Reavivados por Sua Palavra


Atos 2 by Jeferson Quimelli
31 de janeiro de 2015, 1:00
Filed under: Espírito Santo, relacionamento | Tags: , , ,

Comentário devocional:

É muito fácil se impressionar com as coisas incríveis que se seguiram ao Pentecostes. Línguas de fogo, grandes milagres, 3.000 pessoas batizadas num só dia. Mas o que aconteceu durante os 10 dias anteriores, no cenáculo, foi tão importante, se não mais, ao que aconteceu depois. 

Os discípulos sentiram sua grande necessidade e clamaram ao Senhor pela “santa unção” que iria prepará-los para o grande trabalho diante deles. Mas eles não pediram apenas pelo derramamento do Espírito Santo. Eles humilharam o coração em verdadeiro arrependimento, pediram perdão por seus erros, chegaram a um acordo a respeito de suas diferenças, abandonaram seus desejos por supremacia e até mesmo dividiram suas posses uns com os outros (você pode imaginar os incríveis resultados se fizéssemos isso hoje?).

Além disso, eles se entristeceram por terem desapontado o Mestre devido a sua falta de fé, confessaram sua incredulidade e meditaram muito a respeito da vida de Cristo e Sua Palavra. Eles se aproximaram mais e mais de Deus e uns dos outros enquanto sinceramente ansiavam pela salvação das almas. E o que aconteceu como resultado? O céu se abriu e a bênção do Espírito Santo foi derramada em uma magnitude nunca antes vista (veja Atos dos Apóstolos, p. 36, 37). 

Recentemente, alguns colegas e eu nos unimos em prol de um ministério mas não estávamos fazendo muito progresso. Havia muitas diferenças entre nós a respeito de como o trabalho deveria ser feito. Finalmente, reconhecemos nosso erro, e passamos várias horas orando juntos e confessando nossos erros uns aos outros. Depois disso, recebemos tanta força e unidade que o nosso trabalho se desenvolveu com poder e sentimos as bênçãos do céu. 

Este é apenas um pequeno exemplo do que Deus está desejoso de fazer por todos nós. E tudo o que aconteceu no dia de Pentecostes é apenas uma pequena amostra do que está por vir. Mas para que isso aconteça, nós, como um povo devemos estar em comunhão uns com os outros e com o Senhor (v. 42). Devemos pôr de lado as diferenças, e corrigir tudo o que está errado. 

Ellen White escreveu: “Muitos há que creem e professam reclamar a promessa do Senhor; falam acerca de Cristo e acerca do Espírito Santo, e todavia não recebem benefício. Não entregam a alma para ser guiada e regida pelas forças divinas. Não podemos usar o Espírito Santo. Ele é que deve servir-Se de nós.” (O Desejado de Todas as Nações, p. 672). 

Deus está desejoso de derramar ricas bênçãos sobre nós como povo, famílias e indivíduos, mas precisamos primeiro suplicar que a Sua vontade seja feita e não a nossa.

Melody (Melodious Eco) Mason

Líder do Ministério de Oração ARME

 

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/2/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Atos 2 

Comentário em áudio 



Atos 2 – Comentários Selecionados by Jeferson Quimelli
31 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: Sem categoria

1 Cumprir-se. Literalmente, “estava se cumprindo”. Parece que a palavra foi escolhida para indicar que o dia havia chegado. Talvez fosse o início da manhã. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 121.

Pentecostes. Uma referência aos cinquenta dias entre o início da Festa dos Pães Asmos e a Festa das Primícias. De todas as festas do ano judaico, o Pentecostes era a que mais atraía peregrinos de terras distantes. O Pentecostes era um dia grandioso na experiência israelita, um tipo apropriado para o dia mais grandioso ainda no qual o Espírito de Deus foi disponibilizado a todos aqueles que se prepararam para recebê-Lo. CBASD, vol. 6, p. 122.

2 Do céu. Literalmente, “de fora do céu”, o lugar de onde o Espírito Santo desceu sobre Jesus em Seu batismo (Mt 3:16). CBASD, vol. 6, p. 123.

4 Outras línguas. Ou seja, línguas diferentes de sua língua materna. A palavra grega traduzida por línguas se refere inteiramente, ao órgão da fala, mas com frequência é usada para se referir ao idioma. CBASD, vol. 6, p. 126.

6 Língua. A lista que se segue se refere a grupos linguísticos. É provável que cada orador tenha falado num idioma diferente, de acordo com o grupo ao qual se dirigiu. Dessa maneira, diversas nacionalidades foram atendidas ao mesmo tempo. CBASD, vol. 6, p. 127.

17 Acontecerá. A inferência é que o futuro citado em Joel se fazia presente. Os ouvintes presenciavam o cumprimento da profecia. CBASD, vol. 6, p. 131.

25 A respeito dEle. A realidade da ressurreição deu novo significado às profecias, que não fora sugerido antes, mas, sem o qual ficariam incompletas. CBASD, vol. 6, p. 134.

32 Este Jesus. Jesus de Nazaré, o crucificado dos versos 22 e 23. CBASD, vol. 6, p. 135.

41 Três mil. Por causa deste número elevado, alguns concluem que o batismo foi feito por derramamento ou aspersão de água, não por imersão. Não é necessário fazer essa pressuposição (Mt 3:6). Havia reservas de água adequadas tanto dentro de Jerusalém quanto perto da cidade para o batismo de grande número de pessoas, como os tanques de Betesda (Jo 5:2) e Siloé (Jo 9:7), além dos tanques de Salomão. CBASD, vol. 6, p. 138.

43 Muitos prodígios e sinais. Este era mais um motivo de temor e deslumbramento. O Espírito Se manifestou, dando aos apóstolos grande poder não só para pregar, mas também para operar maravilhas, assim como Jesus havia prometido. CBASD, vol. 6, p. 139.

47 Louvando a Deus. A alegria pela nova fé os levava a louvar ao Pai. O verdadeiro filho de Deus sempre encontra motivos para louvar ao Senhor. CBASD, vol. 6, p. 140.

Compilação: TatianaW



Atos 2 – Comentários de Bíblias de Estudo by Jeferson Quimelli
31 de janeiro de 2015, 0:00
Filed under: comunhão, Espírito Santo, religião viva | Tags: , ,

1 Pentecostes (Grego para “quinquagésimo”) era o nome da Festa das Semanas (Lv 23:15-21), que celebrava a colheita da primavera. Acontecia 50 dias após a apresentação dos feixes das primícias na Páscoa (Lv 23:9-14; ver At 20:16). Andrews Study Bible.

O “Quinquagésimo Dia” depois do sábado da semana da Páscoa (Lv 23.4-7, 15-16). … é também chamado de “Festa das Semanas”porque era celebrado sete semanas depois da Páscoa (Dt 16.10); de “Festa da Colheita”, porque os primeiros frutos da colheita eram então juntados (Êx 23.16); e de “o dia das primícias” (Nm 28.26). Bíblia de Genebra.

todos. Os cento e vinte (1.15). Atos não nos informa onde eles estavam quando o Espírito desceu; talvez na área do templo, oferecendo-lhes oportunidade de evangelizar uma grande multidão. Bíblia Shedd.

3 línguas. Metáfora pertinente à situação, na qual vários idiomas seriam falados. Bíblia de Estudo NVI Vida.

4 outras línguas. As línguas eram vários idiomas falados em todas as partes da região mediterrânea oriental, de Roma à Pérsia. Bíblia de Genebra.

Estas línguas “estrangeiras” antecipam a penetração do evangelho em toda tribo, nação e língua; contraste o julgamento em Babel (Gn 11.7-9). Bíblia Shedd.

cheios do Espírito Santo. A vinda do Espírito Santo é o cumprimento da promessa de Jesus relatada em 1.5, 8 e Lc 24.49, mas isto não quer dizer que o Espírito Santo não estivesse presente e atuando com o povo de Deus no Antigo Testamento [Sl 55.11; Is 63.10-11; Jz 3.10; 1Sm 10.6s; Is 11.2]. Bíblia de Genebra.

5 Homens piedosos. Provavelmente eram gentios interessados no judaísmo sem serem verdadeiros prosélitos batizados e circuncidados. Bíblia Shedd.

7 galileus. O milagre era especialmente impressivo porque os galileus era conhecido pelo forte sotaque e de pobre capacidade de linguagem (Mt 26:73). Andrews Study Bible.

11 árabes. O reino dos árabes achava-se entre o mar Vermelho e o Eufrates, tendo Petra por capital. Bíblia de Estudo NVI Vida.

13 embriagados. O Gr original acrescenta “com vinho doce”, i.e., ainda em processo de fermentar. A vindima era no mês de agosto. Bíblia Shedd.

15 Estes homens não estão embriagadossendo esta a terceira hora (cf ARA; NVI: “Ainda são nove horas da manhã!”). Num dia de festa como o Pentecostes, nenhum judeu quebraria o jejum antes das 10 horas da manhã. Assim, era extremamente improvável que um grupo de homens ficasse embriagado tão cedo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

21 todo aquele que invocar. Cf v. 39; implica fé e compromisso com Deus, muito mais que o mero emprego de palavras (Mt 7.21). Bíblia de Estudo NVI Vida.

22 aprovadopor meio de milagres, maravilhas e sinais. As obras poderosas realizadas por Jesus eram sinais de que o Messias viera. Bíblia de Estudo NVI Vida.

23 Pedro não tem receio em confrontar a multidão com sua iniquidade, em grande parte o mesmo povo que um pouco [de tempo] antes clamara “Hosana … Barrabás … crucifica-O”. Sua iniquidade foi frustrada pela ressurreição. A cruz não era a derrota, mas a chave do plano divino. Bíblia Shedd.

27 morte. Gr hades, que traduz a palavra hebraica sheol, “túmulo”. Bíblia Shedd.

É o túmulo (não um “inferno” que queima permanentemente, uma ideia não bíblica, tendo em vista que o inferno ocorrerá ao fim do tempo; 2 Pe 2:4; Ap 20:9). Andrews Study Bible.

29 Davio seu túmulo está entre nós. O túmulo de Davi podia ser visto em Jerusalém. Ainda continha seus restos mortais. Bíblia de Estudo NVI Vida.

34 O Senhor disse ao meu Senhor. O Senhor (Deus [Yahweh]) disse ao meu Senhor ([Adon] o filho de Davi, o Messias). De acordo com Pedro, Davi dirigiu-se ao seu descendente com respeito incomum, porque Davi, mediante a inspiração do Espírito, reconhecia quão grande e divino seria esse descendente (Mt 22.41-45). Bíblia de Estudo NVI Vida.

36 Senhor e Cristo. Apresenta o mais primitivo Credo (cf Rm 10.9; 1 Co 12.3; Fp 2.11, etc.). Bíblia Shedd.

37 ficaram aflitos em seu coração. Reflete tanto a crença em Jesus quanto a dor por tê-lo rejeitado antes. Bíblia de Estudo NVI Vida.

38 Arrependei-vos. O arrependimento era importante na mensagem do precursor, João Batista (Mc 1.4; Lc 3.3), na pregação de Jesus (Mc 1.15; Lc 13.3) e nas instruções que este deixou imediatamente antes da ascensão (Lc 24.47). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Para perdão dos seus pecados. Marca-se o fim de cada mensagem principal apostólica com o apelo ao arrependimento para receber o perdão dos pecados (3.19, 26; 5.31; 10.43; cf 17.30; 26.20). Implica numa mudança de pensamento radical (metanoia) que surge de convicção de pecado. Bíblia Shedd.

Não que o batismo efetue o perdão. Pelo contrário, o perdão se dá por meio do que é simbolizado pelo batismo (v. Rm 6.3, 4). Bíblia de Estudo NVI Vida.

O arrependimento indica que a crença vem antes do batismo, algo impossível para crianças. Comparar 16:30-33. Andrews Study Bible.

cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo. Um resumo de Mt 28.18-19 (batismo em nome do Pai, Filho e Espírito Santo), mencionado aqui somente o nome de Jesus, uma vez que o sermão de Pedro tinha a ver com Jesus e Seu ministério. Bíblia de Genebra.

O dom do Espírito Santo. A regeneração se realiza somente com entrada do Espírito, não por uma espécie de magia no rito do batismo. Bíblia Shedd.

É significativo que Pedro não fale aqui sobre o recebimento do dom de línguas. Bíblia de Genebra.

39 Pedro proclama que a salvação através do Messias de Deus é prometida aos judeus, a seus filhos e a todos que ainda estão longe (isto é, os gentios, Ef 2.11-13). Aqui novamente está a mensagem de Atos – o evangelho é para judeus e gentios. Bíblia de Genebra.

42 na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. Este é o resumo dos elementos essenciais necessários no discipulado cristão. Eram elementos que os apóstolos haviam aprendido de sua experiência com Jesus: seu ensinamento a respeito de sua obra (Mt 16.18-19; Lc 24.46) e sobre a responsabilidade deles como seus seguidores (Mt 5-7), a comunhão de Cristo com Seus discípulos (Jo 13), a Ceia do Senhor – o partir do pão (Mt 26.17-30) – e sua vida de oração pelos discípulos e com eles (Mt 6.5-13; Lc 11.1-13; Jo 17). Bíblia de Genebra.

ensino dos apóstolos. Incluía tudo que o próprio Jesus ensinara (Mt 28.20), sobretudo o evangelho, que se centrava na Sua morte, sepultamento e ressurreição (cf. 23, 24; 3.15; 4.10; 1Co 15.1-4). Era ensino incomparável por vir da parte de Deus e por estar revestido da autoridade outorgada aos apóstolos (2Co 13.10; 1Ts 4.2). Hoje, está à nossa disposição nos livros do NT. Bíblia de Estudo NVI Vida.

44 Todos os que creram estavam juntos. Isto demonstra a unidade do Espírito, que Paulo mais tarde advoga (Ef 4.3). Bíblia de Genebra.

tinham tudo em comum. V. 4.34, 35. Tratava-se de compartilhar de modo voluntário, provendo para os que não tinham o essencial para viver. Bíblia de Estudo NVI Vida.

46 partiam pão de casa em casa. Isto se refere às refeições diárias comuns, compartilhadas nos lares. Bíblia de Genebra.

Com alegria e sinceridade de coração. A comunhão, a união e o compartilhar da igreja primitiva são frutos do Espírito. A alegria deve ser o estado de ânimo do crente. Bíblia de Estudo NVI Vida.



Atos 1 by Jeferson Quimelli
30 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: Espírito Santo | Tags: , , ,

Comentário devocional:

O livro de Atos enche meu coração de alegria e expectativa quase mais do que qualquer outro livro da Bíblia. Nele encontro um retrato vívido do que está por vir com o derramamento final da chuva serôdia.

Lucas, um médico-historiador, é o autor reconhecido de Atos. E nos próximos capítulos ele compartilha conosco como os primeiros cristãos saíram depois do Pentecostes para compartilhar o evangelho com poder, a começar por Jerusalém (Atos 1-7).

Antes de subir ao céu, Jesus deu a Seus seguidores algo muito importante que lhes permitiu cumprir a grande comissão. Este fator chave é encontrado neste primeiro capítulo e é o que mais precisamos hoje também: “[E Jesus] deu-lhes [a Seus discípulos] esta ordem: Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai, da qual lhes falei” (v. 4 NVI). O verso 8 diz mais: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra” (NVI).

Cristo nos deu a grande missão de levar o evangelho a todo o mundo. Mas quantas vezes, na ânsia de cumprir a Grande Comissão cometemos o grande pecado da omissão, que é nos apressarmos a deixar Jerusalém (nossa casa) antes de abandonarmos os nossos pecados, antes de estarmos em harmonia com os de nossa própria casa (e a Igreja), e antes de passarmos tempo com a Palavra de Deus e estarmos de joelhos implorando por Seu poder.

Todos nós somos culpados disso. Mas não continuemos nesta falta por mais tempo. Na verdade, imploremos com renovado fervor por este precioso bem.

Em relação ao derramamento da chuva serôdia, nos é dito: “A descida do Espírito Santo sobre a igreja é olhada como estando no futuro; é, porém, o privilégio da igreja tê-la agora. Buscai-a, orai por ela, crede nela. Precisamos tê-la, e o Céu espera para concedê-la” (White, Evangelismo, 701). 

Eu quero desesperadamente receber este presente! E você?

Melody (Melodious Eco) Mason
Líder do Ministério de Oração ARME



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/1/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Atos 1 
Comentário em áudio 



Atos 1 – Comentários de Bíblias de Estudo by Jeferson Quimelli
30 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: Espírito Santo, missão | Tags: , ,

1-26 Atos se inicia com quatro cenas, as três primeiras repassando Lucas 24:1-53; (1) introdução (vv. 1-5); (2) a ascensão de Jesus (vv. 6-11); (3) os doze e outros em oração (vv. 12-14); e (4) a seleção de Matias (vv. 15-26). Andrews Study Bible.

1 o primeiro livro. O Evangelho de Lucas, conforme mostrado pela referência a Teófilo. Bíblia de Genebra.

É opinião geral que Lucas e Atos formam dois volumes (cujo tamanho foi limitado pelo comprimento de um rolo de papiro) de uma só obra. A palavra “primeiro” e a conclusão súbita de Atos sugere a intenção de Lucas de escrever um terceiro volume. Bíblia Shedd.

7 tempos. Jesus mansamente os lembra que sua paixão deveria ser a missão e não determinar datas (comparar com Mc 13:32). Andrews Study Bible.

8 Atos 1:8 provê um simples resumo do livro de Atos: os discípulos serão testemunhas em Jerusalém (1:1-8:3); em toda a Judeia e Samaria (8;4-12:25), e até os confins do mundo (13:1-28:31). Andrews Study Bible.

11 galileus. Os onze discípulos restantes (os Doze, menos Judas Iscariotes) “provinham da Galileia” (Bíblia de Estudo NVI Vida). 

12 cerca de um quilômetro (NVI). Grego: “à distância da caminhada de um sábado”. Nota Textual NVI.

Essa distância baseava-se no raciocínio rabínico a respeito de vários trechos do AT (Êx 16.29; Nm 35:5; Js 3.4). Nenhum judeu fiel devia percorrer distância maior que essa no sábado. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12-26 A igreja se prepara para a missão, unindo-se em oração (vv.12-14). Andrews Study Bible.

13 O cenáculo. Uma sala grande de jantar, no segundo andar, que provavelmente pertencia à mãe de Marcos (cf 12.12) e local da Santa Ceia. Bíblia Shedd.

14 perseveravam em oração. Jesus estabeleceu um padrão de oração na vida de Seus discípulos. Bíblia de Genebra.

irmãos. A conversão de Tiago, meio-irmão de Jesus e autor da epístola que traz o seu nome, se relata em 1 Co 15.7.  Bíblia Shedd.

Maria, mãe de Jesus. Esta é a última referência, no Novo Testamento, à mãe de Jesus. Bíblia de Genebra.

15 naqueles dias. Os dez dias entre a ascensão e o Pentecostes (2.1). Bíblia de Genebra.

18 este homem adquiriu um campo. Judas indiretamente comprou o campo quando devolveu o dinheiro aos principais sacerdotes e anciãos, que, por sua vez, compraram um cemitério para estrangeiros. Bíblia de Genebra.

19 sua própria língua. Aramaico [disseminada pelo domínio persa e trazida da Babilônia pelos judeus no pós exílio], que nessa altura já substituíra o hebraico como língua franca dos judeus na Palestina. Bíblia Shedd.

21 estiveram conosco. Ministraram publicamente. Bíblia de Estudo NVI Vida


22 testemunha ressurreição. A qualificação humana para o apostolado era ter conhecimento íntimo da vida terrestre de Jesus e ser testemunha ocular de Sua ressurreição. A qualificação divina era ser escolhido por Cristo (aqui, por meio de sortes, Pv 16.33). Bíblia Shedd.

24 Que Deus conhece os corações de todos é um pensamento importante em Atos (ver 15:7-9). Andrews Study Bible.

26 sortes. A prática de lançar sortes – arremessando pequenas pedras ou pedaços de madeira – também havia sido usada nos tempos do AT (Lv 16:8; 1Cr 25:8; Pv 16:33), mas somente aqui no NT. Andrews Study Bible.

 

Compilação: Jeferson Quimelli



Atos 1 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
30 de janeiro de 2015, 0:00
Filed under: cuidado de Deus, Espírito Santo | Tags: , , , ,

1 Primeiro. Um indicativo de que esta obra é a segunda de uma série. O evangelho de Lucas certamente é o “primeiro livro”. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 105.

2 Por intermédio do Espírito Santo. Esta expressão pode ter o sentido de que o Espírito Santo guiaria os discípulos em toda a verdade (Jo 16:13), ou que Jesus, tanto antes quanto depois da crucifixão, falava como alguém cheio do Espírito Santo. Este último deve ser o significado pretendido, pois tudo ligado à vida de Cristo na
Terra foi realizado pelo poder do Espírito: a concepção, o batismo, a justificação, a orientação a uma vida de serviço, os milagres e a ressurreição. CBASD, vol. 6, p. 106.

Apóstolos. Do gr. apostolai, “aqueles que são enviados”. […] Parece que o ofício de apóstolo na igreja apostólica derivava da ordem e da comissão de Jesus aos doze discípulos. Ao chamar os discípulos de “apóstolos”, é provável que Jesus tenha usado a palavra aramaica shelicha, equivalente ao particípio heb. shaluach, “enviado”. CBASD, vol. 6, p. 106.

3 Provas incontestáveis.  Essas “provas infalíveis” foram as aparições de Cristo após a ressurreição, não os

milagres que os discípulos viram Jesus realizar. As provas eram: o fato de Ele ter comido e bebido com os discípulos, Seu corpo real em que eles puderam tocar, as repetidas aparições visíveis a até 500 pessoas de uma vez e as instruções sobre a natureza e as doutrinas do reino. A certeza da ressurreição conferiu poder à mensagem dos apóstolos e constituiu a base do magnífico raciocínio de Paulo sobre a certeza da ressurreição corpórea dos salvos (ICo 15:3-23). CBASD, vol. 6, p. 107.

4 Comendo com eles. Trata-se de possível referência a um encontro na Galileia para a última reunião, na qual os discípulos viram Jesus ascender ao céu. CBASD, vol. 6, p. 107.

Não se ausentassem de Jerusalém. Eles deveriam retornar para a capital, o lugar onde Cristo ministrara tantas vezes e onde sofrera, fora sepultado e ressuscitara dos mortos. Ali, os discípulos receberiam poder e deveriam começar a testemunhar. CBASD, vol. 6, p. 107.

Esperassem. Era preciso esperar com anseio pelo poder de Deus, buscar a condição adequada para recebê-lo e manter oração fervorosa e unidade a fim de ver o cumprimento da promessa. CBASD, vol. 6, p. 108.

6 Reunidos. O próprio Jesus estava com eles. Este foi o último encontro dos discípulos com o Senhor, pois era o dia da ascensão. CBASD, vol. 6, p. 108.

Será este o tempo em que restaures? Os discípulos ainda não compreendiam a natureza do reino de Cristo. Ele não havia prometido o tipo de restauração que esperavam. Achavam que Jesus “havia de redimir a Israel, isto é, dos romanos. CBASD, vol. 6, p. 108.

8 Poder. Lucas se refere ao “poder” sobrenatural recebido por aqueles que têm o Espírito Santo. Este poder é para testemunhar, pois vem dentro, proclama o evangelho e leva outros a Deus. CBASD, vol. 6, p. 110.

Confins. Os discípulos deveriam ir “por todo o mundo”, “a todas as nações” (Mt 24:14). CBASD, vol. 6, p. 111.

9 Elevado. A ascensão foi o clímax apropriado para o ministério de Cristo na Terra. CBASD, vol. 6, p. 111.

À vista deles. Nenhum fiel vira o Salvador ressuscitar dos mortos, mas os onze discípulos e a mãe de Jesus tiveram a oportunidade de vê-Lo subir ao céu. Por isso, tornaram-se testemunhas confiáveis da realidade, da ascensão. CBASD, vol. 6, p. 111.

Uma nuvem. Esta nuvem era uma hoste celestial. De igual modo, o retorno de Cristo será “sobre as nuvens” (Mt 24:30). Hostes de anjos acompanharão o Senhor quando Ele vier em glória. CBASD, vol. 6, p. 111.

11 Virá. A segunda vinda de Cristo está ligada à ressurreição e à ascensão. Trata-se de um evento prometido que se encontra vinculado a incidentes históricos. CBASD, vol. 6, p. 112.

 Do modo como. Esta promessa significa que Seu retorno deve ser pessoal.  A promessa tranquila, mas solene dos conselheiros angelicais confere certeza à doutrina da segunda vinda de Cristo, garantida pela realidade da ascensão. Sem o segundo advento, toda a obra anterior no plano da salvação seria tão vã quanto semear e cultivar a plantação, mas deixar de colher. CBASD, vol. 6, p. 112.

 14 Os irmãos dEle. Eram Tiago, José, Simão e Judas (Mt 13:55). Eles haviam permanecido indiferentes a Jesus e não são mencionados entre os que se reuniram em volta da cruz. Mas as cenas finais da vida terrena de Cristo os levaram à conversão e então faziam parte dos fiéis. É provável que Tiago seja aquele que se transformou num líder da igreja. Muitos acreditam também que ele seja o autor da epístola de Tiago. Judas pode ser o mesmo que escreveu a breve epístola com esse nome. CBASD, vol. 6, p. 114.

 21 É necessário. Pedro considerou que o número original de discípulos deveria ser mantido. Sem dúvida, os apóstolos tinham o conceito de que o número 12 expressava totalidade, seguindo o exemplo das doze tribos de Israel. CBASD, vol. 6, p. 117.

 23 Propuseram dois. No sentido anterior, esta passagem significa que José e Matias foram indicados pelos discípulos como os candidatos sobre os quais seriam lançadas as sortes. CBASD, vol. 6, p. 117.

24 Orando. Esta deve ter sido uma oração tremenda, brotando de uma fé simples e insistente.  Em todos os
grandes momentos da igreja apostólica, a oração era o recurso buscado de maneira espontânea. A experiência da igreja deve ser sempre assim, tanto no passado quanto agora. CBASD, vol. 6, p. 118.

26 Com os onze. Aos olhos humanos, Matias havia aceitado uma posição humilde, a de líder em um grupo insignificante de pessoas simples que logo seriam perseguidas. No entanto, para os cristãos, a posição que Matias assumiu tinha possibilidades imensuráveis para o futuro. CBASD, vol. 6, p. 118.


Compilação: TatianaW



Amanhã começaremos a ler Atos dos Apóstolos! by Jeferson Quimelli

Amanhã começaremos a ler a segunda parte do texto escrito pelo dr. Lucas: Atos dos Apóstolos!

Alguém já disse que este livro deveria ser chamado de Atos do Espírito Santo, tamanhas são as Suas ações. É maravilhoso ver o que a atuação do Espírito de Deus pôde fazer em rudes discípulos, transformando-os em testemunhas intrépidas! E ficamos entusiasmados em saber que Ele pode fazer o mesmo conosco!

Vai ser muito bom lermos juntos este livro!

https://www.youtube.com/watch?v=AkRd7oMJDZg



João 21 by Jeferson Quimelli
29 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: liderança, restauração | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Este capítulo parece um final extra deste Evangelho, tendo em vista o encerramento que João fez no último capítulo (20:31). Ele agora deixa claro o mandato missionário do Senhor ressuscitado para o mundo. 

Jesus encontra Seus discípulos junto ao mar de Tiberíades, o nome romano para o Mar da Galileia. Eles então pegam 153 peixes. O pai da igreja Jerônimo sugeriu que esta é uma pesca perfeita tendo em vista que na época havia apenas 153 diferentes variedades de peixes conhecidas. Para ele, isso significava a missão mundial que Jesus dera aos Seus discípulos. Eles deveriam buscar pessoas em todas as nações.

“Vou pescar”, diz Pedro, e seis outros discípulos se juntam a ele. É um retorno ao que estão familiarizados, porque Jesus já não está entre eles. Mas eles não pescam nenhum peixe. Jesus então aparece na praia e diz: “Lançai a rede do lado direito.” É uma pesca milagrosa sem que a rede se rasgasse. Depois de 3 anos e meio, eles já estão acostumados a milagres. Na primeira pesca milagrosa a rede se rasgou e Pedro declarou: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!”(Lucas 5:8 NVI).

Jesus os havia chamado para serem pescadores de homens e agora Ele vem para renovar essa vocação e para restaurar o chamado de Pedro para segui-Lo. Jesus se dirige a Simão Pedro utilizando o seu nome completo, o que indica a seriedade das perguntas. “Você me ama?”, três vezes Jesus pergunta a Pedro. Três vezes Pedro diz: “Sim”, mas na terceira vez ele se sente envergonhado e ferido e responde simplesmente: ” “Senhor, tu sabes todas as coisas e sabes que te amo”. (v.17 NVI). Jesus responde: “Cuide dos meus cordeiros … Pastoreie as minhas ovelhas … Cuide das minhas ovelhas” (vv 17, 18 NVI).

Sim, Jesus sabe que Pedro O ama, mas será que este amor será forte o suficiente a ponto dele obedecer a missão confiada aos discípulos? Há a necessidade de pescar peixes, mas também de discipular e alimentar os cordeiros e ovelhas. Os convertidos devem ser cuidados. Os crentes devem ser discipulados. Jesus deixa claro aqui que alimentar os novos convertidos era tão importante quanto adquirir novos conversos.

Jesus, então, prediz a morte “com a qual Pedro iria glorificar a Deus”, e lhe diz: “Siga-me!” (v 19 NVI). A oferta de Pedro de dar a sua vida se cumpriria (João 13:37). Pedro, impulsivo como sempre, quer saber o que vai acontecer com João. Jesus diz a ele que isso não lhe importa, que apenas O siga, e não se preocupe com os outros.

As coisas não mudaram. Nós continuamos muito propensos a olhar para a vida dos outros e corrigirmos suas vidas, até nos detalhes. Mas Jesus simplesmente nos chama: “Siga-me!”

João termina o seu evangelho; o seu testemunho chega ao final. É claro que João não registrou tudo o que Jesus fez, mas que o que ele registrou é tudo que precisamos para nos conduzir à fé e à vida em Jesus.

Christopher Bullock
Pastor em Atlanta, Georgia
Estados Unidos da América

 
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jhn/21/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: João 21 
Comentário em áudio 



João 21 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
29 de janeiro de 2015, 0:00
Filed under: liderança, restauração | Tags: , , ,

1-25 O cap. 21 é evidentemente um pós-escrito. Pelo estilo podemos estar seguros que o autor foi João, o autor do evangelho. Bíblia Shedd.

O epílogo do Evangelho, tendo em vista que vem após o que parece uma conclusão (20:30-31). Andrews Study Bible.

1 Depois disto. Isto é, entre a segunda manifestação no cenáculo e a manifestação em uma montanha na Galileia (Mt 28:16-20). CBASD-Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 1191.

3 Vou pescar. A pesca tinha sido o ofício de Pedro antes de se converter em discípulo de Jesus. Tiago e João também eram pescadores. O objetivo da sugestão foi, sem dúvida, para reabastecer seus escassos recursos. Os discípulos não estavam abandonando sua vocação mais elevada. Eles tinham ido para a Galileia para se encontrar com o Mestre (Mt 28:16). CBASD, vol. 5, p. 1192.

Esta narrativa ilustra a ineficácia de pescar homens (Mt 4.19) sem o Cristo ressuscitado estar presente (15.5). Logo que Ele veio e os discípulos obedeceram às Suas ordens, o sucesso foi imediato e tremendo (6). Bíblia Shedd.

Naquela noite. Por causa das águas claras, a noite era o momento apropriado para a pesca no lago. CBASD, vol. 5, p. 1192.

e, naquela noite, nada apanharam. Pescar à noite não era incomum. As circunstâncias são uma reminiscência da pesca maravilhosa registrada em Lc 5.4-11 e associada com a chamada de Pedro e outros discípulos. Bíblia de Genebra.

4 Não reconheceram que era Ele. Talvez os olhos deles estivessem “fechados” como os dos discípulos no caminho de Emaús (Lc 24:16). É provável que houvesse pouca luz. Maria também, não tinha reconhecido Jesus quando Ele Se manifestou pela primeira vez. CBASD, vol. 5, p. 1192.

5 Alguma coisa de comer. Do gr. prosphagion, o que se come além de pão, como carne, peixe, ovos, legumes. O pão era o principal artigo de alimentação do judeu. Como a pergunta é dirigida a pescadores, é bem provável que prosphagion se refira a pescado. A forma da pergunta em grego indica que se espera uma resposta negativa. CBASD, vol. 5, p. 1192.

6 A ordem de Jesus ia contra as melhores práticas de pesca [A pesca por redes é melhor feita à noite, quando a visão dos peixes é limitada]. Andrews Study Bible.

Grande … quantidade de peixes. Este milagre faria os discípulos recordar do milagre anterior, quando deixaram tudo para seguir o Mestre (Lc 5:11). CBASD, vol. 5, p. 1192.

7 Aquele discípulo a quem Jesus amava. João foi o primeiro a reconhecer o Mestre, bem como o primeiro a acreditar na ressurreição (Jo 20:8). CBASD, vol. 5, p. 1192.

Simão Pedrodespido (ARA). Trajava apenas as vestes de baixo. Bíblia Shedd.

Vestiu a capa, pois a havia tirado (NVI). É curioso que vestisse [tornasse a vestir] essa peça de roupa … como preparativo para pular na água. Os judeus, no entanto, consideravam a saudação ato sagrado que somente podia ser realizado entre pessoas plenamente vestidas. Pedro talvez estivesse se preparando para cumprimentar o Senhor. Bíblia de Estúdio NVI Vida.

O Pedro impulsivo, fervoroso e afetuoso respondeu da sua forma característica. CBASD, vol. 5, p. 1192.

Lançou-se ao mar. A água não devia ser profunda. O registro nada menciona acerca de caminhar sobre a água. CBASD, vol. 5, p. 1192.

8 duzentos côvados eram cerca de 96m. Bíblia Shedd

10 Trazei alguns dos peixes. Para complementar o alimento que estava sobre as brasas. CBASD, vol. 5, p. 1193.

11 Simão Pedro entrou no barco. Pedro respondeu com sua impulsividade característica. CBASD, vol. 5, p. 1193.

Pedro arrastou a rede para a praia. Por certo, significa que Pedro comandou o esforço, visto que, anteriormente, o grupo inteiro não tinha conseguido recolher a rede (v. 6). Bíblia de Estúdio NVI Vida.

Cento e cinquenta e três. O número indica que os peixes foram realmente contados. Alguns sugerem interpretações místicas e fantasiosas quanto a este número. Por exemplo, que o “três” representa a Trindade. Essas interpretações são irrelevantes. CBASD, vol. 5, p. 1193.

12 Nenhum ousava perguntar-Lhe. Os discípulos comeram em silêncio e reverência. Muitos pensamentos passaram pela mente deles, mas não ousavam se expressar. CBASD, vol. 5, p. 1193. 

14 a terceira vez. Não o terceiro aparecimento absolutamente, mas a terceira a um grupo de apóstolos. Bíblia de Genebra.

15-17 Os versos 15-17 tem lugar na presença dos outros discípulos. Pedro precisava reconquistar a confiança dos demais após sua traição (18:15-18, 25-27. Em 21:20, Jesus e Pedro estão caminhando na praia, longe dos outros. Andrews Study Bible.

15 Amas-Me. Do gr. agapaõ. Em sua resposta a Jesus, Pedro usa outro verbo para “amar”, phileõ. Estas duas palavras, às vezes, têm significados distintos. Agapaõ se refere a uma forma mais elevada de amor, um amor regido por princípios e não por emoções phileõ está relacionado ao amor espontâneo, emocional. … Jesus usou a palavra agapaõ nas duas primeiras perguntas, e Pedro respondeu com phileõ. Na terceira vez, Jesus usou phileõ, e Pedro respondeu, como  anteriormente, com phileõ. … As três perguntas de Jesus, possivelmente, estavam relacionadas às três negações de Pedro. Três vezes o apóstolo tinha negado ao Senhor. Assim, lhe foi dada a oportunidade confessá-Lo três vezes. CBASD, vol. 5, p. 1193.

Tu sabes. A resposta de Pedro é humilde. Toda a sua arrogância tinha desaparecido. CBASD, vol. 5, p. 1193.

Apascenta os meus cordeiros. “Apascenta” ou “alimenta”. “Minhas ovelhas” e “meus cordeiros” correspondem a “minha igreja” (10.14, 26-27; Mt 18.18). Quando Pedro escreve a seus companheiros presbíteros (1Pe 5.1-2), ele os incita a “pastorear o rebanho de Deus, que está entre vós”, aparentemente tendo levado a sério as palavras de Jesus. Bíblia de Genebra.

Os cordeiros representavam os novos na fé. Mais tarde, Pedro comparou os anciãos da igreja a pastores e aqueles sob sua responsabilidade a um rebanho que eles deveriam alimentar (IPe 5:1-4). Ministros de Deus são pastores que servem sob a liderança do supremo Pastor. CBASD, vol. 5, p. 1194.

16 Pela segunda vez. A pergunta se repete, mas sem a adição de “mais do que estes” (ver v. 15). O amor de Pedro é diretamente desafiado. Ele dá a mesma resposta humilde. CBASD, vol. 5, p. 1194.

17 Pela terceira vez. Na terceira pergunta, ao referir-Se ao verbo “amar”, Jesus usou uma palavra diferente da que empregou nas duas primeiras. Não se pode afirmar que havia a intenção de fazer distinção de significado (ver com. do v. 15). CBASD, vol. 5, p. 1194.            

Me amas (gr phileo, “ser amigo”). Após usar agapaõ “amar desinteressadamente”, duas vezes, Jesus passa a usar a palavra que Pedro usou três vezes. Bíblia Shedd.

pela terceira vez. Pedro ficou triste, não por causa da mudança de palavras nesta última pergunta, mas porque Jesus repetiu a mesma pergunta três vezes. Talvez Pedro se tivesse das três vezes em que negou a Cristo (13.38; 18.27). … Ele estava dando a Pedro uma oportunidade de confessar o seu amor e reafirmar sua vocação para seguir a Cristo. Com este conhecimento, Pedro chama a Jesus de “Supremo Pastor” (1Pe 5.4). Bíblia de Genebra.

Pedro entristeceu-se. Ver com. do v. 15. Pedro sabia que dera motivos para os outros duvidarem de seu amor pelo Mestre. As repetidas perguntas lhe recordaram vividamente as vezes em que negou ao Mestre; por isso, ele se entristeceu. CBASD, vol. 5, p. 1194.

Senhor, Tu sabes todas as coisas. As respostas de Pedro ressaltam o conhecimento por parte de Cristo, não o domínio que Pedro tinha da situação. Bíblia de Estúdio NVI Vida.

Na terceira vez, Pedro omitiu o “sim” (ver v. 15, 16). Recorreu ao olho que tudo vê e que lia os segredos mais íntimos de sua vida. CBASD, vol. 5, p. 1194.

Apascenta as Minhas ovelhas. Jesus repete a ordem (cf. v. 15, 16). Pedro havia demonstrado que estava de fato arrependido. Seu coração enternecido estava pleno de amor. Então o rebanho poderia ser confiado a ele. CBASD, vol. 5, p. 1194.

18, 19 eras mais moço. I.e., quando o discípulo pensava apenas em sua própria vontade. Velho, seria quando Deus dirigiria a vida até a morte. 

Estenderás as mãos. Jesus profetizou a morte de Pedro pela crucificação; o que aconteceu entre 64-67 d.C. por ordem de Nero. Bíblia Shedd.

Segundo a tradição, que deve ser verdadeira, Pedro morreu crucificado, de cabeça para baixo, pois considerou honra imerecida para quem tinha negado o Senhor o ser crucificado da mesma forma,(ver AA, 537, 538).  CBASD, vol. 5, p. 1194.

19 Glorificar a Deus. Isto é, ao morrer como mártir, testificaria do poder do cristianismo (cf. IPe 4:16). CBASD, vol. 5, p. 1194.

Segue-Me. …como a chamada original feita por Jesus a Seus apóstolos (Mt 4.19; Lc 5.27; cf. Jo 21.22). Todo este incidente restaura Pedro ao seu lugar como um apóstolo, lugar que a sua negação ameaçou tirar dele. Bíblia de Genebra.

A tarefa final na vida de Pedro: fazer o que Jesus fez. Andrews Study Bible.

20 Voltando-se. Este versículo sugere que Jesus havia chamado Pedro à parte e falara com ele em  particular sobre a natureza de sua morte, talvez enquanto caminhavam ao longo da margem do lago. João provavelmente os seguia a certa distância. CBASD, vol. 5, p. 1194.

Pedro voltou-se e viu que o discípulo a quem Jesus amava os seguia. Esta adicional referência, combinada com 13.23-25, deixa pouca dúvida de que este discípulo era João, filho de Zebedeu. Bíblia de Genebra.

Os seguia. [João] estava fazendo o que Pedro duas vezes recebera ordens de fazer [“siga-me!”] (v. 19, 22). Bíblia de Estúdio NVI Vida.

21 E quanto a este? Pedro havia recebido uma revelação notável a respeito de seu próprio futuro.e devia ter ficado satisfeito com o que o Senhor considerou conveniente revelar-lhe. Mas o apóstolo estava curioso para saber o que o futuro reservava a João. Jesus aproveitou a oportunidade para impressionar a Pedro com a lição de colocar em primeiro lugar o que é mais importante. CBASD, vol. 5, p. 1194.

22, 23 Uma das razões principais pelo acréscimo deste pós-escrito era para desmentir este mal entendido. Bíblia Shedd.

22 Se Eu quero. Jesus simplesmente disse: “Suponhamos que Eu queira que ele permaneça; isso não deveria ser um motivo de preocupação para você, Pedro.” A resposta foi uma reprovação. Ele não deveria se preocupar acerca do futuro dos colegas. Devia seguir ao Senhor e manter os olhos em Jesus. A preocupação demasiada com os outros poderia induzir o apóstolo a cair. CBASD, vol. 5, p. 1194.

até que Eu volte. Nítida declaração da segunda vinda. Bíblia de Estúdio NVI Vida.

23 Jesus não disse. Nenhuma declaração humana, nem mesmo do próprio Jesus, é totalmente imune a interpretações erradas. Andrews Study Bible.

23 Aquele discípulo não morreria. Muitos consideraram como uma profecia o que Jesus usou apenas como uma suposição. CBASD, vol. 5, p. 1195.

24 O discípulo. O “discípulo a quem Jesus amava” (Jo 21:20) se identifica como o autor do evangelho (ver p. 983). Os v. 2 4 e 25 formam o clímax apropriado para todo o evangelho (ver com. de Jo 20:30). CBASD, vol. 5, p. 1195.

Este é o discípulo que dá testemunho de todas as coisas. Agora fica revelado que o discípulo amado foi a testemunha por trás da narrativa. Que as registrou. O discípulo amado não era somente a testemunha, mas também o próprio autor. Bíblia de Estúdio NVI Vida.

Sabemos. Não se sabe a quem esta forma plural do verbo se refere. Provavelmente os anciãos de Éfeso (ver p. 983, 9 8 4 ) quisessem afirmar que o que tinha sido escrito era, de fato, a verdade. Circulavam narrativas espúrias e obras de autores inescrupulosos, e João desejava que se conhecesse a verdade acerca dos fatos. CBASD, vol. 5, p. 1195.

25 nem no mundo inteiro caberiam. O autor usa hipérbole (exagero) para acentuar o fato de que os escritores dos Evangelhos tinham de ser seletivos em relação aos fatos e detalhes incluídos em suas narrativas. Bíblia de Genebra.

O Evangelho de João é verdadeiro, mas está longe de conter toda a história. Andrews Study Bible.

25 Muitas outras coisas. Neste último versículo, João prorrompe em uma declaração emocionada acerca das muitas coisas notáveis que o Mestre tinha dito e feito. Ele escreveu seu evangelho com certos propósitos espirituais, relatou os acontecimentos e registrou as coisas que contribuíram para esses propósitos (ver p. 983, 984). Os escritores dos outros evangelhos fizeram o mesmo. Consequentemente, muitas ações e realizações de Jesus ficaram sem registro. CBASD, vol. 5, p. 1195.

Nem no mundo inteiro caberiam. Esta linguagem é hiperbólica, mas serve para enfatizar a imensa quantidade de palavras e obras de Jesus. Uma hipérbole semelhante, da mesma época cm que João escreveu, é proveniente do rabi Jochanan ben Zakkai. Registra-se que ele teria dito: “Se o céu inteiro fosse pergaminho e todas as árvores canas de escrever, e tinta todo o mar, isso não seria suficiente para consignar por escrito a sabedoria que eu aprendi com meus mestres” (ver Strack e Billerbeck, Kommentar zum Neuen Testament, vol. 2, p. 587). Essa figura literária judaica, desde então, tem sido popularizada no hino “Sublime amor”, de Frederick Martin Lehman (Hinário Adventista, n° 31). CBASD, vol. 5, p. 1195.

Ao comentar estas palavras finais de João, João Calvino observa: “Se o evangelista, ao contemplar a grandeza da majestade de Cristo, exclama com espanto, que nem mesmo o mundo inteiro poderia conter um relato completo dele, deveríamos assombrar-nos por isso?” CBASD, vol. 5, p. 1195.



João 20 by Jobson Santos
28 de janeiro de 2015, 1:04
Filed under: Evangelho | Tags: , , ,
Comentário devocional:

Este capítulo revela que os amigos de Jesus viram e creram. Só de olhar para dentro do túmulo vazio João “viu e creu” (v. 8, ARA). Maria “viu Jesus” (v. 14) e com seu coração ela se apegou a ele, mas não teve permissão para tocá-Lo (v. 17). Em seguida, ela relatou aos discípulos: “Vi o Senhor!” (v. 18).

Jesus apareceu aos discípulos com a saudação da paz e “lhes mostrou as mãos e o lado” (v.20), como prova de que Ele não era um fantasma ou fruto da imaginação deles, mas uma pessoa real. Eles “alegraram-se ao verem o Senhor” (v. 20). Mais uma vez Jesus lhes disse “Paz seja convosco”, e lhes relembrou a missão. Ele disse: “Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio” (v. 21). Tendo dito isso, soprou sobre eles o Espírito Santo. Como Tomé não estivera lá, eles lhe disseram: “Vimos o Senhor!” Mas ele disse: “Se eu não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei” (v. 25).

Uma semana depois, eles estavam noutra reunião de oração e Jesus mostrou-se novamente a eles com a mesma afirmação de consolação “Paz seja convosco!” (v. 26). Não é maravilhoso que Jesus venha estar conosco sempre que nos reunimos em Seu nome? Desta vez, Ele aparece em benefício de Tomé e lhe diz: “Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.” (v. 27). Tomé tem uma resposta surpreendente: “Senhor meu e Deus meu!” (v. 28). Por duas vezes ele utilizou o pronome “meu”, indicando uma fé viva e ardente. Ao dizer: “Senhor meu e Deus meu”, Tomé dá a Jesus o título mais elevado que pode vir de lábios humanos. Desde então, esta tem sido a afirmação cristológica central da igreja viva. O Senhor ressuscitado é Deus! Através das palavras proferidas por Tomé o Filho é honrado do mesmo modo que o Pai (João 5:23).

A fé verdadeira não se fundamenta em ver, cheirar ou tocar, mas na palavra de Deus! João foi ao sepulcro e creu antes de ter visto o Senhor ressuscitado. Nós também podemos acreditar no testemunho daqueles que viram e acreditaram e deste modo sermos abençoados (v. 29).

João decididamente compartilha a razão de ter escrito seu Evangelho: “para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (v. 31). Você consegue crer em Jesus mesmo sem ter presenciado pessoalmente a sua ressurreição?

Christopher Bullock

Pastor em Atlanta, Georgia
Estados Unidos da América
Texto original:  http://revivedbyhisword.org/en/bible/jhn/20/
Traduzido por JDS/JAQ
Texto bíblico: João 20
Comentário em áudio



%d blogueiros gostam disto: