Reavivados por Sua Palavra


SALMO 137 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
18 de junho de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

 292 palavras

Introdução. O Salmo 137 tem sido denominado apropriadamente de “Cântico do cativo”. Ele retrata os israelitas na terra do exílio. Os menestréis israelitas ficam silentes enquanto seus raptores zombam deles pedindo que afinem as harpas e cantem um dos cânticos de Sião. O coração dos cativos estava pesado. A nota melancólica neste salmo atrai a simpatia do leitor para os cativos angustiados e desanimados. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 1036.

1 Chorávamos. Babilônia era conhecida como a região das “muitas águas” (Jr 51:13). O curso de água mais importante era o Eufrates, que tinha muitos afluentes. Os cativos recorreram ‘as margens destes riachos. CBASD, vol. 3, p. 1036.

3 Cânticos de Sião. Seus senhores os ridicularizavam e pediam que cantassem algumas de suas melodias sagradas. CBASD, vol. 3, p. 1036.

5 Se eu de ti me esquecer. Consentir em cantar um cântico do templo sob tais condições pareceria ao israelita como que estar sendo infiel ‘a sua amada cidade, que ele adorava de todo o coração. Esqueceriam seu bem mais precioso e não esqueceriam a Sião, o orgulho e a glória de Israel. CBASD, vol. 3, p. 1036.

6 Apegue-se-me a língua. Isto é, perder a habilidade de falar. CBASD, vol. 3, p. 1036.

7 Filhos de Edom. Edom manifestou um espírito não fraterno para com Israel em várias ocasiões. Apesar de seu parentesco com os descendentes de Jacó, os edomitas [descendentes de Esaú] ajudaram os babilônios contra os israelitas (Ob 10-14). CBASD, vol. 3, p. 1036.

9 Contra a pedra. O assassinato de crianças inocentes, embora habitual nas guerras da Antiguidade, era uma das práticas mais cruéis e repugnantes (2Rs 8:12; Is 13:16; Os 10:14). Em vista de este tratamento severo ter sido infligido pelos babilônios (ver Jr 51:24), o salmista está simplesmente enunciando uma lei da vida: “como tu fizste, assim se fará contigo” (Ob 15; cf. Mt 7:2). CBASD, vol. 3, p. 1036, 1037.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: