Reavivados por Sua Palavra


Mateus 26 by Jeferson Quimelli
27 de novembro de 2014, 0:30
Filed under: comunhão, equilíbrio, Israel, submissão | Tags: , ,

Comentário devocional:

Mateus 26 discorre sobre as horas finais da vida terrena de nosso Senhor. Neste capítulo encontramos a conspiração para matar Jesus, a Páscoa, a Ceia do Senhor, a traição e prisão de Jesus e a negação de Pedro. O simbolismo da Páscoa e da Ceia do Senhor são altamente familiares, portanto, vamos nos concentrar na dinâmica da conspiração para matar a Jesus.

Durante os mais de três anos de ministério público de Jesus, os líderes religiosos O haviam testado de todas as formas, mas não haviam conseguido enganá-lo ou apanhá-lo em contradição. Jesus viveu uma vida de inquestionável pureza moral e, no entanto, os sacerdotes e líderes religiosos, os autoproclamados guardiões da teologia e da moralidade judaica, fazem planos para matá-Lo, um homem inocente. Eles procedem deste modo porque Jesus foi percebido como uma ameaça ao poder deles sobre as pessoas. Que contrassenso! Os professores da moralidade divinamente revelada serem moralmente tão corrompidos!

Quando a religião torna-se uma ferramenta para o auto-engrandecimento e o poder, estabelece-se uma identidade ideológica que o seu possuidor se dispõe a defender ferrenhamente. Neste ponto, essa identidade se torna mais dominante na tomada de decisão moral do que a realidade ou mesmo a revelação divina. Qualquer ameaça a essa identificação será recebida com resistência feroz. O ensinamento de Jesus acerca do poder pessoal de que o maior deveria tornar-se servo é totalmente oposto a essa teologia e ética que favorece a dominação. 

Os ensinos e exemplo de Jesus seriamente desafiou a identidade sacerdotal como peritos revestidos de autoridade do céu, com poder sobre o povo. Para esses líderes religiosos, preservar a sua imagem como líderes espirituais e suas estruturas institucionais era tão importante que justificava o uso de todos os meios possíveis, morais ou imorais. 

Ao enfrentarmos discussões desafiadoras na igreja, devemos ser cuidadosos para que a identidade pessoal e empresarial não substitua o espírito dócil, que busca fazer a vontade do Senhor, qualquer que seja o custo. 

Somente a comunhão diária e a submissão de todos os aspectos de nossa vida ao Salvador nos permitirão colocar os conceitos e valores do reino de Deus acima dos nossos, para a Sua glória e a salvação de muitos. 

Stephen Bauer, Ph.D.
Professor de Teologia e Ética
Universidade Adventista do Sul

 

Texto original:  http://revivedbyhisword.org/en/bible/mat/26/

Traduzido por JDS/JAQ

Texto bíblico: Mateus 25 

Comentário em áudio 



Provérbios 7 by Jeferson Quimelli
11 de janeiro de 2014, 0:00
Filed under: sabedoria | Tags: , , , ,

Comentário devocional:

Neste capítulo, Salomão aborda a questão do sexo e da imoralidade. Sexo é amplamente reconhecido por pesquisadores contemporâneos como sendo um dos mais poderosos – se não o mais poderoso – desejo humano. Ele está no topo da lista dos motivadores que nos impulsionam como seres humanos, juntamente com a alimentação e o medo. Os profissionais de marketing sabem há muito tempo que eles podem nos convencer a comprar o seu produto ou serviço através da integração de sexo, comida ou medo em sua publicidade.

Poucos argumentariam contra a noção de que a comida e o medo podem destruir vidas. Mas a ameaça potencial do sexo é muitas vezes ignorada em uma geração cujo lema é: “Se dá prazer, faça!”

Salomão mostra que a imoralidade sexual é um pecado difícil de ser superado.

Paulo viu o mesmo perigo quando escreveu: “Fuja da imoralidade sexual. Qualquer outro pecado que o homem comete é fora do corpo, mas aquele que comete pecados sexuais peca contra o próprio corpo” (1 Coríntios 6:18 NVI).

Em Provérbios 7, Salomão diz que viu um jovem entrar na casa de uma mulher tentadora e sensual. Talvez o jovem tenha pensado que seria uma visita de apenas uma noite. Talvez, após ter sido vencido pelo desejo, tenha prometido a si mesmo que isso nunca mais iria acontecer novamente. Mas ele nunca mais seria o mesmo depois da experiência proibida e do conhecimento que ele vivenciou. Salomão diz que o jovem inocentemente cometeu suicídio moral: “…como o pássaro que salta para dentro do alçapão, sem saber que isso lhe custará a vida” (v. 23 NVI).

Sexo fora dos limites do casamento custa às pessoas suas vidas morais. É por isso que o Senhor diz: “Não cometa adultério” (Ex. 20:14 NTLH).

Andrew McChesney
Jornalista na Rússia

Texto original em: http://revivedbyhisword.org/en/bible/pro/7/

Traduzido por JAQ/GASQ/JDS

Texto bíblico: Provérbios 7  




%d blogueiros gostam disto: