Reavivados por Sua Palavra


LAMENTAÇÕES 2 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
19 de dezembro de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO LAMENTAÇÕES 2 – Primeiro leia a Bíblia

LAMENTAÇÕES 2 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

LAMENTAÇÕES 2 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)



LAMENTAÇÕES 2 by Jobson Santos
19 de dezembro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/lm/2

O lamento costuma ser uma linguagem estranha à nossa cultura. Um pastor famoso confessou durante um sermão online: “Não gosto de ver homens chorarem. Eu cruzo os braços e desvio o olhar.” Suas palavras insensíveis revelaram desconforto com a tristeza. Como ele poderia consolar corações partidos que estivessem chorando alguma perda? Se nos sentirmos desconfortáveis com a dor, deixaremos os lamentadores sofrendo em agonia solitária.

As circunstâncias geralmente fazem com que o lamento seja a única linguagem apropriada. Jeremias sabia que crianças estavam morrendo ao seu redor. Ele estremeceu enquanto mães famintas devoravam seus próprios filhos para sobreviver. Ele chorou quando sua amada nação estava sendo devastada. Como Jeremias poderia não lamentar junto com os sofredores de Jerusalém?

Nosso planeta angustiado, dilacerado pelo pecado e pela doença, merece lamentação prolongada. A condição do nosso mundo exige que aprendamos a arte de lamentar, tanto sozinhos como em comunidade.

A sua ferida é tão profunda quanto o mar? Você já se perguntou: “Quem pode me curar?”

Talvez você precise aprender a linguagem do lamento. Permita que seu coração sinta, expresse e chore. Lamentar não é vergonhoso. A dor do sofrimento é aliviada pelo luto apropriado. A esperança pode ser ressuscitada.

As lágrimas são uma linguagem que Deus utiliza.

Lori Engel
Capelã, Eugene, Oregon, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1047
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



LAMENTAÇÕES 2 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
19 de dezembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

1550 palavras

Quando coisas ruins acontecem conosco queremos por a culpa em alguém. Primeiro, nos perguntamos “porquê” e “como” e depois nos concentramos em “quem”. Em Lamentações 2 o profeta volta-se para “quem” permitiu a tragédia chegar a Judá. Para Jeremias, o Senhor “jogou por terra o esplendor de Israel”; Ele “derrubou ao chão e desonrou o seu reino e os seus líderes” e “cortou todo o poder de Israel” (vs. 2, 3, NVI).
A ira de Deus ardeu contra Jacó “como um fogo ardente que consome tudo ao redor” (v. 3). Deus, aparentemente, abandonara todo o sistema de adoração cultual, incluindo o altar, o tabernáculo, as festas, e os sacerdotes (vs. 6, 7). Como poderia Aquele que tinha estabelecido o sistema sacrifical do templo, que apontava para o santuário celestial, ser o agente de sua destruição? Podemos até imaginar a perplexidade de Jeremias, mas precisamos balancear a descrição da ira de Deus com os séculos de paciência divina demonstradas quando Israel seguiu seus próprios desejos, a influência de seus vizinhos e suas inclinações pecaminosas, mas não seguiu a seu Deus.
A queda de Jerusalém não ocorreu devido a uma explosão de raiva de um deus tirano que precisava desabafar. Os juízos divinos sobrevieram devido a séculos de idolatria, declínio espiritual e falta de compaixão para com os fracos e necessitados.
“Sua ferida é tão profunda quanto o oceano; quem pode curá-la?”, pergunta o autor de Lamentações (v. 13, NVI). Quem poderá curar nossas feridas e lesões quando lutamos com nossa culpa e com o sentimento de que Deus está distante?
Lamentações 2 não oferece uma resposta clara – ainda não. Mas sabemos que, em todas as ocasiões, “o Senhor fez o que planejou” (v. 17 NVI). Em todas as ocasiões, Ele aje de acordo com padrões perfeitos de justiça e misericórdia. Ele não é insensível às nossas necessidades e nem se irrita facilmente. Ele é o Criador, Sustentador e Salvador do universo. E está disposto a dar tudo para Seus filhos. Suas promessas serão cumpridas, embora Ele possa demorar um pouco. Gerald A. Klingbeil, Editor Associado das revistas: Adventist Review & Adventist World, em https://reavivadosporsuapalavra.org/2014/06/24/

Este capítulo atribui a tragédia de Judá à ira e às ações divinas. Deve-se compreender esta passagem em seu contexto. Israel havia se rebelado contra Deus e transgredido a aliança. O Senhor, para continuar guardando a aliança, precisava colocar em prática as maldições estipuladas (ver Dt 28:15). O motivo central para o problema de Israel foi a infidelidade, não a ira divina. Tais textos devem ser equilibrados com as constantes referências no AT ao amor de Deus e a Sua disposição para perdoar. Bíblia de Estudo Andrews.

1 Do heb. ‘ekah (Ver com [CBASD] de Lm 1:1). Este capítulo é um poema acróstico do mesmo tipo de Lamentações 1. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 601.

Sua ira. A referência à ira de Deus reaparece nos v. 3, 6, 21 e 22 e define o tema do capítulo, a saber, a fúria da ira divina. CBASD, vol. 4, p. 601.

Estrado de Seus pés. Isto é, o santuário (Sl 99:5; 132:7), em especial, a arca (1Cr 28:2; ver com. [CBASD] de Ez 43:7). CBASD, vol. 4, p. 602.

A glória de Israel. Isto pode ser uma referência ao templo. CBASD, vol. 4, p. 601.

2 O Senhor. Ampliando o pensamento de Lamentações 1:12 a 15, o profeta, neste versículo, atribui a Yahweh toda a aflição de Judá, a qual ele narra em detalhes. Afirma-se frequentemente que o Senhor faz o que Ele não impede (ver com. [CBASD] de 2Sm 24:1). Desta forma, o profeta enfatiza a natureza ética da angústia de Judá. CBASD, vol. 4, p. 602.

Moradas. Do heb. ne’oth, “pastagens”ou “moradas”. … Neste versículo, a palavra se refere aos lugares não fortificados de Judá, em contraste com as “fortalezas” mencionadas logo a seguir. CBASD, vol. 4, p. 602.

Profanou o reino. Este era o povo que Deus tinha destinado para ser “reino de sacerdotes e nação santa” (Êx 19:6). CBASD, vol. 4, p. 602.

3 Força (ARA; NVI: “poder”). Literalmente, chifre (ver Dt 33:17; Jó 16:15; Sl 75:4; Jr 48:25; Am 6:13). CBASD, vol. 4, p. 602.

Retirou. Em tempos passados a mão protetora de Deus tinha agido em defesa de Seu povo (Êx 6:6; Slm98:1-3). Então, todas as restrições ao inimigo foram removidas (ver Sl 74:11). CBASD, vol. 4, p. 602.

4 Qual inimigo. O profeta não iria tão longe a ponto de dizer que o Senhor era inimigo de Judá, porque Ele não o era. Por utilizar os inimigos dos judeus para castigá-los, Deus lhes parecia um inimigo, já que Seus juízos foram derramados para que Seu povo pudesse voltar para Ele. CBASD, vol. 4, p. 602.

5 Seu palácios. Os v. 5 a 8 representam as etapas progressivas da destruição da cidade: os palácios e fortificações, o templo, o altar e os muros. CBASD, vol. 4, p. 602.

6 Demoliu com violência o seu tabernáculo. Aparentemente, é uma referência à rapidez com que o templo foi destruído. CBASD, vol. 4, p. 602.

Pôs em esquecimento. Os juízos de Deus sobre Judá – a destruição do templo e a deportação da população – resultaram na interrupção da observância do sábado e dos serviços nos dias de festa no templo (ver Lm 1:4) [Grifo adicionado]. … Não sugere que Deus propôs a cessação da observância do sábado por Seu povo (ver Jr 17:27; Sf 3:18). CBASD, vol. 4, p. 602.

7 Gritos. O tumulto dos soldados babilônios enquanto saqueiam o santuário é comparado ao grito, canto e dança dos israelitas nas grandes assembleias anuais (ver Sl 42:4; 74:3-8; Is 30:29). CBASD, vol. 4, p. 602.

8 Estendeu o cordel Isto é, uma linha de medição. Esta expressão também é usada com relação à reconstrução do templo (Zc 1:16). Em 2 Reis 21:13 e Isaías 34:11, o cordel é usado, como neste versículo, para juízo e destruição. A implicação é que, da mesma forma como o arquiteto constrói com precisão, assim também Deus destrói. CBASD, vol. 4, p. 602.

Esticou uma trena (NVI). Para destruir com os mesmos padrões de exatidão e perfeição usados na edificação (v. Is 28.17…; Am 7.7,8). Bíblia de Estudo NVI Vida.

9 Já não vigora a lei [Em heb. torah]. Parece razoável entender torah, neste versículo, como uma referência a toda a estrutura de conselho e guia que deixou Judá com o exílio de seu governo, seus sacerdotes (aos quais foi ordenado especialmente o ensino da torah) e seu profetas. CBASD, vol. 4, p. 603.

O colapso das estruturas política e religiosa se estende ao fato de que a lei não mais exercia sua função. Bíblia de Estudo Andrews.

Seus profetas. Ver Sl 74:9; Ez 7:26. Esta é uma referência ao conjunto de profissionais que constituíam a classe ou grupo profético em Judá e que foram infiéis ao seu chamado (Jr 18:18; 28:1-17). Não inclui profetas fiéis como Jeremias, Ezequiel e Daniel, que receberam revelações divinas após a queda de Jerusalém (Jr 42:4, 7; Ez 32-48; Dn 5-12). CBASD, vol. 4, p. 603.

10 Pó … cilício. Sinais de luto (Js 7:6; 2Sm 13:19; Ne 9:1; Jó 2:12). CBASD, vol. 4, p. 603.

12 Às mães. Neste versículo é retratada a imagem mais deplorável de tudo o que a guerra provocou: os gritos de crianças famintas nos braços de pais impotentes. CBASD, vol. 4, p. 603.

Pão e vinho. Recurso poético para representar os alimentos sólidos e líquidos em geral (ver Dt 11:14). CBASD, vol. 4, p. 603.

Exalam a alma. Quando bebês morriam de fome nos seios de suas mães (ver com. [CBASD] de Sl 16:10; 1Rs 17:21). CBASD, vol. 4, p. 603.

13 A quem te assemelharei … ? O pensamento deste versículo é que ninguém havia sofrido tão gravemente como Jerusalém. CBASD, vol. 4, p. 603.

14 Os teus profetas. Acusação dos falsos profetas que haviam espalhado mentiras, incentivando ilusões em meio ao povo de Deus. Bíblia de Estudo Andrews.

Levaram para o cativeiro. Ou, “seduções”. … A severa denúncia, neste versículo, acumulada sobre os falsos profetas, se destaca como uma alerta a todos os que falam por Deus (ver Ez 12:24; 13:6-9; 22:28). Grande parcela da responsabilidade pelo sofrimento de Judá é depositada sobre aqueles que, em nome do Senhor, levaram a nação a se desviar. CBASD, vol. 4, p. 603.

15 Assobiam. Cer com. [CBASD] de Jr 18:16 [Perpétuo assobio. Expressão idiomática de escárnio constante]. CBASD, vol. 4, p. 603.

Meneiam a cabeça. Uma expressão de desprezo (ver Mt 27:39; Mc 15:29). CBASD, vol. 4, p. 603.

16 Abrem … a boca. Isto é, para devorar (ver Sl 22:13). CBASD, vol. 4, p. 603.

Rangem os dentes. Uma expressão de ódio e desprezo (ver Sl 35:16; 37:12). CBASD, vol. 4, p. 603.

17 Dias da antiguidade. Muitos séculos antes, Deus alertou Israel acerca das calamidades que sobreviriam caso persistisse em desobedecê-Lo (Lv 26:14-39; Dt 28:15-68). Uma longa sucessão de profetas repetiu esses avisos até que, finalmente, se cumpriram. CBASD, vol. 4, p. 604.

19 No princípio das vigílias. Nos tempos do AT era comum aos judeus dividir a noite em três partes ou “vigílias” … Neste versículo, o pensamento parece ser de que durante a noite e nas primeiras horas da manhã, quando todos dormem profundamente – o povo de Jerusalém é chamado de suas camas para buscar ao Senhor em sua situação extremamente adversa. CBASD, vol. 4, p. 604.

levanta a Ele as mãos. Antigamente, uma postura comum enquanto em oração (ver Sl 28:2; 63:4; 119:48; 134:2; 1Tm 2:8). CBASD, vol. 4, p. 604.

À entrada de todas as ruas. … as ruas eram pouco mais que corredores tortuosos que levavam a praças e a outros centros de ajuntamento público. A “entrada”ou “princípio”da rua, evidentemente, refere-se a seu acesso a uma praça ou a um cruzamento. CBASD, vol. 4, p. 604.

20 A quem. O extremo sofrimento de Israel era indicativo da incomensurável riqueza das bênçãos que a nação receberia se tivesse permanecido fiel a Yahweh. CBASD, vol. 4, p. 604.

Comer o fruto. Isto é, seus filhos (ver Lm 4:10). Tais atrocidades em tempos de grande necessidade foram profetizadas (Dt 28:53; Jr 19:9). O que realmente ocorreu é atestado pela narrativa de 2 Reis 6:28 e 29). CBASD, vol. 4, p. 604.

22 dia da ira do SENHOR. O capítulo termina como iniciou (cf. v. 1). Bíblia de Estudo NVI Vida.



LAMENTAÇÕES 2 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
19 de dezembro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“No furor da Sua ira, cortou toda a força de Israel; retirou a Sua destra de diante do inimigo; e ardeu contra Jacó, como labareda de fogo que tudo consome em redor” (v.3).

Uma das coisas que mais o mundo tem clamado é pela paz. Contudo, para que haja paz, precisa haver justiça. E isto só é possível quando o homem observa as leis e estatutos que regulam uma determinada sociedade em prol do bem-estar individual e coletivo. A partir do momento em que há uma quebra nem que seja de um dos menores dispositivos legais, há uma ruptura com a justiça, e, consequentemente, com a paz.

No monte Carmelo, Elias provou diante de todo o povo quem é de fato o verdadeiro e único Deus: “porque o nosso Deus é fogo consumidor” (Hb.12:29). Aquele fogo que consumiu todo o holocausto, inclusive as pedras, poderia ter descido com ímpeto sobre aquele povo que precisava ver para crer. Afinal, o Senhor ainda tinha sete mil joelhos que permaneciam fiéis diante de Sua presença (1Rs.19:18). Porém, Ele escolheu poupar o Seu povo concedendo-lhe nova oportunidade.

Israel rompeu com a paz a partir do momento em que deixou de cumprir com a justiça. Como filhos do Senhor, não fizeram o que é justo: “Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo” (Ef.6:1). E este mandamento também se aplica a nós com relação Àquele que chamamos de Pai. A ira de Deus é considerada pela maioria como tirania. Até os que dizem crer em Deus têm julgado Suas ações antigas como sendo demasiadamente severas e desprovidas de misericórdia. Mas esquecem que a justiça de Deus foi violada, e que a Suas misericórdias clamavam insistentemente através dos Seus profetas a um povo que se negava a ouvi-Lo. Hoje estamos vivendo um verdadeiro pandemônio no que se refere aos relacionamentos. Paulo escreveu que nos últimos dias os filhos seriam “desobedientes aos pais” (2Tm.3:2). E essa quebra na autoridade paterna é um fator que, consequentemente, gera uma sociedade que não teme a Deus. Mas Deus, em Sua infinita graça, tem estendido o Seu tempo de misericórdia enquanto clama aos corações ainda endurecidos.

Não adianta, amados, nos apegarmos ao fato de pertencermos a uma igreja e de participarmos de suas atividades litúrgicas. Israel continuava observando as leis cerimoniais, mas seu coração estava longe de Deus. E perante seus olhos viram a queda do lugar que o Senhor rejeitou e detestou (v.7). Estamos prestes a testemunhar o tempo em que “não vigora a lei, nem recebem visão alguma do Senhor os Seus profetas” (v.9). Tempo em que Deus enviará “fome sobre a Terra, não de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. Andarão de mar a mar e do Norte até ao Oriente; correrão por toda parte, procurando a palavra do Senhor, e não acharão” (Am.8:11-12).

Queremos paz? Então, andemos na justiça enquanto há tempo! Pratiquemos o que é nosso dever: “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os Seus mandamentos; porque isto é dever de todo homem” (Ec.12:13). É tempo de consumirmos os nossos olhos de lágrimas clamando a Deus uns pelos outros (v.11)! É tempo de derramarmos “como água o coração perante o Senhor” e erguermos “a Ele as mãos pela vida” de nossos filhos (v.19)! Está chegando o Dia da ira do Cordeiro em que Ele “julgará o Seu povo” (Hb.10:30), para que possa haver paz eterna. Com o coração partido, Ele terá de ver aqueles do Seu carinho, os quais criou, sendo consumidos (v.22). Que você e eu façamos parte do pequeno grupo que, com perseverança e constante oração, permanecerá praticando a justiça até que do alto possamos ouvir: “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor” (Mt.25:21). Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, perseverantes em Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Lamentações2 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



LAMENTAÇÕES 2 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
19 de dezembro de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

LAMENTAÇÕES 2 – Junto com o livro de Jó, o livro de Lamentações trata do sofrimento. Em Jó, o justo sofre. Em Lamentações, justos e injustos sofrem. Em ambas situações o sofrimento motiva a buscar explicações, induzindo indivíduos à reflexões profundas para alcançar conclusões positivas.

“O livro de Lamentações não contém apenas queixas. O autor percebe a importância de refletir sobre o próprio sofrimento e sobre a dor de seu povo. Ele busca – e encontra – as razões do sofrimento e do infortúnio. Portanto, o livro serve de modelo para meditação sobre o sofrimento ou durante um momento difícil, para que se possa entender a razão da dor no esquema das coisas e tomar a atitude correta, reconhecendo que o sofrimento não é o fim de tudo” (Issiaka Coulibaly).

R. K. Harrison nos dá os seguintes tópicos do segundo capítulo de Lamentações:
• Hostilidade de Deus para com Seu povo (vs. 1-9);
• Sofrimento pelo homem (vs. 10-13);
• Verdadeiros e falsos profetas (vs. 14-17);
• Uma chorosa oração a Deus (vs. 18-22).

Deixar de confiar em Deus para confiar em qualquer outra coisa, faz Deus evidenciar a insensatez desse tipo de confiança. O texto nos ensina, por meio dos erros de Israel, que de nada vale colocar a confiança em:
1. Líderes (v. 2);
2. Poderes (v. 5);
3. Palácios (v. 5);
4. Fortalezas (v. 5);
5. No templo (Igreja) e seus oficiantes (v. 6);
6. Nas festas religiosas (v. 6).

Confiar em tudo, exceto em Deus, significa preencher o próprio atestado de óbito. Nem mesmo rituais religiosos possuem algum tipo de valor desvinculado de íntimo relacionamento com o Soberano Senhor do Universo.

Não adianta criticar aqueles que erram. Jeremias percebe a situação de Israel e sem criticar chora ao ver os filhos de seu povo morrendo de fome. O profeta não ficou importunando os miseráveis sofredores, dizendo: “Eu avisei”, “não me quiseram ouvir”, etc. Pelo contrário, veja o que o profeta disse:
“Como poderei entender sua terrível condição, amada Jerusalém?
O que posso dizer para dar a você conforto, amada Sião?
Quem pode restaurar você? Esse rompimento está além da compreensão” (v. 13).

Só em Deus existe esperança. Só nEle há restauração. Ele é o único que pode reverter qualquer situação, inclusive as piores consequências do pecado! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: