Reavivados por Sua Palavra


I Pedro 5 by jquimelli
16 de junho de 2015, 1:00
Filed under: humildade, liderança | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Neste capítulo final da primeira epístola de Pedro, ele começa com conselhos claros para os administradores da igreja e líderes, usando como credencial sua experiência como testemunha ocular dos sofrimentos de Cristo (v.1). “Pastoreiem o rebanho de Deus que está aos seus cuidados…  com o desejo de servir”, ele exorta, “não ajam como dominadores dos que lhes foram confiados, mas como exemplos para o rebanho” (vs. 2, 3 NVI).

Às vezes hesitamos em destacar as recompensas de fazer o que é correto, mas Pedro não hesita em fazer isso, lembrando-nos que a coroa de glória que receberemos por cuidar dos que estão sob nossa influência nunca irá desaparecer (v. 4). Ele encoraja os membros mais jovens das congregações a submeterem-se aos de mais idade e com mais experiência, mas, em seguida, afirma, em essência: “todos vocês devem se submeter em humildade uns aos outros” (v.5).

“Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês” (v.7 NVI). Muitos anos atrás, com três crianças disputando espaço no meu colo na igreja, a mulher atrás de mim rabiscou este versículo em um pedaço de papel e o passou para mim. Desde então, ele permanece como uma das minhas promessas favoritos das Escrituras.

Ao encerrar, mais uma vez Pedro lembra a seus ouvintes do tema do grande conflito – um adversário real chamado Satanás procura levar os crentes a abandonar a fé e dar as costas a Cristo Jesus. Esta é a mensagem que Pedro diria a você hoje: Resista! Permaneça firme! Seja vigilante!

“Paz a todos vocês que estão em Cristo” (v. 14 NVI). Amém!

Cindy Tutsch, DMin
Estados Unidos

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1pe/5/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: I Pedro 5 
Comentário em áudio 



Tiago 1 by jquimelli

Comentário devocional:

Tiago, um meio-irmão de Jesus e influente líder na igreja (Gl 1:18,19) escreveu para o povo de Deus espalhado pelas nações do mundo (v. 1). Ele os chama de “amigos” e os encoraja em sua caminhada com Cristo, que permitam que Deus efetue a Sua boa obra na vida deles (v. 21). Tiago os incentiva a crescer espiritualmente através do exercício continuo da fé que eles têm em Deus (vs. 2, 3). E o que ele disse a eles se aplica a nós hoje.

Como exercer fé? Confiando diária, semanal e anualmente que Deus nos ajudará através das tempestades que nos sobrevêm na jornada da vida. Cada vez que sobrevivemos e suportamos a uma tentação, a nossa fé se torna mais forte, trazendo-nos para mais perto de Deus (v. 12). À medida que a nossa fé se torna mais forte, estaremos melhor preparados para os desafios futuros que certamente virão.

Nunca devemos culpar a Deus por permitir que tentações e provações venham sobre nós (v. 13). Deus não provoca ansiedade, dor ou sofrimento sobre uma pessoa só para ver se ela é leal. As tentações que enfrentamos muitas vezes vêm de um coração não-consagrado (v. 14). Às vezes intencionalmente e às vezes de forma não intencional, cedemos a elas, o que nos levará para mais longe do nosso amado Senhor.

Não se deixe enganar por aqueles que dizem que tudo que você tem a fazer para ser salvo é conhecer a palavra de Deus. O Diabo viu, ouviu e conheceu pessoalmente a Cristo, o “Verbo” (João 1:1-3) e, mesmo assim, ele preferiu a rebelião. Nós não devemos apenas conhecer, mas experimentar um relacionamento com o Senhor e viver a Sua vontade para a nossa vida, como registrada em Sua Palavra (vs. 21-22).

Os Dez Mandamentos foram dados ao homem como um espelho de sua condição espiritual. Se ele não olhar no espelho, ele não pode saber como está ou qual sua condição espiritual. A lei de Deus reflete áreas em nossa vida que precisam ser lavadas no sangue do sacrifício de Jesus Cristo por nós (vs. 23-25). Ao apontar nossas culpas a lei nos incentiva a buscarmos o remédio que é Cristo. Ao vermos nossa necessidade e transmitirmos a Deus o nosso desejo de sermos limpos, Ele nos abençoará, capacitará e nos susterá ao diariamente escolhermos fazer a Sua vontade.

Robin Pratt
Estados Unidos

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jam/1/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Tiago 1 
Comentário em áudio 



Tiago 1 – Comentários Selecionados by tatianawernenburg
7 de junho de 2015, 0:30
Filed under: religião viva, Vida Cristã | Tags: , , , ,

1 Servo. Do gr. doulos (Rm 1:1). Com simplicidade, Tiago se autodenomina “servo”, em vez de “apóstolo”, título que sem dúvida deve ter usado com propriedade. Embora fosse um obreiro respeitado do reino de Cristo na Terra, refere-se a si mesmo apenas como “servo”. Esse é um exemplo digno a todos que possuem responsabilidades na igreja. Não existe honra maior do que ser um servo de Deus. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 546.

3 Provação. Do gr. dokimion, “probante”, “que testa”. Esta palavra se refere não apenas à provação da fé cristã, mas mais precisamente ao atributo de fé que a torna vitoriosa sobre os problemas da vida. Os papiros usam esta palavra para descrever o “ouro genuíno”, isto é, o ouro que passa por uma prova e é tido por genuíno. A frase “a provação da vossa fé” pode assim descrever a fé que é provada. CBASD, vol. 7, p. 548.

6 Nada duvidando. Quem pede “com fé” não hesita, como quem não está seguro se Deus atenderá ou não seu pedido. A fé genuína confia em Deus, e o crente descansará na certeza de que suas necessidades serão supridas rapidamente, visto que Deus tudo sabe. A fé genuína está acima da prova do tempo ou da circunstância, fazendo com que nossa fidelidade a Deus seja firme e de propósito imutável. CBASD, vol. 7, p. 550.

14 Cada um é tentado. Se Deus não é a fonte da tentação, surge a pergunta inevitável: “Quem ou o que é a fonte?” O apóstolo enfatiza que a fonte do pecado não está fora do ser humano, mas dentro dele. CBASD, vol. 7, p. 555.

17 Do alto. Isto é, de Deus. Deus opera por meio dos seres humanos e, conquanto seus pensamentos sejam verdadeiros, Ele revelará uma parte da verdade mais plena que anseia que o ser humano compreenda. CBASD, vol. 7, p. 556.

19 Pronto para ouvir. Embora membros de igreja já tenham nascido de novo por meio da Palavra (v. 18), isso não os exime de continuarem ouvindo-a. Embora esse seja evidentemente o principal sentido da frase, seu significado com certeza inclui também a sugestão geral de que as pessoas deveriam ser mais prontas a ouvir do que a falar. CBASD, vol. 7, p. 557.

22 Praticantes. Não é suficiente lembrar o que ouvimos ou mesmo ser capaz de ensiná-lo a outros. Devemos, sistemática e persistentemente, praticar a “palavra da verdade” (v. 18) em nossa vida. Desse modo, o apóstolo Tiago concorda perfeitamente com os ensinos de Paulo: “Porque os simples ouvidores da lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados” (Rm 2:13). CBASD, vol. 7, p. 559.

26 Enganando. Nenhum engano é mais lamentável do que enganar-se a si próprio. Uma demonstração externa de justiça pode ganhar elogios das pessoas, que olham para a aparência exterior (l Sm 16:7). O coração deve ser motivado pela “lei perfeita” (Tg 1:25), para que possa viver com mansidão (v. 21) diante de Deus e das pessoas. CBASD, vol. 7, p. 561.

27 Sem mácula. Os fariseus dependiam das formas de ritual visíveis para se manterem imaculados, mas por dentro estavam cheios de impureza moral (Mc 7:1-23). Tiago aponta para um tipo bem superior de evidência externa de “religião pura”. CBASD, vol. 7, p. 561.

Do mundo. Assim como existe hoje o “mundo” é sinônimo de princípios maus e práticas contrárias à vontade divina (Jo 17:14-16). O cristão verdadeiramente convertido evitará qualquer pensamento ou ato que permita que a imundícia do mundo o contamine. CBASD, vol. 7, p. 562.



Hebreus 6 by jquimelli

Comentário devocional:

De todos os capítulos de Hebreus, esse é o que provavelmente mais tem causado consternação entre os cristãos. É realmente possível que uma pessoa possa ir além da graça de Deus? Existem pessoas que Deus realmente não pode perdoar? Sim, este capítulo diz que é possível.

Nos versos 1-3 o apóstolo diz que seus leitores precisam avançar em seu conhecimento do evangelho. Eles precisam comer o alimento espiritual dos adultos. Sua recusa em fazê-lo não só interrompe o crescimento, mas também pode levar à morte de sua relação com Cristo. Os versos 4-6 argumentam que o problema não é a possibilidade de haver um pecado grande demais para ser perdoado (pois o sangue de Jesus pode cobrir qualquer pecado, I João 1:7), mas que uma vez que o dom de Deus tenha sido apreciado e, em seguida, rejeitado, a pessoa assim neutraliza os meios que Deus usa para sua salvação. Na verdade, nesse caso possuir dons do Espírito pode causar mais distanciamento de Deus (vs. 7-8).

Felizmente, esse não é o caso da audiência da carta. Eles estão no caminho para a salvação. Eles precisam, no entanto, fazer duas coisas: (1) manter sua esperança até o fim e (2) ter paciência e perseverança (vv 9-12).

No resto do capítulo, o autor explica como realizar essas duas coisas. Os versos 13-15 descrevem Abraão como um exemplo de perseverança a imitar e os vs. 16-20 apresentam Jesus como a âncora firme da esperança do crente. Deus jurou a Abraão que através de sua descendência iria abençoar todas as famílias da terra (isto é, você e eu). Ao entronizar Jesus à Sua mão direita, Deus começou a cumprir Sua promessa a Abraão. É impossível que Ele esqueça do Seu juramento.

Jesus é a âncora de nossa alma!

Felix H. Cortez
Andrews University Theological Seminary 
Estados Unidos

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/heb/6/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Hebreus 6 
Comentário em áudio 



II Timóteo 4 by jquimelli
20 de maio de 2015, 1:00
Filed under: correção, Justiça, vitória | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

É difícil apresentar mensagens de repreensão. Os pastores sabem disso muito bem. As pessoas em geral preferem receber mensagens açucaradas e que as agradem a receber mensagens que apontem os seus erros. Mas Paulo deixa claro que isso deve ser feito.

Você é uma pessoa que segue a “doutrina correta”? Ou seus ouvidos coçam para ouvir apenas o que é agradável?

Paulo aconselha Timóteo a lidar com dissensões doutrinárias de modo firme. Se não enfrentadas com coragem, mais pessoas serão arrastadas para a doutrina que “coça as orelhas, e não é baseada na sã doutrina” – ou seja, será um desastre! Permitir que tal desorientação continue na igreja não é amor! O afastamento da doutrina verdadeira é uma força destrutiva que deve ser enfrentada. Corrija, repreenda, exorte, disse Paulo, mas o faça com delicada paciência, porque cada pessoa tem a possibilidade de ser, assim esperamos, nosso vizinho no céu.

Deus fala aos Seus filhos com firmeza porque está procurando por pessoas que se humilhem; pessoas como o apóstolo Paulo, que se ofereçam para serem usadas por Deus como oferta de sacrifício: “Eu já estou sendo derramado como uma oferta de bebida” (v. 6, NVI).

Você é humilde diante do Senhor? Você já se rendeu completamente a Ele? Como você responde à disciplina do Senhor? A luta é longa e difícil, mas para aqueles que se rendem totalmente a Deus e mantem a fé – perseveram até o fim por meio de Seu poder – há uma coroa da justiça! (v. 8).

Imagine aquele dia glorioso quando o amorável Jesus – o Rei do Universo – se aproximará de você, olhará em seus olhos, e com as próprias mãos perfuradas, colocará a coroa da vitória em cima de sua cabeça e dirá: “Muito bem, servo bom e fiel!… venha e participe da alegria do seu Senhor!” (Mt 25:21, NVI). Como você foi vitorioso contra o mal, você estará comigo para sempre e herdará todas as coisas (Ap. 21: 7).

Jim Ayer
Vice-Presidente
Rádio Mundial Adventista
Conferência Geral

 

 

 
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/2ti/4/
Traduzido por JAQ/GASQ/JDS/IB
Texto bíblico: II Timóteo 4
Comentário em áudio 



Lucas 18 by jquimelli
2 de janeiro de 2015, 1:00
Filed under: oração, parábolas | Tags: ,

Comentário devocional:

Alguma vez você já se perguntou: “Por que eu tenho que continuar pedindo a Deus a fim de que minhas orações sejam respondidas?” Como Jacó lutando com o anjo, nós nos preocupamos: “Devo persistir até eu prevalecer?” À primeira vista, a parábola da viúva persistente, em Lucas 18, parece reforçar a ideia de que, a fim de conseguir que nossas orações sejam respondidas, temos que ser persistentes até que Deus nos responda. Jesus está dizendo que os persistentes apelos da viúva para o juiz injusto é um modelo para a nossa vida de oração?

Felizmente, Jesus fornece uma melhor interpretação: “E o Senhor continuou: Ouçam o que diz o juiz injusto” (v 6 NVI). Jesus está nos dizendo para contrastar, em vez de comparar, o juiz injusto com Deus. Deus se preocupa conosco. Todo o plano de salvação é o plano de Deus para nos resgatar do verdadeiro juiz injusto, Satanás. Jesus conclui: “Eu lhes digo: Ele [Deus] lhes fará justiça, e depressa” (Lucas 18:8a NVI). Em face dos ataques de Satanás, Deus agirá rapidamente. Jesus está nos dizendo para perseverarmos na oração, não implorar desesperadamente tentando chamar a atenção de Deus. Nós não somos a viúva suplicante e Deus não é o juiz injusto! Jesus está nos dizendo que, como crentes, devemos perseverar em oração ao reivindicamos a promessa:

Deus fará justiça,
Ele não irá adiar meu pedido.
Ele me fará justiça,
E o fará rapidamente.

Então, persevere na oração, não porque você tem que pedir que Deus o ajude. Persevere em oração porque você acredita que Deus está ansioso para agir em seu benefício. Persevere em oração para continuar crendo em Deus, mesmo quando Satanás tenta levá-lo a duvidar.

Jesus encerra a parábola em Lucas 18:8 com o que parece à primeira vista, uma pergunta estranha: “Contudo, quando o Filho do homem vier, encontrará fé na terra?” (v 8b). Como esta pergunta de Jesus se relacionada com os pedidos da viúva?

Jesus está nos chamando a perseverar na oração a fim de que não percamos a fé na promessa de Sua Segunda Vinda. Há o perigo de que o nosso foco na sobrevivência nos transforme de crentes em céticos. Podemos ser tentados a duvidar da promessa de Sua vinda. Oração persistente e perseverante, oração que não desiste, é a única maneira de manter a nossa fé no breve retorno de Jesus.

Douglas Jacobs, D.Min.
Professor do Ministério e Homilética
School of Religion, Southern Adventist University

 

Texto original:  http://revivedbyhisword.org/en/bible/luk/18/
Traduzido por JAQ/GASQ
Texto bíblico: Lucas 18 
Comentário em áudio 



Salmo 126 by Jobson Santos
11 de dezembro de 2013, 0:10
Filed under: Salmos | Tags: , , ,
Comentário devocional:

Quando os peregrinos viajavam para Jerusalém algumas de suas músicas eram “canções recordativas” –  canções que recordavam a libertação efetuada por Deus a favor do Seu povo.

Imagine a alegria e a admiração que o povo de Deus sentiu quando Ciro decretou o retorno dos exilados judeus de volta para sua casa em Jerusalém (ver Esdras 1). Conforme eles viajavam de volta para casa, que palavras de louvor estavam em seus lábios? Uma coisa é certa, Deus foi glorificado.

O Salmo nos diz que este ato de libertação do povo de Deus de volta para a terra prometida (nesta segunda vez em que receberam a terra como dádiva) chamou a atenção das nações vizinhas. Até mesmo os descrentes deram crédito desta recuperação a Deus afirmando: “o Senhor fez grandes coisas por eles” (Salmo 126:2b).

O Salmo termina com uma linda promessa: “Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes” (verso 5, NVI).

Encontro grande conforto nessas palavras quando atravesso aqueles períodos da vida que parecem não fazer sentido. Versos como esses me mantém avançando e me dão esperança quando não vejo nenhum sinal da colheita, mesmo após ter dedicado tempo e energias plantando.
Recebo estes versos como uma maneira de Deus me dizer: “Você vai voltar para o lugar da minha abundância com louvor em seus lábios, com bênçãos em sua mão. E meu nome será glorificado para sempre”.

Cindy Nash

Estados Unidos


Texto original em: http://revivedbyhisword.org/en/bible/Psa/126/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Salmo 126




%d blogueiros gostam disto: