Reavivados por Sua Palavra


JEREMIAS 25 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
20 de novembro de 2020, 1:10
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO JEREMIAS 25 – Primeiro leia a Bíblia

JEREMIAS 25 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

JEREMIAS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

COM. VÍDEO PR ADOLFO SUÁREZ(link externo)

COM. VÍDEO PR EVANDRO FÁVERO (link externo)

VÍDEO PR VALDECI JÚNIOR (link externo)

VÍDEO PR WEVERTON CASTRO E EQUIPE (link externo)

VÍDEO PR RONALDO DE OLIVEIRA (link externo)

VÍDEO PR MICHELSON BORGES (link externo)



JEREMIAS 25 by Jobson Santos
20 de novembro de 2020, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/jr/25

Certamente, o SENHOR Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas. Amós 3:7

Estamos cercados por um mundo que está à beira do julgamento divino. Como Jeremias, nós também temos uma solene mensagem de advertência a dar às pessoas de nossos dias. Jeremias foi instruído a dar uma mensagem severa que não seria bem recebida, mas ele o fez corajosamente. Enfrentou perseguições e perigos de morte mas manteve-se fiel ao seu chamado.

Ousadamente transmitiu uma mensagem impopular acerca dos julgamentos de Deus para com seu povo infiel, mas a mensagem também trazia esperança. Permaneça fiel e Deus o resgatará após setenta anos. Uau! Que promessa de esperança em meio a um futuro terrível!

Graças a Deus, nós também temos um resgate chegando. Jesus voltará muito em breve. Devemos suplicar a direção de Jesus durante a tempestade que se aproxima. Temos uma base bíblica sólida que permanecerá firme mesmo que as montanhas sejam lançadas ao mar. Agora é a hora de nos afastarmos do mal e atendermos ao chamado do Senhor. Confiemos em Jesus. Ele virá com a equipe de resgate definitiva e nos levará para casa! Louvado seja Deus.

Cheri Holmes
Enfermeira alto padrão
Lynden, Washington, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1043
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



JEREMIAS 25 – Comentários selecionados by Jeferson Quimelli
20 de novembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

788 palavras

1 No quarto ano de Jeoaquim. A mensagem do cap. 25 foi dada um ano após os primeiros judeus terem sido levados cativos para Babilônia (ver com. De Dn 1:1). CBASD, vol. 4, p. 483.

3 Começando de madrugada. Uma expressão idiomática para indicar esforço contínuo (ver com. De Jr 7:13). CBASD, vol. 4, p. 483.

5 Convertei-vos. Este apelo a arrependimento, conversão e obediência apresenta explicitamente a missão do verdadeiro profeta (ver 2Rs 17:13; Ez 18:30-32). CBASD, vol. 4, p. 483.

Para sempre. Se os israelitas tivessem cumprido seu destino divino, seu estabelecimento na terra teria sido permanente. CBASD, vol. 4, p. 483.

9 Meu servo. De modo semelhante, Ciro foi designado como “servo” de Deus, pois faria uma obra que Ele desejava que fosse feita (ver Is 44:24 – 45:5). CBASD, vol. 4, p. 483.

10 Voz de folguedo. A ilustração apresentada neste versículo representa a completa dissolução da vida familiar, tanto das épocas de alegria como da rotina diária (ver Ap 18:22, 23). CBASD, vol. 4, p. 483.

12 Castigarei. Esta profecia contra Babilônia começou a ser cumprida quando “os medos e persas” tomaram a cidade, mataram Belsazar e destruíram o império babilônico (Dn 5:17-31). Embora Babilônia tenha sido usada por Deus para punir Seu próprio povo, isso não eximia os babilônios da punição por suas iniquidades (ver Jr 50, 51; cf. Is 10:5-16). CBASD, vol. 4, p. 484.

Rei da Babilônia. Como um dos principais inimigos de Israel nos tempos do AT, [também] no livro de Apocalipse, Babilônia se tornou um símbolo do cristianismo apóstata em sua oposição ao povo remanescente de Deus (ver com. de Ap 14:8; 17:5; 18:2). Os símbolos do livro de Apocalipse são extraídos, em grande parte, das experiências do Israel literal nos tempos antigos, ou são baseadas nas mensagens simbólicas dos profetas do AT (ver AA, 585). Por esta razão, é importante considerar cuidadosamente as equivalências na história e na profecia do AT quando forem estudados os símbolos do Apocalipse. É somente em comparação a esses contextos que os símbolos do Apocalipse tomam o sentido completo que o Espírito Santo planejou que eles transmitissem. Vários aspectos do castigo da Babilônia literal, demonstrados em Jeremias 25, são valiosos em conexão com o estudo do castigo da Babilônia mística demonstrado em Apocalipse 16 a 19 (ver com. de Is 14:4). CBASD, vol. 4, p. 484.

16 Para que bebam. Uma imagem do pânico e terror experimentados pelas várias nações enquanto os conquistadores babilônicos avançavam sobre elas. O vinho da ira de Deus (ver v. 15) os intoxicaria, por assim dizer, com pavor e desespero (ver Is 51:17, 22; Jr 51:7; Hc 2:16; cf. Ap 14:10; 17:4;18:3). CBASD, vol. 4, p. 485.

17 Recebi o cálice. Isto é, o profeta fez isto de modo figurado, ao “derramar” suas profecias contra as nações. CBASD, vol. 4, p. 485.

18 Judá. Jeremias começa a exposição dos juízos divinos com uma profecia do castigo pronunciado sobre seu povo por causa da iniquidade dele e, então, passa aos juízos que seriam infligidos às outras nações. CBASD, vol. 4, p. 485.

19 Faraó. Nessa época, o rei do Egito era Neco II (610-595 a.C.), que foi derrotado por Nabucodonosor, em Carquemis. CBASD, vol. 4, p. 485.

26 Depois de todos eles. Depois de forçar as outras nações a beber da taça da derrota, a própria Babilônia teria a mesma experiência. CBASD, vol. 4, p. 485.

27 Bebei, embebedai-vos. Jeremias parece voltar aos v. 15 e 16 (ver com. ali) retratando o pavor e o desespero que sobreviriam às pessoas pelas tristezas de lutas internacionais. CBASD, vol. 4, p. 485.

Vomitai. Uma representação impressionante de desistência ou entrega de despojos tomados na guerra. CBASD, vol. 4, p. 485.

29 Começo a castigar. Se Jerusalém não conseguiria escapar da invasão caldeia, certamente as nações ao redor não escapariam. Tanto elas como Judá seriam sábias se adotassem uma postura de submissão ao jugo babilônico (ver Jr 49:12). CBASD, vol. 4, p. 485.

30 Rugirá. Os v. 30 a 33 resumem a mensagem do cap. 25 por meio de uma ilustração dramática. … Estas palavras são paralelas a outro cumprimento no último conflito das nações, imediatamente antes da segunda vinda de Cristo (ver CG, 656, 657; PP, 340). CBASD, vol. 4, p. 485, 486.

31 À espada. Símbolo da destruição pela por meio da guerra. No conflito final das nações, os ímpios perecerão de vários modos (ver CG, 657). CBASD, vol. 4, p. 486.

33 Não serão pranteados. À desonra do castigo deles se acrescentaria a ausência do respeito devido ao serviço funerário corriqueiro. CBASD, vol. 4, p. 486.

34 Uivai, pastores. Referência aos falsos líderes do povo do pastoreio de Deus (ver com. De Jr 23:1). O mesmo ai é proferido contra os falsos líderes religiosos que, nos últimos dias, levarão o povo a confiar na mentira (GC, 655). CBASD, vol. 4, p. 486.

Revolvei-vos. Expressão de luto e pesar. CBASD, vol. 4, p. 486.

37 Malhadas. Literalmente, “solos de pastagem”. CBASD, vol. 4, p. 486.

38 Como o filho de leão. O Cordeiro de Deus também é “o Leão da tribo de Judá” (AP 5:5). A figura do leão traz à mente não só a ilustração da majestade do rei, mas também do poder destruidor, como o que o Senhor usará quando realizar Sua “obra estranha” de destruição dos ímpios (ver com. De Is 28:21). CBASD, vol. 4, p. 486.



JEREMIAS 25 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de novembro de 2020, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Recebi o cálice da mão do Senhor e dei a beber a todas as nações às quais o Senhor me tinha enviado” (v.17).

O ministério de “Jeremias, o profeta” (v.2), consistia em anunciar palavras de juízo a um povo obstinado e rebelde. Durante muitos anos, sua vida foi considerada um estorvo nacional e, sua pregação, odiada de todos, principalmente dos líderes judeus que se recusavam a dar-lhe ouvidos. Em nenhum momento, porém, houve o registro de que o profeta houvesse rejeitado o seu chamado ou desistido de declarar as palavras da parte do Senhor. Apesar de sua condição emocionalmente frágil, Deus o tornou em muro intransponível preservando-lhe a vida e fortalecendo-lhe mediante Sua constante e consoladora presença.

Ao profeta foi revelado o tempo do cativeiro babilônico: setenta anos. Seria esse o período em que os judeus estariam sob o jugo de Babilônia, quando, cumprindo-se o seu término, poderiam retornar à sua terra natal. “Também, começando de madrugada” (v.4), Jeremias despertava a nação anunciando a palavra do Senhor, bem como os demais profetas, antes e depois dele, serviram a Deus declarando a mesma mensagem: “Convertei-vos agora, cada um do seu mau caminho e da maldade das suas ações, e habitai na terra que o Senhor vos deu e a vossos pais, desde os tempos antigos e para sempre. Não andeis após outros deuses para os servirdes e para os adorardes, nem Me provoqueis à ira com as obras de vossas mãos; não vos farei mal algum” (v.5-6).

Não era desejo do Senhor aplicar nenhum de Seus juízos sobre qualquer povo ou nação, mas conduzi-los ao arrependimento e abençoá-los com toda sorte de bênçãos. No capítulo de hoje, Jeremias declarou o tempo em que profetizava em nome de Deus: “vinte e três anos” (v.3). Portanto, a nação estava cheia do conhecimento dos acontecimentos futuros, mas vazia do conhecimento que salva (Jo.17:3). Conhecer a Deus e fazer a Sua vontade não se trata de um conhecimento teórico de sinais e profecias, e sim do que fazemos com relação ao que nos é revelado.

Jesus foi obediente em tudo porque, “começando de madrugada” (v.3), buscava o poder do alto enquanto estreitava o Seu íntimo relacionamento com o Pai. A Bíblia relata que Ele “Se retirava para lugares solitários e orava” (v.16), o que geralmente fazia “alta madrugada” (Mc.1:35). Sua vida de obediência e altruísmo, portanto, era o resultado de sua comunhão com Deus. Assim também deseja Deus estabelecer este vínculo pessoal e diário com Seus filhos. Disse Jesus: “o que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora” (Jo.6:37). Assim como os profetas do Senhor eram enviados aos povos e nações para conduzi-los ao arrependimento e confirmá-los em seu reino terrestre, Jesus nos foi enviado com a mesma mensagem de salvação a fim de nos conduzir ao Seu reino celeste: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus” (Mt.4:17).

A mensagem da salvação em Cristo Jesus é dirigida “a todos os reinos do mundo sobre a face da Terra” (v.26), como está escrito: “Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a Terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap.14:6). Mas para que essa mensagem seja eficaz, a mensagem de juízo deve ser igualmente aceita e obedecida: “Retirai-vos dela, povo Meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos” (Ap.18:4).

Há um clamor sendo erguido, não por apenas vinte e três anos, mas por quase dois mil anos. Há um cálice de ira que está prestes a cumprir o seu propósito não por apenas setenta anos, mas com consequências eternas. O cálice que Israel e as nações pagãs não queriam beber, mas logo será derramado “sobre todos os moradores da Terra” (v.29), foi o objeto da grande angústia de Cristo, ao suplicar: “Meu Pai, se possível, passe de Mim este cálice!” (Mt.26:39). Entretanto, como os impenitentes, Aquele que não tinha pecado algum teve de aceitar a vontade do Pai: “Tereis de bebê-lo” (v.28). Jesus tomou do cálice da cólera de Deus para que você e eu não tenhamos de bebê-lo. Oh, precioso Redentor!

Amados, “o Senhor tem contenda com as nações” e logo “entrará em juízo contra toda carne” (v.31). Não faça como Judá e as nações pagãs, rejeitando ouvir as palavras do Senhor e O provocando à ira com obras de corrupção, mas que, ao findar dos “tempos ou épocas que o Pai reservou pela Sua exclusiva autoridade” (At.1:7), que Ele nos encontre como Suas testemunhas, “os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Ap.12:17). Hoje, agora, é o tempo da minha e da sua oportunidade. Vigiemos e oremos!

Bom dia, testemunhas de Cristo Jesus!

Rosana Garcia Barrosz

#PrimeiroDeus #Jeremias25 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JEREMIAS 25 – PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
20 de novembro de 2020, 0:40
Filed under: Sem categoria

JEREMIAS 25 – É inacreditável como falsas doutrinas e falsos pregadores, mesmo gerando confusão na cabeça da multidão, atraem multidões aparentemente sinceras de coração.

Também é inacreditável como Deus, mesmo usando profetas e recursos variados para apresentar a verdade, não obtém o mesmo êxito que os charlatães que pisam à verdade para exaltar a mentira.

Ainda cabe mais uma observação para compor esta introdução: A vida do povo de Deus refletia a cultura pagã da época, embora a revelação de Deus sempre confrontou essa cultura. Paul R. House concluiu:
“Como Israel, os gentios também não foram criados para adorar deuses falsos e um poder sem limites. Jeremias cumpre seu papel de profeta aos gentios ao tornar conhecido esses fatos”.

Baseando-me no esboço do Comentário Bíblico Adventista apresento estes pontos:
1. Jeremias reprova a desobediência dos judeus aos profetas verdadeiros (vs. 1-7);
2. Jeremias prevê setenta anos de cativeiro para seu povo (vs. 8-11);
3. Jeremias profetiza a destruição de Babilônia que foi instrumento para disciplinar os judeus (vs. 12-14);
4. Tomando como símbolo um cálice de vinho, Jeremias prediz destruição de todas as nações (vs. 15-33);
5. O uivo dos pastores e profetas falsos profetizados por Jeremias, o profeta verdadeiro (vs. 34-38).

Agora, observe atentamente. Reflita:
• São assustadoras as consequências da idolatria, rebeldia e rejeição às profecias dadas por Deus: Os judeus perderiam sua pátria, ficariam exilados em Babilônia.
• Por outro lado, a graça, misericórdia e bondade de Deus nos são imensuráveis: Deus põe limite ao cativeiro: 70 anos.
• Não é o pecador, nem o pecado, nem o instrumento da disciplina divina (neste caso, Babilônia) nem o diabo, nem o cativeiro; nada, nem ninguém têm a última palavra, a não ser Deus!
• É exatamente por isso que todas as nações também serão julgadas. Na história mundial Deus teve, tem e terá a última palavra. Portanto, os falsos pregadores e seus seguidores devem ficar atentos; do contrário, serão expostos como mentirosos e condenados.

O julgamento divino é descrito com diversas figuras:
• Cálice com bebida;
• Tempestade ensurdecedora;
• Matança de ovelhas;
• Leão feroz.

Como Juiz, Deus terá a última palavra – como se vê detalhado e ampliado o julgamento em Apocalipse, o último livro bíblico. Apocalipse 17-18 também mostra juízo aos reinos do mundo, culminando com Babilônia!
Portanto, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: