Reavivados por Sua Palavra


DANIEL 6 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
14 de fevereiro de 2021, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO DANIEL 6 – Primeiro leia a Bíblia

DANIEL 6 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

DANIEL 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO(link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

COM. VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



DANIEL 6 by Jobson Santos
14 de fevereiro de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/dn/6

Daniel, com a ajuda de Deus, distinguiu-se como um ótimo estadista, muito acima dos outros dois altos oficiais do rei. Estes colegas invejosos tentaram, em vão, encontrar alguma acusação contra ele (v. 4). Daniel não se corrompia e era extremamente trabalhador e confiável. Legalmente não podiam fazer nada contra ele; então foram buscar algo contra ele em sua religião (v. 5), persuadindo o rei a emitir um decreto que entraria em choque com a vida de oração de Daniel.

Quando Daniel ouviu falar acerca do decreto, abriu as janelas de sua casa e continuou orando a Deus três vezes por dia, como sempre fizera. Ele decidiu não mudar o seu procedimento (v. 10). Hoje, sabemos que a adoração e a oração contínuas ainda são a chave para o sucesso espiritual em nossa vida.

Querido Deus,
Diariamente teu povo remanescente é alvo de críticas, falsas acusações e perseguições. Resgata e protege, Senhor, o Teu povo. Em Teu Santo Nome oramos e Te adoramos. Amém.

Koot van Wyk
Universidade Nacional de Kyungpook
Sangju, Coreia do Sul.

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1102
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



DANIEL 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
14 de fevereiro de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1627  palavras

1-3 Neste tempo, Daniel tinha mais de 80 anos e era um dos três mais altos administradores. Daniel trabalhava com quem não cria em Deus, mas ele trabalhava mais eficientemente e com mais competência que todo os demais. Portanto, ele atraiu a atenção do rei pagão e conseguiu um lugar de respeito. Uma das melhores maneiras de influenciar empregadores não cristãos é trabalhar diligente e responsavelmente. Quão bem você representa Deus para seu empregador? Life Application Study Bible Kingsway.

1 Sátrapas. Pequenos governadores locais da província. Bíblia Shedd.

Do aramaico ‘achashdarpan. … “príncipe”… No período dos persas, o título designava oficiais que regiam satrapias, as maiores divisões do império. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 891 e 859.

Dano. Perda de impostos, que os 120 oficiais tinham a cobrar. Bíblia Shedd.

A razão para a complicada organização da administração civil na Pérsia é descrita em cores vívidas. Precauções eram tomadas pelo sistema imperial para evitar perdas em arrecadação de impostos e outros danos (ver Ed 4:13-16). CBASD, vol. 4, p. 892.

3 Espírito excelente. Esta não foi a primeira vez que observadores reais tinham notado um “espírito” singular em Daniel [Dn 4:18; 5:11, 12]. CBASD, vol. 4, p. 892.

4, 5 Os invejosos oficiais não conseguiram achar nada a criticar na vida de Daniel, então eles atacaram sua religião. Se você enfrentar críticas invejosas por causa de sua fé, alegre-se por estar sendo criticado por esta parte de sua vida – talvez seus críticos tenham de focar em sua religião como último recurso! Responda continuando a acreditar e viver como você deveria. Então lembre-se que Deus está no controle, lutando esta batalha por você. Life Application Study Bible Kingsway.

Procuravam ocasião. A história ensina-nos que eles tinham traído seu próprio rei abrindo as portas para os invasores. Não quiseram, portanto, que um favorito da velha família real regesse. Bíblia Shedd.

Nenhum erro. A despeito de sua idade avançada, então com cerca de 80 anos, Daniel era capaz de cumprir seus deveres de estado de forma tal que nenhum erro ou falta pudesse ser encontrado nele. Isso se devia à sua integridade e à confiança na direção infalível de seu Pai celestial. Amar e servir a Deus era para ele mais importante que a própria vida. A adesão restrita às leis de saúde desde a juventude, sem dúvida, lhe deu vigor bem acima do que era comum em homens de sua idade. CBASD, vol. 4, p. 892.

Na lei de Deus. O homem, sendo cínico, se entrega às ambições de Satanás, “o acusador dos irmãos”, que a própria virtude de sua vítima é considerada motivo justo para liquidá-la. … A mais angustiosa perseguição que o crente tem que enfrentar é justamente o plano dos homens de fazer sua virtude entrar em choque com o ambiente. Bíblia Shedd.

6 Estes presidentes e sátrapas. Não há necessidade de se supor que todos os governadores do império tenham se reunido diante do rei para tratar dessa questão. Sem dúvida, apareceram apenas aqueles que tinham ciúmes da posição de Daniel. Se todos tivessem sido chamados para a ocasião, o rei teria suspeitado, principalmente, se Daniel não estivesse entre eles. CBASD, vol. 4, p. 892.

Todos … concordaram. A falsa implicação é que Daniel também tinha concordado com a proposta. Bíblia de Genebra.

Sem dúvida, uma mentira, pois é duvidoso que todos tivessem sido consultados. CBASD, vol. 4, p. 893.

Todo homem que … fizer petição. Um decreto desta natureza teria sido totalmente estranho aos persas, que tinham a reputação de ser tolerantes quanto a questões religiosas. É impensável que um homem como Ciro teria assinado tal decreto. Porém, Dario, o medo, evidentemente tinha uma formação diferente. Sabe-se pouco sobre o que os medos pensavam com respeito com respeito à tolerância religiosa. Ciro, o rei persa, reconstruiu templos de nações destruídas pelos babilônios, e mostrou assim espírito de tolerância para com as práticas e os sentimentos religiosos de outros povos. CBASD, vol. 4, p. 893.

E não a ti, ó rei. Os conspiradores apelaram ao ego do rei, com o objetivo de encurralar Daniel. Bíblia de Estudo Andrews.

A proposta pareceria a Dario mais política do que religiosa, servindo para consolidar a sua autoridade sobre territórios recém-conquistados. Bíblia de Genebra.

8, 9 Dario era um administrador de governo eficiente, mas ele tinha uma falha fatal – orgulho. Ao apelar para sua vaidade, os conspiradores levaram Dario a assinar uma lei que o fazia – na prática – deus por 30 dias. Life Application Study Bible Kingsway.

8 Lei dos medos e persas. O próprio rei era escravo da lei que assinava. Bíblia Shedd.

A imutabilidade da lei destes povos irmãos também é confirmada nos escritos extrabíblicos. Bíblia de Genebra.

As leis humanas são inválidas quando entram em conflito com as divinas (comparar com At 5:29), porque somente o Senhor possui conhecimento, sabedoria e poder total. Bíblia de Estudo Andrews.

10 Janelas abertas. As janelas abertas da casa de Daniel estavam na direção de Jerusalém, a cidade que tinha deixado quando rapaz e provavelmente nunca mais viu. Daniel tinha o costume judaico de se voltar em direção a Jerusalém para orar (ver 1Rs 8:33, 35; Sl 5:7; 28:2). CBASD, vol. 4, p. 894.

Três vezes por dia. Na tradição judaica posterior, orara três vezes ao dia ocorria na terceira, sexta e nona horas do dia (contadas a partir do nascer do sol). A terceira e a nona horas correspondiam ao momento dos sacrifícios da manhã e da tarde. O salmista seguia a mesma prática (Sl 55:17). Mais tarde, orar três vezes ao dia se tornou costume de todo judeu ortodoxo que vive de acordo com as regras rabínicas (Berakoth, iv.1). Este costume também parece ter sido adotado pela igreja cristã primitiva (Didaquê, 8). CBASD, vol. 4, p. 894.

De joelhos. A Bíblia apresenta diferentes posições para oração. Houve servos de Deus que oraram sentados, como Davi (2Sm 7:18); inclinando-se, como Eliézer (Gn 24:26) e Elias (1Rs 18:42); e, em vários casos, em pé, como Ana (1Sm 1:26). A mais comum é a posição ajoelhada, da qual se têm os seguintes exemplos: Esdras (Ed 9:5), Jesus (Lc 22:41), Estêvão (At 7:60); ver mais a esse respeito em PR, 48; OE, 178. CBASD, vol. 4, p. 894.

Daniel continuou no seu costume de orar porque ele não poderia buscar no rei a orientação e força que ele precisava neste momento. Ore regularmente, não importa o que aconteça, porque orar é a sua corda salva vidas com Deus. Life Application Study Bible Kingsway.

Como costumava fazer. É evidente que os hábitos de oração de Daniel tinham-se tornado públicos. Bíblia de Genebra.

13 Dos exilados de Judá. Esta identificação étnica de Daniel talvez indique preconceitos contra os judeus por parte dos oficiais de Dario (3.8). Bíblia de Genebra.

Eles não se referiram à dignidade de seu posto, mas o caracterizaram meramente como um estrangeiro, um exilado judeu. Sem dúvida, esperavam com isso colocar sua conduta sob suspeita de ser um ato de rebelião contra a autoridade. … As palavras deles foram planejadas de modo a levar Dario a considerar Daniel como ingrato, ou mesmo traidor. CBASD, vol. 4, p. 894.

Não faz caso de ti. Uma mentira covarde, veja 3.12. Bíblia Shedd.

14 Livrar a Daniel. O monarca viu a armadilha que lhe tinham preparado. … De repente, percebeu que a origem de toda a questão não era como havia imaginado: trazer honra ao seu reino e à sua pessoa, mas privá-lo de um amigo verdadeiro e servo público de confiança. A despeito de seus esforços quase frenéticos, o rei não pôde encontrar uma desculpa legal para salvar Daniel e, ao mesmo tempo, preservar o conceito básico da inviolabilidade da lei dos medos e dos persas. CBASD, vol. 4, p. 894, 895.

15 Foram juntos. Pela segunda vez naquele dia, os inimigos de Daniel foram ao rei, então ao entardecer. Esperaram por vária horas e execução do veredito; quando nada ocorreu, voltaram a procurar o rei e insolentemente reivindicaram sua presa. Sabiam que tinham direito legal de ordenar a execução de Daniel, pois não havia brecha na lei pela qual pudesse escapar. CBASD, vol. 4, p. 895.

17 Selou-o com o seu próprio anel. Anéis de selar e cilindros de selar eram usados pelos assírios, babilônios e persas. O cilindro de selar era pressionado sobre a argila ainda mole, para deixar nela a marca do proprietário do selo. Romper esses selos era uma violação da lei. Bíblia de Genebra.

O selamento oficial por parte do rei e de seus grandes tinha um duplo propósito. Servia como garantia ao rei de que Daniel não seria morto por nenhum outro meio, no caso de não ser atacado pelos leões. Pelo fato de Dario ter a esperança de que o Deus de Daniel o salvasse dos leões, naturalmente, ele tomaria precauções contra qualquer interferência da parte dos homens que estavam determinados a tirar a vida de Daniel. Por outro lado, o selamento garantia aos inimigos de Daniel que nenhum esforço poderia ser feito para salvá-lo, no caso de ele não ser imediatamente despedaçado pelos animais. CBASD, vol. 4, p. 895.

20 Triste. Do aramaico ‘atsib, “triste”, “sofrido”, “cheio de ansiedade”. A voz é um reflexo das emoções. É difícil às pessoas esconder seus sentimentos mais íntimos. CBASD, vol. 4, p. 895.

Servo do Deus vivo. As palavras de Dario revelam o quanto conhecia do Deus e da religião de Daniel. O fato de o rei chamar o Deus de Daniel de “o Deus vivo” sugere que Dabiel tinha lhe falado sobre a natureza e o poder do verdadeiro Deus. CBASD, vol. 4, p. 895.

22 O meu Deus enviou o Seu anjo. … uma menção ao Anjo do Senhor. Ver a nota em 3.28. Bíblia de Genebra.

Fechou a boca aos leões. O escritos de epístola aos Hebreus cita essa experiência de Daniel e atribui o livramento do profeta ao poder da fé (Hb 11:33). CBASD, vol. 4, p. 896.

23 Tirar a Daniel da cova. Cumpriram-se as exigências do decreto real. Esse decreto não tinha exigido a execução do transgressor, mas apenas que fosse “lançado na cova dos leões”(v. 7). … Daniel tinha sido lançado na cova dos leões e não havia restrições legais que impedissem o rei de tirá-lo dali. CBASD, vol. 4, p. 896.

24 Seus filhos e mulheres. Segundo o costume persa, esta punição cruel foi transferida àqueles que haviam conspirado contra o rei a fim de levá-lo a uma ação injusta (ver também Ester 7:9, 10). Life Application Study Bible Kingsway.

Por mais horrendo que pareça hoje, a destruição de membros da família fazia parte da punição dos culpados (comparar com a justiça divina de retribuição em Nm 16:27, 31-32). A prática se deve, em parte, à visão de vida grupal comum na época. Era também uma medida para prevenir retaliação. Bíblia de Estudo Andrews.

Alguns comentaristas questionam esta narrativa como não histórica afirmando que a cova onde os leões eram mantidos não poderia ser ampla o suficiente para receber 122 homens com suas famílias. Além disso, não poderia haver leões suficientes em Babilônia para devorar tantas vítimas. No entanto, a Bíblia não declara que esse tenha sido o número dos condenados à morte. Esses eruditos críticos tiram a conclusão de que os 120 príncipes e os dois presidentes dos v. 1 e 2 estavam envolvidos no caso. No entanto, o número de pessoas envolvidas é apenas uma especulação. CBASD, vol. 4, p. 896.

Esmigalharam. Não haja dúvida de que os leões eram mesmo ferozes. Bíblia Shedd.

26 Faço um decreto. Dario promulgou um edito que ordenava todas as nações de seu reino a temer e a reverenciar o Deus de Daniel. Não se deve concluir disso que o rei tenha abandonado o politeísmo dos medos. Dario reconheceu o Deus de Daniel como o Deus vivo, cujo reino e domínio são eternos, mas não se afirma que O reconheceu como o único e verdadeiro Deus (ver p. 826, 827 [CBASD, vol. 4]. CBASD, vol. 4, p. 896.



DANIEL 06 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
14 de fevereiro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Disseram, pois, estes homens: Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a este Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (v.5).

Sob a regência do rei Dario, os medos e os persas tomaram o controle do governo mundial e adaptaram o sistema político, nomeando três presidentes e cento e vinte sátrapas (governadores das satrapias ou províncias). Este sistema garantia um melhor controle nos negócios do reino e evitava possíveis rebeliões. De todos, porém, Daniel logo se destacou, se distinguindo dos demais “porque nele havia um espírito excelente” (v.3). Havia algo em Daniel que o rei não conseguia ver em nenhum de seus subordinados. Como uma luz que se acende e dissipa as trevas, assim era Daniel num meio de intrigas e ambições políticas.

Movidos por inveja, os demais presidentes e os sátrapas se uniram com o propósito maligno de “acusar a Daniel a respeito do reino”. O que eles conseguiram, porém, foi perceber que Daniel era fiel em tudo, de modo que “não se achava nele nenhum erro nem culpa” (v.4). Liderados pelo mentor de toda a iniquidade, aqueles homens não desistiram, só mudaram de estratégia: “Nunca acharemos ocasião alguma para acusar a Daniel, se não a procurarmos contra ele na lei do seu Deus” (v.5). Desta vez não foi difícil encontrar um motivo para eliminar aquele cujo caráter lhes era uma constante repreensão. E mentindo a respeito do consentimento do próprio Daniel, conseguiram o aval de Dario em um interdito irrevogável.

Maior do que um decreto de morte era o relacionamento vivo entre Daniel e o Senhor. Daniel sabia que, como Sadraque, Mesaque e Abede-Nego no campo de Dura, não se tratava de orar ou não orar, mas, novamente, era uma questão de adoração. Todos conheciam a devoção de Daniel ao seu Deus e suas orações diárias haviam se tornado um testemunho público disso. Se Daniel houvesse fechado as janelas e orado em secreto, ele teria tomado uma posição diferente de seus três amigos quando ficar em pé era o sinal distintivo entre os falsos e os verdadeiros adoradores. Seu costume diário não foi apenas o que definiu a sua sentença de morte, mas também o que definiu diante de todo o reino, a Quem ele servia.

Profundamente consternado e sentindo-se enganado, Dario “determinou consigo mesmo livrar a Daniel” (v.14). Mas logo perceberia que não se tratava de um livramento por mãos humanas, e sim, divinas. Enquanto Daniel dormia numa cova de leões, o rei não conseguia dormir em seu palácio. O ambiente não deve definir o nosso estado de espírito. Daniel sabia que não havia entrado sozinho naquela cova. Dario, contudo, mesmo cercado de pessoas que estavam a postos para servi-lo, nunca se sentiu tão só. Andar com Deus é uma dádiva que não pode ser comparada a nenhuma regalia desta terra. A Bíblia não diz o que o profeta sentiu ao entrar naquele lugar, mas, certamente, o que Dario reconheceu em Daniel, Deus confirmou e honrou: “Daniel, servo do Deus vivo!” (v.20).

Vejamos o que Ellen White escreveu a respeito deste episódio de estrita fidelidade: “Deus não impediu os inimigos de Daniel de lançarem-no na cova dos leões; Ele permitiu que anjos maus e homens ímpios chegassem a realizar o seu propósito; mas isto foi para que pudesse tornar o livramento do Seu servo mais marcante e mais completa a derrota dos inimigos da verdade e da justiça. ‘A cólera do homem redundará em Teu louvor’ (Sl.76:10), o salmista testificou. Graças à coragem deste único homem que escolheu seguir o direito antes que a astúcia, Satanás devia ser derrotado e o nome de Deus exaltado e honrado” (Profetas e Reis, CPB, p.277).

Às vésperas do tempo em que os filhos do reino serão perseguidos por serem fiéis à “lei do seu Deus” (v.5), estes devem ser reconhecidos em tempos de guerra pelo que costumavam fazer em tempos de paz. Notem que, na bonança, Daniel se destacou no meio de um grupo de mais de 120 líderes políticos, e, na tribulação, sua fé se tornou conhecida por todo o reino. Amados, Deus nos chamou para fazermos a diferença aonde quer que estivermos. Mas logo, a fé genuína não conhecerá fronteiras, e então, será conhecido de todos “a diferença entre o justo e o perverso, entre o que serve a Deus e o que não O serve” (Ml.3:18). Logo o inimigo de nossas almas receberá o castigo que ele faz de tudo para nos impor (v.24). Portanto, já é chegada a hora de despertar, servos do Deus vivo! Então, quando vier a última grande prova, como Daniel, sairemos de lá sem nenhum dano, pois confiamos no Senhor nosso Deus (v.23). E, com Ele, prosperaremos em Seu reino eterno (v.28). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, servos e servas do Deus vivo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Daniel6 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



DANIEL 6 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
14 de fevereiro de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

Anjos são agentes de Deus enviados do Céu para servir àqueles que “hão de herdar a salvação” (Hebreus 1:14). Eles não são crianças mortas; aliás, crianças mortas não se tornam anjinhos no céu como muitos pensam.

Os anjos estão por toda parte (Salmo 34:7; 91:11-12). Eles estão atentos a tudo, porém, “não aparecem a toa. Eles só operam em missão especial” (Sesóstris César Souza).

Observe estes tópicos extraídos do capítulo em análise:
1. Num novo governo, movidos por inveja, os servos de Dario fizeram complô traiçoeiro para destruir Daniel, um estrangeiro que servira bem a Babilônia, império derrotado, a quem foram confiadas importantes responsabilidades (vs. 1-9).
2. A esperteza dos pecadores revela lógica e perspicácia para, assim, esconder a inveja do coração. Um plano maquiavélico conspirou abertamente contra a fidelidade de Daniel a Deus. Uma acusação verdadeira feita contra Daniel levou a execução da sentença: Jogá-lo na cova de leões famintos (vs. 10-18). Foram muito inteligentes, mas faltou inteligência espiritual: esqueceram-se do fator “Deus”.
3. Os anjos celestiais preservaram a vida de Daniel; então, o rei Dario o libertou, já que os leões nada fizeram. O poder de Deus tornou-se evidente para tornar-Se conhecido no novo reino (vs. 19-23).
4. Dario castigou aos acusadores de Daniel; o Deus de Daniel foi exaltado; e, Daniel promovido (vs. 24-28).

Reflita mais sobre anjos…
“É importante frisar que os anjos são limitados em poder e conhecimento: só Deus é onipotente e onisciente. Mesmo assim, a Bíblia assinala que, valorosos em poder, os anjos são muito maiores em força que os homens” (Hernandes Dias Lopes).

“Satanás não suporta que se apele ao seu poderoso rival, pois teme e treme diante de Sua força e majestade. Ao som da fervorosa oração todo o exército de Satanás treme. Ele continua a chamar legiões de anjos maus para conseguir seu fim. E quanto os anjos todo-poderosos, revestidos com a armadura celeste, chegam em auxílio da fraca e perseguida pessoa, o inimigo e seus anjos recuam, sabendo muito bem que sua batalha está perdida” (Ellen G. White).

• A oração prepara nosso coração para enfrentar qualquer circunstância da história;
• Anjos são servos de Deus no Céu que cuidam dos servos de Deus na Terra;
• Intentar destruir pessoas fieis a Deus significa preparar a própria armadilha;
• Consagrar-se fielmente a Deus tem inimagináveis recompensas!

Sejamos fieis! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: