Reavivados por Sua Palavra


SALMO 42 by Jeferson Quimelli
15 de março de 2020, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/sl/42

“Se você tem um senso de necessidade em sua alma, se tem fome e sede de justiça, isso é uma evidência de que Cristo tem operado em seu coração … Não precisamos procurar saciar nossa sede em correntes rasas; pois a grande fonte está logo acima de nós, de cujas águas abundantes podemos beber livremente, se nos aproximarmos um pouco mais do caminho da fé. ” (O Maior Discurso de Cristo), p. 19.

O salmista canta sobre dias de lágrimas passados com pessoas que questionavam e ridicularizavam de sua fé em Deus. Sua alma estava em tumulto, mas ele mostra como podemos transformar a depressão e os medos em alegria e louvor. Em meio aos problemas, deveríamos refletir sobre a bondade e a misericórdia de nosso Senhor. O autor não se demorou nas profundezas das ondas escuras, mas começou a recordar os tempos em que Deus estava com ele. Cantar ao Senhor em meio a provações e tristezas é a maneira mais fácil de encontrar conforto. Ele aprendeu isso e louvava ao Senhor por meio de cânticos. Muitos dos Salmos refletem as lutas mais íntimas de Davi e mostram que ele continuamente se voltava para Deus em busca de forças.

Deus deseja que também tragamos nossas preocupações para ele. Somente Ele é a nossa esperança e alegria. Então sorria e cante louvores a Deus. Ele será o brilho do seu semblante!

Cheri Holmes
Enfermeira, Lynden, Washington EUA

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=765
Tradução: Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



SALMO 42 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
15 de março de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria



SALMO 42 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
15 de março de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

SALMO 42 – Neste mundo deprimente ansiamos por um Deus onipotente. Vivemos como que num deserto causticante, os relacionamentos estão distantes, a vida em si parece uma farsa. Os sorrisos são para as câmeras e selfies.

Quanto mais difíceis as coisas, mais ansiamos por algo melhor. Isso é natural. O que não é natural é ansiar pelo Deus verdadeiro, isso é sobrenatural. Quando isso acontece certamente é obra do Espírito Santo em nós.

Inspirado por esse Espírito, o salmista escreveu o salmo em apreço; do qual destacamos os seguintes pontos:

1. O anseio por Deus é somente por alguém apaixonado por Ele, que prefere estar em Sua presença antes que em qualquer outro lugar.
2. A crença que declara perturba aos que a rejeitam; assim o crente é ridicularizado pelos incrédulos como se fossem escórias da sociedade.
3. A maior tristeza que pode sentir um filho de Deus é quando está sendo insultado por sua crença e fidelidade a Deus.
4. Uma das perguntas mais humilhantes para um crente é quando acontece alguma coisa de ruim e o questionam: Onde está o teu Deus? Onde está o teu Deus que não faz nada por ti? Onde está o teu Deus que não faz nenhum milagre para te libertar?
5. Muitas vezes, como Davi, só temos a lembrança de que, no passado, Deus operou em prol de nossa satisfação e alegria.
6. Apesar das acusações, das críticas e zombarias ainda podemos perceber a misericórdia de Deus. Por isso, podemos orar apesar das dificuldades.
7. Uma das maiores graças de Deus concedidas a nós é a possibilidade de orarmos e conectarmo-nos a Ele apesar das oposições e das circunstâncias adversas.
8. As dificuldades são meios de criar oportunidades para falarmos com Deus, nos elevar-nos da lama da desgraça para a Rocha segura.
9. Há situações em que devemos falar conosco mesmo relembrando quem é Deus e o que Ele é capaz de fazer a fim de acalmar nossa alma aflita!
10. Nossas lágrimas e angústias neste mundo devem despertar em nós um anseio cada vez maior por Deus e Sua providência: a salvação em Cristo Jesus!

Deus é nosso refúgio. A oração é a estrada que nos leva a tal refúgio. Quanto mais orarmos, melhor! “Senhor, reaviva-nos!” – Heber Toth Armí.



SALMO 42 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
15 de março de 2020, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Contudo, o Senhor, durante o dia, me concede a Sua misericórdia, e à noite comigo está o Seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida” (v.8).

Precisamos de três coisas essenciais para viver. A primeira delas é o ar. Sem respiração não há vida. A segunda é a água. Somos movidos por este “combustível” natural. E a terceira, e não menos importante, é o alimento. O alimento traz energia e força para o nosso corpo. Porém, se o ar que respiramos não é de boa qualidade; se a água que bebemos é contaminada; se a nossa alimentação é desregrada, corremos o sério risco de sofrer complicações que podem até gerar a morte.

Abrindo o Livro II de Salmos, encontramos o ar (v.1), a água (v.2) e o alimento (v.3). As três necessidades essenciais para a vida. Os filhos de Corá suspiravam por Deus. Conforme o dicionário, suspirar significa “respiração forte e prolongada ocasionada pela dor”. Ou seja, o anelo era tão grande pela presença de Deus, que chegava a ser doloroso. Percebem que trata-se de um cenário de alguém que sofre de saudades? “Quando irei e me verei perante a face de Deus?” (v.2).

Quando esperamos em Deus, também passamos em nossa vida por períodos de angústia. Geralmente lembramos de como era boa alguma fase de nossa vida (v.4) e suspiramos por aquele momento especial ao lado de pessoas especiais. Sentir saudades, contudo, de Alguém que nunca vimos, é resultado de uma vida de íntima comunhão com Ele. Pois todo aquele que se achega a Deus com inteireza de coração, deseja ardentemente encontrá-Lo.

Oh, amados, precisamos praticar a respiração da alma, como está escrito: “Orai sem cessar” (1Ts.5:17)! Precisamos respirar (orar) profundamente e de forma prolongada como quem sente dor no coração. Precisamos aprender a clamar, a suspirar por Deus; a sentir saudades de um Deus que nunca vimos, mas, como Jó, cremos que em breve O veremos: “Vê-Lo-ei por mim mesmo, os meus olhos O verão, e não outros; de saudade me desfalece o coração dentro de mim” (Jó 19:27).

Precisamos sentir sede do Deus vivo e permitir que Ele supra esta nossa necessidade assim como supriu a mulher samaritana junto ao poço (Jo.4:15). Precisamos abandonar os cântaros da ilusão e parar de procurar água em poços secos, para sermos saciados pela Água da Vida (Jo.7:37).

Por fim, precisamos nos alimentar do Pão do Céu (Jo.6:51) e regar Seus pés com lágrimas de arrependimento (Lc.7:44). Ele nos deixou a Sua Palavra para que possamos dela obter os nutrientes espirituais para responder aos que nos “dizem continuamente: O teu Deus, onde está?” (v.3, 10), que “não retarda o Senhor a Sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, Ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pe.3:9).

As misericórdias do Senhor acabaram de se renovar em nossa vida. Ao anoitecer, louve “ao Deus da minha vida” (v.8) e da sua vida. Em tempo sobremodo solene e às vésperas do glorioso retorno de Cristo, que possamos buscar o ar, a água e o alimento divino, eis o que nos moverá a esperar em Deus (v.5, 11) a sentir saudades dEle (v.1) e a amar a Sua vinda (v.2; 2Tm.4:8). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, todos os que amam a volta do Senhor!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo42 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 42 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
15 de março de 2020, 0:10
Filed under: Sem categoria



SALMO 42 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
15 de março de 2020, 0:05
Filed under: Sem categoria

545 palavras

O Salmo 42 é um lamento comovente de Davi, “um fugitivo a quem se procurava prender, encontrando ele refúgio nas rochas e cavernas” (Ed., 164), exilado da casa de Deus, onde tinha encontrado alegria em participar dos serviços sagrados. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 3, p. 827.

minha alma. Ou, “eu” (ver com. do v. 16:10). CBASD, vol. 3, p. 827.

tem sede. A ilustração adquire mais significado pelo fato de as terras onde Davi foi fugitivo serem demasiado quentes no verão e a água, escassa. Animais selvagens com frequência impediam o tímido cervo de se aproximar da pouca água disponível. CBASD, vol. 3, p. 828.

do Deus vivo. A intensa necessidade que o salmista sentia de Deus é enfatizada neste salmo e no seguinte pelas cuidadosas invocações do nome de Deus. CBASD, vol. 3, p. 828.

perante a face de Deus. A ideia e estar na presença de Deus é bastante enfatizada neste salmo (ver Sl 43:5; Êx 34:24; Dt 16:16; 31:11). O santuário era considerado como um lugar especial onde o ser humano se encontrava com Deus. CBASD, vol. 3, p. 828.

alimento. Do hel. lechem, “pão”. CBASD, vol. 3, p. 828.

Lembro-me destas coisas. No exílio Davi recorda os momentos em que adorava na casa de Deus com a congregação daqueles que se regozijavam na presença de  Deus. Estas lembranças tornavam seu sofrimento ainda mais insuportável. Pode ser demasiado triste lembrar-se de momentos felizes. Por outro lado, lembrar-se das providências divinas pode fortalecer o sofredor. CBASD, vol. 3, p. 828.

Por que… ? O v. 5 constitui o refrão do poema (repetido com poucas modificações no v. 11; e no Sl 43:5). Ao considerar essas lembranças tão agradáveis, Davi censura a si mesmo por estar tão triste. CBASD, vol. 3, p. 828.

Espera em Deus. Ver Sl 25:3; 27:14; Lm 3:24. O se humano busca consolo em si mesmo, sendo que a única esperança está em Deus. CBASD, vol. 3, p. 828.

ainda. Quando se confia em Deus, a Seu tempo, ele fará com que tudo acabe bem. CBASD, vol. 3, p. 828.

6-11 Os v. 6 a 11 constituem a segunda estrofe da elegia. O poeta resume sua tristeza, mas de uma forma mais tranquila. CBASD, vol. 3, p. 828.

outeiro de Mizar. O monte era provavelmente um dos menores da cadeia Hermom, de onde nasciam as águas do Jordão. CBASD, vol. 3, p. 828.

Um abismo chama outro abismo. O salmista parecia estar numa parte do país onde se podia ouvir o som da neve do monte Hermom se derretendo e formando cataratas que desciam por montes e vales. CBASD, vol. 3, p. 828.

catadupas. Na LXX [versão grega do Antigo Testamento] katarrat, termo do qual deriva a palavra catarata. Talvez o salmista esteja se referindo às impetuosas águas do Jordão, principalmente na época da cheia. CBASD, vol. 3, p. 829.

ondas. As grandes ondas representam a tristeza que abate a alma do salmista, principalmente por causa do exílio da casa de Deus. CBASD, vol. 3, p. 829.

Contudo. Em meio ao desânimo, Davi vê um raio de esperança. Deus mostrará Seu amor. Assim como o Senhor controla as poderosas torrentes da natureza, ele controlará as forças da aflição e ajudará Seu servo a sobreviver às mesmas. CBASD, vol. 3, p. 829.

misericórdia. Do heb. chesed, que neste caso pode ser traduzido por “amor divino” (ver Nota Adicional ao Salmo 36),

Digo. A esperança na bondade de Deus faz com que o salmista continue pedindo a Deus para explicar a razão de seu sofrimento. CBASD, vol. 3, p. 829.




%d blogueiros gostam disto: