Reavivados por Sua Palavra


Levítico 8 – Comentários pr Heber by jquimelli
17 de outubro de 2015, 13:34
Filed under: Sem categoria

LEVÍTICO 8 – Talvez teu pecado seja tudo o que você tem, portanto, pedir para abandoná-lo seja pedir tudo de você. Contudo, ter “tudo” sem Deus é o mesmo que não ter nada; e ao ter “nada” com Deus vive-se a sensação de que se tem tudo; pois, Deus é tudo que desesperadamente precisamos.

Neste capítulo Deus apresenta-nos a consagração de Arão e seus filhos.

Arão foi quem auxiliou o povo na adoração ao bezerro de ouro, o qual deveria ter impedido tamanha idolatria. Contudo, Deus não descartou Arão! Entretanto, não ignorou seu pecado; pelo contrário, cada detalhe de sua consagração visava arrancar o pecado de seu coração. Deus quer fazer o mesmo conosco.

Após convocar toda a congregação para assistir o cerimonial de santificação (vs. 1-4), destaca-se quatro pontos fundamentais para que acontecesse a consagração:

1. Lavar-se, primeiro ato de purificação (vs. 5-6);
2. Vestir-se com roupas especiais (vs. 7-9);
3. Ungir o santuário onde aconteceriam os rituais (vs. 10-11);
4. Ungir os sacerdotes antes de realizarem ritos sagrados (12-13).

Porém, isso não é tudo. A consagração vai além destes ritos, estes apenas introduziram a santificação. Aquele que, no passado, fizera um bezerro de ouro para o povo, deveria, agora, colocar as mãos sobre a cabeça de um touro de verdade, e então ver a sua morte e seu sangue derramado na base do altar com um pouco colocado com o dedo nas suas pontas (vs. 14-17).

Ainda não é tudo. Dois cordeiros foram apresentados, um como oferta queimada (vs. 18-21), outro para oferta de ordenação ao sacerdócio com pães sem fermento (vs. 22-29). Sangue foi colocado na orelha, polegar do pé e da mão direitas.

Isso ainda não era suficiente. Óleo da unção foi aspergido com sangue do altar sobre as vestes dos que ministrariam o santuário, os quais comeram parte da carne e dos pães para ordenação; tudo conforme Deus ordenou (vs. 30-36).

Eliminar o pecado não é coisa simples; entretanto, quem ama a Deus entrega-se a Ele para ser purificado/santificado totalmente!

Consagrar-se a Deus é a renúncia absoluta do pecado. Talvez por isso muitos prefiram dizer “NÃO” à consagração. Abrir mão do pecado parece arriscado para quem não sabe o que realmente significa ser consagrado; porém, quem se arrisca, será perdoado!

“Senhor, consagra-nos!” – Heber Toth Armí.



Levítico 8 by jquimelli
17 de outubro de 2015, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

O tabernáculo, com o seu mobiliário e sacerdotes, estava fisicamente pronto. Mas isso não era suficiente para que ele funcionasse como o palácio divino. Para estar apto a receber o Senhor, ele deveria ser feito santo, como Ele é santo. Toda a santidade vem de Deus, então somente Ele poderia consagrar o santuário, que refletia o superior santuário celeste “não feito por mãos humanas” (Hb 8:2, 5).

Esta consagração foi simbolizada por uma série de rituais, que incluíam o uso do óleo da unção e sacrifícios especiais, e foi presidida por Moisés como representante de Deus.

Para ordenar os descendentes masculinos de Arão, como a elite dos servos de Deus perante a comunidade, Moisés colocou o sangue do sacrifício da ordenação em suas orelhas direitas e polegares das mãos e pés. Isso mostrava que cada sacerdote havia recebido graça divina que o permitia cumprir sua responsabilidade de vida ou morte, para servir a Deus em benefício do seu povo. Essa graça divina fluía, em última análise, do sacrifício de Cristo.

Hoje não há uma elite divinamente sancionada de sacerdócio cristão à parte do sacerdócio de Cristo, através do qual o povo de Deus deve aproximar-se do Senhor (Hb 4, 7-10). O “sacerdócio real” humano inclui todos os cristãos como ministros de Deus (1Pe 2:9-10).

A surpreendente e maravilhosa graça de Deus [Amazing Grace] capacita homens e mulheres a obedecerem ao mandado de Cristo de ministrar para a salvação de outros (compare Mt 28:19-20).

Roy Gane
Andrews University

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/lev/8 e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra
Texto original: http://www.revivalandreformationorg/bhp/en/bible/lev/8 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/lev/8/
Tradução: JQuimelli/GQuimelli
Texto bíblico: Levítico 8
Comentário em áudio
Leituras da semana do programa Crede em Seus Profetas: Parábolas de Jesus, cap.14



Levítico 8 – Comentários selecionados by jquimelli
17 de outubro de 2015, 0:30
Filed under: Sem categoria

1-36 As instruções para a consagração dos levitas são executadas (Êx 29). A repetição e a perfeição dos sacrifícios (Êx 29.35-37) e o esplendor das vestes de Arão (vs 7-9) apontam para a importância do sumo sacerdócio. O sumo  sacerdote representava Israel perante Deus. Bíblia de Genebra.

A consagração dos sacerdotes. Nenhum homem era, por si mesmo, digno de se aproximar de Deus, e daí a necessidade de sacerdócio mediador. Esse sacerdócio era um dom de Deus (Nm 18.7), já que o próprio Deus escolhia e vocacionava os sacerdotes, 8.4,5; Hb 5.4. O sacerdote era um tipo [modelo] de Cristo, nosso único e verdadeiro Mediador, Hb 8.1; 1 Tm 2.5. Bíblia Shedd.

Por que Arão e seus filhos precisaram ser purificados e separados? Apesar de todos os homens da tribo de Levi terem sido dedicados ao serviço de Deus, somente os descendentes de Arão poderiam ser sacerdotes. Somente eles tinha a honra e responsabilidade de executar os sacrifícios. Esses sacerdotes tinham de se purificar e dedicar a si mesmos antes que pudessem auxiliar o povo a fazer o mesmo. A cerimônia descrita em Levítico 8 e 9 foi sua cerimônia de ordenação. Arão e seus filhos foram lavados com água (8:6), vestido com trajes especiais (8:7-9) e ungidos com óleo (8:12). Eles colocaram suas mãos sobre um novilho enquanto esse era morto (8:14) e sobre dois carneiros enquanto eram mortos (8:18, 19, 22). Isso mostrava que a santidade vinha de Deus somente, não da função sacerdotal. De modo similar, não somos purificados por nosso posicionamento espiritual. Purificação espiritual provém somente de Deus. Não importa quão alta a nossa posição ou por quanto tempo a temos ocupado, dependemos de Deus para vitalidade espiritual. Life Application Study Bible.

Arão, e seus filhos. Cf Êx 29. Esta foi a cerimônia da consagração, que depois passou a ser usada para todos os sacerdotes. Notemos que havia uma distinção implícita entre os sacerdotes (Arão e seus filhos) e o resto dos levitas. A tribo de Levi, como um todo, foi separada especificamente para o serviço religioso, mas somente os descendentes de arão eram os sacerdotes que oficiavam nos cultos do Tabernáculo e (mais tarde) do Templo, em Jerusalém, Nm 1.47-54. Veja também a distinção entre sacerdotes e levitas na Parábola do Bom Samaritano, Lc 10.25-37.

2, 3 Por que sacerdotes eram necessários em Israel? Em Êxodo 19:6, os israelitas foram instruídos a serem uma raça de sacerdotes. … O sistema sacerdotal foi uma concessão à inabilidade do povo, por causa do pecado, de se encontrar e se relacionar com Deus individualmente e corporativamente. Em Cristo, essa sistema imperfeito foi transformado. O próprio Jesus Cristo é nosso Sumo Sacerdote. Agora [Nova Aliança/Novo Testamento] todos os crentes podem se aproximar de Deus através dEle. Life Application Study Bible.

mandou-os banhar-se com água. Na bacia de bronze (cf. v. 11) no pátio do tabernáculo (v. Êx 30.17-21). Bíblia de Estudo NVI Vida.

sobrepeliz (ARA). NVI: “manto”.

Urim e Tumim. Estas palavras significam, respectivamente, “luz” e “perfeição”. Embora não se refira de forma específica ao urim e ao tumim pelo nome, Josefo fala de pedras “brilhantes” no peitoral do sumo sacerdote, “brilho”, diz ele, que havia deixado de ser visto há dois séculos, devido à iniquidade prevalecente (Antiquidades, iii.8.9). Por meio destas duas pedras, Deus revelava Sua vontade. Uma auréola de luz em volta do urim era sinal de aprovação divina nas questões apresentadas diante dEle, e uma nuvem que ensombrava o tumim era sinal de desaprovação (PP, 351). Para exemplo disso, ver 1 Samuel 23:9-12; 28:6; 30:7 e 8. O peitoral era para as vestes do sumo sacerdote o que o propiciatório era para o santuário. Em ambos, Deus revelava Sua glória e vontade (cf Êx 25:22; Sl 80:1; Is 37:16). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 700 [sobre Êx 28:30].

O uso de Urim e Tumim não se menciona depois do reinado de Davi, a não ser na época da volta do Cativeiro em Babilônia, 538-333 a.C., quando a falta de sacerdotes com Urim e Tumim era considerada uma irregularidade grave, Ed 2.63; Ne 7.65. Bíblia Shedd.

mitra (ARA). NVI: “turbante”.

10 Moisés tomou o óleo da unção. Moisés oficiou, como se ele fosse um sacerdote, pela consagração do santuário e dos sacerdotes através do óleo de unção sagrado e um grupo especial de sacrifícios de sangue. Séculos após um “Ungido” (Heb “Messias”; grego: “Cristo”) especial daria início ao santuário celestial e seu ministério celestial ao oferecer Seu próprio sangue (Dn 9:24-26; Hb 5:5-10; 13:10-12). Andrews Study Bible.

11 sete vezes. Este número simbolizava a perfeição [cf. nota em 4.6]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 Qual o significado da unção de Arão como sumo sacerdote? O sumo sacerdote tinha responsabilidades especiais que nenhum outro sacerdote tinha. Somente ele podia entrar no lugar Santíssimo [Santo dos Santos] do tabernáculo no Dia da Expiação para fazer expiação pelos pecados da nação…. O sumo sacerdote era uma figura de Jesus Cristo, nosso Sumo Sacerdote (Hb 7:26-28). Life Application Study Bible.

13 atou-lhes as tiaras (ARA). NVI: “colocou-lhes gorros”.

16 redenho do fígado (ARA). NVI: “lóbulo do fígado” [ou: gordura que está sobre o fígado].

23 O sangue derramado sobre a orelha, o polegar da mão direita e o polegar do pé direito do sacerdote simbolizavam sua consagração completa para ouvir, ensinar e observar a Palavra de Deus. Bíblia Shedd.

26 obreia (ARA). NVI: “pão fino”.

30 óleo sangue. Os sacerdotes da Antiga Aliança [Antigo Testamento] eram ungidos com óleo e com sangue, representando respectivamente duas bênçãos que haveriam de ser derramadas sobre o povo de Deus com a vinda de Cristo: A unção do Espírito Santo e o sacrifício expiatório, que não dependem de cerimônias físicas, mas são o fruto da obra de Cristo naqueles que O aceitam. Bíblia Shedd.

36 Arão e seus filhos fizeram “tudo o que Deus tinha ordenado” (NVI). Considerando as muitas listas detalhadas de Levítico, essa foi uma façanha notável. Eles sabiam qual a vontade de Deus, como Ele queria que ela fosse executada e com qual atitude deveria ser executada. Isso pode servir de modelo para o quão cuidadosamente devemos obedecer a Deus. Deus deseja que sejamos um povo completamente santo, não uma aproximação disso. Life Application Study Bible.



Levítico 8 – Comentários adicionais CBASD by jquimelli
17 de outubro de 2015, 0:29
Filed under: Sem categoria

Transcrevo aqui trechos do Comentário Bíblico Adventista, de rica aplicação à vida prática de sacerdotes, sejam leigos ou oficiais.

Toma Arão, e seus filhos. Cronologicamente este capítulo segue o último capítulo de Êxodo no qual a construção do tabernáculo é registrada. Os sete capítulos seguintes contém as instruções precisariam seguir antes de começar o ministério no santuário. A primeira qualificação para o sacerdócio veio para Arão e sua descendência. Os registros genealógicos foram mantidos com muito cuidado (2Cr 31:16-19).Alguém que não pudesse comprovar legalmente pertencer à descendência de Arão não podia exercer o ofício sacerdotal (Ed 2:62; Ne 7:64). A segunda qualificação dizia respeito à integridade física. Qualquer deformidade ou ferimento era suficiente para impedir um filho de Arão de se aproximar do altar e até mesmo de entrar no santuário. A linhagem de Arão [entretanto] dava-lhe o direito de receber suporte. Ele poderia comer a porção dos sacrifícios destinada aos sacerdotes e receber uma parte dos dízimos (Lv 21:17-23). O sacerdote devia ser, além disso, livre de qualquer impureza cerimonial e abster-se de vinho e bebida forte (Lv 10:8-10).

A função especial dos sacerdotes era aproximar-se de Deus em favor do povo (Lv 10:3; 21:17; Nm 16:5). deviam mediar entre o Deus Santo e o povo pecador; portanto, eles mesmos deviam ser santos. A questão da santidade é repetidamente enfatizada na descrição da obra sacerdotal. O sumo sacerdote, em que se centra o sacerdócio, é chamado de o “santo do SENHOR” (Sl 106:16). Na lâmina de ouro puro atada à mitra estavam escritas as palavras: “Santidade ao SENHOR” (Êx 28:36)….

Antes, porém, que o sacerdote e seus filhos pudessem iniciar a ministração no santuário, eles eram solenemente separados para a tarefa. Arão devia ser ungido com o óleo santo e seus filhos deviam aspergir o óleo na porta da tenda da congregação, onde ocorria a inauguração. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 803-804.

e os lavou. Este é o símbolo da regeneração (Tt 3:5). Eles não podiam lavar a si mesmos, pois o estado de pureza que Deus exigia era algo que não podiam fazer por si mesmos. Outra pessoa deveria lavá-los.

Enquanto os dois irmãos procediam a lavagem, a mente de ambos devia se ocupar do significado e da importância do que estavam fazendo. Era muito mais do que um banho comum; era a purificação espiritual. Arão não podia purificar a si mesmo do pecado. Alguém deveria fazê-lo por ele. CBASD, vol. 1, p. 804.

Vestiu Arão da túnica. Após a lavagem, vinha a investidura de Arão com as vestes santas e a insígnia do ofício. Este também era um ato simbólico, por isso não lhe era permitido vestir a si mesmo. … Ele devia aprender que nada que pudesse fazer podia ser aceitável a Deus. devia aprender a lição da completa dependência. Era Deus que o preparava para o serviço. Era Deus vestindo-o com a justiça divina (Sl 132:9). CBASD, vol. 1, p. 804.

10 ungiu o tabernáculo. Antes de ungir Arão, Moisés ungiu o tabernáculo e seus móveis, incluindo a arca, de acordo com a ordem de Deus (Êx 30:26-29). CBASD, vol. 1, p. 804.

12 derramou do óleo. Depois de ungir o tabernáculo e seus móveis, Moisés ungiu Arão. A unção foi sua coroação como sumo sacerdote (ver Lv 21:12; cf Zc 6:11-13). A unção foi tão copiosa que o óleo escorreu pela barba e pelas vestes de Arão (Sl 133:2). CBASD, vol. 1, p. 804.

22 o carneiro da consagração. A cerimônia com o carneiro da consagração foi o último ato na consagração de Arão e seus filhos. Com a dedicação completa, eles estavam investidos de autoridade para desempenhar os vários serviços sacerdotais de mediação. CBASD, vol. 1, p. 805.

23 sobre a ponta da orelha direita. A aplicação do sangue na orelha direita significava consagração ao serviço de Deus. Assim, Arão devia atender diligentemente às ordens de Deus e fechar os ouvidos para o mal. Essa é uma lição útil também para pastores e leigos. Esses devem dar ouvidos ao Senhor, pois “o obedecer é melhor que sacrificar, e o atender, melhor que a gordura de carneiros” (1Sm 15:22). CBASD, vol. 1, p. 805.

sobre o polegar da mão direita. A aplicação do sangue sobre o polegar direito de Arão significava que cada ato seu devia ser justo. A mão faz o trabalho do dia a dia, vários atos externos, a prática da justiça. Se Cristo foi dito: “Eis aqui estou, para fazer, ó Deus, a Tua vontade” (Hb 10:7). “A minha comida consiste em fazer a vontade dAquele que Me enviou”, disse Jesus (Jo 4:34). CBASD, vol. 1, p. 805.

o polegar do seu pé direito. Aplicar sangue sobre o polegar do pé tinha um significado semelhante. Significava andar na luz, correr para atender aos deveres estabelecidos por Deus, defender a verdade e a justiça. Cada faculdade do ser deve ser dedicada a Deus. CBASD, vol. 1, p. 805.

aspergiu Moisés o resto do sangue sobre o altar. O altar recebia mais atenção do que qualquer outra parte do santuário. Sem dúvida, isso se devia à importância da expiação, pois cada sacrifício desempenhava um papel importante. CBASD, vol. 1, p. 805.

31 ali a comereis. Esta refeição ritual concluía a cerimônia de consagração. CBASD, vol. 1, p. 805.

35 sete dias. O serviço do dia terminara, mas Arão e seus filhos podiam sair somente depois de sete dias [muito provavelmente de um sábado a outro]. Este era um tempo de estudo, oração e meditação para praticar o ritual muitas vezes a fim de não cometer nenhum erro quando chegasse o tempo de oficiar. CBASD, vol. 1, p. 805.




%d blogueiros gostam disto: