Reavivados por Sua Palavra


ATOS 19 by jquimelli
13 de maio de 2018, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/atos/atos-capitulo-19/

Comentário devocional:

Éfeso era provavelmente a quarta maior cidade do Império Romano. A arena de Éfeso podia conter 25 mil pessoas. A deusa padroeira era Diana, e seu templo era enorme, com 127 colunas de mármore. Acreditava-se que a imagem de Diana havia caído do céu (v.35). A cidade era a capital de negócios da Ásia Menor. Quando visitei Éfeso, fiquei espantado. Eu andei por horas, vendo rua após rua de ruínas escavadas. Eu vi a grande biblioteca, a arena, o mercado, os banheiros públicos ao longo das principais vias. Olhando para baixo, vi a estrada que levava ao porto e, à esquerda, o local onde as pessoas se reuniam. Maravilhei-me que Deus pudesse usar um homem para transformar toda aquela região em seguidores de Cristo, começando com a cidade profundamente pagã de Éfeso.

Este centro cosmopolita estava mergulhado no espiritualismo. Mas onde o poder de Satanás é mais óbvio, o poder de Deus é mais claramente demonstrado. Os doentes eram curados, e quando os filhos de um sacerdote judeu apóstata tentaram usar o poder de Paulo, eles foram subrepujados pelo demônio que estavam tentando expulsar. Isso levou os crentes a cortar completamente os laços com o espiritualismo, queimando seus livros sobre magia. “Assim, a palavra do Senhor crescia poderosamente e prevalecia” (v.20).

O que é preciso para ser um instrumento de Deus, como Paulo foi em Éfeso? Talvez devêssemos começar com a pergunta de Paulo aos primeiros discípulos: vocês receberam o Espírito Santo quando creram? (v.2). Em outras palavras, é Jesus verdadeiramente real em sua vida? A única fonte de poder é Jesus, através do ministério do Espírito Santo. Aceitar tudo o que Jesus é e o que Ele ensina é também aceitar o poder que Ele oferece. Paulo compreendeu esta verdade e a viveu.

Ron E. M. Clouzet
Diretor da Associação Ministerial
Divisão Norte Asia-Pacífico

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1283
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli/Jeferson Quimelli
Comentário em áudio Pr. Valdeci: http://vod.novotempo.org.br/mp3/ReavivadosA/Reavivados13-05-2018.mp3



ATOS 19 – VÍDEO COMENTÁRIO PR ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
13 de maio de 2018, 0:55
Filed under: Sem categoria



ATOS 19 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
13 de maio de 2018, 0:45
Filed under: Sem categoria

ATOS 19 – Evangelizar grandes cidades e líderes influentes tem sido uma estratégia ignorada por nossas igrejas. Mas, se temos algo a aprender com Paulo, é exatamente isso.

John Stott falando sobre Paulo, observa que, “provavelmente, o que o atraía às cidades era o fato de conterem sinagogas judaicas, populações maiores e líderes mais influentes. Assim, em sua primeira viagem missionária, ele visitou Salamina e Pafos no Chipre, e Antioquia, Icônio, Listra e Derbe na Galácia; em sua segunda viagem, evangelizou Filipos, Tessalônica e Bereia na Macedônia, e Atenas e Corinto na Acaia; enquanto se concentrou em Éfeso durante a maior parte da terceira viagem”.

No capítulo em análise, temos estes pontos:

1. Paulo em Éfeso rebatiza doze discípulos quando aceitaram novas verdades (vs. 1-7).
2. Por três meses Paulo falou ousadamente, dissertando e persuadindo os de coração duro (v. 8).
3. Por dois anos, na Escola de Tirano, Paulo expôs a Palavra de Deus (v. 10). Ao espalhar-se os convertidos em Éfeso a outras localidades, “esse período de dois anos viu a fundação das igrejas de Colossos e Hierápolis, e possivelmente algumas das sete igrejas mencionadas em Ap 2-3, além da de Éfeso” (John MacArthur).
4. O poder do Espírito Santo manifestou-se em Paulo em prol dos habitantes de Atenas, contudo, o poder de Satanás se lhe opôs; porém, “a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente” (vs. 11-20). Onde a Palavra de Deus penetra com poder, itens do poder das trevas são destruídos:
• Os magos foram confrontados;
• Exorcistas foram desmascarados;
• Pecados foram confessados publicamente pelo povo;
• Livros de magia foram queimados.
5. Paulo traçou plano para o futuro, seu alvo era chegar a Roma (v. 21).
6. Paulo enviou Timóteo e Erasto a Macedônia (v. 22).
7. Paulo permaneceu em Éfeso, e o que aconteceu?
• Demétrio liderou um alvoroço contra Paulo porque não conseguia mais vender ídolos (vs. 23-28).
• Confusão em nome da deusa Diana no Teatro da cidade (vs. 29-34).
• O escrivão, sabiamente acalmou toda a agitação (vs. 35-41).

Síntese: A Palavra de Deus redireciona crentes ignorantes (vs. 1-5), solapa o poder da magia (vs. 6-20) e, levanta tumulto no terreno da idolatria (vs. 23-41).

Precisamos mais dessa Palavra em nossa vida, em nossa família, em nossas igrejas e em nosso país! – Heber Toth Armí.



ATOS 19 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
13 de maio de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Assim, a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente” (v.20).


Ficando Apolo em Corinto, Paulo encaminhou-se a Éfeso e para onde dantes tinha sido impedido de ir pelo Espírito Santo, permaneceu “por espaço de dois anos, dando ensejo a que todos os habitantes da Ásia ouvissem a palavra do Senhor, tanto judeus como gregos” (v.10). Através de Paulo, Deus realizou ali “milagres extraordinários” (v.11), de modo que até por meio de seus objetos pessoais as pessoas eram curadas “e os espíritos malignos se retiravam” (v.12). Apesar de serem discípulos sinceros, aqueles doze homens, que Paulo encontrou em Éfeso, não tinham conhecimento acerca do Espírito Santo e mesmo que batizados pelo batismo de João, foram novamente batizados, desta vez, “em o nome do Senhor Jesus” (v.5), e, logo após, “veio sobre eles o Espírito Santo”, por meio do qual “falavam em línguas como profetizavam” (v.6).

Desejando para si poder semelhante, “alguns judeus, exorcistas ambulantes” (v.13) tentavam invocar o nome de Jesus a fim de expulsar demônios. Porém, destituídos do Espírito Santo foram severamente subjugados pelo espírito maligno “de tal modo… que, desnudos e feridos, fugiram daquela casa” (v.16). Este episódio humilhante causou temor sobre os efésios, “e o nome de Jesus era engrandecido” (v.17). Isto causou em muitos crentes grande reavivamento e reforma. Seus pecados foram confessados e reconheceram que “suas próprias obras” (v.18) estavam em desarmonia com o evangelho que haviam abraçado. Também muitos “que haviam praticado artes mágicas, reunindo os seus livros, os queimaram diante de todos” (v.19).

Certamente, a região da Ásia não foi um lugar fácil de se pregar o evangelho. Havia idolatria, magia e diversas práticas pagãs que tornava aquele território um covil de demônios. Contudo, cheios do Espírito Santo, e sob a autoridade do Nome sobre todos os nomes, Paulo e os demais discípulos desempenharam um papel fundamental na evangelização da Ásia. Debaixo de muitas ameaças, e de uma multidão que clamava “por espaço de quase duas horas” (v.34) o nome de sua entidade religiosa, Gaio e Aristarco estavam em situação de grande risco. Paulo quis sair em defesa de seus companheiros, mas impedido por seus discípulos, e recebendo recado de “que não se arriscasse indo ao teatro” (v.31), imagino o apóstolo intercedendo por seus queridos irmãos. Oração esta que moveu o coração de Deus a usar “o escrivão da cidade” (v.35) em favor de seus servos.

Percebam que o trabalho daqueles homens de Deus não consistia em blasfemar contra a deusa daquela gente (v.37). Eles não feriam a crença das pessoas, mas apresentavam o Deus único e verdadeiro, desvendando-lhes os olhos para a verdadeira adoração. Pregavam com ousadia e não com grosseria. Suas palavras eram ditas com amor e não com ironia. Era desta forma que “a palavra do Senhor crescia e prevalecia poderosamente” (v.20). Jesus mesmo afirmou: “e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8:32). O conhecimento da verdade promoveu um poderoso reavivamento e reforma. Além de confessarem seus pecados, decidiram abrir mão de tudo aquilo que os afastava do Senhor.

Aqueles livros de magia representam os pecados acariciados. Tudo aquilo que nossa consciência, por meio dos apelos do Espírito Santo, acusa como errado, mas que não abandonamos simplesmente porque são coisas que nos agradam. Aqueles efésios sinceros não queimaram apenas livros caros, mas como uma representação do velho homem, lançaram no fogo seus corações a fim de serem purificados e transformados em ouro refinado para a glória de Deus. Estamos vivendo no tempo profético do grande dia da expiação. Jesus está no lugar Santíssimo do santuário celeste como nosso Sumo Sacerdote. É tempo de confissão e arrependimento. É tempo de abandonarmos tudo aquilo que não condiz com o evangelho da salvação. Jesus, através do Espírito Santo, é Quem nos faz este apelo hoje!

Feliz semana a todos e um feliz dia das mães a todas as mamães reavivadas!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Atos19
#RPSP



ATOS 19 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
13 de maio de 2018, 0:20
Filed under: Sem categoria

1223 palavras

 

1-7 Éfeso. Talvez a quarta maior cidade no Império Romano (atrás de Roma, Alexandria e Antioquia), era a capital da província romana da Ásia e o centro comercial para a mais rica região do império. Era também o centro de adoração da deusa Ártemis (conhecida pelos romanos como Diana). Andrews Study Bible.

1 – 5 alguns discípulos. Fica evidente que eram judeus, e não discípulos gentios. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 395.

Veio sobre eles o Espírito Santo. Esta experiência foi partilhada por todos aqueles cujo batismo se encontra registrado em Atos. O Espírito veio, neste caso, como provisão para a grande obra que estava prestes  tornar Éfeso, de uma cidade devota à deusa Artêmis (Diana), num lugar conquistado para Cristo, a ponto de se tornar um polo cristão para toda a região circunvizinha, ao longo de vários séculos. CBASD, vol. 6, p. 396.

falavam em línguasprofetizavam (ARA; NVI: “…e começaram a falar em línguas e profetizar”). A mesma experiência que os discípulos tiveram no Pentecostes (2.4, 11) e que os gentios tiveram em Cesareia (10.46). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este episódio é uma extensão do Pentecostes para ainda um outro grupo de pessoas (v. 2, nota). “Profetizavam”, nesta passagem, pode ser equivalente a “falar … as grandezas de Deus” (2.11), ou falando e “engrandecendo a Deus” (10.46). Bíblia de Genebra.

Falavam em línguas. Ou, “começaram a falar em línguas”. Foi um derramamento pentecostal. Em Jerusalém o dom do Espírito produzira seu efeito sobre os judeus de todas as partes do império reunidos para a festa. Por sua vez concedido neste centro de atividades gentílicas [Éfeso], o Espírito operou um resultado semelhante, a fim de que o deslumbramento do povo diante de tal visão atraísse atenção para a mensagem e atraísse conversos para Cristo. “Assim [eles] foram qualificados a trabalhar como missionários em Éfeso e região, além de ir avante proclamar o evangelho na Ásia Menor”(Ellen G. White, RH, 3/08/1911). CBASD, vol. 6, p. 396.

Profetizavam. Ou, “começaram a profetizar”. Isto se refere a uma apresentação mais convincente do evangelho, que incluía a exposição de profecias do AT e grande poder de pregação. A predição de acontecimentos futuros não ajudaria a muito a causa de Cristo na época e não é o que a palavra necessariamente significa. CBASD, vol. 6, p. 396.

9 – 10 passou a discorrer diariamente na escola de Tiranopor espaço de dois anos. Não é de admirar a profundidade da epístola aos Efésios ao se lembrar o alicerce teológico que esta Igreja ganhou durante dois anos. Bíblia Shedd.

10 dois anos. Dois anos e três meses (cf v. 8) foi a mais longa permanência registrada por Lucas numa só localidade missionária. Bíblia de Estudo NVI Vida.

O objetivo da escola foi preparar homens para a obra de evangelização e o pastorado. As Igrejas de Colossos, Hierápolis e Laodicéia, fundadas por Epafras, discípulo e conservo do apóstolo, foram uma parte deste trabalho. E quanto mais? Bíblia Shedd.

12 lenços e aventais. Provavelmente usados por Paulo ao trabalhar com o couro: os lenços serviriam para amarrar na cabeça. Cf. 5.15. Bíblia de Estudo NVI Vida.

aos enfermos. isto não foi da iniciativa de Paulo; por causa do seu passado religioso pagão, os efésios estavam acostumados a empregar meios supersticiosos (v. 19). Deus ajustou Sua obra de graça à ignorância deles. Bíblia de Genebra.

A eficácia desses instrumentos de cura é comparável à orla das vestes do Senhor (ver com. de Mc 5:27, 28) e ao barro que Ele usou para curar o cego (ver com. de Jo 9:6). Só há duas condições universais para atos sobrenaturais para a cura divina: poder de Deus e fé. Objetos materiais que cobrem o abismo entre o poder divino e a fé humana são meros veículos para o exercício da fé. CBASD, vol. 6, p. 395.

14 sumo sacerdote. Parente do sumo sacerdote em Jerusalém. À semelhança de Simão Mago (8.19), os filhos de Ceva quiseram aproveitar, sem direito, o poder de Deus. O nome de Jesus não é fórmula de magia. Bíblia Shedd.

17 Em vista da dramática falha dos exorcistas (vv 13-17), os cidadãos de Éfeso aprenderam a respeitar o nome de Jesus. Andrews Study Bible.

19 livros. Estes eram pergaminhos com os nomes e encantamentos usados em suas mágicas. Bíblia de Genebra.

calculados os seus preços. O sacrifício feitos pelos cristãos não consistiu apenas no preço dos livros, que é citado por Lucas, mas também na perda de renda em potencial, que poderiam receber por meio da prática das “artes mágicas”. CBASD, vol. 6, p. 400.

Foram escavados documentos como esses, com alegadas fórmulas mágicas e informações secretas. Éfeso era um centro de encantamento e magia. Bíblia de Estudo NVI Vida.

21-41 A excitante história do tumulto em Éfeso é testemunha do sucesso da proclamação de Paulo em ganhar a população para a adoração do Criador (vv 23-41). Andrews Study Bible.

21 ver também Roma. Esta é o primeiro registro do desejo de Paulo de ir a Roma. … A obra de Paulo não lhe pareceria completa até que conseguisse levar seu testemunho ao grande centro do império. CBASD, vol. 6, p. 400.

24 Diana. Do gr. Artemis. Parece não haver razão suficiente para os tradutores da ARA usarem aqui o nome romano da deusa (Diana), que se identifica apenas apenas de maneira aproximada com a divindade dos efésios, em vez de optar pelo nome que ocorre no texto grego. CBASD, vol. 6, p. 403.

25 uma boa fonte de lucro. Como o templo de Ártemis [NVI] era uma das sete maravilhas do mundo antigo, as pessoas vinham de toda a parte para vê-lo. Ao comprarem miniaturas do templo e de imagens, feitas de prata, davam muito lucro aos artífices. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Sua suposta imagem [de Diana/Ártemis], que tinha alegadamente caído de “Zeus” (v. 35), era provavelmente um meteorito que o povo tinha começado a adorar. Bíblia de Genebra.

Ao longo dos séculos, o primeiro golpe que a idolatria recebeu em Éfeso foi durante a permanência de Paulo na cidade. O segundo se deveu a Nero, que roubou o templo de Artêmis … tesouros da arte. … Mais tarde, Trajano enviou suas portas esculpidas a um templo de Bizâncio … os góticos devastaram a Ásia Menor … forneceu materiais para a igreja de Santa Sofia, construída em Constantinopla por Justiniano, em homenagem à Santa Sabedoria. … A cidade de Éfeso caiu num estado de tamanha decadência que o lugar do templo permaneceu incerto até o século 19. CBASD, vol. 6, p. 403.

29 teatro. Era muito grande em Éfeso, acomodando 24.000 espectadores. Andrews Study Bible.

33-34 Alexandre. Empurrado para a frente pelos judeus, seja para deixar claro que os judeus estavam dissociados dos cristãos, seja para fazer mais acusações contra os cristãos de delitos contra os gregos. A multidão percebeu que os judeus não eram adoradores de Ártemis, assim como os cristãos. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Seu papel na história demonstra que o tumulto era uma disputa entre politeísmo (a adoração de muitos deuses, idolatria) e monoteísmo (a adoração do único e verdadeiro Deus, o Criador). Andrews Study Bible.

35 escrivão da cidade. Secretário da cidade, que publicava as decisões da assembléia do povo. Era o oficial mais importante da localidade e principal oficial executivo da assembléia, agindo de intermediário entre Éfeso e as autoridades romanas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

guardiã do templo. Título de honra concedido à cidade que mantivesse um templo de culto imperial. Bíblia Shedd.

37 sacrílegos, lit “roubadores de templos”. O templo era o lugar de maior segurança na antiguidade para guardar objetos de valor. Bíblia Shedd.

os judeus … eram acusados de traficar bens roubados dos templos. CBASD, vol. 6, p. 406.



ATOS 19 – VÍDEO COMENTÁRIO PR RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
13 de maio de 2018, 0:15
Filed under: Sem categoria




%d blogueiros gostam disto: