Reavivados por Sua Palavra


Apocalipse 5 by jquimelli

Comentário devocional:

João vê o Pai sentado no trono, segurando em sua mão direita o pergaminho que contém as ações de cada pessoa. Em linguagem simbólica aquele pergaminho contém informações de toda nação, língua e povos desde o início da história da Terra até o fim. João chora porque parece não haver ninguém no céu ou na terra que possa abrir o livro e resolver o problema do pecado da Terra.

Alguém mais entra na sala do trono, o Cordeiro, aparentando recentemente ter passado pela morte. Jesus, o Cordeiro sacrificial,  consegue abrir o livro e revelar o seu conteúdo. O recém morto e ressuscitado Jesus pega o pergaminho contendo o registro das vidas das pessoas e dos eventos na terra e se prepara para agir. O momento aqui retratado é o dia de Pentecostes, em 31 d.C. Os quatro seres e os vinte e quatro anciãos prostram-se e adoram o Cordeiro, porque Ele os resgatou para Deus pelo Seu sangue. A compreensão dessas realidades também deveria fazer-nos prostrar e louvar o Cordeiro!

As sete lâmpadas ou espíritos representam a totalidade do Espírito Santo que está diante do trono e é enviado ao mundo todo. O derramamento pentecostal do Espírito Santo em Jerusalém em 31 dC foi a proclamação do Céu a respeito da entronização do Redentor. Segundo a promessa de Jesus, Ele enviou o Espírito Santo do céu sobre seus seguidores como um sinal de que Ele, como Sacerdote e Rei, recebeu todo o poder no céu e na terra e foi  ungido como Sumo Sacerdote sobre Seu povo.

Neste ponto do início do trabalho de Jesus como nosso Sumo Sacerdote e Rei, os anjos, os quatro seres e os vinte e quatro anciãos, que assistiram a agonia e triunfo de Jesus sobre a terra, também estarão observando a vitória dos cristãos de todos os tempos através do poder de Jesus Cristo. Esses anciãos se prostram e proclamam: “Digno é o Cordeiro que foi morto de receber poder, riqueza, sabedoria, força, honra, glória e louvor!” (v. 12).
Como eles, prostremo-nos também diante de Jesus, o Cordeiro de Deus, em gratidão por Sua graça salvadora. Só Jesus é digno do nosso louvor e adoração!
Kenneth Mathews, Jr. M. D.
Greeneville, TN, EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/rev/5/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: Apocalipse 5 
Comentário em áudio 



Atos 16 by jquimelli
14 de fevereiro de 2015, 1:00
Filed under: conversão, cuidado de Deus, evangelismo, livramento, louvor, poder de Deus, testemunho | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

Mais que um pastor, Paulo era um missionário. Ele cuidava dos novos convertidos da Ásia Menor durante sua primeira viagem missionária, mas seu coração estava pronto para ir onde nenhum seguidor de Cristo já tinha ido. Ele era destemido e corajoso em pregar o evangelho de Jesus. Ele sabia que mesmo o pagão mais endurecido poderia ser transformado, tocado pela graça do Deus vivo. Ele mesmo era um exemplo vivo disto.

Deus tinha planos específicos para Paulo. Em Trôade Paulo foi instruído em visão para ir para a Macedônia, ao norte da Grécia. Ele realmente estava longe de casa! Lá, na primeira cidade, Filipos – uma colônia romana de veteranos -, os evangelistas descobriram que não havia sinagoga. Mas eles encontraram adoradores de Deus se reunindo no Sábado à beira do rio. Sem dúvida, eles haviam passado muito tempo em oração por orientação específica de Deus.

Destes adoradores, Lídia foi a primeira a responder. Uma rica mulher de negócios, foi a primeira convertida da Europa! Satanás deve ter ficado atordoado, pois percebeu que “seu reino estava sendo invadido” por seguidores de Jesus! (ver Atos dos Apóstolos, p. 212). Então, ele contra-atacou através de uma escrava possessa por um espírito de adivinhação. O ataque foi muito inteligente. Em vez de fazê-la dizer mentiras, ela proclamou a verdade sobre os apóstolos. A menina possuída por demônio anunciava os servos de Deus, criando confusão, e isso é o que Satanás queria. Quando Paulo silenciou o demônio, as pessoas que lucravam com o espírito de adivinhação fizeram que os apóstolos fossem presos e colocados na prisão!

E se tivesse acontecido com você? Como você se sentiria se tudo isto acontecesse com você depois de fazer fielmente a obra de Deus, no lugar onde Ele lhe disse especificamente para ir? Você desanimaria? Ou faria como Paulo e Silas que lutaram contra a tortura e a dor cantando hinos a Deus? Ajuda divina sempre vem quando cantamos as promessas de Deus e louvores a Ele (2 Cr 20:21, 22).

Leia o resto da história: anjos vieram visitá-los e causaram um terremoto que libertou a todos. O doce Espírito de Jesus permeou a prisão e todos os detidos ouviram as músicas e, ao invés de tentar escapar, se fixaram nos apóstolos. Agora, quem fica atordoado é o carcereiro. Percebendo que está na presença de servos do Altíssimo, ele implora por perdão e pelo conhecimento da salvação.

Em Filipos, Lídia e toda a sua família, a ex-escrava possuída por um demônio que escolheu se tornar uma seguidora de Cristo (Atos dos Apóstolos, p. 213), o carcereiro e sua família, todos se tornaram discípulos de Jesus. Estes primeiros crentes europeus acabaram sendo “os mais amorosos e sinceros convertidos do apóstolo” (Atos dos Apóstolos, p.391). 

Quando Deus guia a sua vida, você será instrumento de conversões.

Ron E. M. Clouzet
Professor de Ministério e Teologia
Seminário da Universidade Andrews

 

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/16/
Traduzido por JAQ/GASQ
Texto bíblico: Atos 16
Comentário em áudio 



Habacuque 3 by Jobson Santos
9 de outubro de 2014, 0:15
Filed under: comunhão, crescimento espiritual | Tags: , , , ,
Comentário devocional:
 
Tendo desafiado a aparente inatividade de Deus e ouvido a resposta divina, Habacuque responde com uma oração. A petição é encontrada no versículo 2, onde o profeta expressa sua devoção a Deus e depois suplica por uma renovação. Em seguida, ele expressa sua confiança no Senhor por meio de um salmo de louvor. Ele recheia o seu louvor com lembranças da liderança de Deus junto ao Seu povo no passado. Este é um método poético frequentemente usado pelos profetas e poetas da Bíblia.
 
Por exemplo, no versículo 7 Habacuque refere-se à reação das nações vizinhas, quando Israel foi libertado da escravidão (Êxodo 15: 14-16). O sol e a lua parados no versículo 11 é provavelmente uma referência à vitória obtida por Josué em Gibeão (Josué 10:12, 13). Isso relembra o leitor que quando Deus agir como prometeu no capítulo 2, a vitória será ainda maior e mais completa.
 
O capítulo termina com uma maravilhosa declaração de fé. Tendo feito as perguntas e ouvido as respostas de Deus, Habacuque afirma que ele está disposto a confiar em Deus, não importa quais sejam as circunstâncias. Ele pode experimentar sofrimentos por um tempo, mas a sua fé em Deus, seu Salvador é inabalável.
 
“Mesmo não florescendo a figueira
e não havendo uvas nas videiras,
mesmo falhando a safra de azeitonas
e não havendo produção de alimento nas lavouras,
nem ovelhas no curral,
nem bois nos estábulos,
ainda assim eu exultarei no Senhor
e me alegrarei no Deus da minha salvação” (Hab. 3:17-18).
 
A mensagem de Habacuque é para os nossos tempos. Ele formula perguntas que muitos se fazem hoje: Por que Deus não age? Como pode um Deus justo permitir que tais coisas terríveis aconteçam? A garantia de Deus de que Ele está no controle é tão verdadeira hoje como era no tempo de Habacuque.
Somos rodeados por atos de maldade e nos perguntamos: “Até quando, Senhor, clamarei por socorro, sem que tu ouças?” (Hab. 1:2, NVI) Que esta oração de Habacuque seja a nossa oração e que a sua fé em Deus seja a nossa fé. Ao nos lembrarmos de como Deus guiou o seu povo e nos tem conduzido em nossas vidas individuais, isto nos dará força para confiar nEle nos tempos difíceis também. E como Habacuque respondamos por meio do louvor, confirmando a nossa fé no Deus que nunca falha.
 
Audrey Andersson
Secretária Executiva da Divisão Trans Europeia
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/hab/3/

Traduzido por JDS

Texto bíblico: Habacuque 3

Comentário em áudio



Isaías 18 by Jobson Santos
14 de março de 2014, 0:30
Filed under: profecias | Tags: , ,
Comentário devocional:

Neste capítulo, Isaías não fala apenas acerca da Etiópia, mas também acerca das pessoas que vivem “além dos rios da Etiópia” (versículo 1, tradução do autor). Durante o tempo da escrita do livro de Isaías, fazia seis anos que a dinastia Etíope havia começado a reinar e seu país incluía a Somália, o Sudão, áreas da África ocidental, e provavelmente também povos do sul da Etiópia, perto da costa oriental da África.

Essas pessoas que moravam na costa da África enviavam emissários pelo mar, em navios de papiro, para outros lugares. Eles eram altos, de pele macia, poderosos, agressivos, e temidos (versículo 2). Isaías, neste capítulo, discorre sobre “os fiéis”, em oposição aos maus, mas a divisão não é em termos de cor racial ou nacionalidade.

A partir do verso 3, Isaías volta-se para o que está além do seu tempo, para as últimas fases da história da Terra, para o tempo da segunda vinda de Cristo. Ele declara: “Quando a bandeira for erguida sobre os montes, vocês a verão, e, quando soar a trombeta, vocês a ouvirão” (Isaías 18:3b-c). Sim, a trombeta soará, o mundo inteiro irá ouvi-la e Cristo voltará.

O Senhor disse ao profeta: “Do lugar onde moro [o santuário celestial] ficarei olhando, quieto” (v. 4b). Deus sabe que o mal está com seus dias contados.Durante a colheita, diante do “calor do sol escaldante” o frescor do dia desaparece. Quando a colheita do mal estiver madura, a escuta tranquila do Senhor no seu santuário acabará e ele “se levantará” (Daniel 12:1-2 ) e se tornará ativo. Ele cortará os brotos com foices e cortará fora os ramos longos (verso 5c-d). Miguel, que é Cristo, decide que “chegou a hora”. Na Segunda Vinda Sua recompensa estará com Ele e Seu povo subirá com segurança até a Sião celestial, mas aqueles que são maus “Serão todos entregues aos abutres das montanhas e aos animais selvagens” (v. 6a). Os ímpios serão mortos pelo brilho da vinda de Cristo (2 Tess. 2:8). [alterei de lugar] Isto não se refere apenas a Etiópia ou partes da África, mas a todo o mundo.

Isaías diz: “Naquela ocasião”, ou seja, na Segunda Vinda (versículo 7),  “dádivas serão trazidas ao Senhor dos Exércitos da parte de um povo alto e de pele macia” (v. 7a). Por que “Senhor dos exércitos”? Porque Ele vem com todo o seu exército angelical. As dádivas significam as lindas canções de “Ação de graças” que os remidos entoarão por sua salvação através de Cristo (versículo 7b-e). As músicas serão cantadas para Cristo, o Senhor dos exércitos celestiais, no monte Sião celestial, a Nova Jerusalém (v. 7f).

Querido Deus,

Por favor, ajude-nos a abandonar quaisquer preconceitos que possamos ter de pessoas de outras partes do mundo. Ajude-nos a trocar todos os medos que possamos ter dos outros pela compreensão de que eles estarão um dia no céu, trazendo presentes ao Cordeiro. Senhor, concede que possamos estar lá para testemunhar este evento maravilhoso com os salvos de todos os tempos. Amém.
Koot van Wyk
Coreia do Sul

https://reavivadosporsuapalavra.org/

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/18/

Traduzido por: JDS/JAQ

Texto bíblico: Isaías 18

 



Isaías 12 by jquimelli
8 de março de 2014, 0:00
Filed under: adoração | Tags: , ,

Comentário devocional:

Isaías 12 começa dizendo: “Naquele dia …”

Que dia? O dia seguinte após o Senhor ter resgatado o “remanescente do Seu povo ” (Isaías 11:16). Em Daniel 12:1-3, temos: “Naquela ocasião Miguel, o grande príncipe que protege o seu povo, se levantará. … Mas naquela ocasião o seu povo, todo aquele cujo nome está escrito no livro, será liberto. Multidões que dormem no pó da terra acordarão … reluzirão como o fulgor do céu … serão como as estrelas, para todo o sempre” (NVI).

É esta nota de triunfo e júbilo que Isaías destaca neste capítulo. Diversos paralelos podem ser vistos entre Isaías 12 e o Salmo 46. Aqui o autor fala: “o Senhor [Jesus] é a minha força e o meu cântico” (v. 2b NVI). De modo similar, no Salmo 46, o Senhor é descrito como um “castelo forte”.

Isaías canta aqui a canção do Cordeiro “A salvação pertence ao nosso Deus, que se assenta no trono, e ao Cordeiro”. (Apoc. 7:10 NVI). Isaías viu os santos tirando “água das fontes da salvação” (v. 3a NVI)”. Eles próprios serão “como árvore plantada à beira de águas correntes” ( Salmo 1:3).  O Senhor “os guiará às fontes de água viva” (Apoc. 7:17). “Naquele dia” [dia da Segunda Vinda do Senhor] louvaremos ao Senhor (v. 4a) expressando as palavras de Apoc. 7:12: “ação de graças, honra, poder e força sejam ao nosso Deus para todo o sempre” (NVI). As profecias indicam que toda língua confessará que Cristo é o Senhor (Rom. 14:11).

O Senhor é digno de ser louvado através de cânticos “pois ele tem feito coisas gloriosas” (v. 5a), como a criação, a salvação, a recriação, que devem ser “conhecidas em todo o mundo” (v. 5b).

Esta cena de Isaías não está ligada ao Israel físico em nenhum momento de sua história passada, presente ou futura. Ela acontece na eternidade, após o fim da História: “Gritem bem alto e cantem de alegria, habitantes de Sião, pois grande é o Santo de Israel.” (v. 6 NVI).

Sião é a Sião celestial, a Nova Jerusalém Celestial, onde os santos serão protegidos pela presença de Deus que será para eles um “Castelo Forte”. O Messias Guerreiro sairá desta Sião para lutar contra o mal na batalha para sua erradicação definitiva, no Dia do Senhor.

O Salmo 46 expressa o júbilo com o qual os santos exaltarão ao Messias Guerreiro quando este tiver obtido a vitória contra Satanás. Expressões como “o Senhor dos Exércitos está conosco”, (encontrado no relato paralelo do Salmo 46:11a) e “grande é o Santo de Israel” (12:6b) farão parte das exclamações dos redimidos.

Querido Deus,

Permita-nos participar das festividades de exaltação a Jesus. Queremos vê-Lo entrar pelas portas de Sião, como o Messias Guerreiro, e cantar a plenos pulmões: “Abram-se, ó portais; abram-se, ó portas antigas, para que o Rei da glória entre” (Salmo 46:7,9). Amém.

Koot van Wyk
Coreia do Sul

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/isa/12/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Isaías 12 



Salmo 150 by jquimelli
4 de janeiro de 2014, 0:00
Filed under: Salmos | Tags: ,

Comentário devocional:

Este é o último dos cinco salmos de Aleluia que concluem o Livro dos Salmos. Cada um destes começa e termina com “Louvado seja o Senhor”, em hebraico Hallelu yah.

Quando li este salmo, imaginei a orquestra de instrumentos usada para louvar a Deus mencionada nos versos 3 a 5; me lembrei do Coro de Aleluia de Handel, na segunda parte de seu oratório: “O Messias”.

Esta inspiradora peça musical comemora a vitória final de Deus sobre a morte e o pecado e ressoa louvores ao nosso Redentor. Apesar deste clímax perfeito, não é a última peça do oratório.

Este Salmo é o clímax do louvor no Livro dos Salmos. O salmista nos convida a louvar a Deus por Seus atos de poder e pela Sua suprema grandeza (v. 2). Ele chama tudo o que tem fôlego para louvar a Deus (v. 6). Você pode imaginar a Terra toda louvando a Deus? Você pode imaginar cada joelho se curvando diante Dele e toda língua confessando que Ele é digno de louvor? (Isaías 45:23)

Esse sonho em breve será uma realidade quando na Nova Terra nos unirmos ao mais culminante Aleluia de todos os tempos: 

“E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono e dos anciãos; e o número deles foi dez mil vezes dez mil, e milhares de milhares, dizendo com grande voz: Então olhei e ouvi a voz de muitos anjos, milhares de milhares e milhões de milhões. Eles rodeavam o trono, bem como os seres viventes e os anciãos, e cantavam em alta voz: ‘Digno é o Cordeiro que foi morto de receber poder, riqueza, sabedoria, força, honra, glória e louvor!’ Depois ouvi todas as criaturas existentes no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, e tudo o que neles há, que diziam: ‘Àquele que está assentado no trono e ao Cordeiro sejam o louvor, a honra, a glória e o poder, para todo o sempre!’ ” (Apocalipse 5: 11-13).

Thandi Klingbeil
Tennessee , EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/psa/150/

Traduzido por: JAQ/GASQ/JDS

Texto Bíblico: Salmo 150 



Salmo 149 by jquimelli
3 de janeiro de 2014, 0:00
Filed under: Salmos | Tags: ,

Comentário devocional:

Alguém poderia se perguntar, depois de ler este Salmo, o que a primeira parte (louvor a Deus, cantar uma música nova para Ele, regozijar-se nEle com música e dança) tem a ver com a segunda parte (vingança, espadas de dois gumes, cativeiro e castigo). As duas partes não parecem se encaixar no mesmo Salmo.

No entanto, tivemos uma situação como esta nos dias de Neemias (Neemias 4:17-18), quando Sambalate e seus aliados quiseram impedir a reconstrução do muro de Jerusalém. Os homens reconstruíram o muro com ferramenta de trabalho em uma das mãos e uma arma na outra; louvando a Deus pela reconstrução do muro e lutando contra o inimigo ao mesmo tempo.

Pode haver momentos em sua vida em que você louve a Deus, mesmo sob ataque do inimigo. Isso pode parecer contraditório, mas faz sentido: quanto mais obedecermos a Deus e ganharmos almas para o Seu reino, quanto mais fizermos a Sua vontade e não a nossa, quanto mais refletirmos o Seu caráter e O louvarmos com nossas vidas, mais o inimigo das almas desejará nos atacar.

Louvemos a Deus pela vitória que já está ganha e, ao mesmo tempo, vistamos a armadura completa de Deus (Efésios 6:10-17) para combater o inimigo.

Thandi Klingbeil
Tennessee , EUA

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/psa/149/

Traduzido por: JAQ/GASQ/JDS

Texto Bíblico: Salmo 149




%d blogueiros gostam disto: