Reavivados por Sua Palavra


ATOS 28 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
22 de maio de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Tomai, pois, conhecimento de que esta salvação de Deus foi enviada aos gentios. E eles a ouvirão” (v.28).


Salvos do naufrágio, Paulo e os demais duzentos e setenta e cinco tripulantes do navio, conseguiram chegar à ilha de Malta. “Os bárbaros” daquela ilha “trataram-nos com singular humanidade, porque, acendendo uma fogueira, acolheram-nos a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio” (v.2). Paulo auxiliava aqueles homens quando, de repente, “uma víbora, fugindo do calor, prendeu-se-lhe à mão” (v.3). Aquele incidente era para os supersticiosos habitantes de Malta um mau presságio. Paulo, pensavam eles, deveria estar recebendo alguma espécie de castigo. Contudo, quando perceberam que nada lhe aconteceu e que não teve sequela alguma, “mudando de parecer, diziam ser ele um deus” (v.6).

Ali, muitas curas foram realizadas e formados muitos laços de amizade. Observem que a Bíblia não relata que Paulo pregou naquele lugar, nem que houveram conversões. Simplesmente diz que muitos foram curados por intermédio de Paulo e que este e os demais foram recompensados “com muitas honrarias” (v.10). Naquele lugar, Paulo usou a linguagem que eles conseguiriam compreender. Atendendo-lhes as necessidades, refletiu o caráter de Cristo e com as mãos pregou mais do que o faria com a boca. Instruído pelo Espírito Santo, Paulo usou de sabedoria e bom senso. E muitos, como Paulo, em lugares isolados ou austeros, iluminados pelo Espírito, têm irradiado a luz de Cristo através de uma vida altruísta, ainda que não profiram palavra alguma.

Já em Roma, a realidade era outra. Perante um povo instruído acerca da Palavra, Paulo precisou usar de severo discurso a fim de alguma forma despertar-lhes da decadência espiritual. A mesma linguagem usada entre os bárbaros de Malta não seria compreendida pelos judeus de Roma, assim como o seu discurso em Roma não seria compreendido em Malta. Em prisão domiciliar, Paulo recebeu “os principais dos judeus” (v.17), e durante todo o dia procurou “persuadi-los a respeito de Jesus, tanto pela lei de Moisés como pelos profetas” (v.23). Alguns foram convencidos, outros porém permaneceram incrédulos. E diante de grande discordância, cumpriu-se, novamente, a profecia de Isaías (Is 6:9-10).

Recebendo “todos que o procuravam” (v.30), Paulo, apesar de limitado entre quatro paredes, não teve limitada a sua voz e nem o seu desejo de servir, pois continuou “pregando o reino de Deus, e, com toda a intrepidez, sem impedimento algum, ensinava as coisas referentes ao Senhor Jesus Cristo” (v.31). E é assim que termina este livro de Atos (do Espírito Santo). Em que cadeias humanas e nem estratégias satânicas podem impedir a perfeita obra que Deus planejou desde a fundação do mundo e que há de completar quando fizer “novo céu e nova terra” (Ap 21:1). Que o testemunho de Paulo e dos demais apóstolos não tenha sido apenas a biografia de homens e mulheres da antiguidade, mas o chamado do Espírito Santo para que façamos a diferença como discípulos de Cristo hoje, como derradeiros trabalhadores da vinha do Senhor. Com sabedoria e bom senso, avancemos com fé nAquele que em breve voltará, “e não tardará” (Hb 10:37).

Bom dia, discípulos de Jesus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Atos28 #RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: