Reavivados por Sua Palavra


FILIPENSES 4 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de julho de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Tudo posso nAquele que me fortalece” (v.13).


Há amor exalando de cada palavra deste capítulo. De uma forma toda especial, Paulo encerra a sua epístola aos filipenses com cuidadosas e bem escolhidas palavras. O seu desejo era que a generosa igreja de Filipos permanecesse unida num só propósito de viver na prática o amor cristão. Ao rogar a Evódia e Síntique para que pensassem “concordemente no Senhor” (v.2), fica claro que estava havendo um sério atrito entre elas. Apesar de terem sido importantes na obra de Deus auxiliando o ministério de Paulo, provavelmente suas divergentes opiniões as levaram a uma contenda que certamente estava afetando toda a igreja.

Alguns teólogos acreditam que esta epístola possa ter sido escrita justamente por causa da divisão causada por estas duas mulheres. Como alguém que já havia convivido com elas, Paulo conhecia a sinceridade de ambas e o poder de influência que elas tinham na pregação do evangelho. E é muito interessante a forma como ele aborda as duas no final, citando a pessoa de Clemente e dos demais membros daquela igreja para que as auxiliem na reconciliação. Fica evidente que era um caso conhecido de todos, portanto, todos deveriam unir forças para solucioná-lo, e não para escolher de que lado ficar. Pois, como bem afirmou Jesus: “Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá” (Mt 12:25).

Paulo seguiu uma sequência no encerramento desta carta. Importante analisarmos ponto a ponto:

  1. Unidade (v.2): a influência dos líderes da igreja deve ser um constante incentivo à união. Ainda que em meio às diversidades, os membros da família de Cristo devem aprender a conviver com as diferenças sem que estas se tornem causas de divisões e contendas. O perdão deve sempre prevalecer;
  2. Cooperação (v.3): quando a igreja se une em amor de uns para com os outros, quando a comunidade cristã experimenta, de fato, o genuíno amor, cada palavra e cada gesto torna-se uma poderosa ferramenta no avanço da obra de salvar;
  3. Alegria (v.4): como já estudamos ontem, a verdadeira alegria é um dom de Deus que, quando vivido, é tão contagiante e completo, que nenhuma circunstância adversa consegue destruí-lo;
  4. Moderação/Temperança (v.5): um cristão equilibrado não é aquele que vive uma religião morna, pois Jesus deixou mais do que claro que este tipo de atitude é nauseante diante de Deus (Ap 3:16). Mas  é aquele que entende que a moderação segundo Deus é o equivalente à fidelidade; é saber fazer um uso sábio do que é bom e rejeitar totalmente tudo o que é mau, sabendo que “perto está o Senhor” (v.5);
  5. Confiança em Deus através de uma vida de oração (v.6): o andar ansioso a que Paulo se refere também pode ter uma ligação direta com as divisões internas que estavam acontecendo na igreja. Quando tentamos agir por conta própria diante das dificuldades e provações, acabamos por postergar o sofrimento e o problema não é solucionado. Assim como a oração foi a ferramenta divina que uniu os primeiros discípulos, dissipando as suas diferenças e preparando-os para receber o poder do Espírito Santo (At 1:14), ela permanecerá como a principal aliada da igreja de Cristo nos últimos dias;
  6. Um caráter em construção (v.8-9): a palavra “finalmente” dá a ideia de conclusão, mas também denota ação no sentido de dar continuidade ao que haviam iniciado. Para isso, alguns critérios são apresentados como um meio de avaliar o que convém ao cristão: tudo o que é verdadeiro, respeitável, justo, puro, amável, de boa fama, virtuoso e louvável. Diante desta lista, creio que o recado é bem claro: Quer ter o caráter de Cristo? Ocupe sua mente com o que a edifica;
  7. Perseverança (v.11-13): ainda que nunca tenhamos passado fome ou sofrido em prisões, cada um de nós enfrentamos lutas diferentes que podem ser experiências difíceis e até traumatizantes. Mas o cristão que deposita a sua confiança em Deus e procura viver cada ponto que temos analisado até então, recebe de Deus a força necessária para “viver contente em toda e qualquer situação” (v.11);
  8. Caridade (v.14-18): Paulo chega a dizer que a ajuda dos filipenses foi uma espécie de sociedade em seu ministério “no tocante a dar e receber” (v.15). Quando damos voluntariamente parte daquilo que possuímos, reconhecendo que tudo o que temos pertence ao Senhor, nossas ofertas tornam-se “como aroma suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus” (v.18).

Que possamos escolher viver constantemente estas tão preciosas orientações. Que unidos num só pensamento, tenhamos a mente de Cristo e façamos parte da igreja que ora, que perdoa, que ama e que cuida uns dos outros, pois é esta a igreja que o Senhor vem buscar.

A graça do Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito” (v.23).

Feliz semana, igreja militante!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Filipenses4 #RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: