Reavivados por Sua Palavra


Tatiana II by jquimelli
26 de janeiro de 2015, 10:51
Filed under: Sem categoria

Bem vindo Tatiana,

Deus a chamou e capacitou para essa obra e nós ficamos muito felizes em recebe-la!

Jobson

Em 26 de janeiro de 2015 09:46, Jeferson Quimelli <jquimelli> escreveu:

Damos as boas vindas à Tatiana Wernenburg que vem somar trabalho com a nossa equipe.A Tatiana está nos auxiliando desde sábado, compilando e postando, na medida do possível, os comentários do CBASD (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia).
Agradecemos a Deus por motivar e enviar mais trabalhadores para a Sua obra.

Deus seja louvado pelo seu trabalho, Tatiana!

Jeferson
Pela Equipe Reavivados



Tatiana by jquimelli
26 de janeiro de 2015, 9:46
Filed under: Sem categoria

Damos as boas vindas à Tatiana Wernenburg que vem somar trabalho com a nossa equipe.A Tatiana está nos auxiliando desde sábado, compilando e postando, na medida do possível, os comentários do CBASD (Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia).
Agradecemos a Deus por motivar e enviar mais trabalhadores para a Sua obra.

Deus seja louvado pelo seu trabalho, Tatiana!

Jeferson
Pela Equipe Reavivados



João 18 by Jobson Santos
26 de janeiro de 2015, 1:20
Filed under: Evangelho | Tags: , , ,
Comentário devocional:
Jesus sabe o que irá acontecer com ele (vs.3). Sua prisão, a negação de Pedro, a traição de Judas, incluindo os julgamentos injustos tudo acontecerá como previsto.
Ironicamente, ao invés de se esconder, Jesus e seus discípulos se dirigem para um jardim que costumavam frequentar. Logo chega um “destacamento de soldados”, conduzido por Judas. Com o beijo da traição vem a prisão de Jesus e duas vezes Ele diz: “Sou Eu” aquele a quem buscais (v. 5, 8). Por outro lado, Pedro negou conhecer Jesus por duas vezes. Pedro só aprenderia a lição de permitir que Jesus reinasse plenamente em seu coração depois de sua terceira negação.
Você tem deixado Jesus ser o Rei do seu coração e governar a sua vida, ou você está negando que o conhece por sua maneira de viver? Alguns oferecem a Jesus apenas o serviço de lábios, e não o serviço da vida, o que é uma negação dEle. Jesus não é um item acessório que você utiliza quando quer. Jesus nunca disse: “Dá-me o teu coração e faça de conta que você não me conhece nem a meus ensinos”. Ele quer o nosso TUDO, porque Ele deu TUDO de si.
João menciona neste capítulo três “julgamentos”. O primeiro foi diante de Anás, o sogro do sumo sacerdote Caifás. Quando questionado por Anás, Jesus respondeu com sinceridade. Por falar a verdade, um funcionário bateu no rosto de Jesus!! A verdade nem sempre é bem vinda.
Após ser interrogado por Caifás, Jesus foi levado para o palácio do governador romano, Pilatos, que lhe dirigiu mais perguntas. Pilatos não estava gostando nem um pouco de sentir-se encurralado entre a inocência de Jesus e a maldade dos líderes Judaicos.
Quando Pilatos perguntou a Jesus a importante questão: “És tu o rei dos judeus? Jesus disse: “O meu reino não é deste mundo. Se fosse, os meus servos lutariam para impedir que os judeus me prendessem” (v. 36). Então Pilatos perguntou: “Você é rei?” Jesus respondeu: “Tu dizes que sou rei. De fato, por esta razão nasci e para isto vim ao mundo: para testemunhar da verdade” (v. 37, NVI). Pilatos então perguntou: “Que é a verdade?” (v. 38), mas não parou para ouvir a resposta. A verdade para Pilatos era que ele não havia encontrado nenhum motivo para a acusação feita contra Jesus (v.38). No entanto, ainda assim ele enviou Jesus para ser crucificado.
O que é a verdade? Não é essa a questão que desafia a todos os seres humanos?
Jesus nos convida a aceitarmos a verdade existente em Sua Palavra. Um lugar de amor, serenidade e descanso. Isso é o que Ele deseja para cada um de nós!
Christopher Bullock
Pastor em Atlanta, Georgia
Estados Unidos da América
Texto original:  http://revivedbyhisword.org/en/bible/jhn/18/
Traduzido por JDS/JAQ
Texto bíblico: João 18
Comentário em áudio

 



João 18 Comentários Selecionados by jquimelli
26 de janeiro de 2015, 0:00
Filed under: Julgamento de Jesus, verdade
1 Saiu. Jesus e os discípulos tinham deixado a sala superior antes disso (Jo 14:31) e, nesse momento, estavam percorrendo o caminho até o jardim do Getsêmani. CBASD, vol. 5, p. 1175. 

3 dos principais sacerdotes e dos fariseus, alguns guardas. Estes eram, provavelmente, os mesmos guardas do templo referidos em 7.32, 45. Eles, obviamente, esperavam resistência à prisão, tanto por parte de Jesus como dos discípulos. Bíblia de Genebra.

4 Adiantou-Se. Sua hora havia chegado. Ele saiu sem medo ao encontro do traidor. CBASD, vol. 5, p. 1176. 
A quem buscais? Jesus estava no controle completo da situação. Ele toma a ofensiva e questiona os opositores. CBASD, vol. 5, p. 1176. 

5 Sou Eu. … a resposta de Jesus coincide com o nome solene de Deus (EU SOU), usado na tradução grega do Antigo Testamento [LXX], em Êx 3.14. Bíblia de Genebra.

6 Caíram por terra. Este incidente não é mencionado pelos demais evangelhos. O recuo e a queda da multidão sugerem uma manifestação da divindade. O milagre deu mais provas para a turba assassina da divindade dAquele a quem eles procuravam prender. A relutância foi momentânea, pois, logo mais, eles executaram seus planos (v. 12). CBASD, vol. 5, p. 1176. 

Todas as forças sob o príncipe deste mundo (12.31; 14:30) recuam e se prostram diante daquEle que que recebeu toda autoridade do Pai (17.2). Outra vez João observa que jesus se entrega voluntariamente. Bíblia Shedd.

7 Jesus, de novo, lhes perguntou. Jesus ainda estava no comando. Esse deve ser o momento em que Judas se adianta e Lhe dá o beijo traidor (ver com. de Mt 26:49), o qual, entretanto, João não menciona. CBASD, vol. 5, p. 1176. 

8 Deixai ir estes. O pedido revela a preocupação de Jesus com os discípulos. Pouco tempo depois, “deixando-O, todos fugiram”. (Mc 14:50). CBASD, vol. 5, p. 1176. 

10 Malco. João conhecia o nome deste escravo (gr doulos) porque ele conhecia pessoalmente o sumo sacerdote (15)… Alguém sugeriu que Zebedeu e seus filhos, Tiago e João, forneceram peixe salgado do mar da Galileia à casa de Anás e Caifás (16n). Bíblia Shedd.

Só João registra que Pedro carregava uma espada e que Malco era o nome do servo; somente Lucas registra que Jesus o curou (Lc 22.51). Bíblia de Genebra.

11 Mete a espada na bainha. A repreensão de Jesus nada tem a ver com a possibilidade da autodefesa ou da resistência civil; a questão é que jesus veio dar a Sua vida em resgate de muitos e Ele não devia ser dissuadido desta tarefa (cf. Mt 16.21-23). Bíblia de Genebra.

não beberei o cálice. Esse “cálice” é o cálice do vinho da ira de Deus (Sl 75.8; Is 51.17; Jr 25.15-17, 27-38). O “cálice” que Jesus escolheu beber não é meramente a morte, mas a ira de Deus sobre o pecado (cf Mt 20.22; Mc 10.38). Bíblia de Genebra.

12 Comandante (gr chiliarcos) com a escolta ali presente mostra a aprticipação dos romanos. Bíblia Shedd

Manietaram-No. Provavelmente por amarrar as mãos atrás das costas. A submissão voluntária de Jesus é evidente em toda a narrativa. CBASD, vol. 5, p. 1176. 

15 Simão Pedro. Pedro nega a Jesus. (Mt 26:69-75, Mc 14:66-72) CBASD, vol. 5, p. 1176.

Outro discípulo. Ou seja, João, filho de Zebedeu, o autor do evangelho. Ele não se identifica pelo nome, como em João 13:23. CBASD, vol. 5, p. 1176. 

É provável que este fosse João, uma vez que, dos três mais chegados a jesus (Pedro, Tiago e João), ele é o único que não é mencionado pelo nome no Evangelho. Bíblia de Genebra.

Conhecido. Do gr. gnõstos. Não é possível definir o grau de familiaridade ou associação através desta palavra. CBASD, vol. 5, p. 1176.

17 Não sou. Notável entre os evangelhos é a maneira branda em que João descreve a negação tríplice de Pedro (17, 25, 26). Pedro aqui não jura nem amaldiçoa. Bíblia Shedd.

18 Tendo acendido um braseiro. Jerusalém estava a uma altitude de 800m, e as manhãs de primavera eram frias. CBASD, vol. 5, p. 1176. 

20 Falado francamente … nada disse em oculto. Jesus pregou publicamente, mas ensinou também em particular. Aqui, Ele nega a acusação implícita de planejar uma sedição secretamente. Sua resposta foi uma censura aos meios desonestos pelos quais os judeus tentavam incriminá-Lo. CBASD, vol. 5, p. 1177. 

O ministério culminante de Jesus foi sobre a cruz (12.32). Bíblia Shedd.

21 Por que Me interrogas? Era ilícito forçar o réu a se condenar a si mesmo. Bíblia Shedd.

22 Deu uma bofetada em Jesus. Provavelmente um tapa no rosto, como sugere o texto grego. CBASD, vol. 5, p. 1177. 

Isto, obviamente era altamente irregular, especialmente quando o prisioneiro estava amarrado (v. 24). Bíblia de Genebra.

Jesus sofre esta violência porque fez Anás parecer estúpido, não porque o insultou. Bíblia Shedd.

26 Um dos servos… parente daquele a quem Pedro tinha decepado a orelha. Uma pergunta feita por este colocou Pedro em maior perigo do que as perguntas anteriores, uma vez que o interlocutor podia estar querendo vingar Malco. Bíblia de Genebra.

27 Pedro O negou. A queda de pedro, ocorrendo três vezes, mostra a inerente fraqueza da carne quando privada da assistência sobrenatural do Espírito (Gl 5.16). Bíblia Shedd.

28 Pretório. Residência de Pilatos, o governador romano. Bíblia Shedd.

Cedo. Do gr. prõi, um termo geral para início da manhã. O julgamento começou, provavelmente, às seis horas. CBASD, vol. 5, p. 1177. 

Não entraram no pretório para não se contaminarem. O pretório romano era um lugar de hostilidade entre os romanos e os judeus, e um lugar imundo para os judeus. Bíblia de Genebra.

Para um judeu entrar numa casa pagã significava contaminação ritual, o que devia ser evitado a todo custo (cf Mt 7.2-4). Bíblia Shedd. 

30 Se Este não fosse malfeitor, não to entregaríamos. As autoridades judias não queriam qualquer investigação da parte do romanos. Bíblia Shedd.

31 Julgai-O segundo a vossa lei. Pilatos manda que os judeus julguem a Jesus, uma vez que o mal de que O acusavam era uma infração religiosa de que os romanos não podiam tomar conhecimento. Bíblia Shedd.

A nós não nos é lícito matar ninguém. Acredita-se que o direito de executar a pena de morte teria sido tirado dos tribunais judaicos no tempo em que a Judeia se tornou uma província, em 6 d.C. CBASD, vol. 5, p. 1178. 

Os judeus nem sempre eram tão obedientes: veja-se a morte de Estêvão (At 7.57-60). Bíblia de Genebra.

32 O modo por que havia de morrer. Jesus havia predito a morte por crucifixão Se tivesse morrido pelas mãos dos judeus, sem dúvida, teria sido morto por apedrejamento. CBASD, vol. 5, p. 1178. 

33 És Tu o rei dos judeus? Alguém informara a Pilatos nesta altura que Jesus era um pretendente ao trono de Israel (Lc 23.2, 3). Bíblia Shedd.

35 Sou judeu? O orgulho impediu Pilatos de confessar qualquer interesse sincero em saber sobre a missão de Jesus. CBASD, vol. 5, p. 1178. 

37 Logo, Tu és rei? A pergunta de Pilatos enseja a maravilhosa resposta de jesus, cujo reino e missão são fundados na verdade (1.8, 14, 17; 8.32; 14:6). Bíblia de Genebra.

38 Que é a verdade? Pilatos levantou cinicamente a maior dúvida da filosofia. Pilatos indaga, “Que”; Jesus já declarara que Ele é a verdade (“Quem”). Bíblia Shedd.

Pilatos ficou impressionado com as palavras de Jesus e teria ouvido mais ensinamentos. No entanto, a multidão do lado de fora clamava por uma decisão, e Pilatos não esperou por uma resposta. Assim, ele deixou passar uma oportunidade áurea. CBASD, vol. 5, p. 1178. 

A verdade não importa para aqueles que, como Pilatos, são motivados por oportunismo. Do mesmo modo, a verdade não importa para os céticos, que perderam a esperança de conhecê-la. Bíblia de Genebra.

Crime algum. Pilatos se convenceu da inocência de Jesus e deveria ter determinado a liberação dEle imediatamente. CBASD, vol. 5, p. 1179. 

Pilatos não encontra crime em Jesus e está relutante em condenar Jesus à morte. Ironicamente, é um governador romano pagão que tenta soltar jesus, enquanto “os Seus” (1.11) querem matá-Lo. Bíblia de Genebra.




%d blogueiros gostam disto: