Reavivados por Sua Palavra


Atos 1 by jquimelli
30 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: Espírito Santo | Tags: , , ,

Comentário devocional:

O livro de Atos enche meu coração de alegria e expectativa quase mais do que qualquer outro livro da Bíblia. Nele encontro um retrato vívido do que está por vir com o derramamento final da chuva serôdia.

Lucas, um médico-historiador, é o autor reconhecido de Atos. E nos próximos capítulos ele compartilha conosco como os primeiros cristãos saíram depois do Pentecostes para compartilhar o evangelho com poder, a começar por Jerusalém (Atos 1-7).

Antes de subir ao céu, Jesus deu a Seus seguidores algo muito importante que lhes permitiu cumprir a grande comissão. Este fator chave é encontrado neste primeiro capítulo e é o que mais precisamos hoje também: “[E Jesus] deu-lhes [a Seus discípulos] esta ordem: Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai, da qual lhes falei” (v. 4 NVI). O verso 8 diz mais: “Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra” (NVI).

Cristo nos deu a grande missão de levar o evangelho a todo o mundo. Mas quantas vezes, na ânsia de cumprir a Grande Comissão cometemos o grande pecado da omissão, que é nos apressarmos a deixar Jerusalém (nossa casa) antes de abandonarmos os nossos pecados, antes de estarmos em harmonia com os de nossa própria casa (e a Igreja), e antes de passarmos tempo com a Palavra de Deus e estarmos de joelhos implorando por Seu poder.

Todos nós somos culpados disso. Mas não continuemos nesta falta por mais tempo. Na verdade, imploremos com renovado fervor por este precioso bem.

Em relação ao derramamento da chuva serôdia, nos é dito: “A descida do Espírito Santo sobre a igreja é olhada como estando no futuro; é, porém, o privilégio da igreja tê-la agora. Buscai-a, orai por ela, crede nela. Precisamos tê-la, e o Céu espera para concedê-la” (White, Evangelismo, 701). 

Eu quero desesperadamente receber este presente! E você?

Melody (Melodious Eco) Mason
Líder do Ministério de Oração ARME



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/1/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Atos 1 
Comentário em áudio 



Atos 1 – Comentários de Bíblias de Estudo by jquimelli
30 de janeiro de 2015, 0:30
Filed under: Espírito Santo, missão | Tags: , ,

1-26 Atos se inicia com quatro cenas, as três primeiras repassando Lucas 24:1-53; (1) introdução (vv. 1-5); (2) a ascensão de Jesus (vv. 6-11); (3) os doze e outros em oração (vv. 12-14); e (4) a seleção de Matias (vv. 15-26). Andrews Study Bible.

1 o primeiro livro. O Evangelho de Lucas, conforme mostrado pela referência a Teófilo. Bíblia de Genebra.

É opinião geral que Lucas e Atos formam dois volumes (cujo tamanho foi limitado pelo comprimento de um rolo de papiro) de uma só obra. A palavra “primeiro” e a conclusão súbita de Atos sugere a intenção de Lucas de escrever um terceiro volume. Bíblia Shedd.

7 tempos. Jesus mansamente os lembra que sua paixão deveria ser a missão e não determinar datas (comparar com Mc 13:32). Andrews Study Bible.

8 Atos 1:8 provê um simples resumo do livro de Atos: os discípulos serão testemunhas em Jerusalém (1:1-8:3); em toda a Judeia e Samaria (8;4-12:25), e até os confins do mundo (13:1-28:31). Andrews Study Bible.

11 galileus. Os onze discípulos restantes (os Doze, menos Judas Iscariotes) “provinham da Galileia” (Bíblia de Estudo NVI Vida). 

12 cerca de um quilômetro (NVI). Grego: “à distância da caminhada de um sábado”. Nota Textual NVI.

Essa distância baseava-se no raciocínio rabínico a respeito de vários trechos do AT (Êx 16.29; Nm 35:5; Js 3.4). Nenhum judeu fiel devia percorrer distância maior que essa no sábado. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12-26 A igreja se prepara para a missão, unindo-se em oração (vv.12-14). Andrews Study Bible.

13 O cenáculo. Uma sala grande de jantar, no segundo andar, que provavelmente pertencia à mãe de Marcos (cf 12.12) e local da Santa Ceia. Bíblia Shedd.

14 perseveravam em oração. Jesus estabeleceu um padrão de oração na vida de Seus discípulos. Bíblia de Genebra.

irmãos. A conversão de Tiago, meio-irmão de Jesus e autor da epístola que traz o seu nome, se relata em 1 Co 15.7.  Bíblia Shedd.

Maria, mãe de Jesus. Esta é a última referência, no Novo Testamento, à mãe de Jesus. Bíblia de Genebra.

15 naqueles dias. Os dez dias entre a ascensão e o Pentecostes (2.1). Bíblia de Genebra.

18 este homem adquiriu um campo. Judas indiretamente comprou o campo quando devolveu o dinheiro aos principais sacerdotes e anciãos, que, por sua vez, compraram um cemitério para estrangeiros. Bíblia de Genebra.

19 sua própria língua. Aramaico [disseminada pelo domínio persa e trazida da Babilônia pelos judeus no pós exílio], que nessa altura já substituíra o hebraico como língua franca dos judeus na Palestina. Bíblia Shedd.

21 estiveram conosco. Ministraram publicamente. Bíblia de Estudo NVI Vida


22 testemunha ressurreição. A qualificação humana para o apostolado era ter conhecimento íntimo da vida terrestre de Jesus e ser testemunha ocular de Sua ressurreição. A qualificação divina era ser escolhido por Cristo (aqui, por meio de sortes, Pv 16.33). Bíblia Shedd.

24 Que Deus conhece os corações de todos é um pensamento importante em Atos (ver 15:7-9). Andrews Study Bible.

26 sortes. A prática de lançar sortes – arremessando pequenas pedras ou pedaços de madeira – também havia sido usada nos tempos do AT (Lv 16:8; 1Cr 25:8; Pv 16:33), mas somente aqui no NT. Andrews Study Bible.

 

Compilação: Jeferson Quimelli



Atos 1 – Comentários selecionados by jquimelli
30 de janeiro de 2015, 0:00
Filed under: cuidado de Deus, Espírito Santo | Tags: , , , ,

1 Primeiro. Um indicativo de que esta obra é a segunda de uma série. O evangelho de Lucas certamente é o “primeiro livro”. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 105.

2 Por intermédio do Espírito Santo. Esta expressão pode ter o sentido de que o Espírito Santo guiaria os discípulos em toda a verdade (Jo 16:13), ou que Jesus, tanto antes quanto depois da crucifixão, falava como alguém cheio do Espírito Santo. Este último deve ser o significado pretendido, pois tudo ligado à vida de Cristo na
Terra foi realizado pelo poder do Espírito: a concepção, o batismo, a justificação, a orientação a uma vida de serviço, os milagres e a ressurreição. CBASD, vol. 6, p. 106.

Apóstolos. Do gr. apostolai, “aqueles que são enviados”. […] Parece que o ofício de apóstolo na igreja apostólica derivava da ordem e da comissão de Jesus aos doze discípulos. Ao chamar os discípulos de “apóstolos”, é provável que Jesus tenha usado a palavra aramaica shelicha, equivalente ao particípio heb. shaluach, “enviado”. CBASD, vol. 6, p. 106.

3 Provas incontestáveis.  Essas “provas infalíveis” foram as aparições de Cristo após a ressurreição, não os

milagres que os discípulos viram Jesus realizar. As provas eram: o fato de Ele ter comido e bebido com os discípulos, Seu corpo real em que eles puderam tocar, as repetidas aparições visíveis a até 500 pessoas de uma vez e as instruções sobre a natureza e as doutrinas do reino. A certeza da ressurreição conferiu poder à mensagem dos apóstolos e constituiu a base do magnífico raciocínio de Paulo sobre a certeza da ressurreição corpórea dos salvos (ICo 15:3-23). CBASD, vol. 6, p. 107.

4 Comendo com eles. Trata-se de possível referência a um encontro na Galileia para a última reunião, na qual os discípulos viram Jesus ascender ao céu. CBASD, vol. 6, p. 107.

Não se ausentassem de Jerusalém. Eles deveriam retornar para a capital, o lugar onde Cristo ministrara tantas vezes e onde sofrera, fora sepultado e ressuscitara dos mortos. Ali, os discípulos receberiam poder e deveriam começar a testemunhar. CBASD, vol. 6, p. 107.

Esperassem. Era preciso esperar com anseio pelo poder de Deus, buscar a condição adequada para recebê-lo e manter oração fervorosa e unidade a fim de ver o cumprimento da promessa. CBASD, vol. 6, p. 108.

6 Reunidos. O próprio Jesus estava com eles. Este foi o último encontro dos discípulos com o Senhor, pois era o dia da ascensão. CBASD, vol. 6, p. 108.

Será este o tempo em que restaures? Os discípulos ainda não compreendiam a natureza do reino de Cristo. Ele não havia prometido o tipo de restauração que esperavam. Achavam que Jesus “havia de redimir a Israel, isto é, dos romanos. CBASD, vol. 6, p. 108.

8 Poder. Lucas se refere ao “poder” sobrenatural recebido por aqueles que têm o Espírito Santo. Este poder é para testemunhar, pois vem dentro, proclama o evangelho e leva outros a Deus. CBASD, vol. 6, p. 110.

Confins. Os discípulos deveriam ir “por todo o mundo”, “a todas as nações” (Mt 24:14). CBASD, vol. 6, p. 111.

9 Elevado. A ascensão foi o clímax apropriado para o ministério de Cristo na Terra. CBASD, vol. 6, p. 111.

À vista deles. Nenhum fiel vira o Salvador ressuscitar dos mortos, mas os onze discípulos e a mãe de Jesus tiveram a oportunidade de vê-Lo subir ao céu. Por isso, tornaram-se testemunhas confiáveis da realidade, da ascensão. CBASD, vol. 6, p. 111.

Uma nuvem. Esta nuvem era uma hoste celestial. De igual modo, o retorno de Cristo será “sobre as nuvens” (Mt 24:30). Hostes de anjos acompanharão o Senhor quando Ele vier em glória. CBASD, vol. 6, p. 111.

11 Virá. A segunda vinda de Cristo está ligada à ressurreição e à ascensão. Trata-se de um evento prometido que se encontra vinculado a incidentes históricos. CBASD, vol. 6, p. 112.

 Do modo como. Esta promessa significa que Seu retorno deve ser pessoal.  A promessa tranquila, mas solene dos conselheiros angelicais confere certeza à doutrina da segunda vinda de Cristo, garantida pela realidade da ascensão. Sem o segundo advento, toda a obra anterior no plano da salvação seria tão vã quanto semear e cultivar a plantação, mas deixar de colher. CBASD, vol. 6, p. 112.

 14 Os irmãos dEle. Eram Tiago, José, Simão e Judas (Mt 13:55). Eles haviam permanecido indiferentes a Jesus e não são mencionados entre os que se reuniram em volta da cruz. Mas as cenas finais da vida terrena de Cristo os levaram à conversão e então faziam parte dos fiéis. É provável que Tiago seja aquele que se transformou num líder da igreja. Muitos acreditam também que ele seja o autor da epístola de Tiago. Judas pode ser o mesmo que escreveu a breve epístola com esse nome. CBASD, vol. 6, p. 114.

 21 É necessário. Pedro considerou que o número original de discípulos deveria ser mantido. Sem dúvida, os apóstolos tinham o conceito de que o número 12 expressava totalidade, seguindo o exemplo das doze tribos de Israel. CBASD, vol. 6, p. 117.

 23 Propuseram dois. No sentido anterior, esta passagem significa que José e Matias foram indicados pelos discípulos como os candidatos sobre os quais seriam lançadas as sortes. CBASD, vol. 6, p. 117.

24 Orando. Esta deve ter sido uma oração tremenda, brotando de uma fé simples e insistente.  Em todos os
grandes momentos da igreja apostólica, a oração era o recurso buscado de maneira espontânea. A experiência da igreja deve ser sempre assim, tanto no passado quanto agora. CBASD, vol. 6, p. 118.

26 Com os onze. Aos olhos humanos, Matias havia aceitado uma posição humilde, a de líder em um grupo insignificante de pessoas simples que logo seriam perseguidas. No entanto, para os cristãos, a posição que Matias assumiu tinha possibilidades imensuráveis para o futuro. CBASD, vol. 6, p. 118.


Compilação: TatianaW




%d blogueiros gostam disto: