Reavivados por Sua Palavra


II PEDRO 3 by jquimelli
12 de setembro de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/2-pedro/2pe-capitulo-3/

A profecia de Pedro contida neste capítulo se cumpre em nossos dias. Escarnecedores zombam da ideia do retorno literal de Jesus em glória. Ignorando o claro ensino de Jesus: “voltarei e os levarei para Mim” (João 14:3 NVI), mesmo alguns cristãos tem abandonado a ideia de Seu retorno.

Apesar dos escarnecedores e céticos, Pedro nos lembra: “O dia do Senhor … virá.” (v. 10 NVI). Seu retorno glorioso é certo. Jesus prometeu: “Porque assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra no Ocidente, assim será a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24:27 NVI).

Como, então, devemos viver ao esperarmos o retorno glorioso de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo? Pedro nos admoesta com estas palavras: “esperando o dia de Deus e apressando a Sua vinda” (v. 12 NVI). Precisamos manter o foco em Jesus, autor e consumador da nossa fé, e nos unirmos a Ele em Sua missão.

Ao você sair como um mensageiro, em nome de Jesus, lembre-se sempre desta promessa de Jesus: “Eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mt 28:20 NVI).

Derek J. Morris
Diretor do Hope Channel
Associação Geral IASD
Estados Unidos

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=1405
Comentário original completo: https://reavivadosporsuapalavra.org/2015/06/19
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Gisele Quimelli e Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosB/Reavivados12-09-2018.mp3

Áudio online [voz: Valesca Conty]:



II PEDRO 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
12 de setembro de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



II Pedro 3 – Comentário Pr Heber Toth Armí by Ivan Barros
12 de setembro de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

II Pedro 3 – Até na igreja verdadeira pode existir falsos mestres. Mas, foi para orientar-nos, que o Espírito Santo inseriu as páginas desta carta de Pedro em nossas Bíblias.

João Calvino percebeu a importância dos detalhes desta carta. Ele declarou: “A majestade do Espírito de Cristo manifesta-se em cada parte da epístola”.

O estímulo para adquirir o conhecimento verdadeiro e para obter discernimento diante de tantos embusteiros da fé são constantes. Observe as análises de J. Sidlow Baxter:

• O capítulo 1 trata do verdadeiro “conhecimento” em todo o seu decorrer (vs. 2-3, 5-8). Na primeira metade do capítulo (vs. 2-11), ficamos sabendo como as verdades deste conhecimento devem ser ampliadas. A segunda metade do capítulo (vs. 12-21) nos informa porque “estas coisas” devem ser sempre “lembradas”.

• O capítulo 2 concentra-se inteiramente nos falsos mestres que, infelizmente, deveriam surgir entre o rebanho do Senhor e causar grandes prejuízos.

• Finalmente, o capítulo 3, trata da suprema “promessa” (note como a “promessa” se repete) da volta do Senhor. O qual, baseando-me em Michael Green ofereço este esboço:

1. Reiteração do propósito da carta (3:1-2);

2. Os escárnios dos que zombam da segunda vinda de Jesus (3:3-4);

3. Pedro argumenta com base:

• Na história (3:5-7);

• Nas Escrituras Sagradas (3:8);

• No caráter de Deus (3:9);

• Na promessa de Cristo (3:10).

4. As implicações éticas da segunda vinda de Cristo (3:11-14);

5. Pedro cita Paulo como apoio aos seus argumentos teológicos (3:11-14);

6. Conclusão da carta (3:17-18).

O conhecimento bíblico…

• …é fundamental para não ser enredado em falsas teorias ou para não titubear frente aos ataques dos supostos intelectuais ou suposta ciência que intentam provar que “tudo continua como desde o princípio da criação” (v. 4).

• …orienta nossas perspectivas, atiça nossa mente e coração para expectativas reais prometidas por Deus no futuro próximo, além de nos alertar contra os escarnecedores que intentarão minar a fé dos cristãos no tempo do fim (vs. 5, 17).

• …nos dá a razão da aparente demora para a restauração do caos causado pelo diabo e seus anjos maus: Deus está sendo paciente, esperando nossa entrega total a Ele e a Seus planos salvíficos (v. 9).

• …nos garante que nossa esperança não será frustrada, mas completada (vs. 10-13).

Temos boas razões para reavivarmo-nos e reformarmo-nos espiritualmente! – Heber Toth Armí #ebiblico #rpsp #rbhw

Qual foi tua experiência com estas cartas de Pedro?



II PEDRO 3 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
12 de setembro de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Nós, porém, segundo a Sua promessa, esperamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça” (v.13).


Temos visto, pelo exame das Escrituras, que toda ela aponta para o reencontro do Criador com Sua criatura. A entrada do pecado no mundo causou uma ruptura que só a cruz pôde desfazer. Pedro encerrou sua última epístola destacando que em ambas as epístolas que escreveu, ele não apresentou um evangelho novo, mas procurou “despertar com lembranças” (v.1) a mente dos cristãos, a fim de que recordassem do que já estava escrito “pelos santos profetas, bem como do mandamento do Senhor e Salvador, ensinado pelos… apóstolos” (v.2). Ou seja, o Antigo e o Novo Testamento. Eis a nossa regra de fé e prática: “Toda a Escritura” (2Tm 3:16).

Por outro lado, outro ponto deveria ser levado “em conta”: “nos últimos dias”, surgiriam escarnecedores da genuína fé, que pela defesa de uma vida “segundo as próprias paixões” (v.3), pondo em dúvida a volta de Jesus, usariam a natureza como prova de que a sublime promessa não tem razão de ser. O apóstolo usou, então, o relato do dilúvio para contestar tal argumento. Assim como Deus enviou o dilúvio “sobre o mundo de ímpios” (2Pe 2:5), certamente cumprirá o seu derradeiro juízo, com fogo, na “destruição dos homens ímpios” (v.7). Contanto que muitos julguem demorado o retorno do nosso Senhor e Salvador, para Ele, “um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia” (v.8). Deus, portanto, não retarda “a Sua promessa, como alguns julgam demorada; pelo contrário, Ele é longânimo” (v.9).

A longanimidade de Deus aguarda a nossa decisão. A demora, então, não é um atraso, mas um tempo de misericórdia. O desejo do Pai é de “que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (v.9). Nada é tão precioso para o Criador do que a obra-prima de Sua criação! “Virá, entretanto, como ladrão, o Dia do Senhor” (v.10). Não no sentido de que será um evento silencioso, mas em que não sabemos nem o dia nem a hora em que ele ocorrerá. Pois Pedro continua dizendo: “… no qual os céus passarão com estrepitoso estrondo, e os elementos se desfarão abrasados; também a terra e as obras que nela existem serão atingidas… os céus, incendiados, serão desfeitos, e os elementos abrasados se derreterão” (v.10 e 12). Será o evento mais ruidoso e espetacular que este mundo jamais testemunhou!

Vivemos no tempo de não somente esperar, mas também de apressar “a vinda do Dia de Deus” (v.12). A nossa espera, na verdade, deve refletir o nosso anseio pelo Lar de justiça que o Senhor nos preparou. E o nosso empenho deve ser na direção de sermos “achados por Ele em paz, sem mácula e irrepreensíveis” (v.14), tendo sempre em mente de que a paciência de Deus é sinônimo de salvação, e não de retardo. O reforço dado às cartas de Paulo aponta para outra grande lição: a firmeza nas verdades eternas. O cuidadoso estudo das Escrituras deve ser acompanhado de humildade e profundo desejo por ouvir a voz de Deus. A atuação do Espírito Santo apresenta, através da Palavra, o “conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (v.18).

É a construção de um relacionamento íntimo com o Senhor da Palavra através da comunhão pessoal diária, que crescemos “na graça e no conhecimento” de Jesus (v.18). Que esta seja a nossa realidade hoje e sempre, até aquele grande Dia!

Bom dia, “os que vivem em santo procedimento e piedade” (v.11)!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #2Pedro3 #RPSP

*Participe deixando um comentário:



II PEDRO 3 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
12 de setembro de 2018, 0:07
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: