Reavivados por Sua Palavra


LEVÍTICO 14 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
27 de abril de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO LEVÍTICO 14 – Primeiro leia a Bíblia

LEVÍTICO 14 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

LEVÍTICO 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



LEVÍTICO 14 by Jobson Santos
27 de abril de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/lv/14

Nada pode substituir a alegria de receber uma nova oportunidade. A primeira parte deste capítulo fornece um meio de redenção para aqueles que, como descrito em Lev 13, sofrem de doenças de pele. Tal medida foi instituída por razões óbvias: ajudar a minimizar, ou pelo menos mitigar, as epidemias de saúde. No entanto, se alguém fosse declarado impuro e a pessoa fosse curada de sua doença, haveria um modo dela ser reintegrada na sociedade.

Você pode imaginar como seria fantástico se você tivesse sido condenado ao ostracismo, longe do bem maior da convivência com sua família e de seu povo, e depois descobrir que você tinha sido curado? Essa oportunidade de purificação – uma maneira formal de se reintegrar à comunidade – deve ter sido incrível. Pense por um momento sobre quão maravilhosa essa nova oportunidade pareceria para essa pessoa.

Tais novas oportunidades nos lembram, em última instância, da nova oportunidade de vida – desta vez a vida eterna – que Jesus torna possível para cada um de nós através de Sua morte no Calvário. “E, quando eu for levantado da terra, todos atrairei a Mim” (João 12:32, NLT).

Michael W. Campbell
Professor Associado de Religião
Southwestern Adventist University
Keene, Texas, USA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/lev/14
Tradução: Pr. Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



LEVITICO 14 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
27 de abril de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

1399 palavras

2 lei do leproso. Como o leproso era excluído não apenas do santuário, mas também do acampamento, havia duas cerimônias incluídas na restauração. A primeira o reabilitava a entrar no acampamento e se associar com seus irmãos. A segunda, uma semana mais tarde, era feita no pátio do tabernáculo e o reintegrava plenamente à irmandade, com todos os privilégios do relacionamento do concerto. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 829.

purificação. Ser purificado significava começar a vida de novo, uma figura do novo nascimento no Espírito Santo. Bíblia Shedd.

3-8 O primeiro estágio da purificação acontecia fora do acampamento. O homem tomava um banho e lavava as suas roupas e, então, se barbeava. Eram, então, tomadas duas aves. O sangue de uma delas era usado para purificar o homem. A morte dessa primeira ave sugeria o fim da vida antiga do homem fora do acampamento; o vôo para a liberdade da outra ave retratava a libertação dos efeitos da enfermidade. então o homem poderia entrar novamente no acampamento. Bíblia de Genebra.

3 O leproso não podia curar a si mesmo, nem se pronunciar limpo; nem tinha condições de ir procurar o ministro de Deus: o sacerdote é que tinha de ir ao seu encontro, fora do arraial. Bíblia Shedd.

duas aves vivas e limpas. Comparar com o par de bodes na cerimônia do Dia da Expiação, um dos quais era morto e o outros mantido vivo (Lv 16). Andrews Study Bible.

Não domesticadas, diz o Talmude. Possivelmente porque uma ave doméstica não fugiria como pedia o simbolismo (v. 7). CBASD, vol. 1, p. 829.

que uma das aves seja morta. Doenças e pecado simbolizavam o pecado e tornavam a pessoa cerimonialmente impura. A purificação preceituada incluía sacrifícios bem como lavagens. Bíblia de Estudo NVI Vida.

águas correntes. Literalmente “água viva”, que era apropriada para um ritual que pretendia remover associação com a morte (comparar com 15:13; Nm 19:17). Andrews Study Bible.

A frase dá ideia de uma nascente ou de um córrego, cf Jo 4.10; 7.38. Bíblia Shedd.

pau de cedroestofo carmesim… hissopo. Não há informação a respeito do significado a respeito do significado do pau de cedro, do hissopo e do estofo carmesim. Talvez, o fragrante [perfumado] pau de cedro sugerisse o incenso perfumado usado no santuário. O hissopo é símbolo de purificação (Sl 51:7). O estofo carmesim era uma faixa estreita de lã tingida e dobrada para amarrar o hissopo ao cedro, já que ambos eram mergulhados no sangue. CBASD, vol. 1, p. 829. [Pessoalmente, e com base apenas em intuição pessoal, esses elementos (+ o sangue) me lembram elementos da crucificação de Jesus (Jeferson)].

soltará a ave viva. Para levar embora a impureza (comparar com 16:21-22). Andrews Study Bible.

A cerimônia era uma bela representação do que Deus fizera e ainda faria pelo leproso. Um pássaro selvagem era morto e o outro, mergulhado no sangue do primeiro, era libertado. De fato, o leproso estivera ás portas da morte, mas havia sido curado e o milagre da cura relacionava-se à água e ao sangue. Havia apenas um sinal de sangue, uma gota ou duas, mas depois de receber a aspersão, ele era declarado limpo. O sacrifício real ainda não havia sido feito, a pessoa ainda não havia chegado ao altar. O sangue do pássaro selvagem não tinha virtude purificadora, mas no devido tempo, o sacerdote tomaria um cordeiro e o oferecia em holocausto. CBASD, vol. 1, p. 829.

8 Os levitas eram purificados de modo semelhante (ver Nm 8.7). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Após os rituais do primeiro dia, a pessoas estava pura o suficiente, naquele estágio, e poderia entrar no acampamento, mas não totalmente restaurado para entrar em sua tenda. Estágios adicionais se seguiam no sétimo e no oitavo dias (vs. 9-20). Ao requerer estágios de purificação, Deus mostrou de quão longe Ele trouxera uma pessoas de volta á harmonia com Sua santidade. Comparar com Mc 8:22-25; onde Jesus curou um cego em estágios. Andrews Study Bible.

9-20 No segundo estágio de purificação, o israelita era levado de volta à plena comunhão com Deus. As cerimônias assemelhavam-se à consagração de um sacerdote (cap. 8). O  israelita era molhado com sangue e ungido com azeite, ligando-se ao altar, o símbolo da presença de Deus. Uma variação desse procedimento de restauração estava prescrito para os pobres nos vs. 21-31. Bíblia de Genebra.

10  No oitavo dia. Uma semana após a primeira cerimônia, fora do acampamento (v. 3-8), o leproso se dirigia à porta do tabernáculo, para os ritos finais. CBASD, vol. 1, p. 829.

três dízimas de um efa Equivalente a 6,6 litros, o efa sendo de 22 litros. O  sextário era uma medida para líquidos, de 0,3 litros. Bíblia Shedd.

12 Este é o único caso de uma vítima inteira ser movida perante o Senhor. Bíblia Shedd.

14 a ponta da orelha direita. Esta parte do ritual era semelhante à da consagração do sacerdote e talvez tivesse o mesmo significado (Lv 8:23). CBASD, vol. 1, p. 830.

15-18 O sacerdote tinha que colocar uma parte do sextário de óleo na palma da sua mão esquerda, uma cerimônia que pertence somente a esta purificação dos leprosos. … Só estes recebiam, além do sangue que, especialmente, indica a reconciliação, o óleo que simboliza o poder tão necessário para ter uma vida de saúde recuperada. Bíblia Shedd.

19 As três qualidades de ofertas para os leprosos eram: 1) a oferta pela culpa, 13; 2) a oferta pelo pecado, 19; 3) o holocausto, 19, com a oferta de manjares, 20. … Com isso, o homem era restaurado ao seu estado legal de pureza e de comunhão com Deus e com os homens. Bíblia Shedd.

21-32 As cerimônias elaboradas e o exames cuidadosos revelam que a pureza é importantíssima, e que não se obtém só por querer, Rm 9.16. A chave das cerimônias é o cordeiro da oferta pela culpa: 1) Foi morto para pagar a culpa; 2) Foi oferecido no lugar da oferta pelo pecado e do holocausto, vinculando estes três sacrifícios, v.13; 3) Foi oferecido no lugar santo (Cristo levou Seu sacrifício até o Santuário eterno, entrando no céu, Hb 9.24-25); 4) Esta oferta pertencia ao sacerdote, assim como a oferta de Cristo é para alimentar o povo de Deus, o sacerdócio real, 1 Pe 2.9; 5) Esta oferta era santíssima, para um povo santo, do tipo que se descreve em 1Pe. Bíblia Shedd.

21 Se for pobre. A pessoa pobre podia oferecer dois pombinhos ou duas rolinhas no lugar dos dois cordeiros exigidos para a oferta pelo pecado. No entanto, não havia substituição para o cordeiro pela oferta pela culpa. CBASD, vol. 1, p. 830.

34 Eu enviar a praga. Deste versículo alguém podia concluir que Deus é a fonte imediata de toda a lepra; precisa-se, porém, ter em mente as seguintes considerações: 1) A Bíblia descreve aquilo que Deus permite dentro da Sua Providência, como “ato de Deus”, Êx 15.26; Dt 7.15; 1 Sm 2.6; Pv 3.33; Is 45.7; 2) Há certos casos onde se vê o homem colhendo os resultados daquilo que semeou, Gl 6.7-8; 3) Em outros casos, não há um elo imediato com algum pecado específico, Jo 9.1-3. Bíblia Shedd.

Isso pode ou não implicar um ato direto de Deus. NA Bíblia, essas expressões ocorrem de modo a não haver referência clara a um ato de Deus. Por exemplo, Deus alimenta as aves (Lc 12:24). Quando uma praga atinge uma casa, pode ser um ato direto dEle ou pode ser resultado da falha humana por não construi-la de modo sábio. CBASD, vol. 1, p. 830, 831.

41 Hoje sabemos que muitas doenças são devidas a bactérias que se multiplicam rapidamente sob condições favoráveis de escuridão e de umidade. Antes de os homens saberem disso, Deus já tinha providenciado leis higiênicas que preservariam os obedientes destas pragas. Bíblia Shedd.

45 A casa profanada pelo mofo, míldio ou fungo seria lugar profanado para alguém morar, de modo que medidas drásticas teriam de ser tomadas. Bíblia de Estudo NVI Vida.

48 Esse segundo exame era feito para verificar a eficácia da cura. Bíblia Shedd.

54-57 Deus disse aos israelitas como diagnosticar doenças de pele infecciosas e míldio [bolor], de tal forma que eles pudessem adequadamente evitá-los e tratá-los. Essas leis foram dadas para saúde e proteção do povo. Elas ajudavam os israelitas a evitar doenças que eram sérias ameaças naquele tempo e lugar. Apesar deles não entenderem as razões médicas para algumas dessas leis, sua obediência a elas os fariam mais saudáveis. Muitas das leis de Deus podiam parecer estranhas aos israelitas. Essas leis, contudo, os ajudavam a evitar não somente contaminação física, mas também contaminação moral e espiritual. A Palavra de Deus provê um padrão para um viver físico, espiritual e mortal saudáveis. Podemos não entender sempre a sabedoria das leis de Deus, mas se as obedecermos, nós iremos prosperar. Life Application Study Bible.



Levítico 14 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de abril de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Para ensinar quando qualquer coisa é limpa ou imunda. Esta é a lei da lepra” (v.57).

Tanto a comprovação da lepra quanto a cura da doença exigiam cerimônias que deveriam ser observadas. Caso o leproso alegasse estar curado, precisava novamente apresentar-se ao sacerdote e levar consigo  “duas aves vivas e limpas, e pau de cedro, e estofo carmesim, e hissopo” (v.4). Realizada a cerimônia de purificação, o ex-leproso era declarado limpo e a ave viva, manchada do “sangue da ave que foi imolada sobre as águas correntes” (v.6), era solta “para o campo aberto” (v.7), como símbolo de uma praga que foi mandada embora. Havia ainda uma série de condições para que a pessoa pudesse ser declarada definitivamente limpa. Mesmo que pudesse voltar ao arraial, precisava aguardar o prazo de sete dias antes de entrar em sua tenda. Também tinha que rapar o cabelo e todo o pelo do corpo, lavar as suas vestes e tomar banho. Além de que, ao oitavo dia, precisava oferecer oferta pela culpa, oferta pelo pecado, holocausto e oferta de manjares.

Em seguida, o Senhor apresentou uma segunda forma de lepra, a “lepra a alguma casa” (v.34). Neste caso, o mais provável é que se tratasse de praga de mofo ou de fungo. Este era um problema que ainda não afetava o povo, visto que ainda habitavam em tendas. Deus os estava preparando para saberem como lidar com tal dificuldade quando estivessem habitando “na terra de Canaã” (v.34). Manchas “esverdeadas ou avermelhadas” (v.37) precisavam ser cuidadosamente observadas. Caso elas se estendessem “nas paredes da casa” (v.39), eram arrancadas as pedras contaminadas, as paredes eram lixadas por dentro e por fora, eram colocadas novas pedras e a casa era rebocada com “outra argamassa” (v.42). Mas caso todo este processo não fosse suficiente, e a praga retornasse, a casa era declarada imunda, sendo derrubada, restando apenas entulho em “lugar imundo” (v.45).

A primeira situação nos remete ao pecador e às consequências do pecado. Há uma obra individual a ser feita na vida do pecador. Como está escrito: “a alma que pecar, essa morrerá” (Ez.18:4). Precisamos prestar contas a Deus do que estamos fazendo de nossa existência. O pecado nos torna sujos e indignos de estarmos na presença de Deus, mas a Sua graça nos é estendida e, então, percebemos que ela é suficiente para nos limpar e purificar de todo mal. Contudo, mesmo retornando ao aprisco do Senhor com a certeza da cura oferecida por Jesus, nossa vida deve ser um testemunho vivo de que estamos curados e livres das imundícies que antes nos maculavam. A família e a sociedade precisam assegurar-se de que o indivíduo está no caminho direito. A mudança interior sempre reflete em uma mudança exterior. Com os ouvidos atentos à vontade de Deus, as mãos dispostas a servi-Lo e os pés firmes no caminho em que deve andar, o verdadeiro crente segue confiante na perfeita expiação de Cristo, e, por Seu sangue, torna-se limpo (v.20).

A segunda situação ilustra a triste realidade de famílias afetadas pela praga do pecado. São, inicialmente, pequenas concessões que, a longo prazo, produzem resultados difíceis de consertar, e, como a casa cujo fungo se espalha e a reforma não adianta, “há nela lepra maligna; está imunda” (v.44). Quantos não têm declarado a respeito de seu lar: “Parece-me que há como que praga em minha casa” (v.35)! Quantos têm sofrido a dor de um casamento fracassado, de um filho desencaminhado ou de uma família que não se ama! Cristo nos oferece uma nova vida, uma reforma por dentro e por fora. Muitos, porém, apesar de inicialmente aceitar a reforma da casa, logo permitem que o pecado torne a adoecê-la, causando-lhe a total ruína.

Amados, o Senhor deseja limpar a nossa vida e a nossa casa. Este é o objetivo da salvação em Cristo Jesus: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa” (At.16:31). A mudança precisa começar em você e em mim. E por mais que a sua família tenha sido afetada pelo Maligno, saiba que Jesus já o derrotou e está com todo o material em mãos para renovar e purificar o seu lar. Não desista! Ore, persevere, ame e confie no Deus que não conhece o impossível. Vigiemos e oremos!

Bom dia, famílias purificadas pelo sangue de Cristo!

Oremos pelo batismo do Espírito Santo. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Levítico14 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



LEVÍTICO 14 – COMENTÁRIOS PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
27 de abril de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

LEVÍTICO 14 – Saúde é um bem preciosíssimo, que valorizamos mesmo quando nos sobrevêm doenças. Precisamos protegê-la, preservando-a!

O que antigamente se chamava “lepra” referia-se às doenças cutâneas, causadas geralmente pela falta de higiene e descuido com umidade causadora de mofo e fungos na região desértica do Mediterrâneo.

“Nos ensinos dados por Deus a Israel, foi dispensada cuidadosa atenção à conservação da saúde. O povo que tinha saído da servidão, com os hábitos desasseados e nocivos que ela facilita, foram sujeitos ao mais rigoroso preparo no deserto, antes de entrar em Canaã. Foram-lhes ensinados princípios de saúde e impostas leis sanitárias. Não somente em seu culto, mas em todos os assuntos da vida diárias, era observada a distinção entre o limpo e o imundo. Todos quantos eram de algum modo postos em contato com doenças contagiosas ou contaminadoras, eram isolados do acampamento, não lhes sendo permitido voltar ali sem completa purificação tanto do corpo como das vestes… A necessidade de asseio pessoal foi ensinada da maneira mais impressiva. Antes de se reunirem no Monte Sinai para ouvir a proclamação da lei pela voz de Deus, foi exigido do povo que se lavassem a si mesmos, e suas roupas. Esta recomendação foi imposta sob pena de morte. Nenhuma impureza devia ser tolerada diante de Deus. Durante a estada no deserto, os israelitas se achavam quase continuamente ao ar livre, onde as impurezas teriam efeito menos nocivo do que os que vivem em casas fechadas. Mas era requerido o mais estrito asseio, tanto dentro como fora de suas tendas. Nenhum lixo devia ficar dentro ou em volta do acampamento” (CBV, p. 276, 279).

No contexto atual, várias são as causas de enfermidades na sociedade. O livro “Ciência do Bom Viver” lista as principais: Alimentação cárnea (p. 313), ar viciado (p. 241), condescendência própria (p. 227), agitação mental (p. 274), infração das leis salutares (p. 234), falta de higiene (p. 276), intemperança (p. 171), bebidas e alimentos inadequados (p. 114, 235, 334), ociosidade (p. 238), o próprio pecado (p. 113-114, 133, 227, 244), umidade (p. 274), roupas impróprias (p. 293). Etc.

O livro Ciência do Bom Viver certamente aplica os divinos princípios do livro de Levítico, contextualizando os ensinamentos inspirados do passado.

Reavivemo-nos: Valorizemos e cuidemos mais da saúde! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: