Reavivados por Sua Palavra


I Pedro 4 by Jeferson Quimelli

Comentário devocional:

Continuando seu discurso dos versos 18-22 do cap. 3, Pedro lembra aos seus leitores dos sofrimentos de Cristo como motivação para que eles modelem suas vidas, tanto pensamentos quanto ações, a exemplo d’Aquele que morreu em nosso lugar. Nós ainda podemos cometer erros (ver Mensagens aos Jovens, p. 338), mas escolhemos firmemente nos desviar da vida anterior de rebelião contra Deus.

Antigos amigos ou pessoas seculares podem expressar raiva e ódio contra cristãos que não participam com eles em suas más práticas, entretanto a única opinião que importa é a de Jesus Cristo. O evangelho não foi pregado às almas dos mortos; foi pregado às pessoas enquanto estavam vivas mas que agora estão mortas. Aqueles que morreram (v. 6) serão julgados com base em como viveram após terem conhecido a Cristo. Eles não terão uma “segunda oportunidade” de ouvir o evangelho.

Como “o fim de todas as coisas está próximo” (v. 7), Pedro aconselha os crentes a serem sóbrios (auto-controlados), vigilantes, e acima de tudo, caridosos. Ao invés de magnificar as faltas e falhas de cada um, Pedro incentiva um espírito de perdão e amor fraternal (v. 8). Seguindo este pensamento, muito provavelmente o incentivo de Pedro à hospitalidade no versículo seguinte (v.9) seja um estímulo para que os membros da igreja atinjam um doce espírito de comunhão, tanto para com os irmãos da igreja como para com os visitantes e desconhecidos! 

Depois de um último apelo para permanecermos fiéis a Jesus em meio a perseguição e julgamento, Pedro lembra-nos que a nossa segurança eterna está em nosso fiel  Criador, o “Pastor das nossas almas” (I Ped 2:25).

Cindy Tutsch, DMin
Estados Unidos

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/1pe/4/
Traduzido por JAQ/JDS/IB
Texto bíblico: I Pedro 4 
Comentário em áudio 



João 21 by Jeferson Quimelli
29 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: liderança, restauração | Tags: , , , , ,

Comentário devocional:

Este capítulo parece um final extra deste Evangelho, tendo em vista o encerramento que João fez no último capítulo (20:31). Ele agora deixa claro o mandato missionário do Senhor ressuscitado para o mundo. 

Jesus encontra Seus discípulos junto ao mar de Tiberíades, o nome romano para o Mar da Galileia. Eles então pegam 153 peixes. O pai da igreja Jerônimo sugeriu que esta é uma pesca perfeita tendo em vista que na época havia apenas 153 diferentes variedades de peixes conhecidas. Para ele, isso significava a missão mundial que Jesus dera aos Seus discípulos. Eles deveriam buscar pessoas em todas as nações.

“Vou pescar”, diz Pedro, e seis outros discípulos se juntam a ele. É um retorno ao que estão familiarizados, porque Jesus já não está entre eles. Mas eles não pescam nenhum peixe. Jesus então aparece na praia e diz: “Lançai a rede do lado direito.” É uma pesca milagrosa sem que a rede se rasgasse. Depois de 3 anos e meio, eles já estão acostumados a milagres. Na primeira pesca milagrosa a rede se rasgou e Pedro declarou: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador!”(Lucas 5:8 NVI).

Jesus os havia chamado para serem pescadores de homens e agora Ele vem para renovar essa vocação e para restaurar o chamado de Pedro para segui-Lo. Jesus se dirige a Simão Pedro utilizando o seu nome completo, o que indica a seriedade das perguntas. “Você me ama?”, três vezes Jesus pergunta a Pedro. Três vezes Pedro diz: “Sim”, mas na terceira vez ele se sente envergonhado e ferido e responde simplesmente: ” “Senhor, tu sabes todas as coisas e sabes que te amo”. (v.17 NVI). Jesus responde: “Cuide dos meus cordeiros … Pastoreie as minhas ovelhas … Cuide das minhas ovelhas” (vv 17, 18 NVI).

Sim, Jesus sabe que Pedro O ama, mas será que este amor será forte o suficiente a ponto dele obedecer a missão confiada aos discípulos? Há a necessidade de pescar peixes, mas também de discipular e alimentar os cordeiros e ovelhas. Os convertidos devem ser cuidados. Os crentes devem ser discipulados. Jesus deixa claro aqui que alimentar os novos convertidos era tão importante quanto adquirir novos conversos.

Jesus, então, prediz a morte “com a qual Pedro iria glorificar a Deus”, e lhe diz: “Siga-me!” (v 19 NVI). A oferta de Pedro de dar a sua vida se cumpriria (João 13:37). Pedro, impulsivo como sempre, quer saber o que vai acontecer com João. Jesus diz a ele que isso não lhe importa, que apenas O siga, e não se preocupe com os outros.

As coisas não mudaram. Nós continuamos muito propensos a olhar para a vida dos outros e corrigirmos suas vidas, até nos detalhes. Mas Jesus simplesmente nos chama: “Siga-me!”

João termina o seu evangelho; o seu testemunho chega ao final. É claro que João não registrou tudo o que Jesus fez, mas que o que ele registrou é tudo que precisamos para nos conduzir à fé e à vida em Jesus.

Christopher Bullock
Pastor em Atlanta, Georgia
Estados Unidos da América

 
Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/jhn/21/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: João 21 
Comentário em áudio 



Salmo 23 by Jobson Santos
30 de agosto de 2013, 0:08
Filed under: Salmos | Tags: , , ,

Comentário devocional:

O Salmo 23 é o mais conhecido de todos os Salmos. Suas palavras e imagens nos asseguram que não estamos sós, que nosso Pastor está sempre conosco. Na verdade, o nosso Pastor é o tema central. Em pelo menos treze lugares o salmo faz referência ao nosso Pastor. “Ele me faz repousar… Ele me conduz… Ele me guia… Tu estás comigo… a tua vara e o teu cajado me protegem… eu habitarei na casa do Senhor para sempre”.

Este salmo faz três afirmações sobre o nosso Pastor… e nós. Primeiro diz que não temos necessidades que nosso pastor não possa satisfazer. “O Senhor é o meu pastor, da nada terei falta” (Salmo 23:1, NVI). Qualquer desafio ou dilema que enfrentamos, a resposta para a nossa dificuldade é encontrada em nosso Pastor.

Em segundo lugar, o salmo diz que não andamos por vales que Ele não vá conosco. “Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo” (Salmo 23:4, NVI). Em outras palavras, não importa o desafio que você tenha que enfrentar hoje, você não precisa enfrentar sozinho. Não há vale em que o pastor não vá com você.

E, finalmente, o salmo diz que nós não enfrentaremos o futuro sem a sua presença. “habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.” (Salmo 23:06, ARA). A boa notícia que o evangelho nos oferece, através da graça de Jesus, é a promessa da eternidade em Sua presença. Essa promessa pode sustentar-nos através de qualquer escuridão.

Não temos necessidades que nosso pastor não possa satisfazer.

Não andamos por vales que nosso pastor não vá conosco

Não enfrentaremos o futuro sem a presença do nosso Pastor.

Não admira que o salmista diga: “O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta.” (Salmo 23:1, NVI).

Randy Roberts

Pastor Titular

Igreja da Universidade de Loma Linda

Traduzido por JDS

Texto original em: http://revivedbyhisword.org/en/bible/Psa/23/

Texto bíblico: Salmo 23




%d blogueiros gostam disto: