Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
15 de setembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

803 palavras

1 Exaltar-te-ei. O profeta ergue a voz em agradecimento ao Senhor por acabar com o reino do pecado e estabelecer Seu reino glorioso, conforme anunciado em Isaías 24:23.

Os Teus conselhos antigos. O plano para a salvação do homem não foi uma ideia tardia. Muito antes de criar este mundo, Deus [Pai] Se reuniu com Cristo para discutir o plano a ser seguido no caso do surgimento do pecado. Cristo Se ofereceu e Se tornou o “Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Ap 13:8). … O propósito eterno de Deus era que o ser humano desfrutasse a vida; e, para que isso se cumprisse, empregaram-se todos os recursos dos Céus (ver Is 46:10).

2 Da cidade. Provavelmente uma referência a Babilônia (ver com. [CBASD] de Is 14:4; 24:10), o centro simbólico das forças do mal no tempo de Isaías. Babilônia se levantou contra Jerusalém; e, por meio desse centro pagão, Satanás fez grandes esforços para controlar o mundo. Mas ele seria reduzido a um montão de ruínas … Poucos dias antes da segunda vinda de Cristo, a Babilônia espiritual será destruída (Ap 18:10, 21). A destruição da Babilônia aponta para a destruição do poder de Satanás (ver com. [CBASD] de Is 14:4-23; Jr 51:24-26, 41, 53, 55, 64).

4 A fortaleza. Esta verdade se aplica a todo livramento que o Senhor dá ao pobre e necessitado em relação aos opressores. Nos dias de Isaías, isso se aplicou à destruição dos exércitos de Senaqueribe que marcharam contra Judá. Nos dias de Daniel, a aplicação é à queda de Babilônia (ver com. [CBASD] de Is 14:4-6), e, na segunda vinda de Cristo, se aplica à destruição de todos os poderes do mal.

A tempestade. As forças do mal são comparadas a uma tempestade terrível que golpeia um muro.

5 Sombra. O “calor”será dissipado por uma “nuvem”que Deus manda para fazer sombra sobre Seu povo.

O hino. Quando o Senhor vier, o cântico dos inimigos do povo de Deus será silenciado.

6 Neste monte. Isto é, o monte Sião.

Um banquete de carnes gordurosas. A festa de coroação de Cristo (ver com. [CBASD] de Ap 19:7-9). Isaías vislumbra o tempo quando a Babilônia espiritual (ver com. de v. 2) será destruída (Ap 19:2) e a Nova Jerusalém será a capital da nova Terra (Ap 21:1-3). Deus chama os seres humanos a aceitar Seu convite a esse banquete (Mt 22:2-4, 9, 10; cf Lc 14:16, 16; sobre a aplicação dupla das profecias de Isaías, ver com. [CBASD] de Is 24:1 cf. p. 20-23; ver com. [CBASD] de Dt 18:15).

7 O véu. Neste mundo, a humanidade caminha na sombra das trevas, com um véu sobre os olhos. … Esse véu cobre o mundo todo, embora esteja levantado no caso das pessoas que aceitam a Cristo. Não haverá, porém, véu algum naquele dia feliz quando “a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar”, e quando “toda a terra est[ar]á cheia da Sua glória (Is 11:9; 6:3).

Nações. Esta promessa inclui o povo de Deus de todas as eras e nações.

8 Tragará a morte. Isaías apresenta uma descrição gloriosa da ressurreição, a vitória sobre a morte quando Jesus voltar a reinar. Paulo (1Co 15:54, 55) e João (Ap 7:17; 21:4) falam do mesmo tema.

Enxugará … as lágrimas. Comparar com Ap 21:4.

Opróbrio. Isto é, a ignomínia e o opróbrio a que os justos de todas as eras foram submetidos durante sua permanência na Terra. Então a zombaria dos pagãos “onde está o seu Deus?” (Sl 79:10) vai se calar para sempre.

9 Este é o nosso Deus. Este alegre grito de triunfo sai dos lábios dos santos quando Cristo surge nas nuvens dos céus. Seu sincero clamor por livramento se transforma em hinos de louvor.

Em quem esperávamos. Depois do surgimento de muitos falsos Cristos (ver com. [CBASD] de Mt 24:24) e depois da obra-prima do engano satânico, a personificação de Cristo (GC, 624), os santos reconhecerão com júbilo Aquele em quem esperaram com paciência por muito tempo. Os ímpios aclamaram Satanás como se fosse Cristo, e como o salvador do mundo, mas os santos negaram a Satanás sua lealdade e a dedicaram a Jesus.

10 Moabe. Neste grande hino de louvor, Moabe representa todos os inimigos do povo de Deus. Por séculos, os moabitas foram um espinho na carnde de Israel, mas, então, eles e todos os seus inimigos serão para sempre dominados…

A palha. Misturada com esterco pelas patas do gado.

11 Como se estende o nadador para nadar. Estas palavras se referem a Moabe, que luta contra as águas turbulentas da angústia, esforçando-se em vão para escapar. O salmista orava por livramento do mar de dificuldades em que se encontrava (Sl 69:1, 2, 14, 15).

12 As altas fortalezas. Moabe é descrito como uma fortaleza alta e forte que será vencida pelo Senhor. A nação novamente simboliza num sentido geral todos os inimigos do povo de Deus (ver com. do v. 6). Assim, prediz-se a destruição de todas as fortalezas dos exércitos das trevas e o aniquilamento de todas as forças do mal.

Fonte: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: