COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
29 de setembro de 2018, 0:05
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: