Reavivados por Sua Palavra


AMANHÃ COMEÇAREMOS A ESTUDAR EZEQUIEL! by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2020, 18:06
Filed under: Sem categoria



LAMENTAÇÕES 5 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO LAMENTAÇÕES 5 – Primeiro leia a Bíblia

LAMENTAÇÕES 5 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

LAMENTAÇÕES 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

COM. VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

COM. VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

COM. VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)



LAMENTAÇÕES 5 by Jobson Santos
22 de dezembro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/lm/5

“Lembre-se, ó Senhor, do que aconteceu conosco!”

A alegria desapareceu de muitos de nossos corações. O luto se tornou nossa língua materna. Por isso, clamamos a Deus, pedindo-Lhe que veja nossas feridas mais profundas e nossos corações desfalecidos. Pedimos para sermos notados, para sermos lembrados, para sermos restaurados.

Lembre-se de nós, Senhor: fomos abusados e negligenciados quando crianças. Lembre-se de mim, Senhor, fui vítima de tráfico sexual; fui estuprada. Lembre-se de mim, Senhor: fui traído(a) por meu cônjuge. Lembre-se de nós, Senhor: estamos desempregados e sem casa para morar. Senhor, atente para a nossa vergonha, nosso desespero, nossos corações partidos. Observe nossas necessidades, nossas esperanças, nossos anseios.

Os tribunais do céu ressoam com o som de nossos clamores mais profundos: “Lembre-se de mim, Senhor!”

Nosso desejo de ser lembrado é na verdade a necessidade do coração de ser valorizado, curado e redimido. É um anseio por redenção relacional.

Nosso Mestre, que também foi ferido, vê nossas feridas mais profundas e se lembra! Ele se lembra de cada lágrima que cai, de cada coração que se parte, de cada mente que se desintegra. Ele se lembra de cada agonia e promete um dia enxugar todas as lágrimas, curar todos os corações e restaurar todas as vidas.

Amigo, Cristo se lembra de tudo que você já sofreu. Um dia, cicatrizes serão estrelas!

Lori Engel
Capelã, Eugene, Oregon, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1045
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



LAMENTAÇÕES 5 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

911 palavras

Um momento de avaliação, pesar, arrependimento e oração. A imagem sombria de perda de liberdade e as consequências de viver em situação precária levaram a uma autoanálise profunda e à confissão dos pecados (ver v. 7). Biblia de Estudo Andrews.

1 Lembra-Te. Este último poema no livro de Lamentações é uma oração por restauração. retrata, aparentemente, as condições de Judá e seu povo no período posterior à queda de Jerusalém. O poema contrasta com os poemas de Lamentações 1 a 4 de vária formas: ele não é um acróstico, apesar de ter 22 versículos, a mesma quantidade de letras do alfabeto hebraico; e não foi escrito na característica métrica do lamento hebraico (ver p. 593, 594 [CBASD]). Não obstante, este capítulo possui qualidades estéticas notáveis. Cada versículo consiste em duas partes paralelas. A repetição é um artifício bem conhecido da língua hebraica (ver vol. 3 [CBASD], p. 8-13. O poeta também deu atenção incomum ao som, pois rima e assonância normalmente não são características da poesia hebraica. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4, p. 615.

2 Nossa herança. A terra de Judá (v. Jr 2.7 e nota; 3.18). Biblia de Estudo NVI Vida.

3 Viúvas. … vários homens morreram nas lutas, enquanto muitos outros foram levados para o cativeiro, mas as viúvas e as crianças foram deixadas para trás. CBASD, vol. 4, p. 615.

4 Água, por dinheiro. Mesmo as necessidades mais comuns da vida passaram a ser obtidas apenas por dinheiro. CBASD, vol. 4, p. 615.

5 Nosso pescoço (ARA; NVI: “estão bem próximos”). Esta frase é traduzida literalmente como: “sobre nossos pescoços somos perseguidos”. O significado pode ser que eles foram intensamente perseguidos. Alguns consideram que a melhor compreensão seja como referência à crueldade da escravidão imposta sobre eles: “pelos nossos pescoços somos guiados”. Nas inscrições egípcias os prisioneiros são retratados amarrados pelo pescoço. CBASD, vol. 4, p. 615.

6 Egípcios. Judá também esteve sob o domínio egípcio durante a primeira parte do reinado de Jeoaquim (ver p. 368, 369 [CBASD]). CBASD, vol. 4, p. 615.

8 Escravos.Referência irônica aos babilônios, que agora reinam sobre Jerusalém (antigamente “a princesa das províncias”, 1.1); v. Pv 30.21, 22. Biblia de Estudo NVI Vida.

No uso que o AT faz deste termo quando aplicado a oficiais do governo não indica necessariamente uma condição de vida menor, mas pode se referir aos oficiais de alto nível (ver com. [CBASD] de Ne 2.10). CBASD, vol. 4, p. 615.

9 Espada do deserto. … possivelmente, refere-se aos saqueadores do deserto que atacavam as pessoas quando elas procuravam comida em seu país desnudo e indefeso. CBASD, vol. 4, p. 615.

10 Esbraseia (ARA; NVI: “está quente”). Ilustração da febre provocada pela terrível fome do cerco final a Jerusalém (ver Lm 2:20; 4:10). CBASD, vol. 4, p. 615.

12 Enforcados (ARA; NVI: “pendurados por suas mãos”). Um método comum de tortura em todas as épocas. CBASD, vol. 4, p. 616.

13 Meninos tropeçaram (ARA; NVI: “cambaleiam”). Crianças pequenas foram forçadas a carregar cargas de madeira excessivamente pesadas. CBASD, vol. 4, p. 616.

15 Dança. A dança era considerada pelos hebreus como uma manifestação específica de alegria e louvor (Sl 30:11; 149:3; 150:4; Jr 31:4, 13; ver com. [CBASD] de 2Sm 6:14). CBASD, vol. 4, p. 616.

14 Os anciãos já não se assentam na porta (ARA; NVI: “Os líderes já não se reúnem junto às portas da cidade”). Ver com. [CBASD] de Gn 19:1; Js 8:29; Lm 1:4. CBASD, vol. 4, p. 616.

16 Coroa. A perda da soberania nacional se tornou símbolo de tudo de tudo que se perdeu com ela. CBASD, vol. 4, p. 616.

pecamos! O representante do povo de Deus assume a responsabilidade da nação pela própria catástrofe. A terrível tragédia n!ao teria acontecido se eles houvessem permanecido leais à aliança divina. … As maldições da aliança eram acompanhadas de uma cláusula segundo a qual o arrependimento e a restauração seriam possíveis. Biblia de Estudo Andrews.

18 Monte Sião. Isto é, Jerusalém (ver com. de Lm 3:51). Pensava-se, de um modo especial, que o monte Sião fosse o local da habitação do Senhor (ver Sl 74:2; 76:2), mas, neste ponto, a presença do Senhor se foi. CBASD, vol. 4, p. 616.

Raposas. A presença de raposas e, especialmente chacais enfatiza o estado selvagem e a desolação do que outrora fora o coração de uma grande cidade. Evidentemente, a configuração deste poema é de algum tempo depois da destruição da cidade. CBASD, vol. 4, p. 616.

19 Eternamente. Do heb. le’olam (ver com. [CBASD] de Êx 12:14; 21:6; 2Rs 5:27). CBASD, vol. 4, p. 616.

Subsiste. Não importa o que pode acontecer ao homem, Deus está acima de tudo para sempre; portanto, Suas promessas são seguras. CBASD, vol. 4, p. 616.

21 Converte-nos. Literalmente, “traga-nos de volta”, “faça-nos voltar”, consequentemente, “restaure”. Isto é muito mais que uma oração por libertação do cativeiro. Jeremias várias vezes usou a mesma linguagem para as restaurações temporal e espiritual (Jr 3:1, 12; 31:16-21). Neste versículo, enfatiza-se que só Deus pode restaurar o pecador perdido ao favor divino, só Ele pode conceder a graça que torna possível a um pecador se arrepender e retornar para Ele (ver At 5:31; Rm 2:4). CBASD, vol. 4, p. 616.

22 Por que nos rejeitarias … ? Apesar desta pergunta queixosa, Yahweh não rejeitou completamente a Judá. Foram muitas as promessas de restauração que o próprio Jeremias proclamou (Jr 16:13-15; 27:21, 22; 30:5-24; 33:7-9; Lm 3:22, 31, 32). CBASD, vol. 4, p. 616.

O livro termina com uma afirmação de fé: a menção da eternidade, da soberania, do domínio e do reinado perpétuo de Deus. Esta profissão de fé é ainda mais surpreendente no contexto da experiência trágica da natureza transitória dos reinos humanos, inclusive do reino de Judá e de sua capital, Jerusalém. É declarada a impossibilidade de Deus se esquecer de Seu povo … (Is 49:14, 15). A despeito da tragédia da conquista de Jerusalém e do sofrimento indizível que a cidade vivenciou, Deus não era inacessível. A própria oração é um testemunho de que o Senhor poderia estender graça a Seu povo. Biblia de Estudo Andrews.



LAMENTAÇÕES 5 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de dezembro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Tu, Senhor, reinas eternamente, o Teu trono subsiste de geração em geração” (v.19).

Nesses últimos dias tive de lidar com o que supunha ser uma gravidez de risco até descobrir que se tratava de uma gravidez ectópica, que estava colocando a minha vida em perigo. Decepcionado, meu filho mais novo escutava a minha explicação sobre a gravidez e a cirurgia de emergência, quando desabafou em lágrimas: Mas porque tinha que acontecer com você? Respondi ao seu questionamento falando sobre o grande conflito em que todos estamos envolvidos e que, ainda que não tenhamos as respostas para tudo o que acontece em nossa vida, podemos confiar nAquele que Se submeteu à morte mais injusta para em Sua justiça nos conceder a vida eterna, quando não haverá mais tristeza, dor ou morte.

Grande era a tristeza e aflição daqueles que, semelhante a Jeremias, ainda conservavam o temor do Senhor em seus corações. Sua nação foi arrasada, suas casas destruídas, suas famílias enlutadas e suas necessidades mais básicas eram escassas e a custo do que mal podiam pagar. Constantemente humilhados pelas nações inimigas, o opróbrio foi o que lhes restou diante de tanto sofrimento. Mas foi nesse momento sobremodo escuro que, de Seu trono que “subsiste de geração em geração” (v.19), Deus ouviu a súplica que há tanto aguardava. A confissão daqueles que restaram e seu sincero desejo de conversão são provas inequívocas de que a dor também pode ser um meio bastante eficaz de transformação.

Cada experiência vivida torna-se uma marca na trajetória da existência. Mas nada, seja bom ou seja ruim, pode mudar o fato de que Deus reina soberano em Seu trono e é de lá que procede toda ordem. Na proclamação das vozes angélicas há a descrição não somente da verdade presente para os últimos dias, mas também há um vislumbre do tempo difícil em que estamos vivendo. É certo que Jesus já havia nos advertido sobre os acontecimentos escatológicos, e que a Bíblia está repleta de advertências sobre a importância de nos mantermos vigilantes. Contudo, nunca estamos totalmente preparados para enfrentar as dificuldades do mesmo modo com que Jesus dormia no barco em meio a uma tempestade. A nossa tendência é a de agirmos como os discípulos, com desespero e desânimo. Mas graças a Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, que a Seu tempo, ouve o nosso clamor e faz cessar a tormenta.

Estamos terminando o livro de Lamentações com uma súplica. Penso que devemos terminar este “ano das lamentações” em fervorosa súplica. Clamemos pela “santificação, sem a qual ninguém verá a Deus” (Hb.12:14)! Clamemos pela maravilhosa promessa da plenitude do Espírito Santo! Clamemos pelo reavivamento e reforma que iluminará a nossa vida “do conhecimento da glória de Deus, na face de Cristo” (2Co.4:6)! Clamemos por um coração manso e humilde como o de Cristo! Clamemos em genuína contrição: “Converte-nos a Ti, Senhor, e seremos convertidos” (v.21)! Clamemos para que, mesmo em meio à dor e à exaustão, perseveremos “olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus” (Hb.12:2), confiando em Sua fiel promessa: “Eis que venho sem demora” (Ap.22:7), e sendo Suas testemunhas (At.1:8)! Então, de Seu trono eterno, o Senhor ouvirá e atenderá ao nosso mais sincero desejo e urgente clamor: “Vem, Senhor Jesus!” (Ap.22:20). Vigiemos e oremos!

Bom dia, “entristecidos, mas sempre alegres” (2Co.6:10)!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Lamentações5 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



LAMENTAÇÕES 5 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
22 de dezembro de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

LAMENTAÇÕES 5 – Creio que não damos o devido valor que merece o livro de Lamentações. Os judeus o consideram importante e o leem pelo menos uma vez ao ano. Lamentações consta na lista de livros lidos numa das festas anuais:
• Cantares de Salomão: Páscoa.
• Rute: Pentecostes.
• Eclesiastes: Festa das cabanas ou tabernáculos.
• Ester: Purim.
• Lamentações: Queda de Jerusalém e destruição do templo, festa celebrada no nono dia de Av (meados de julho).

O Dicionário Bíblico Wycliffe faz a seguinte análise sobre Lamentações: “O lamento não é simplesmente por Jerusalém estar destruída e o povo devastado. É que a catástrofe é um ato de Deus, executando um castigo merecido. Aqueles que deveriam ter sido líderes responsáveis não agiram corretamente, e o povo, voluntariamente, os seguiu. Deus está castigando Israel por seu pecado. Mas a adversidade não é apenas punitiva, é também corretiva. O amor e o propósito da aliança de Deus jamais falharam e jamais falharão”.

O capítulo final vai além do lamento. D. L. Moody declara que “este capítulo é realmente uma oração nacional feita a Jeová, a única esperança e auxílio de Sião”.

Assim, este capítulo é o auge do livro, o ápice dos lamentos, a conclusão apoteótica – a “cereja do bolo”. Então, redobre a tua atenção nestes últimos 22 versículos:

1. Reconhecimento nacional de que a terrível situação deu-se devido ao histórico carregado de pecados é uma nobre motivação para começar uma oração (vs. 1-4);
2. Embora a profecia indicasse exílio em Babilônia de 70 anos no livro de Jeremias (25:1-14), é sábio expor aflições a Deus e suplicar-Lhe misericórdia para suportar as consequências dos pecados (vs. 5-16);
3. Os caminhos seriam outros caso pecados não fossem amados. A história seria diferente se houvesse aberta rejeição à corrupção. Os pecados arruínam a sociedade, adoecem o coração e saqueiam as bênçãos de Deus (vs. 17-18).
4. Deus é a esperança exclusiva e concreta para qualquer desespero e angústia. O poema termina assim:
Contudo, ó Eterno, Tu ainda és soberano,
E teu trono eterno permanece para sempre…

Leva-nos de volta para Ti, Senhor! Estamos prontos para voltar.
Dá-nos um novo início.
A não ser que não tenha mais volta, não nos queira mais,
e a sua fúria não tenha fim (vs. 19-22).

“Senhor, reaviva-nos!” – Heber Toth Armí.

Escreva o que achou do livro de Lamentações de Jeremias:




%d blogueiros gostam disto: