Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 25 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
15 de setembro de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO ISAÍAS 25 – Primeiro leia a Bíblia

ISAÍAS 25 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

ISAÍAS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUAREZ (link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



ISAÍAS 25 by Jobson Santos
15 de setembro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/Is/25

Isaías continua a falar sobre o fim dos tempos. Satanás e o exército do céu serão “presos” pelas circunstâncias do milênio e a seguir, juntamente com os governantes da terra, serão punidos no julgamento executivo de Deus, quando serão destruídos (24:22). Então o Senhor “reinará no monte Sião” (24:23b NVI).

Um povo forte, glorificará ao Senhor durante o tempo da Chuva Serôdia e nações cruéis reconhecerão e adorarão ao Senhor (v. 3a-b) Durante todo o tempo, e em especial no tempo de angústia (Daniel 12:1), Deus será “a fortaleza do necessitado” (v. 4b ARA), “refúgio contra a tempestade e sombra contra o calor” (v. 4c). O Senhor, neste tempo, subjugará os cruéis e silenciará as palavras dos opressores (v. 5a -b).

Então o mal em todas as suas formas será totalmente exterminado, quando Jesus retornar.

Querido Deus, Isaías nos faz almejar fortemente pelo Seu resgate e o maravilhoso banquete no Monte Sião. Concede-nos o privilégio de participarmos desse grande evento. Amém.

Koot Van Wick
Coreia do Sul

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=950
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli



ISAÍAS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
15 de setembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

803 palavras

1 Exaltar-te-ei. O profeta ergue a voz em agradecimento ao Senhor por acabar com o reino do pecado e estabelecer Seu reino glorioso, conforme anunciado em Isaías 24:23.

Os Teus conselhos antigos. O plano para a salvação do homem não foi uma ideia tardia. Muito antes de criar este mundo, Deus [Pai] Se reuniu com Cristo para discutir o plano a ser seguido no caso do surgimento do pecado. Cristo Se ofereceu e Se tornou o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13:8). … O propósito eterno de Deus era que o ser humano desfrutasse a vida; e, para que isso se cumprisse, empregaram-se todos os recursos dos Céus (ver Is 46:10).

2 Da cidade. Provavelmente uma referência a Babilônia (ver com. [CBASD] de Is 14:4; 24:10), o centro simbólico das forças do mal no tempo de Isaías. Babilônia se levantou contra Jerusalém; e, por meio desse centro pagão, Satanás fez grandes esforços para controlar o mundo. Mas ele seria reduzido a um montão de ruínas … Poucos dias antes da segunda vinda de Cristo, a Babilônia espiritual será destruída (Ap 18:10, 21). A destruição da Babilônia aponta para a destruição do poder de Satanás (ver com. [CBASD] de Is 14:4-23; Jr 51:24-26, 41, 53, 55, 64).

4 A fortaleza. Esta verdade se aplica a todo livramento que o Senhor dá ao pobre e necessitado em relação aos opressores. Nos dias de Isaías, isso se aplicou à destruição dos exércitos de Senaqueribe que marcharam contra Judá. Nos dias de Daniel, a aplicação é à queda de Babilônia (ver com. [CBASD] de Is 14:4-6), e, na segunda vinda de Cristo, se aplica à destruição de todos os poderes do mal.

A tempestade. As forças do mal são comparadas a uma tempestade terrível que golpeia um muro.

5 Sombra. O “calor”será dissipado por uma “nuvem”que Deus manda para fazer sombra sobre Seu povo.

O hino. Quando o Senhor vier, o cântico dos inimigos do povo de Deus será silenciado.

6 Neste monte. Isto é, o monte Sião.

Um banquete de carnes gordurosas. A festa de coroação de Cristo (ver com. [CBASD] de Ap 19:7-9). Isaías vislumbra o tempo quando a Babilônia espiritual (ver com. de v. 2) será destruída (Ap 19:2) e a Nova Jerusalém será a capital da nova Terra (Ap 21:1-3). Deus chama os seres humanos a aceitar Seu convite a esse banquete (Mt 22:2-4, 9, 10; cf Lc 14:16, 16; sobre a aplicação dupla das profecias de Isaías, ver com. [CBASD] de Is 24:1 cf. p. 20-23; ver com. [CBASD] de Dt 18:15).

7 O véu. Neste mundo, a humanidade caminha na sombra das trevas, com um véu sobre os olhos. … Esse véu cobre o mundo todo, embora esteja levantado no caso das pessoas que aceitam a Cristo. Não haverá, porém, véu algum naquele dia feliz quando “a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar”, e quando “toda a terra est[ar]á cheia da Sua glória (Is 11:9; 6:3).

Nações. Esta promessa inclui o povo de Deus de todas as eras e nações.

8 Tragará a morte. Isaías apresenta uma descrição gloriosa da ressurreição, a vitória sobre a morte quando Jesus voltar a reinar. Paulo (1Co 15:54, 55) e João (Ap 7:17; 21:4) falam do mesmo tema.

Enxugará … as lágrimas. Comparar com Ap 21:4.

Opróbrio. Isto é, a ignomínia e o opróbrio a que os justos de todas as eras foram submetidos durante sua permanência na Terra. Então a zombaria dos pagãos “onde está o seu Deus?” (Sl 79:10) vai se calar para sempre.

9 Este é o nosso Deus. Este alegre grito de triunfo sai dos lábios dos santos quando Cristo surge nas nuvens dos céus. Seu sincero clamor por livramento se transforma em hinos de louvor.

Em quem esperávamos. Depois do surgimento de muitos falsos Cristos (ver com. [CBASD] de Mt 24:24) e depois da obra-prima do engano satânico, a personificação de Cristo (GC, 624), os santos reconhecerão com júbilo Aquele em quem esperaram com paciência por muito tempo. Os ímpios aclamaram Satanás como se fosse Cristo, e como o salvador do mundo, mas os santos negaram a Satanás sua lealdade e a dedicaram a Jesus.

10 Moabe. Neste grande hino de louvor, Moabe representa todos os inimigos do povo de Deus. Por séculos, os moabitas foram um espinho na carnde de Israel, mas, então, eles e todos os seus inimigos serão para sempre dominados…

A palha. Misturada com esterco pelas patas do gado.

11 Como se estende o nadador para nadar. Estas palavras se referem a Moabe, que luta contra as águas turbulentas da angústia, esforçando-se em vão para escapar. O salmista orava por livramento do mar de dificuldades em que se encontrava (Sl 69:1, 2, 14, 15).

12 As altas fortalezas. Moabe é descrito como uma fortaleza alta e forte que será vencida pelo Senhor. A nação novamente simboliza num sentido geral todos os inimigos do povo de Deus (ver com. do v. 6). Assim, prediz-se a destruição de todas as fortalezas dos exércitos das trevas e o aniquilamento de todas as forças do mal.

Fonte: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4.



ISAÍAS 25 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
15 de setembro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Tragará a morte para sempre, e, assim, enxugará o Senhor Deus as lágrimas de todos os rostos, e tirará de toda a terra o opróbrio do Seu povo, porque o Senhor falou” (v.8).

Certo dia eu estava muito cansada e com dor de cabeça enquanto arrumava o meu filho mais novo para dormir. Ele sempre foi muito musical e começou a cantar um de seus louvores favoritos. Quando me dei por conta, já estava rindo e cantando junto com ele. O louvor, além de ser um ato de adoração, é uma dádiva de Deus para o nosso benefício. Ele promove bem-estar, alegria e tem funções terapêuticas. O louvor, também como uma forma de gratidão a Deus, eleva os nossos sentidos a uma atmosfera sagrada e desperta em nós a necessidade de estar na presença do Único que é digno de toda honra, toda glória e todo louvor.

No capítulo de hoje, o motivo do louvor é a misericórdia divina. Pela renovação diária das misericórdias de Deus (Lm.3:22-23) recebemos uma oportunidade após outra de sermos testemunhas oculares de muitos de Seus milagres contemporâneos e a confirmação de que Seus “conselhos antigos” permanecem “fiéis e verdadeiros” (v.1). Israel tinha o costume de transformar a sua gratidão em canção. O livro de Salmos é um exemplo disso, além dos demais cânticos espalhados pelo Antigo Testamento. Mas, certamente, o louvor mais esperado pelos justos de todos os tempos é o da vitória final; aquele que abrirá os portais da eternidade: “e entoavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as Tuas obras, Senhor Deus, Todo-Poderoso! Justos e verdadeiros são os Teus caminhos, ó Rei das nações! Quem não temerá e não glorificará o Teu nome, ó Senhor? Pois só Tu és santo; por isso, todas as nações virão e adorarão diante de Ti, porque os Teus atos de justiça se fizeram manifestos” (Ap.15:3-4).

O hino triunfal dos tiranos será aniquilado” (v.5), diante da glória do Cordeiro de Deus. Ele foi “a fortaleza do pobre e a fortaleza do necessitado na sua angústia; refúgio contra a tempestade e sombra contra o calor” (v.4). E selará a Sua obra destruindo “a morte para sempre” (v.8): “E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Ap.21:4). Como o véu do santuário (Mt.27:51), o céu será “rasgado” e contemplaremos a completa “Shekinah” do Unigênito do Pai. Diante de tal cena cuja limitada mente humana ainda não consegue vislumbrar, dos lábios dos salvos soará em uníssono: “Eis que Este é o nosso Deus, em Quem esperávamos, e Ele nos salvará; Este é o Senhor, a Quem aguardávamos; na Sua salvação exultaremos e nos alegraremos” (v.9). Aleluia!

Muito em breve não haverá mais cansaço e nem dor de cabeça. Toda a angústia cessará! Logo, ouviremos os perfeitos louvores celestiais e uniremos as nossas vozes ao coro dos anjos. Em uma harmonia indescritível, exaltaremos e louvaremos o nome do Senhor para todo o sempre. Falta pouco para o cumprimento da fiel e verdadeira promessa: “Eis que venho sem demora” (Ap.22:7). Tenha certeza disso, “porque o Senhor falou” (v.8)! Vigiemos e oremos!

Bom dia, coral de adoradores do Deus Todo-Poderoso!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Isaías25 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ISAÍAS 25 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
15 de setembro de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

ISAÍAS 25 – Cantar é a expressão da gratidão do coração. É o louvor ao Senhor que opera em favor de Seu povo. É a manifestação incontida de adorar ao bondoso e misericordioso Deus.

A partir deste capítulo Isaías apresenta um “Livro de Cânticos” do remanescente fiel que provou da graça divina. Esta primeira canção refere-se aos acontecimentos narrados anteriormente:

1. Destruição das cidades iníquas que oprimiam ao povo Deus (v. 2; conferir 24:10). Profeticamente pode se referir à destruição da Babilônia histórica e escatológica (21:9; Jeremias 51:37; Apocalipse 18).
2. A conversão de pessoas do mundo inteiro e o reconhecimento da ação de Deus pelos incrédulos (v. 3; 24:14-16). Todo joelho se dobrará reconhecendo ao Senhor como reto Juiz (Filipenses 2:10-11; Apocalipse 15:2-4).
3. A vitória divina sobre os arrogantes, orgulhosos e indiferentes (vs. 2, 4-5; 24:21-22). Deus retribuirá aos opressores o mal que eles fizeram; assim, Ele manifestará auxílio aos oprimidos (Apocalipse 6:9-11).

Os atos de Deus em prol de Seus filhos fieis são como a de um pai que vê um cachorro feroz avançando sobre seu filhinho indefeso. O pai pega um pedaço de pau e corre atrás do cachorro que avança ferozmente no filho. Ele acerta a cabeça do cachorro, mata o cachorro que queria matar seu filho. O filho é salvo! Assim faz Deus com Seus filhos, porém, muitos não entendem o agir de Deus e O interpretam como um Deus duro, irascível e vingativo. Se Deus não fizesse nada seria negligente.

O bebê salvo das presas do cachorro é a alegria da família, assim como os filhos de Deus salvos das garras do mal é a alegria do Universo. A morte do cachorro trouxe alegria, assim como a eliminação do mal do Universo impulsiona os salvos a cantar altos louvores (v. 1).

• Deus prepara uma festa aos salvos para celebrar a vitória (vs. 6-7; Salmo 23:5);
• Deus ressuscitará mortos, matará a morte, enxugará as lágrimas dos salvos e retirará tudo o que lhes aflige (v. 8).
• Deus será o centro e a alegria das canções dos redimidos (v. 9);
• Os ímpios serão destruídos para sempre deixando o Universo sem qualquer perigo (vs. 10-12; Malaquias 4:1-2).

Deus não é indiferente, por isso Ele não é negligente! Seu cuidado é evidente! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: