Reavivados por Sua Palavra


João 3 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
11 de janeiro de 2015, 0:00
Filed under: amor, Amor de Deus, salvação | Tags: , , , , ,

3 mas nascer de novo. Ou “nascer de cima”. Nota Textual NVI.

Do gr. anothen, que em outras passagens de João significa “do alto”, “de cima” (3:31; 19:11; etc.). A palavra pode ser usada corretamente nos dois sentidos. Está claro que Nicodemos compreendeu no sentido de “de novo” (v. 4), mas Jesus certamente quis dizer “do alto”, como anothen é usada um pouco adiante (3:31). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 1025.

A tradução “mas nascer de cima” concorda bem com o debate das coisas “da terra” e “do céu”. Bíblia de Genebra.

Segundo a teologia judaica, nascer como filho de Abraão era quase uma garantia de admissão no reino do Céu (Jo 8:33). … a ideia de que ele, um judeu respeitável, estivesse fora do círculo da salvação era nova e perturbadora. CBASD, vol. 5, p. 1025.

5 nascer da água e do Espírito. A referência à “água” era uma clara alusão ao batismo na água, ministrado aos prosélitos judeus [dos gentios] e praticado pelos essênios. … os fariseus, que pretendiam ter um grau superior de justiça, recusavam o batismo (Lc 7:30) porque João o tornou um símbolo do arrependimento. CBASD, vol. 5, p. 1026.

6 nascido da carne. Isto é, pelo nascimento natural (ver Jo 1:13). O princípio do mundo natural, de que todas as coisas vivas se reproduzem “segundo as suas espécies” (Gn 1:21), é igualmente verdadeiro no mundo espiritual. No NT, “carne” e “Espírito” são antagônicos e representam duas formas de vida opostas e mutuamente exclusivas (cf. Rm 6:12-18), CBASD, vol. 5, p. 1026.

14 importa que o Filho do Homem seja levantado. Em João, a expressão “levantado” sempre se refere à crucifixão (ver Jo 8:28; 12:34; etc.). CBASD, vol. 5, p. 1027.

16 Deus amou. O amor é o atributo supremo do Criador em relação a Suas criaturas. É a força controladora no governo divino. “Deus é amor” (1Jo 4:8). João refere-se a si mesmo como “aquele a quem Jesus amava” (Jo 21:7; cf. 13:23; 19:26; 20:2; 21:20), isto é, amava mais. A razão para isso era simplesmente que João, mais do que seus companheiros, se submeteu à influência da vida perfeita de Jesus e, por isso, entendeu e refletiu essa perfeição mais plenamente (ver p. 983, 984). Assim, João estava mais qualificado do que os outros a apreciar a magnitude do amor divino e a explicá-la. … Em 1 João 1:31, ele exclama novamente: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai.” Faltam palavras para expressar a profundidade desse amor eterno e imutável, e João simplesmente faz a todos o convite para que o contemplem. CBASD, vol. 5, p. 1027, 1028.

mundo. O amor de Deus alcança toda a humanidade, mas beneficia diretamente apenas os que respondem a ele. … O amor requer reciprocidade para ser eficaz. … Afirmar que Deus predestinou certas pessoas para se perderem, não importando a própria escolha deles, é dizer que Ele as odeia; é estigmatizá-Lo como injusto e colocar sobre Ele a culpa pelo destino delas (ver Rm 5:8; 2Co 5:19; ver com. de Jo 3:17-20). CBASD, vol. 5, p. 1028.

pereça. Do gr apollumi, “destruir completamente”, “apagar da existência”, “desvanecer-se no nada”. … O oposto de “vida eterna” não é a miséria eterna, mas aniquilação eterna, morte eterna. CBASD, vol. 5, p. 1028. 

17-21 O propósito primário do ministério de Jesus era a salvação. Mas aqueles que rejeitam aquela salvação julgam ou condenam a si mesmos. Andrews Study Bible.

17 Deus enviou. O “envio” de Jesus não implica a superioridade do que envia nem a inferioridade do que é enviado. Ao longo de toda a eternidade passada, Cristo era “igual a Deus” (Ev, 614). CBASD, vol. 5, p. 1028.

18 crê …  não crê. João não está se referindo a crenças e dúvidas momentâneas, mas a atitudes contínuas e firmes. Bíblia de Estudo NVI Vida.

já está julgado. Da mesma forma que os que creem em Cristo são justificados em virtude de sua fé, os que não creem são condenados por sua falta de fé. … Deus predestinou que os que creem sejam salvos e que os descrentes se percam, mas deixou a critério de cada pessoa escolher crer ou não. Nesse sentido, o destino de crentes e descrentes foi, em perspectiva, decidido quando o plano da salvação foi formulado; mas é dada ao indivíduo a possibilidade de escolha. Esta é a predestinação bíblica. CBASD, vol. 5, p. 1029

22 para a terra da Judeia. A partir de Jerusalém, Jesus então passa a estender Seu ministério às cidades e aldeias da Judeia, onde trabalhou por um período de aproximadamente oito meses, de abril a dezembro do ano 28 d.C. … Com exceção do breve relato de João 3:22 a 36, a narrativa evangélica silencia sobre os detalhes desse período do ministério do Senhor. Jesus reservou a fase inicial de Seu ministério público a Jerusalém e à Judeia, com o objetivo específico de dar aos líderes a oportunidade de verem as evidências de Sua missão divina, de O aceitarem como o Messias e de levar a nação a cumprir a tarefa que Lhe fora designada por Deus (DTN, 231; ver vol. 4, p. 13-17). Mas, apesar do aparente sucesso da fase inicial, o ministério na Judéia foi de poucos resultados práticos (ver DTN, 194, 245). CBASD, vol. 5, p. 1030.

23 muitas águas. Este comentário sugere o batismo por imarsão, a única forma do rito em que seriam indispensáveis “muitas águas” (ver com. de Mt 3:6; Rm 6:3-6). CBASD, vol. 5, p. 1031.

24 encarcerado. João ficou na prisão cerca de um ano, mais ou menos da época da Páscoa em 29 d.C. até a mesma época do ano seguinte. CBASD, vol. 5, p. 1031

25 disputa entre alguns dos discípulos de João e os judeus sobre purificação.Ver 2:6. Se refere, aqui, ao batismo. Andrews Study Bible.

31 fala da terra. João era “da terra” e falava como homem. Jesus veio “das alturas” e falava com a sabedoria do alto. Por isso, as pessoas volviam de João para Jesus, do menor para o maior. CBASD, vol. 5, p. 1032.

36 quem crê. Literalmente, “quem continua crendo”. Estar “na graça” apenas uma vez não é suficiente; a pessoa precisa permanecer “na graça” se quiser entrar no reino. CBASD, vol. 5, p. 1033.

se mantém rebelde (gr apeithon). Esta palavra está colocada em oposição a “crê” indicando que fé em Cristo inclui obediência. Bíblia Shedd.

…o termo se refere a uma condição mental e volitiva de rebeldia e não a atos de desobediência.  … A condição mental determina o rumo da vida (cf Jo 3:18). CBASD, vol. 5, p. 1033



Lucas 7 by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2014, 0:30
Filed under: cura, , ressurreição | Tags: , ,

Comentário devocional:

Por que a fé de um centurião romano em Cafarnaum fez Jesus se maravilhar e chamá-la de a maior fé que havia encontrado? Anciãos dos judeus tinham pedido a Jesus para curar o servo do centurião, porque ele “ama a nossa nação, e construiu a nossa sinagoga” (Lc 7:4 NVI). Quando Jesus se encaminha para curar o servo, o centurião envia um apelo diferente: “Senhor … não mereço receber-Te debaixo do meu teto. Por isso, nem me considerei digno de ir ao Teu encontro. Mas dize uma palavra e o meu servo será curado”(Lc 7:6, 7 NVI). 

Somos tentados a pensar que somos dignos de receber a cura de Jesus por causa do que temos feito. O centurião reconheceu sua indignidade e baseou seu pedido no poder da Palavra de Jesus. Seu servo não precisava de presença e toque de Jesus. Jesus era o Senhor do Universo, Ele tinha autoridade sobre tudo, incluindo a doença do empregado: “Pois eu também sou homem sujeito a autoridade, e com soldados sob o meu comando. Digo a um: Vá, e ele vai; e a outro: Venha, e ele vem. Digo a meu servo: Faça isto, e ele faz”(Lc 7: 8 NVI). Jesus maravilhou-se com a fé do centurião. Quando os mensageiros voltaram para a casa do Centurião, encontraram o servo completamente curado. 

No dia seguinte, Lucas nos diz, Jesus mostrou que Sua Palavra poderia conquistar a própria morte, ressuscitando o filho de uma viúva em Naim (Lucas 7:11-17). Quão grande é a sua fé no poder da Palavra de Deus? Você está disposto a parar de depender de suas próprias obras e confiar sua salvação à Palavra de Jesus? 

Quando os discípulos de João Batista disseram a ele o que Jesus tinha feito, João enviou uma mensagem a Jesus, mas não foi uma mensagem de fé: “És tu aquele que haveria de vir ou devemos esperar algum outro?” (Lucas 7:19 NVI). Às vezes as pessoas mais próximas de Jesus têm maior dificuldade de confiar em Sua palavra. Se João podia duvidar, então qualquer um pode ser tentado a duvidar de Deus e de Sua Palavra. Na verdade, quanto mais tempo alguém tem sido um cristão, maior pode ser a tentação de duvidar. Peça a Deus para dar-lhe a fé do centurião. 

Lucas 7 termina com uma mulher “pecadora” interrompendo a festa de Simão, ungindo os pés de Jesus com perfume caro. Jesus usa com tato uma parábola de dois devedores para mostrar a Simão que tanto ele como a mulher eram pecadores necessitados do perdão. Enquanto você lê esta história questione qual a sua resposta a Jesus e a outros pecadores. A mulher que ungiu os pés de Jesus reconhecia que ela era uma pecadora e veio a Jesus para pedir perdão. Simão, o fariseu, respondeu a Jesus oferecendo-lhe o prestígio de uma refeição com ele. Ele se sentiu insultado que uma mulher pecadora viesse sem ser convidada à sua festa. 

Ao reconhecermos a nossa própria pecaminosidade, ao nos achegarmos a Jesus com fé pedindo perdão, estenderemos o perdão que recebemos aos demais pecadores. 

Douglas Jacobs 
Professor do Ministério e Homilética 
School of Religion, Southern Adventist University

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/luk/7/ 
Traduzido por JDS/JAQ
Texto bíblico: Lucas 6 
Comentário em áudio



Lucas 1 by Jeferson Quimelli
16 de dezembro de 2014, 1:00
Filed under: confiança em Deus, , testemunho | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Lucas escreve o seu Evangelho para um novo cristão chamado Teófilo, com o objetivo de que ele tivesse certeza das coisas que lhe haviam sido ensinadas (Lc 1:4). Tente ler o Evangelho de Lucas como se você fosse Teófilo, abrindo a carta de Lucas pela primeira vez. Pergunte a si mesmo como cada história contada por Lucas lhe traz argumentos “para que tenhas a certeza” que Jesus é o seu Salvador. Lucas chama seu Evangelho “um relato ordenado” (Lucas 1:3 NVI) da vida de Jesus. Sua ordem é um pouco diferente de Mateus ou Marcos, mas, no geral, ainda é cronológica. 

Ela começa com o justo e velho sacerdote chamado Zacarias, que duvida da boa notícia do arcanjo Gabriel de que sua esposa Isabel, que já havia passado da idade fértil, dará à luz um filho, a quem eles devem chamar João, que vai anunciar a vinda de um Salvador (Lucas 1:5-25). Em seguida, Lucas contrasta a dúvida de Zacarias com a fé de uma jovem virgem, Maria, que crê quando Gabriel, seis meses depois, diz a ela que ela vai conceber através do Espírito Santo e dar à luz o Salvador, Jesus (versos 26-39 ). 

Zacarias tinha todos os motivos para acreditar e Maria tinha todas as razões para duvidar das palavras de Gabriel. Gabriel apareceu a Zacarias, no lado direito do altar do incenso, o lado que indicava favor. Como sacerdote, Zacarias conhecia a história de Sara dando a Abraão um filho, mesmo sabendo que ela tinha passado da idade fértil. Mas, como Abraão, o sacerdote Zacarias duvidou da promessa de Deus, perguntando a Gabriel, “Como posso ter certeza disso?” (Lc 1:18 NVI). 

A nossa facilidade ou dificuldade para acreditar tende a influenciar a nossa fé na capacidade de Deus. Gabriel aconselhou Zacarias a não se demorar nas impossibilidades, mas, sim, na promessa de Deus: “Sou Gabriel, o que está sempre na presença de Deus. Fui enviado para lhe transmitir estas boas novas” (Lc 1:19 NVI) . 

Por outro lado, quando Gabriel veio atá Maria, ele lhe pediu para acreditar em algo que nunca tinha acontecido antes, um nascimento virginal. Maria simplesmente perguntou: “Como acontecerá isso, se sou virgem?” (Lc 1:34 NVI). Após a explicação de Gabriel, Maria respondeu: “que aconteça comigo conforme a tua palavra” (Lc 1:38 NVI). 

Ao ler Lucas 1, pergunte-se se você realmente acredita que “nada é impossível para Deus” (verso 37 NVI). Se, como Zacarias, você é tentado a duvidar das promessas de Deus, se algumas coisas parecem impossíveis de acreditar, procure por áreas em sua vida em que o poder de Deus já trabalhando. 

Na circuncisão de seu filho, Zacarias obteve toda a prova que precisava. Então, quando eles lhe pediram para dar nome a seu filho, ele escreveu com confiança o nome que Gabriel já tinha dado antes: “O nome dele é João” (verso 63 NVI). 

Ore para que Deus lhe dê fé para também acreditar nas Suas promessas e na  promessa da Segunda Vinda de Jesus. 

Douglas Jacobs
Professor de Ministério e Homilética
Universidade Adventista do Sul

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/luk/1/ 

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Marcos 10 

Comentário em áudio 



Lucas 1 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
16 de dezembro de 2014, 0:00
Filed under: adoração, Espírito Santo, Evangelho | Tags: , , , , ,

1 muitos. Não se sabe quem são; provavelmente um deles seria Marcos. Outras fontes se perderam. A inspiração dos autores bíblicos não nega o uso de fontes informativas, o que ele garante é a infalibilidade e a veracidade da narrativa. Bíblia Shedd.

Muitos escritos da igreja se perderam. Bíblia de Genebra.

2 transmitidos. Termo técnico que significa passar adiante informações como tradição autorizada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

testemunhas oculares. Refere-se aos apóstolos (cf Jo 21.24; At 10.39; 1Jo 1.1-3). Lucas, humilde e honestamente, admite que não foi um deles. Mesmo assim, ele trata de fatos realizados entre nós, i. e., dos quais tinha perfeita certeza por contato pessoal. Bíblia Shedd.

3 investiguei tudo cuidadosamente. O relato de Lucas era exato nos pormenores históricos, tendo sido averiguado em todos os aspectos. A inspiração pelo Espírito Santo não excluiu o esforço humano. O relato é completo e remonta até o próprio começo da vida terrestre de Jesus. A disposição do material é ordeira e significante, sendo na maior parte cronológica. Bíblia de Estudo NVI Vida.

refere-se à cuidadosa pesquisa de Lucas nos eventos da vida de Jesus. Andrews Study Bible.

desde sua origem. Ele foi às raízes, ao começo do movimento cristão, aos eventos que cercaram o nascimento do próprio Jesus. Bíblia de Genebra.

4 foste instruído. Do gr katecheo, “instruir” ou “ensinar oralmente”; literalmente, “parecer sobre”. Katecheo é a origem da palavra portuguesa “catequese”. É traduzido como “informado” (At 21:21) e “instruído” (At 18:25; Gl 6:6). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 734.

5 ZacariasIsabel. Ambos eram de descendência sacerdotal, da linhagem de Arão. Bíblia de Estudo NVI Vida.

grupo sacerdotal de Abias. Desde os tempos de Davi, os sacerdotes estavam organizados em 24 divisões, e Abias era um dos “líderes das famílias dos sacerdotes” (Ne 12.12; v 1Cr 24.10). Bíblia de Estudo NVI Vida.

O turno de Abias era o oitavo dos vinte e quatro turnos (1Cr 24.10). Bíblia de Genebra.

9 um dos deveres do sumo sacerdote era manter o incenso queimando no alter diante do Santo dos Santos. Colocava ali incenso novo antes do sacrifício da manhã, e mais uma vez depois do sacrifício da tarde (Êx 30.6-8). Em geral, seria muito raro um sacerdote ter este privilégio, e talvez até mesmo nunca o tivesse, pois a determinação das tarefas se fazia por lançamento de sortes. Bíblia de Estudo NVI Vida.

13 João. Significa “o Senhor é gracioso”. Bíblia de Genebra.

15 vinho. O fato de ele não ingerir bebidas alcoólicas leva muitos a pensar que ele seria nazireu, porém Lucas não diz isto e não há referência aos cabelos que não deveriam ser cortados. É mais provável que João tivesse uma posição única, não sendo sacerdote nem nazireu. Ele é a única pessoa, no Novo Testamento, de quem se diz ter sido cheio do Espírito Santo, desde o nascimento. Bíblia de Genebra.

17 para converter os corações dos pais aos filhos. Ele restaurará a unidade das famílias rompidas, desagregadas pelo efeito do pecado. (Êx 34.7). Bíblia de Genebra.

18 Como posso ter certeza disso? Zacarias pediu um sinal. Bíblia de Estudo NVI Vida.

21 o povo esperava por Zacarias. Todos esperavam que ele saísse do Lugar Santo  proferisse a bênção arônica (Nm 6.24-26). Bíblia de Estudo NVI Vida.

25 opróbrio [“desonra”, “infâmia”]. A esterilidade, para os judeus, era sinal de desfavor por parte de Deus e um opróbrio aos olhos dos homens (Gn 16.2; 30.23). Bíblia Shedd.

27 Desposada significava uma promessa inviolável. A infidelidade era punida com a morte (cf Dt 22.23, 24).  Bíblia Shedd.

28 Alegre-se! (NVI).Na Vulgata latina, essa palavra é Ave (de onde provém “Ave Maria”). Bíblia de Estudo NVI Vida.

muito favorecida! (ARA). Literalmente, “dotada com graça”. Esta expressão designa Maria como quem recebia o favor divino ou a graça, não a despenseira dela. … A exaltação católica de Maria não tem base na Escritura. Está fundada completamente em lendas fantásticas dos evangelhos apócrifos, aos quais até os católicos negam um lugar no cânon sagrado. Nos primeiros séculos cristãos, essas lendas foram combinadas com mitos pagãos a respeito da Rainha dos Céus oriental (ver Jr 7:18; 44:17, 18, etc.), consorte dos deuses e da Magna Mater ou Grande Mãe, da Ásia Menor. O conceito católico de Maria como a “mãe de Deus” é basicamente pouco mais que esta divindade pagã vestida na terminologia cristã, transformada em dogma no Concílio de Éfeso, em 431 d.C. Éfeso foi o lar de Diana, do gr. Artemis; … uma deusa mãe asiática algumas vezes identificada com a “Grande Mãe”. CBASD, vol. 5, p. 746.

Maria era humilde e ficou perplexa, porque o anjo lhe disse que ela era “muito favorecida” (tradução correta da palavra às vezes traduzida por “cheia de graça”). A expressão indica que Maria recebeu graça e não que ela era fonte de graça para outros. Bíblia de Genebra.

31 Jesus. O nome significa “Javé é Salvação”. Bíblia de Genebra.

33 para sempre. V. Sl 45.6; Ap 11.15. Seu reino jamais terá fim. Embora o papel de Cristo como mediador chegue ao fim (v. 1Co 15.24-28), o reino unificado do Pai e do Filho nunca terá fim. Bíblia de Estudo NVI Vida.

34 Como será isto? Maria não duvida como Zacarias; só deseja saber como acontecerá. Bíblia Shedd.

34 não tenho relação com homem. Isto é, relação sexual. … O modo dela de expressar esse fato é o idiomatismo hebraico comum para a castidade pré-marital (ver Gn 19:8; Jz 11:39; etc.). … A tentativa de ler um voto de virgindade perpétua nessas palavras de Maria é completamente injustificada … Permanecer virgem perpetuamente era considerado pelos judeus como uma reprovação, não uma virtude. … (ver Gn 30:1; 1Sm 1:4-7; etc.). A ideia de que ela permaneceu sempre virgem surgiu nos séculos posteriores, possivelmente de um sentido pervertido do que constitui a virtude. Acreditar dessa forma indica que o lar, uma instituição divinamente ordenada, não representa o ideal supremo da vida social. CBASD, vol. 5, p. 749.

Maria percebeu … que o anjo queria significar algo miraculoso – uma gravidez sem pai humano. A concepção virginal é uma ideia distintivamente cristã. Paralelos gregos, às vezes citados, relatam estórias de deuses que tiveram relação sexual com mulheres. Bíblia de Genebra.

Como será isto? Maria não duvida como Zacarias; só deseja saber como acontecerá. Bíblia Shedd.

36 tua parenta. Isabel – e portanto, Maria também – era descendente de Arão (v. 5). A referência a “Davi, seu pai” (v. 32) mostra que Maria também era de descendência davídica. Bíblia de Genebra.

37 nada será impossível (NKJV). Como Deus havia mostrado, há muito tempo, para Sara, outra mulher sem filhos. Andrews Study Bible.

41 possuída do Espírito Santo. A ênfase de Lucas sobre o Espírito é notável, não só no evangelho mas também em Atos (53 vezes nos dois livros). Bíblia Shedd.

A obra do Espírito Santo é destacada do começo ao fim dos escrito de Lucas (v. 15; At 28.25). Andrews Study Bible.

46 engrandece. Donde vem o nome deste cântico de Maria, o Magnificat, (46-55) da versão latina. Bíblia Shedd.

46-55 Um dos quatro hinos preservados em Lc 1 e 2 (cf. v. 68-79; 2.1-4; 2.29-32 e notas). Esse hino de louvor é conhecido como Magnificat, porque na tradução em latim, a Vulgata, a primeira palavra é Magnificat, que significa “engrandece”. Esse cântico é semelhante a um salmo e deve também ser comparado ao cântico de Ana (1Sm 2.1-10; v. nota em 1Sm 2.1). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Este cântico de louvor … é revolucionário em sua preocupação com os pobres e desprezados deste mundo e em sua rejeição do rico e orgulhoso. Bíblia de Genebra.

48 humildade. Do gr tapeinoses, “baixeza”, “baixa condição” ou “humilhação”. A palavra se refere à modesta condição social de Maria e não ao seu espírito de humildade. CBASD, vol. 5, p. 753.

Humildadeé uma referência à posição humilde que ela ocupava na sociedade. Bíblia Shedd.

bem-aventurada. Gr makariousin, “reconhecer felicidade”. Isabel fez uma felicitação a Maria (42), porém é pecaminoso o louvor dado a Maria, pois este pertence somente a Deus (cf 11.27, 28). Bíblia Shedd.

50 aos que O temem. Os que reverenciam a Deus e vivem em harmonia com a Sua vontade. Bíblia de Estudo NVI Vida.

temem. Palavra que descreve a piedade no AT (cf Sl 111.10). Bíblia Shedd.

53 famintos. Tanto física quanto espiritualmente (Mt 5.6; Jo 6.35). A vinda do reino de Deus produzirá mudanças em todas as áreas da vida. Bíblia de Estudo NVI Vida.

59 oitavo dia. A circuncisão judaica ocorrida no oitavo dia (Gn 17.12); porém esta é a primeira evidência do costume de dar nome à criança naquele dia. Bíblia de Genebra.

63 tabuinha. Nos tempos antigos usava-se um pedacinho de madeira coberta de cera e um buril [instrumento de metal de ponta cortante] para escrever notas. Bíblia Shedd.

65 possuídos de temor. Não terror, mas profundo temor e reverência religiosos. CBASD, vol. 5, p. 757.

por toda a região montanhosa da Judeia foram divulgadas. isto é, a região ao redor do lar de Zacarias e Isabel. CBASD, vol. 5, p. 757.

67 Zacarias, … cheio do Espírito Santo. O cântico de Zacarias é sacerdotal no teor e apropriado a um filho de Arão, assim como o cântico de Maria é régio e apropriado a uma filha de Davi. As frases sugerem que Zacarias passou o tempo anterior ao nascimento de João em estudo diligente do que os profetas escreveram sobre o Messias e sobre a obra de Seu predecessor. CBASD, vol. 5, p. 757.

cheio do Espírito Santo. Indica a natureza profética do cântico. Bíblia Shedd.

68-79 Esse hino é chamado Benedictus (“Louvado seja”), porque a primeira palavra na Vulgata latina é Benedictus. Enquanto o Magnificat … se assemelha a um salmo, o Benedictus é mais semelhante a uma profecia. Bíblia de Estudo NVI Vida.

69 poderosa [salvação]. Lit. “chifre”. Era um símbolo de força. Bíblia de Genebra.

“Ele erigiu um chifre de salvação”. Nota textual NVI.

Denota a força tipificada no chifre de um animal (Dt 33.17; Sl 22.21; Mq 4.3). Jesus, o Messias da casa de Davi, tem poder para salvar. Bíblia de Estudo NVI Vida.

78 entranhável misericórdia. Ver Fp 2:1; Cl 3:12. Os gregos acreditavam as “entranhas” (o abdômen) como o centro das emoções: ira, ansiedade, compaixão e amor. CBASD, vol. 5, p. 760.

80 até o dia em que havia de manifestar-se. João era de descendência sacerdotal e como estipulado pela lei de Moisés, um sacerdote deveria iniciar seu ministério na idade aproximada de 30 anos (ver com. de Nm 4:3). É possível que João tenha se “manifestado” quando tinha 30 anos, assim como Jesus quando iniciou Seu ministério (ver com. de Lc 3:23). CBASD, vol. 5, p. 762.



Marcos 1 by Jeferson Quimelli
30 de novembro de 2014, 0:30
Filed under: submissão | Tags: , ,

Comentário devocional:

Marcos começa seu Evangelho descrevendo o ministério de João Batista a preparar o caminho para Jesus. Há um sentimento de grande expectativa nas palavras de João no verso 7: “Depois de mim vem alguém mais poderoso do que eu, tanto que não sou digno nem de curvar-me e desamarrar as correias das suas sandálias.” (NVI). Essa expectativa se cumpriu quando Jesus veio ao rio Jordão para ser batizado por João.

Claramente Jesus, o perfeito Filho de Deus, não precisava do batismo. E João sentia-se indigno de batizá-lo (Mateus 3:14). Mas Jesus insistiu em ser batizado como um exemplo para nós (EGW, O Desejado de Todas as Nações, p 111).

No dia do seu batismo, Jesus deu um exemplo ainda mais importante para nós:  Sua completa submissão a Seu Pai como expresso em Sua oração (Lucas 3: 21,22). Imediatamente após o Seu batismo, Jesus exemplifica a vida de entrega total que somos convidados a viver. Jesus estava iniciando Seu ministério. Sua missão estava diante dEle. Ele estava dando início a um reino que era o oposto do que as pessoas esperavam. Ele iria enfrentar a rejeição e oposição em cada movimento que fizesse. Ele enfrentou a cruz e a possibilidade de separação de Seu próprio Pai. Jesus entregou tudo isso em oração ao Pai (Idem, DTN, 111).

A resposta afirmativa do Pai registrada no verso onze: ““Tu és o Meu Filho amado; de Ti Me agrado” (NVI), incentivou Jesus em Sua missão. E depois dos primeiros discípulos aceitarem o convite de Jesus para segui-Lo (versos 14-20), eles também iriam aprender a entregar suas vidas nas mãos do Pai para que pudessem cumprir a sua missão.

Devemos fazer o mesmo. Ao fazermos isso, a voz do Pai nos dirá: “Este é o Meu filho amado, em quem me comprazo” (DTN, 113).

David Smith 
Pastor Sênior, Church University Collegedale, 
Tennessee, EUA

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/mrk/1/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Marcos 1 
Comentário em áudio 



Mateus 14 by Jeferson Quimelli
15 de novembro de 2014, 0:30
Filed under: esperança, sofrimento | Tags:

Comentário devocional:

Deve ter sido desapontador para os seguidores de João Batista quando ele lhes disse que não era o Messias. Porém ele os encorajou dizendo que o Messias estaria em breve com eles. Eles acreditaram em João quando ele disse que Jesus viera cumprir a profecia. Porém, a mais terrível tristeza que eles sentiram foi pela morte de João, seu professor e mentor. 

Enviado por Deus para preparar o caminho para o Messias, ele foi decapitado a mando de Herodes. Tenho certeza de que eles devem ter se perguntado como eles prosseguiriam sem seu mestre. Eles teriam que confiar em seus ensinamentos e colocar sua fé em Jesus. A voz que clamava no deserto fora silenciada. Esta história tem sido sempre difícil de se entender. Eu não posso nem imaginar o horror que os seus seguidores sentiram quando ouviram a notícia de sua decapitação. Como eles iriam lidar com a perda e manter a fé?

Às vezes existem em nossas vidas algumas coisas, pessoas e até mesmo idéias que sentimos não poderíamos nunca viver sem elas. A dor que sentimos quando vidas de entes queridos são arrancadas de nós, mesmo que temporariamente, é terrivelmente difícil de suportar. Sentimos que não existe mais sentido em viver. Podemos até chegar até a questionar a presença de Deus em nossas vidas, Seu cuidado ou preocupação por nós.

Imediatamente após a decapitação de João, Jesus procurou por um lugar para ficar sozinho. Ele se sentiu muito triste por seu primo. No entanto, uma multidão afluiu para o planejado lugar de descanso. Jesus manifestou compaixão para com todos. Muitos provavelmente eram seguidores de João. Ele, então, começa a curá-los de suas doenças; os alimenta espiritual e fisicamente. Em meio a Sua tristeza e dor pessoal, Jesus atende às necessidades do povo.

O clímax deste capítulo é a figura de Jesus caminhando sobre as águas em direção aos discípulos. Eles estão com medo, e questionam aquilo que eles estão vendo. Eles não reconhecem Jesus e especulam – em sua ignorância – se é um “fantasma”, talvez até mesmo o de João Batista. Mas Jesus se faz conhecido para eles. Eles agora estão cheios de paz e reverência.

A perda de João Batista foi temporária. Um dia ele e Jesus se encontrarão novamente, na manhã da ressurreição. Deus permite alguma perdas deste lado da eternidade. Isso é necessário para que compreendamos quão terríveis são as consequências do pecado. Porém, em cada sofrimento que experimentamos e em cada perda temporária que enfrentamos, Jesus é a nossa esperança.

Joey Norwood Tolbert
Cantora e compositora cristã

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/mat/14/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Mateus 14

Comentário em áudio 



Mateus 11 by Jeferson Quimelli
12 de novembro de 2014, 0:30
Filed under: confiança em Deus, paz | Tags: , , ,

Comentário devocional:

Quando leio a Bíblia, procuro descobrir o que ela está a me dizer. Eu sinto que cada capítulo tem algo que se aplica a mim como esposa e mãe. Este não é apenas um livro antigo de histórias. É muito mais. Todos os dias eu busco nela por paciência e paz da parte de meu Pai celestial para me fortalecer.

Em Mateus 11, João Batista está à procura de mais discernimento espiritual a respeito de Jesus. Ele está na prisão e ainda assim seu coração ainda está repleto de amor para com o Salvador do Mundo. Ele havia seguido diligentemente o caminho que Deus havia planejado para ele e, então, foi preso. Jesus continuou o Seu ministério e quando os seguidores de João O encontraram, Jesus elogia João pelo trabalho que ele tinha feito em preparar o caminho para Ele. João era diferente do que as pessoas esperavam. Ele não usava roupas finas nem se alimentava das melhores comidas. Mas o que ele fez não foi sem importância para Deus. Não devemos nunca pensar que o que fazemos para Deus não é importante. 

Enquanto Paulo refletia sobre suas limitações, o Senhor lhe disse: “Minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza” (2 Cor. 12:9, NVI). A mensagem também para nós é: apesar de nossas debilidades somos valiosos para Deus.

Costumo cantar em escolas, igrejas e retiros de mulheres e dar o meu testemunho pessoal. Desde muito jovem tenho cantado em louvor a Jesus. Sentir-se inadequada é uma sensação que está sempre presente: “Quem estaria interessado em meu testemunho?” Então lembro a mim mesma que isto é o que Deus quer que eu faça. Todos nós somos chamados a apresentar a história de como Jesus tem trabalhado em nossas vidas. O que realmente importa é como interagimos com os outros e como representamos a Jesus em nosso lares e na comunidade em que vivemos.  

Quando leio Mateus 11, duas mensagens me vem a mente: 1. Jesus quer que mesmo nos momentos mais difíceis da nossa vida busquemos saber mais sobre Ele, porque Ele é quem verdadeiramente nos ama. 2. Jesus promete dar-nos paz e descanso quando colocamos a nossa confiança nEle. 

Mantenhamos firmes a nossa confiança, pois nada poderá nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus! (Romanos 8:39).

Joey Norwood Tolbert
Cantora e compositora cristã

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/mat/11/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Mateus 11 

Comentário em áudio 



Mateus 3 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
4 de novembro de 2014, 5:00
Filed under: arrependimento, Estudo devocional da Bíblia | Tags: ,

1 João Batista. “João”, heb Yohãnãn, “Deus teve misericórdia”. A palavra “Batista” refere-se à sua vocação especial de batizar, assinalando arrependimento em preparação para a aceitação de Cristo. Bíblia Shedd.

A influência que João exercia sobre o povo se tornou tão grande que Herodes Antipas, em princípio, hesitou em fazer-lhe dano (Mt 14:1, 5; Mc 11:32), e os líderes judeus não ousavam falar abertamente sobre ele (Mt 21:26; Lc 20:6). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 300.

Deserto da Judéia. Esta expressão em geral se refere aos montes áridos e escarpados entre o mar Morto e as montanhas do centro da Palestina, uma região de pouca chuva e de poucos habitantes. CBASD, vol. 5, p. 301.

2 Arrependei-vos. Operar uma mudança radical na vida como um todo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Do gr metanoeo, literalmente, “pensar de forma diferente depois”, “mudar de idéia”, “mudar de propósito”. Inclui muito mais que a confissão de pecados, embora isso certamente estivesse incluído na pregação de João (v. 6). No sentido teológico, a palavra envolve não só mudança de pensamento, mas nova direção da vontade, uma mudança de propósito e atitude. CBASD, vol. 5, p. 301.

O reino dos céus. Mateus prefere usar “céus” ao invés de “Deus”, em deferência à prática judaica de evitar dizer o nome divino. Marcos e Lucas, que estavam escrevendo para uma audiência majoritariamente não judia, usam “reino de Deus” mais frequentemente. CBASD, vol. 5, p. 301.

a expressão significa a maneira de vida dos que se deixam dirigir por Deus em tudo. É o reino dos céus porque sua origem, seus propósitos, e seu rei, são celestiais. Bíblia Shedd.

O reino dos céus é a soberania de Deus, tanto uma realidade presente quanto uma esperança futura. A ideia do reino de Deus é fundamental nos ensinos de Jesus, sendo mencionada 50 vezes só em Mt. Bíblia de Estudo NVI Vida.

3 Voz. Mateus cita Is 40:3. Assim como João Batista foi a voz que conclamava a “preparar o caminho ao Senhor” na primeira vinda de Jesus, os seguidores de Deus, hoje, devem trabalhar para preparar Sua Segunda Vinda (ver Mat 28:19-20). Andrews Study Bible

João representava apenas uma voz, mas ela ecoou através dos séculos, até os nossos dias. Como profeta, João foi a voz de Deus à sua geração. CBASD, vol. 5, p. 301.

A figura de linguagem usada representa os preparativos que devem ser feitos antes da vinda do rei. Quando um monarca oriental queria visitar partes de seu reino ele enviava mensageiros aos lugares a serem visitados, anunciando sua visita e ordenando aos habitantes a se prepararem para sua chegada. Os habitantes de cada distrito deviam preparar o caminho pelo qual ele passaria, visto que pouco se fazia para conservar as estradas. CBASD, vol. 5, p. 301, 302.

A preparação deveria ser moral e espiritual. Bíblia de Estudo NVI Vida.

4 vestes … cinto … mel silvestre. Os alimentos, as roupas e o modo de vida singelos de João eram um protesto visual conta a vida regalada. Bíblia de Estudo NVI Vida.

João era nazireu de nascimento (DTN, 102), e sua vida simples e sóbria estava de acordo com as exigências desse voto sagrado. … Contudo, não se deve concluir que ele era essênio. … Os essênios se separaram da sociedade e se tornaram ascetas. João passou tempo considerável sozinho no deserto, mas ele não era um asceta, pois de tempos em tempos se misturava com o povo, mesmo antes do início de seu período oficial de ministério (ver DTN, 102). … não há evidência histórica de que João estivesse associado a essa seita rígida. Entretanto, observam-se notáveis semelhanças entre João e os essênio. CBASD, vol. 5, p. 302.

pelos de camelo. Não pele de camelo, como imaginavam alguns, mas uma vestimenta de pelo tecida em tear. CBASD, vol. 5, p. 302.

5 Saíam a ter com ele. João se estabelece num vau natural do Jordão conhecido como “Betabara” ou “Betânia do outro lado do Jordão” (Jo 1.28), por onde tinha de passar todo israelita que demandava Jerusalém. Bíblia Shedd.

A forma do verbo grego [saíam] indica ação continuada: o povo continuava saindo. As multidões continuavam indo ao Jordão para ver e ouvir João e para serem batizadas por ele. … O fato de eles estarem dispostos a deixar seu trabalho e caminharem quilômetros pelo deserto testemunha do poderoso magnetismo da mensagem que João proclamava. CBASD, vol. 5, p. 302, 303.

7 fariseus e saduceus. Os fariseus eram um grupo legalista e separatista que guardava de modo rigoroso, porém de modo também hipócrita, a lei de Moisés e a “tradição dos anciãos” não registrada por escrito (15.2). Os saduceus eram mais mundanos e dados à política e, além disso, não eram teologicamente ortodoxos – entre outras coisas, negavam a ressurreição, os anjos e os espíritos (At 23.8) [influências helenizantes]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

9 por pai a Abrão. João adverte à sua audiência e Mateus aos seus leitores que passado familiar religioso não assegura salvação. Não é um direito de nascimento. Andrews Study Bible.

A salvação não ocorre por direito de nascença (nem sequer para os judeus), mas mediante a fé em Cristo (Rm 2.28, 29; Gl 3.7,9,29). Bíblia de Estudo NVI Vida.

10 Já está posto o machado à raiz das árvores. O juízo está próximo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

11 batizo com água. Também traduzido “batizo na água”. O batismo por imersão era uma prática comum no judaísmo para não-judeus que se convertiam à religião judaica. Os Essênios, uma seita judaica, praticavam este rito como um ato simbólico através do qual as impurezas eram lavadas. Andrews Study Bible.  

mais poderoso do que eu. A pregação de João era tão cheia de poder que muitos criam que ele era o Messias. Até mesmo os líderes da nação foram forçados a considerar seriamente essa possibilidade (Jo 1:19, 20). CBASD, vol. 5, p. 306.

12 A sua pá. Do gr. ptuon, uma “peneira” com a qual se levantava o grão da eira e o lançava contra o vento para tirar a palha (ver com. de Rt 3:2). O grão caía no chão e a palha era levada pelo vento e, depois, queimada. CBASD, vol. 5, p. 307.

Essa pá é para joeirar. Aqui serve de figura do dia do juízo, na segunda vinda de Cristo. Os profetas do AT e os escritores do NT às vezes encaixam a primeira e a segunda vinda de Cristo de modo que parecem ser um só acontecimento. Bíblia de Estudo NVI Vida.

fogo inextinguível. Um fogo que não se apaga até que queime todo o combustível. Para mais sobre inferno e o fogo do inferno, ver 13:42; 25:41; Mc 9:43; Judas 7. Andrews Study Bible.

13-17 O batismo de Jesus não era para arrependimento. Era apenas um sinal de que Jesus se colocava do lado da minoria dos fiéis e que dava apoio à obra de João. Além disso, era a unção sacerdotal de Jesus, o cumprimento da cerimônia descrita em Ex 29.4-7. Bíblia Shedd.

15. Assim, nos convém. Isto é, “é adequado”, “é apropriado”. CBASD, vol. 5, p. 309.

16,17 saiu logo da água. Note que todas as pessoas da Trindade estão presentes no batismo (Jesus, sendo batizado; o Pai fala; o Espírito desce). Mateus conclui o seu evangelho com uma ênfase similar na presença dos três membros da Trindade no batismo de todos os crentes (ver 28:19). Andrews Study Bible.

17 me comprazo (ARA; me agrado, NVI). A forma verbal grega aqui empregada passa a ideia de algo interminável. Deus sempre Se agradou do Seu Filho e sempre Se agradará. Bíblia de Estudo NVI Vida.



Mateus 3 by Jeferson Quimelli
4 de novembro de 2014, 0:00
Filed under: arrependimento, batismo | Tags: , ,

Comentário devocional:

Todos os quatro Evangelhos dedicam uma atenção especial a uma pessoa específica, além de Jesus. Uma das pessoas mais mal compreendidas no Novo Testamento, mas que teve uma profunda influência sobre Jesus e o Cristianismo. Seu nome era João Batista.

Toda a história de Jesus e do cristianismo começa a partir do momento em que João batiza Jesus. Josefo, historiador judeu do 1º século, descreve João Batista como uma figura profética tão significativa que adquiriu muitos e animados seguidores. Na verdade, ele se tornou tão influente que representava uma ameaça séria para os líderes políticos da época.

O próprio Jesus disse em Mateus 11:11: “Digo-lhes a verdade: Entre os nascidos de mulher não surgiu ninguém maior do que João Batista” (NVI). Mas, entre os cristãos, há uma tendência a subestimar João como não mais que um mensageiro do Messias.

O  que João Batista tinha de tão significante que levou tantas pessoas a se tornarem suas seguidoras? A resposta a esta questão reside na mensagem de João Batista: ““Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo” (v. 2).

Esta mensagem era dirigida àqueles que pensavam que seria salvos somente por pertencerem à nação judaica. O conceito de batizar judeus era absolutamente radical. Em suas mentes, eram os gentios que precisavam ser batizados, não os judeus. Então, por que os judeus vinham para serem batizados?

A resposta é que muitos sentiam que seus rituais e observâncias externas não lhes traziam a paz de um coração purificado pelos céus. Assim, o batismo para eles era um ato simbólico e eficaz de lavar as suas impurezas.

Deste modo, o ministério de João é um exemplo para todos os cristãos. Afinal, o próprio Jesus foi batizado, não porque Ele precisava, mas como um exemplo para nós. O batismo é mais do que um ritual simbólico; é uma confissão pública de fé e compromisso com Cristo e Sua igreja. Ele simboliza uma verdadeira mudança de vida.

Se ainda não fomos batizados, façamos planos de demonstrar publicamente nossa fé e devoção a Jesus através dessa cerimônia. E quer sejamos novos ou antigos cristãos, aceitemos a mensagem de João Batista e vivamos uma vida que evidencie o verdadeiro arrependimento.

Oleg Kostyuk
Host of Cross Connection
Hope Channel

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/mat/3/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Mateus 3 

Comentário em áudio 




%d blogueiros gostam disto: