Reavivados por Sua Palavra


ISAÍAS 23 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
13 de setembro de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

1077 palavras

1-18 A fama de Tiro, grande cidade portuária, remonta à antiguidade. Os fenícios também eram marinheiros, célebres e construtores da conhecida cidade norte-africana de Cartago. Tiro recebeu uma profecia de 70 anos, diferente da encontrada em Dn 9 (ver Is 23:15). A cidade também sucumbiu ao orgulho. Até Alexandre, o Grande, devastar Tiro em 332 a.C., todas as potências da época de Isaías em diante (assíria, Babilônia) infligiram pesados golpes sobre a cidade. Bíblia de Estudo Andrews.

1 Sentença contra Tiro. …Tiro e Sidom eram as principais cidades da grande nação marítima da Fenícia (ver vol. 2 [CBASD], p. 52-54), e, portanto, esta mensagem é do juízo contra a Fenícia. Tiro e Sidom eram com frequência alvo de ataque de grandes nações do antigo Oriente Médio, incluindo Assíria e Babilônia e, mais tarde, de Alexandre o Grande. A qual desses ataques se refere Isaías? Provavelmente a todos. Certamente o Senhor tinha uma mensagem para a Fenícia na época de Isaías, e a profecia, ou “sentença”, incluiria medidas contra Tiro, tomadas por Tiglate-Pileser III, Sargão II e Senaqueribe. Mas, sem dúvida, a profecia é de natureza mais abarcante e se refere também a tempos posteriores, quando o juízo predito se tornaria ainda mais completo, como nos dias de Nabucodonosor e Alexandre o Grande (sobre a profecia paralela de Ezequiel, ver Ez 26-28, …).

Navios de Társis. Em geral, acredita-se que Társis era uma colônia fenícia da Espanha [não confundir com Tarso, sul da Ásia Menor, atual Turquia] (ver com. [CBASD] de Gn 10:4). … A profecia de Isaías retrata os grandes navios de Társis carregados de riquezas, navegando pelo Mediterrâneo até o porto de origem em Tiro, os quais, pouco antes de ali chegarem, ficam sabendo que a cidade foi conquistada.

Nem ancoradouro. Os navios não tinham mais porto aonde ir.

Chipre. Ver com [CBASD] de Nm 24:24. Esta seria a última escala na viagem da Espanha a Tiro, quando a tripulação ficaria sabendo do desastre sobrevindo a seu porto natal.

2 Sidom. O termo Sidom com frequência representa toda a Fenícia. Os gregos dos tempos homéricos e os assírios, às vezes, usavam o termo Sidom nesse sentido.

3 A fenícia importava cereais do Egito, e navios fenícios, sem dúvida, os transportavam.

4 Envergonha-te Não ter descendência era considerado grande desgraça… retrata-se Sidom lamentando o fato de não ter filhos. Ela está só, desolada e abandonada, pranteando seu desamparo e impotência (ver Is 47:7-9; Ap 18:7).

5 Quando a notícia. Ao saber da destruição da Fenícia, o Egito ficaria angustiado. Visto que os assírios tinham se vingado de Tiro e Sidom, estavam em posição de atacar o Egito. Nos dias de Nabucodonosor e Alexandre o Grande, a conquista de Tiro antecedeu a invasão do Egito (ver Ez 29:18-20).

6 Uivai. A destruição de Tiro traria angústia a toda a costa da Fenícia (ver com. do v. 2) e a outras áreas que dependiam do comércio fenício.

7 Cujos pés a levaram até longe. Havia colônias fenícias espalhadas pelas margens do Mediterrâneo, do Mar Negro e da costa atlântica da Europa.

8 Quem formou este desígnio … ? Quem é o responsável pela destruição que humilhará Tiro?

9 O SENHOR dos Exércitos. Isaías responde à pergunta do v. 8. Tiro se opõe arrogantemente ao Deus do Céu, supondo ser maior do que Ele (Ez 28:2-8), mas o Senhor a reduzirá a humilhação e vergonha (ver Is 13:11; 14:24, 26, 27). A destruição de Tiro seria uma demonstração a todos de como o Senhor humilha o orgulho e a arrogância humana.

10 Percorre livremente o Nilo a tua terra. A terra mencionada é a “filha de Társis”, isto é, a própria Társis, ou seus habitantes. Eles deixarão sua cidade como um rio que transborda e irão aonde puderem.

Já não há quem te restrinja. Isto é, estão livre para fazer o que quiserem, e Tiro não pode mais restringi-los. Depois da queda de Tiro, as colônias fenícias dependeriam de si mesmas. Algumas (como Cartago) se tornaram ainda mais poderosas que Tiro.

11 Turbou os reinos. No sentido figurado, Deus estava turbando o mundo todo, a sim de cumprir Sua vontade (ver Is 2:19; cf. Ag 2:6, 7; Hb 12:26, 27). Nesse processo, muitas nações seriam removidas e outras estabelecidas.

Canaã. Do heb. Kena’an, Canaã, nome com o qual os fenícios se autodenominavam.

12 Nunca mais exultarás. Retrata-se a destruição final dos fenícios. O que quer que fizessem, não teriam êxito.  … Se os fenícios fugissem para Chipre (ver com. do v. 1) não encontrariam descanso, pois ali também cairiam nas mãos do inimigo. Não haveria como escapar.

13 Não era povo. … Na época de Isaías, A Assíria marchou contra Tiro, mas não a conquistou. mais tarde, Nabucodonosor a sitiou por 13 anos terríveis (ver Ez 28:18). Talvez aqui se profetize essa campanha de Nabucodonosor.

14 Uivai. Ver com. do v. 1. A profecia da destruição de Tiro termina do mesmo modo como começa. Os “navios de Társis”, dos fenícios, lamentariam que Tiro, sua fortaleza, estaria em ruínas.

15 Setenta anos. … Alguns creem que o período corresponda aos 70 anos do cativeiro judaico em Babilônia (2Cr 36:21; Jr 25:11; 29:10; Dn 9:2; Zc 1:12; 7:5), que começaram com a primeira conquista de Jerusalém por Nabucodonosor e terminaram com o retorno dos judeus sob ordens de Ciro e Dario e Dario, da Pérsia. Nabucodonosor começou o cerco de 13 anos a Tiro pouco depois de conquistar Jerusalém em 586 a.C.

Segundo os dias de um rei. É provável que a palavra “rei”seja usada com referência a “reino”, como em Daniel 2:44; 7:17; e 8:21. Portanto, essa expressão pode indicar o período da ocupação babilônica.

Dar-se-á com Tiro o que consta na canção da meretriz. Tiro desejava a supremacia comercial e faria qualquer coisa pelo lucro. Quanto a isso, ela era como a prostituta Babilônia, que se vendeu para obter ganho (Is 47:15; Ap 17:2; 18:3).

16 Toma a harpa. Uma lira. Tiro recorreria mais uma vez a seus exitoso ardis para seduzir os mercadores a negociar com ela a fim de lucrar às suas custas. ela é comparada a uma prostituta que toca e canta, e usa essas habilidades para seduzir homens desprevenidos (ver Pv 7:7-21). Babilônia também fez uso de “encantamentos”para estender sua influência (Is 47:9, 12; Ap 17:4; 18:3).

17 E se prostituirá. Isto é, as relações ilícitas que Tiro mantinha com outras nações visando ao lucro. Honras, direito, justiça e decência foram esquecidos para se obter lucro. Emprega-se a mesma expressão no caso da Babilônia mística (Ap 17:2; 18:3). O mundo não era diferente naquela época. A maldição de Babilônia e Tiro será a mesma da era moderna.

18 Serão dedicados ao SENHOR. Prediz-se a destruição final de Tiro e o triunfo final de Sião. Apesar de seus ardis, Tiro não continuaria para sempre enganando e defraudando as pessoas. Ela cairia, mas Jerusalém triunfaria.

Fonte principal: Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 4.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: