Reavivados por Sua Palavra


SALMO 33 by jquimelli
6 de março de 2020, 1:00
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/sl/33

Este Salmo se inicia lembrando como é adequado louvar ao Senhor com cânticos e música, porque tudo que Ele faz é bom e certo. Pela palavra do Senhor os céus e a terra foram feitos porque Ele falou e tudo foi feito. Ele ordenou e logo tudo apareceu.

O primeiro capítulo de Gênesis é a narrativa majestosa do Criador e da criação de seus novos filhos. Cada dia termina com a modelo verbal hebraico: “Passaram-se a tarde e a manhã” (NVI), perfazendo um período de 24 horas de tempo. A sequência dos seis dias da criação começou com a criação de luz, então a atmosfera, solos e vegetação, o sol e o sistema solar, os peixes para as águas e os pássaros para o ar e, em seguida, os animais terrestres. Culminando a semana, cria uma nova ordem de seres, homem e mulher, cuja combinação é a própria imagem do próprio Criador. Na verdade, tudo era “muito bom”.

Deus poderia ter terminado ali, uma semana de seis dias. Por que não? Em um jardim perfeito e com corpos perfeitos ninguém fica cansado. Mas o Criador escolheu encerrar a semana de seis dias acrescentando mais um dia, um dia de descanso chamado o Sábado, como um dia de presente divino. Por quê? Pense nisso: qual é o presente mais perfeito que qualquer pai amoroso pode dar a seu filho ou filha? É um tempo ininterrupto, sem pressa, para estarem juntos.

Meu pai era um pastor e enquanto vivíamos como missionários no Japão, ele estava implantando uma igreja em uma cidade grande, que tinha pouquíssimos cristãos. Isso significava que ele estava ocupado dia e noite. Uma noite, ele chegou em casa e compartilhou conosco o que estava pensando. Ele decidiu folgar toda terça-feira para poder passar tempo com a família. Uma vez que estávamos sendo educados em casa, não havia nenhum problema em tirar um dia de folga. Poderíamos fazer piqueniques, passar um tempo na praia ou escalar montanhas. Que dia glorioso!

Agora que meu pai está morto, eu olho para trás ao longo dos anos e percebo que ele nos deu o melhor presente de todos. Não dinheiro, pois não tinha muito, mas o presente do tempo ininterrupto, sem pressa, com ele. O mesmo presente nosso Pai Criador deu a você e a mim a cada sete dias.

Por que alguém iria querer se livrar do sábado do sétimo dia ?

Extraído de “O Escolhido”, de Dwight Nelson, pp 104, 105.

Dwight Nelson
Pastor Sênior, Pioneer Memorial Church
Andrews University

Fonte: https://www.revivalandreformation.org/?id=757 e https://reavivadosporsuapalavra.org/2016/12/03/salmo-33-2/
Tradução: Jobson Santos, Jeferson e Gisele Quimelli



SALMO 33 – COMENTÁRIO PR. ADOLFO SUÁREZ by Maria Eduarda
6 de março de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria



SALMO 33 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by jquimelli
6 de março de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

SALMO 33 – A música é um instrumento poderoso para elevar nossa alma a um nobre louvor ao Criador do Universo.

O filósofo ex-ateu C. S. Lewis declarou que “louvar é o crente se encontrar com a beleza do caráter de Deus”. Johann Sebastian Bach destacou que, “o único fim, o único objetivo de toda música, é o louvor a Deus e a recriação da alma. Quando isso se perde de vista, não pode mais haver verdadeira música”.

Deus é um grande Artista. Dante Alighiere disse que “a natureza é a arte de Deus”. Observando esta arte, Davi compôs o Salmo 33 para louvar ao Senhor pela beleza de Sua criação:

1. O louvor não é para qualquer pecador, mas para aquele que foi liberto, perdoado e justificado de seus pecados; quanto mais se deixar moldar por Deus, melhor será o louvor. Francis A. Schaeffer observou que “a busca pela excelência também é uma maneira de louvar a Deus” (v. 1).
2. O louvor não é realizado apenas com a voz ou com a vida, é possível usar instrumentos musicais para expressar-se melhor no louvor ao Criador (vs. 3-4).
3. O louvor a Deus deve ter foco, objetivo e clareza. Devemos louvar ao Criador da natureza por Sua…
a) Bondade (vs. 4-5);
b) Poder criador (vs. 6-9);
c) Soberania (vs. 10-12);
d) Onisciência (vs. 13-15);
e) Onipotência (vs. 16-17):
f) Assistência (vs. 18-22).

O verdadeiro louvor brota da alegria por um Salvador, parte do reconhecimento que Ele é o poderoso e amoroso Criador e, resulta numa satisfação indescritível que inunda nosso coração.

O caráter de Deus convida-nos à adoração. Seu amor imensurável motiva-nos a louvar com entusiasmo. Além disso, a fidelidade de Deus e a veracidade de Sua Palavra oferecem certeza neste mundo incerto.

O salmista avança revelando o amor de Deus pela justiça e o juízo, a habilidade divina de criar o espaço sideral sem usar as mãos, a capacidade de executar planos neste mundo, de observar-nos e proteger aos que O temem; dando-nos muitas razões para louvar!

Corretamente empregada, a música é “um dom precioso de Deus, destinada a erguer os pensamentos a coisas altas e nobres, a inspirar e elevar a alma” (Ellen G. White). Adoremos! – Heber Toth Armí.



SALMO 33 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
6 de março de 2020, 0:30
Filed under: Sem categoria

“Os céus por Sua palavra se fizeram, e, pelo sopro de Sua boca, o exército deles” (v.6).

Ao longo da história, o criacionismo tem sido questionado e a existência do Criador negada. Com o surgimento do Darwinismo, a ciência humana assumiu a postura de senhora da razão incutindo, desde a infância, suas teorias e descobertas como sendo uma fonte segura e inquestionável. Assegurados em seus milhões e milhões de anos, “mudaram a verdade de Deus em mentira” (Rm.1:25), datando o nascimento da humanidade e o surgimento de todas as coisas como eventos ocasionais, frios e esquisitos. “Tais homens são, por isso, indesculpáveis” (Rm.1:20).

Após seis dias literais de ação criativa divina, um dia foi estabelecido, um memorial foi erguido, um sinal no tempo, que sempre lembraria a humanidade de sua origem edênica. Ali naquele jardim, plantado como um templo natural em louvor ao Criador, Adão e Eva desfrutaram do descanso, da bênção e da santificação do sábado inaugural. Tão intimamente estavam ligados a Deus que nada ali, por mais perfeito que fosse, poderia superar o dom da presença divina. Seu primeiro dia na Terra também foi o dia em que o Criador escolheu passar com eles todas as vinte e quatro horas.

Ao libertar o Seu povo da escravidão do Egito, o Senhor cuidou em declarar-lhe a Sua Lei moral, a mais perfeita expressão de Seu imutável, santo e amoroso caráter. Dentre os mandamentos, no centro deles, encontra-se a lembrança de um primeiro amor há tanto esquecido: “Lembra-te do dia de sábado para o santificar” (Êx.20:8). O Criador estava convidando o Seu povo a desfrutar novamente das bênçãos oferecidas a nossos primeiros pais. O quarto mandamento é o único que declara o Senhor como Criador e confirma a Sua jurisdição: “porque, em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há” (Êx.20:11).

Então, Jesus pisou neste mundo escuro e nos deixou exemplo de perfeita obediência, declarando a verdade que a maioria tenta abafar: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim revogar, vim para cumprir. Porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da Lei, até que tudo se cumpra” (Mt.5:18). Ensinando, pregando e  curando, Cristo nos deixou em registro sagrado o ministério sabático. E até na morte, descansou neste dia, tornando-o também um memorial da redenção.

O sábado surge a cada semana como um presente do Criador, e sinal perpétuo de Sua aliança de amor com a humanidade. Em guardá-lo, encontramos descanso, bênção e santificação; o nosso coração é guardado da incredulidade e nos tornamos o alvo da contemplação divina (v.18). O sábado não é uma imposição, o sábado é o convite semanal do Criador: “Tema ao Senhor toda a Terra, temam-No todos os habitantes do mundo” (v.8). Aceitemos, hoje, este convite de graça, e dentro em breve estaremos todos adorando ao Criador na eternidade, “de um sábado a outro” (Is.66:23).  Vigiemos e oremos!

Bom dia, tementes ao Criador!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Salmo33 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



SALMO 33 – COMENTÁRIO PR. RONALDO DE OLIVEIRA by Maria Eduarda
6 de março de 2020, 0:10
Filed under: Sem categoria



SALMO 33 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS – RAZÕES PARA LOUVAR by jquimelli
6 de março de 2020, 0:05
Filed under: Sem categoria

426 palavras

O Salmo 33 é um hino de celebração, que louva Yahweh como criador, supremo soberano e provedor fiel daqueles que O temem.

Exultai. Do heb. naman, “dar um vibrante grito de júbilo”. Os v. 1 a 3 são a introdução do salmo e um convite aos justos para louvar a Yahweh com instrumentos musicais.

fica bem. Do heb. na’wah, ‘apropriado”, “conveniente”. O dom da gratidão é próprio dos justos.

harpa. Do heb. kinnor, literal “lira” [raiz da palavra Kinnereth, outro nome do mar ou lago da Galiléia, que tem a forma aproximada de uma lira].

saltério. Do heb. nebel, um instrumento como a harpa. … Somente o melhor é o suficiente para a adoração a Yahweh.

novo cântico. Novas bênçãos requerem novo agradecimento e novos hinos de louvor (ver Sal 40:3; 96:1). Não se deve limitar a usar sempre o que tem sido usado. Circunstâncias diferentes requerem uma expressão adequada e oportuna em palavras de adoração e louvor.

a palavra do SENHOR é reta. Os v. 4 a 21 expõem as razões para louvar a Yahweh. Dentre elas está o fato de que Yahweh é justo e misericordioso (v. 4, 5, 18; ver Sl 25:10; 26:3; 36:5,6).

por Sua palavra. A segunda razão para louvar é que Yahweh é o criador de tudo o que existe. Jesus é o “Verbo” (Jo 1:1) que fez “todas as coisas” (Jo 1:3).

o exército deles. Os corpos celestes, conforme indica a estrutura paralela do versículo.

Ele falou, e tudo se fez. Ou, simplesmente “Ele falou, e era”, suprimindo a palavra “fez”; ou ainda “Ele falou, e passou a ser”. […] Deus é apresentado como criador, em contraste com qualquer deus que [se] pretenda ser capaz de criar. A excelência da linguagem usada para descrever os atos criativos de Deus não tem paralelo na literatura (ver Gn 1:3, 6, 9, 11, 14, 20, 24, 26).

10 o Senhor frustra. A soberania de Yahweh (v. 10, 11) é a terceira razão para o louvor.

12 feliz. Este trecho antecipa os v. 18 a 20, introduzindo a ideia da relação especial entre Deus e Israel.

13 olha dos céus. A quarta razão para louvar é a onipresença e a onisciência de Yahweh.

16 não há rei que se salve. A quinta razão para louvar é a onipotência de Yahweh. Ao se referir à relativa impotência de governantes, homens fortes e cavalaria, o salmista deixa subentendido que somente Yahweh é onipotente. Esse é um recurso poético extraordinário, cujo significado subjacente é percebido apelas pelo leitor mais atento.

18 os olhos do Senhor. A sexta razão para louvar é que se pode confiar em Yahweh para proteger o povo escolhido.

Fonte: CBASD – Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 3, p. 798, 799.




%d blogueiros gostam disto: