Reavivados por Sua Palavra


I SAMUEL 13 by jquimelli
18 de junho de 2019, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: http://biblia.com.br/novaversaointernacional/1-samuel/1sm-capitulo-13/

O sucesso do reinado inicial de Saul foi desfeito por sua decisão de tomar as coisas em suas próprias mãos. Suas intenções eram boas. Ele desejou o favor do Senhor em batalha e esperou que Samuel oferecesse os sacrifícios necessários para assegurá-lo. Mas tornando-se impaciente, Saul ofereceu ele mesmo os sacrifícios, desobedecendo ao comando de Deus. Naquele momento, as conseqüências não pareciam fatais. Saul venceu a batalha e continuou reinando como rei por décadas depois.

Mas seu destino foi selado; seu reino estava efetivamente acabado. Com o passar do tempo, tornou-se óbvio que o Espírito de Deus, que um dia havia chegado a ele em poder, havia sido substituído por um espírito de egocentrismo e auto-dependência. Mas mesmo aqui, há esperança: “O Senhor buscou um homem segundo o seu coração” (1 Sm 13:14).

Como Saul, Davi tinha sérios defeitos. Mas havia uma grande diferença entre esses dois reis humanos pecaminosos. Um se agarrava ao seu próprio reino. O outro se agarrava ao Rei dos reis.

É apenas quando aceito minhas próprias limitações e reconheço a soberania de Deus como Rei, que posso também me tornar um homem segundo o Seu coração.

Fernando Villegas
Pastor da União Arkansas-Lousiana da IASD

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=495
Equipe de tradução: Pr Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



1 SAMUEL 13 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
18 de junho de 2019, 0:55
Filed under: Sem categoria



I SAMUEL 13 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Maria Eduarda
18 de junho de 2019, 0:45
Filed under: Sem categoria

Não existe meio termo: Você serve a Deus ou é escravo do pecado, está avançando rumo ao céu ou, indo diretamente ao inferno.

Samuel era um homem de oração como foi Ana, sua mãe; porém, Saul não. A independência de Deus é a mãe do orgulho, da arrogância; ignorar a oração é não submeter-se a Deus, mas aos próprios caprichos. “A negligência na oração é pecado, não apenas desleixo” (William MacDonald).

Por não orar, Saul deixou despontar traços que fizeram Lúcifer converter-se em Satanás:

1. Quando os filisteus souberam que Jônatas atacou e matou o comandante filisteu, “Saul mandou tocar as trombetas no território inteiro, e a notícia correu por todo o Israel: ‘Saul matou o comandante filisteu. Os filisteus estão agitados e furiosos’. [Então], os filisteus juntaram as forças para atacar Israel”. Os israelitas acovardaram e fugiram aterrorizados (vs. 1-7).

2. Movido por medo, ansiedade e angústia, Saul precipitou-se e, inconvenientemente agiu contrário à clara revelação de Deus (10:8) oferecendo sacrifício que era função apenas de um sacerdote levita (vs. 8-9).

3. Confrontado por Samuel, Saul deu sua justificativa; todavia, por mais verdadeira que fosse a desculpa, não anularia sua falta de respeito para com Deus. Por menor que seja, “o pecado sempre tem uma consequência” (Kay Artur). Com seu pecado Saul selou o fim de seu reinado, o qual começou enfraquecer-se (vs. 10-23).

Saul não fez oração, não arrependeu-se, nem pediu perdão. Cansado de esperar e de depender de Samuel, ele proclamou independência mostrando que o rei devia estar acima de tudo – então, ofereceu holocausto.

• A Bíblia substituída por TV, Jogos, filmes, pornografia, cinema, bailes, festas, barzinhos, boate, vícios, músicas diabólicas, bebidas alcoólicas, etc., faz a vida ruir; tais coisas te arrancam do caminho com destino certo e te levam ao destino mais que duvidoso, desastroso. Assim, nem há necessidade de ser profeta para prever o futuro de alguém.

• “Não importa qual tenha sido nossa experiência, não importa quão elevada seja nossa posição, precisamos orar e vigiar constantemente. Temos de ser diariamente guiados pelo Espírito de Deus, ou havemos de ser dirigidos por Satanás” (Ellen G. White).

• Desrespeitar profetas de Deus significa rejeitar o próprio Deus: Independência é morte!

Quer vitória? Ouça mais aos profetas enviados por Deus! – Heber Toth Armí.



1SAMUEL 13 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
18 de junho de 2019, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Agora, descerão os filisteus contra mim a Gilgal, e ainda não obtive a benevolência do Senhor; e, forçado pelas circunstâncias, ofereci holocausto” (v.12).


Era o início do segundo ano do reinado de Saul, e, desesperado pela dispersão do povo e pela demora de Samuel, decidiu agir por conta própria. Mesmo sendo rei, não tinha autoridade sacerdotal para oferecer holocaustos. Saul agiu por impulso. E, ao invés de reconhecer a sua falta, culpou as circunstâncias. Assim como seu pequeno exército, sua compreensão acerca da vontade de Deus foi ficando cada vez menor. Ali, demonstrou que não se manteria fiel a Deus, mas agiria conforme a pressão do povo e segundo as motivações de seu enganoso coração. Ali, o profeta também proferiu a sentença divina: “Já agora não subsistirá o teu reino. O Senhor buscou para Si um homem que Lhe agrada e já lhe ordenou que seja príncipe sobre o Seu povo, porquanto não guardaste o que o Senhor te ordenou” (v.14).

Diante da ameaça dos filisteus, os filhos de Israel se viram como ratos perante serpentes. Esqueceram-se rapidamente de todos os livramentos que o Senhor lhes tinha dado. Iniciaram uma dispersão sem precedentes causada pelo medo. Contudo, havia um rei. Um rei que por sua beleza e estatura causava admiração e respeito. Onde estava esse belo libertador? Estava ao lado do povo, igualmente aterrorizado. Quem era aquele homem imponente agora? Um dos “ratos” de Israel. Estou sendo muito severa com Saul? Afinal, não faço ideia do que seja estar frente a frente com um exército irado e, tendo a meu favor apenas uns poucos que não fugiram. Na verdade, tanto a atitude do povo, quanto a de Saul, não estão longe de nossa realidade. Costumamos transformar problemas em monstros e agir movidos por nossos temores, do que entregar nossos problemas ao Deus que é infinitamente maior do que eles e confiar que Ele agirá em nosso favor. Parece que é mais cômodo nos esconder e disfarçar nossas desculpas com o peso das circunstâncias.

Foi exatamente isso que Saul fez. Não lhe cabia oferecer sacrifícios, e sim confiar de que o Senhor pelejaria por Israel não importasse a quantidade de guerreiros que o acompanhassem. Porque, quanto menos recursos humanos, maiores são os recursos divinos!

Precisamos, como Paulo, reconhecer as nossas limitações. “Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte” (2Co.12:10). Deus deixa que façamos o que está ao nosso alcance fazer, mas o que foge do nosso controle, só Ele pode realizar, pois “devíeis dizer: Se o Senhor quiser, não só viveremos, como também faremos isto ou aquilo” (Tg.4:15). Viver de acordo com a vontade de Deus requer renúncia do “eu” e confiança em Seu poder para vencer, porque sem Ele nada podemos fazer (Jo.15:5). A desculpa de Saul, que se disse “forçado pelas circunstâncias” (v.12) tem sido frequente desde a criação do mundo. Adão culpou a Eva. Eva culpou a serpente. Moisés culpou a sua língua pesada. Arão culpou a impaciência do povo no Sinai. E nós? Sempre temos desculpas para a desobediência. Saul buscou o benefício de Deus da forma errada e sabia disso. “Aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz nisso está pecando” (Tg.4:17). Seu coração o acusava, e a única saída era uma desculpa esfarrapada.

E o que dizer do povo, que se escondia como insetos na terra? “Está perto o grande Dia do Senhor; está perto, e muito se apressa. Atenção!” (Sf.1:14). E somente os covardes entrarão nas rochas e se esconderão nas cavernas, “ante o terror do Senhor e a glória da Sua Majestade” (Is.2:10). “Meter-se-ão pelas fendas das rochas e pelas cavernas das penhas” (Is.2:21). Porém, “dizei aos justos que bem lhes irá; porque comerão do fruto das suas ações” (Is.3:10). A única Rocha na qual importa que nos escondamos nos diz, hoje: “Há outro Deus além de Mim? Não, não há outra Rocha que Eu conheça” (Is.44:8). Que nossa vida esteja sobre esta Rocha, que é Cristo, e jamais sucumbiremos. Não invente desculpas para errar, confie no Senhor que por você lutará. Vigiemos e oremos!

Bom dia, firmados sobre a Rocha!

Desafio da semana: No verso quatro do capítulo de hoje, vimos que Saul tomou para si os louros da vitória de seu filho Jônatas. Um exemplo digno de ser repudiado! Esta semana separe um dia para fazer uma surpresa a seu(s) filho(s), quem sabe um passeio diferente ou um jantar especial, demonstrando gratidão pelos momentos felizes que ele(s) têm lhe proporcionado.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #1Samuel13 #RPSP

Comentário em áudio:
youtube.com/user/nanayuri100



1 SAMUEL 13 – VÍDEO COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
18 de junho de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria



I SAMUEL 13 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by jquimelli
18 de junho de 2019, 0:05
Filed under: Sem categoria

1431 palavras

1 Um ano reinara Saul em Israel. No segundo ano de seu reinado sobre o povo (ARA; NVI: “Saul tinha trinta anos quando começou a reinar, e reinou sobre Israel quarenta e dois anos”). É um versículo obscuro, de difícil interpretação. … Caso Saul tivesse reinado apenas dois anos, a idade de Jônatas não passaria de 6 a 7 anos. Bíblia Shedd.

A primeira metade deste versículo é incompleta no hebraico, porque começa com a fórmula comum para dizer a idade de um rei, mas não fala quantos anos Saul tinha. Bíblia de Estudo Andrews.

Todos os tradutores e comentaristas concordam que o sentido desta passagem não é claro. … Desde que a primeira versão da Bíblia foi feita, este texto confunde os tradutores. As primeiras edições da LXX evitaram essa dificuldade por meio da omissão do versículo inteiro. … Alguns comentaristas concordam que, sem dúvida, este é um exemplo de texto no qual ocorreu uma omissão no processo de cópia, embora ninguém saiba dizer ao certo em que momento ela ocorreu. … Mas, nesta e em outras ocorrências de textos difíceis e enigmáticos, nenhuma questão doutrinária, pertinente á salvação, está envolvida. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol 2, p. 541, 542.

3, 4 Jônatas atacou e destruiu um posto avançado dos filisteus, mas Saul assumiu todos os créditos. … O crescente orgulho de Saul começou pequeno… Deixando sem controle, seu orgulho cresceu até se tornar uma sombria obsessão; ela o destruiu, dividiu sua família e ameaçou o bem estar de uma nação. Assumir os créditos das realizações de outros indica que o orgulho toma conta de sua vida. Quando você notar que o orgulho está tomando posição, aja imediatamente para dar crédito a quem o merece. Life Application Study Bible Kingsway.

atraindo o ódio dos filisteus sobre Israel. Hebraico: “transformando Israel em mau cheiro para os filisteus”. Nota Textual NVI.

Está em jogo uma metáfora que retrata um objeto de forte hostilidade. Bíblia de Estudo NVI Vida.

os homens de Israel… estavam em apuros, devido à falta de armas (19-22). O exército filisteu estava bem equipado, embora numericamente inferior. Bíblia Shedd.

Quando esquecemos Quem está ao nosso lado ou levamos em consideração apenas nossos próprios recursos, tendemos a entrar em pânico, à vista da oposição. Os israelitas ficaram aterrorizados ao verem o poderoso exército filisteu. Eles se esqueceram de que Deus estava do seu lado e que Ele não pode ser derrotado. Ao enfrentar problemas e tentações, focalize sua atenção em Deus e em Seu recursos, confiando que ele o ajudará (Rm 8:31-37). Life Application Study Bible Kingsway.

9 Saul… estava fazendo uma boa coisa (oferendo um sacrifício a Deus antes de uma batalha crucial), mas ele fez isso de modo errado. Como Saul, nosso verdadeiro caráter espiritual é revelado sob pressão. Os métodos que utilizamos para atingir os nosso objetivos são tão importantes quanto atingir estes objetivos. Life Application Study Bible Kingsway.

9-13 O valor da exatidão (Mt 5.18-19). 1) Naamã ficou limpo da lepra porque entrou no rio Jordão e mergulhou sete vezes; faltasse um só mergulho ou fosse a outro rio, e a doença continuaria (2Rs 5); 2) Os muros de Jericó caíram no sétimo dia, na sétima volta, no último instante, após o último detalhe; faltasse uma só volta, fosse omitida uma só vírgula do cerimonial prescrito, e os muros continuariam em pé (Js 6); 3) Saul devia esperar até o último instante. Preocupou-se, porém, mais com o exército filisteu (11), do que com o mandamento do Senhor (13). Bíblia Shedd.

11, 12 Quando a enfrentar uma situação difícil, não permita que a impaciência leve você a desobedecer a Deus. Quando você sabe o que Deus quer, siga Seus planos, independente das consequências. Deus muitas vezes usa atrasos para testar nossa obediência e paciência. Life Application Study Bible Kingsway.

13, 14 Saul tinha muitas desculpas pela sua desobediência. Mas Samuel foi direto à questão real: “Você agiu como um tolo, desobedecendo ao mandamento que o Senhor, o seu Deus, lhe deu”. Como Saul, muitas vezes encobrimos nossos erros e pecados, tentando justificar e espiritualizar nossas ações tendo em vista nossas circunstâncias “especiais”. Nossas desculpas, entretanto, não são nada mais do que desobediência. Deus conhece nosso verdadeiros motivos. Ele nos perdoa, restaura e abençoa somente se formos honestos com relação aos nossos pecados. Ao tentar esconder seus pecados atrás de desculpas, Saul perdeu seu reinado (13:14). Life Application Study Bible Kingsway.

13, 14 Encontra-se, aqui, a primeira repreensão de Deus a Saul, mas ainda não é a rejeição, que vem depois (15.23, 28). Bíblia Shedd.

13 Ao desobedecer às ordens de Samuel, Saul violou uma condição prévia fundamental do seu cargo teocrático. Sua atuação como rei não devia funcionar independentemente da lei e dos profetas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Samuel se referiu ao fato de Saul permitir que os sentimentos assumissem o controle, em lugar da confiança em Deus, baseada nas experiências passadas. …Se Saul houvesse se mostrado disposto a humilhar o coração, a história de Israel poderia ter sido diferente. CBASD, vol.2, p. 546.

14 não subsistirá o teu reino. Saul não será sucedido pelos seus filhos; não haveria dinastia que levasse o seu nome (cp. a palavra de Deus a Davi, 2Sm 7.11-16). Bíblia de Estudo NVI Vida.

As esperanças que Saul tinha de estabelecer uma dinastia foram desfeitas, mas o próprio Saul ainda não será deposto (15.23). Bíblia de Genebra.

Assim como ocorreu com Saul, acontece com pessoas de todas as eras. Quando os problemas pressionam, o medo do perigo iminente suprime o raciocínio sensato e induz a uma impaciência nervosa para resolver a questão de uma vez. Com tanto estresse, a razão fica cega ao dever e coloca, em seu lugar, uma condenação crítica dos outros e a violenta determinação de justificar a ação escolhida. A confiança no cuidado protetor e na orientação de Deus abre caminho para a descrença cínica e, por fim, à rebelião. CBASD, vol.2, p. 546.

15 A demora de sete dias tinha diminuído grandemente as tropas de Saul (cf. v. 2, 4, 6-8). Bíblia de Estudo NVI Vida.

16 Geba… Micmás. Os dois lugares ficavam um de frente para o outro, separados por um vale. Bíblia de Estudo Andrews.

17 saqueadores saíram… em três tropas. Grupos de assalto aterrorizavam e saqueavam, além de manter a pressão militar mediante o conhecimento e o controle de vias de acesso importantes. Bíblia de Genebra.

19-22 Diante de tal superioridade, os israelitas se viram em séria desvantagem. Como poderiam eles ter esperança em romper a opressão que sofriam? Somente através do auxílio de Deus.Deus queria dar a vitória a Israel sem espadas, para que eles percebessem a verdadeira fonte de sua força. Life Application Study Bible Kingsway.

19 nem um ferreiroespada, nem lança. Era hábito, privarem os povos vencidos de seus ferreiros, para evitar a indústria de armas. Isso aconteceu nos dias de Débora (Jz 5.8) e também nos dias de Nabucodonosor (2Rs 24.14). Bíblia Shedd.

19-21 Aos israelitas faltavam armas, e até mesmo dependiam dos filisteus para afiar seus instrumentos agrícolas. As evidências arqueológicas sugerem que os filisteus aprenderam a forjar ferro antes dos seus vizinhos. Bíblia de Genebra.

20, 21 O objetivo destes dois versículos é servir de paráfrase ao v. 19. Bíblia Shedd.

20 Os israelitas dependiam dos filisteus para a custosa manutenção de suas ferramentas agrícolas. Bíblia de Estudo Andrews.

21 dois terços de um siclo. Em toda a Bíblia, esta quantidade só é mencionada neste versículo e corresponde a 8g. Bíblia de Estudo Andrews.

22 com Saul e com Jônatas, seu filho. Os israelitas guerrearam com arcos, flechas e fundas, porque os filisteus detinham o monopólio do ferro. Bíblia de Estudo Andrews.

O exército inteiro possuía somente duas espadas e duas lanças. Esta era a razão por que os israelitas se escondiam de seus inimigos (6). Bíblia Shedd.

Esse fato lança as esperanças de Israel em duas pessoas em particular, e o capítulo seguinte faz uma comparação entre elas, deixando Saul em desvantagem. Bíblia de Genebra.

Após anos sofrendo opressão por parte dos filisteus, Saul e Jônatas eram os únicos israelitas que possuíam armas de metal. Os soldados comuns tinham flechas e fundas, equipamentos poderosos nas mãos de pessoas hábeis (ver Jz 20:16), mas não estavam aptos a competir no combate direto contra as armas de ferro dos filisteus. Este versículo mostra duas coisas: (1) a batalha ocorreu antes de Israel estar bem organizado, provavelmente no início do reinado de Saul, e (2) a falta de equipamentos deixou evidente, para os dois lados, que Deus interveio a favor de Seu povo. Saul poderia se  rebelar e, por causa disso, fazer muitas coisas tolas; mas o Senhor ainda atuava em prol de Israel, encorajando os soldados a se unirem a Seu reino e a depositarem confiança nEle. Saul se recusou a ir aonde Deus mandava, mas Jônatas estava pronto e cheio de disposição para realizar o que seu pai deveria ter feito. CBASD, vol.2, p. 548.




%d blogueiros gostam disto: