Reavivados por Sua Palavra


LEVÍTICO 8 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO LEVÍTICO 8 – Primeiro leia a Bíblia

LEVÍTICO 8 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

LEVÍTICO 8 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



LEVÍTICO 8 by Jobson Santos
21 de abril de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/lv/8

O tabernáculo, com seu mobiliário e sacerdotes, estava fisicamente pronto. Mas isso não era suficiente para que ele funcionasse como o palácio divino. Para estar apto a receber o Senhor, ele deveria ser feito santo, como Ele é santo. Toda a santidade vem de Deus, então somente Ele poderia consagrar o santuário, que refletia o superior santuário celeste “não feito por mãos humanas” (Hebreus 8:2, 5).

Esta consagração foi simbolizada por uma série de rituais, que incluíam o uso do óleo da unção e sacrifícios especiais, e foi presidida por Moisés como representante de Deus.

Para ordenar os descendentes masculinos de Arão, como a elite dos servos de Deus perante a comunidade, Moisés colocou o sangue do sacrifício da ordenação em suas orelhas direitas e polegares das mãos e pés. Isso mostrava que cada sacerdote havia recebido graça divina que o permitia cumprir sua responsabilidade de vida ou morte, para servir a Deus em benefício do seu povo. Essa graça divina fluía, em última análise, do sacrifício de Cristo.

Hoje não há uma elite divinamente sancionada de sacerdócio cristão à parte do sacerdócio de Cristo, através do qual o povo de Deus deve aproximar-se do Senhor (Hebreus 4, 7-10). O “sacerdócio real” humano inclui todos os cristãos como ministros de Deus (1 Pedro 2:9-10).

A surpreendente e maravilhosa graça de Deus capacita homens e mulheres a obedecerem ao mandado de Cristo de ministrarem em prol da salvação de outros (compare Mateus 28:19-20).

Roy Gane
Andrews University, Michigan, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/lev/8
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



LEVÍTICO 8 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

983 palavras

1-36 As instruções para a consagração dos levitas são executadas (Êx 29). A repetição e a perfeição dos sacrifícios (Êx 29.35-37) e o esplendor das vestes de Arão (vs 7-9) apontam para a importância do sumo sacerdócio. O sumo  sacerdote representava Israel perante Deus. Bíblia de Genebra.

A consagração dos sacerdotes. Nenhum homem era, por si mesmo, digno de se aproximar de Deus, e daí a necessidade de sacerdócio mediador. Esse sacerdócio era um dom de Deus (Nm 18.7), já que o próprio Deus escolhia e vocacionava os sacerdotes, 8.4,5; Hb 5.4. O sacerdote era um tipo [modelo] de Cristo, nosso único e verdadeiro Mediador, Hb 8.1; 1 Tm 2.5. Bíblia Shedd.

Por que Arão e seus filhos precisaram ser purificados e separados? Apesar de todos os homens da tribo de Levi terem sido dedicados ao serviço de Deus, somente os descendentes de Arão poderiam ser sacerdotes. Somente eles tinha a honra e responsabilidade de executar os sacrifícios. Esses sacerdotes tinham de se purificar e dedicar a si mesmos antes que pudessem auxiliar o povo a fazer o mesmo. A cerimônia descrita em Levítico 8 e 9 foi sua cerimônia de ordenação. Arão e seus filhos foram lavados com água (8:6), vestido com trajes especiais (8:7-9) e ungidos com óleo (8:12). Eles colocaram suas mãos sobre um novilho enquanto esse era morto (8:14) e sobre dois carneiros enquanto eram mortos (8:18, 19, 22). Isso mostrava que a santidade vinha de Deus somente, não da função sacerdotal. De modo similar, não somos purificados por nosso posicionamento espiritual. Purificação espiritual provém somente de Deus. Não importa quão alta a nossa posição ou por quanto tempo a temos ocupado, dependemos de Deus para vitalidade espiritual. Life Application Study Bible.

Arão, e seus filhos. Cf Êx 29. Esta foi a cerimônia da consagração, que depois passou a ser usada para todos os sacerdotes. Notemos que havia uma distinção implícita entre os sacerdotes (Arão e seus filhos) e o resto dos levitas. A tribo de Levi, como um todo, foi separada especificamente para o serviço religioso, mas somente os descendentes de arão eram os sacerdotes que oficiavam nos cultos do Tabernáculo e (mais tarde) do Templo, em Jerusalém, Nm 1.47-54. Veja também a distinção entre sacerdotes e levitas na Parábola do Bom Samaritano, Lc 10.25-37.

2, 3 Por que sacerdotes eram necessários em Israel? Em Êxodo 19:6, os israelitas foram instruídos a serem uma raça de sacerdotes. … O sistema sacerdotal foi uma concessão à inabilidade do povo, por causa do pecado, de se encontrar e se relacionar com Deus individualmente e corporativamente. Em Cristo, essa sistema imperfeito foi transformado. O próprio Jesus Cristo é nosso Sumo Sacerdote. Agora [Nova Aliança/Novo Testamento] todos os crentes podem se aproximar de Deus através dEle. Life Application Study Bible.

mandou-os banhar-se com água. Na bacia de bronze (cf. v. 11) no pátio do tabernáculo (v. Êx 30.17-21). Bíblia de Estudo NVI Vida.

sobrepeliz (ARA). NVI: “manto”.

Urim e Tumim. Estas palavras significam, respectivamente, “luz” e “perfeição”. Embora não se refira de forma específica ao urim e ao tumim pelo nome, Josefo fala de pedras “brilhantes” no peitoral do sumo sacerdote, “brilho”, diz ele, que havia deixado de ser visto há dois séculos, devido à iniquidade prevalecente (Antiquidades, iii.8.9). Por meio destas duas pedras, Deus revelava Sua vontade. Uma auréola de luz em volta do urim era sinal de aprovação divina nas questões apresentadas diante dEle, e uma nuvem que ensombrava o tumim era sinal de desaprovação (PP, 351). Para exemplo disso, ver 1 Samuel 23:9-12; 28:6; 30:7 e 8. O peitoral era para as vestes do sumo sacerdote o que o propiciatório era para o santuário. Em ambos, Deus revelava Sua glória e vontade (cf Êx 25:22; Sl 80:1; Is 37:16). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 700 [sobre Êx 28:30].

O uso de Urim e Tumim não se menciona depois do reinado de Davi, a não ser na época da volta do Cativeiro em Babilônia, 538-333 a.C., quando a falta de sacerdotes com Urim e Tumim era considerada uma irregularidade grave, Ed 2.63; Ne 7.65. Bíblia Shedd.

mitra (ARA). NVI: “turbante”.

10 Moisés tomou o óleo da unção. Moisés oficiou, como se ele fosse um sacerdote, pela consagração do santuário e dos sacerdotes através do óleo de unção sagrado e um grupo especial de sacrifícios de sangue. Séculos após um “Ungido” (Heb “Messias”; grego: “Cristo”) especial daria início ao santuário celestial e seu ministério celestial ao oferecer Seu próprio sangue (Dn 9:24-26; Hb 5:5-10; 13:10-12). Andrews Study Bible.

11 sete vezes. Este número simbolizava a perfeição [cf. nota em 4.6]. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 Qual o significado da unção de Arão como sumo sacerdote? O sumo sacerdote tinha responsabilidades especiais que nenhum outro sacerdote tinha. Somente ele podia entrar no lugar Santíssimo [Santo dos Santos] do tabernáculo no Dia da Expiação para fazer expiação pelos pecados da nação…. O sumo sacerdote era uma figura de Jesus Cristo, nosso Sumo Sacerdote (Hb 7:26-28). Life Application Study Bible.

13 atou-lhes as tiaras (ARA). NVI: “colocou-lhes gorros”.

16 redenho do fígado (ARA). NVI: “lóbulo do fígado” [ou: gordura que está sobre o fígado].

23 O sangue derramado sobre a orelha, o polegar da mão direita e o polegar do pé direito do sacerdote simbolizavam sua consagração completa para ouvir, ensinar e observar a Palavra de Deus. Bíblia Shedd.

26 obreia (ARA). NVI: “pão fino”.

30 óleo sangue. Os sacerdotes da Antiga Aliança [Antigo Testamento] eram ungidos com óleo e com sangue, representando respectivamente duas bênçãos que haveriam de ser derramadas sobre o povo de Deus com a vinda de Cristo: A unção do Espírito Santo e o sacrifício expiatório, que não dependem de cerimônias físicas, mas são o fruto da obra de Cristo naqueles que O aceitam. Bíblia Shedd.

36 Arão e seus filhos fizeram “tudo o que Deus tinha ordenado” (NVI). Considerando as muitas listas detalhadas de Levítico, essa foi uma façanha notável. Eles sabiam qual a vontade de Deus, como Ele queria que ela fosse executada e com qual atitude deveria ser executada. Isso pode servir de modelo para o quão cuidadosamente devemos obedecer a Deus. Deus deseja que sejamos um povo completamente santo, não uma aproximação disso. Life Application Study Bible.



Levítico 08 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
21 de abril de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“E Arão e seus filhos fizeram todas as coisas que o Senhor ordenara por intermédio de Moisés” (v.36).

Uma das coisas que podemos perceber no estudo sobre o santuário é que Deus estabeleceu como ele deveria ser construído, quais os materiais que seriam utilizados, quem o construiria, o que ficaria dentro dele, quem o ministraria, como realizaria este ofício e até o que comeriam e com que roupa se faria tudo isso. Absolutamente nada poderia fugir das instruções “que o Senhor ordenou que se fizesse” (v.5). Pela primeira vez, alguém iria oficiar no tabernáculo, realizando o primeiro sacrifício, e este alguém foi Moisés. Conforme tudo o que o Senhor lhe ordenou, Moisés seguiu o passo a passo divino na obra de consagração do templo e de Arão e seus filhos. Antes de assumir a posição dada por Deus, Arão precisou submeter-se a um ritual simbólico, mas muito significativo. Ele e seus filhos foram lavados, vestidos, ungidos e consagrados por Moisés.

A respeito do simbolismo de tal cerimônia, já aprendemos nos capítulos 28 e 29 do livro de Êxodo. Assim como o pecado entrou no mundo através de um só homem, Adão, Arão, o sumo sacerdote, carregava o peso de semelhante responsabilidade. Precisava fazer expiação não somente pelo povo, mas também por ele mesmo e por sua família. Sua vida deveria corresponder ao chamado que havia recebido. E a cada animal imolado, sob a forte impressão do quanto o pecado é repulsivo, suas palavras ao pecador que ali chegava com sua oferta deviam ser mais ou menos assim:

“Estou triste por haverdes pecado, e estou certo de que vós também estais. Mas Deus proveu o perdão para o pecado. Trouxestes aqui uma oferta. Ponde as mãos sobre a oferta e confessai vosso pecado a Deus[…] O cordeiro que ireis matar simboliza o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. O Messias há de vir e dar Sua vida pelos pecados do povo. Pelo Seu sangue sois perdoados. Deus aceita vossa penitência. Ide, e não mais pequeis” (O Ritual do Santuário, p.49).

O pecado deve gerar tristeza e aversão. A errônea compreensão acerca dos rituais de sacrifício, no entanto, podem torná-lo prazeroso e aceitável. Ali estavam os sacerdotes e o sumo sacerdote, em seu dever de fazer mediação entre Deus e o povo. Ali estava sempre à disposição dos filhos de Israel um lugar em que pudessem “pagar” pelos pecados que cometiam. Caso fosse esta a concepção que tivessem acerca do objetivo do santuário, e seria apenas um depósito de indulgências. Assim como o Senhor não Se alegra com sacrifícios e nem tem prazer em holocaustos (Sl.51:16), a morte daqueles animais deveria comover seus corações e levá-los a entender que “o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm.6:23).

Há uma ênfase neste capítulo sobre a obediência do servo de Deus. “Fez, pois, Moisés como o Senhor lhe ordenara” (v.4). Por sete vezes é mencionada a obediência quanto às ordens dadas pelo Senhor a Moisés. Muitos há que têm confundido obediência com sacrifício. Antes da obediência deve haver a confiança. Moisés fez tudo conforme o “Assim diz o Senhor”, porque confiava nEle. Arão e seus filhos se submeteram a serem banhados, vestidos e consagrados por Moisés porque confiavam de que ele era um enviado de Deus. Quando Saul retornou da batalha contra os amalequitas trazendo os animais e o rei daquele povo com vida, desafiou as ordens divinas. O que dizia ser para sacrifício, na verdade eram emblemas que trazia para sua própria glória perante o povo. Mas logo suas vestes reais não teriam significado algum sem a bênção de Deus e sob o forte impacto da rejeição isso ficou bem claro nas palavras do profeta Samuel: “Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar” (1Sm.15:22).

Saul escolheu fazer o que era agradável à vista do povo. Moisés fez tudo conforme a vontade de Deus perante “toda a congregação à porta da tenda da congregação” (v.3). A condição para que Arão e seus filhos permanecessem na posição que o Senhor lhes designou era a obediência. Da mesma forma que Saul um dia perderia as suas vestes reais, o sacerdote que não cumprisse com fidelidade o seu voto feito ao Senhor, seria destituído de seu cargo, podendo até perder a vida (como veremos mais adiante, no capítulo 10). Como servos e servas de Deus, precisamos revelar ao mundo não o que lhe seja agradável, e sim o que lhe seja necessário. A diferença não deve ser vista apenas nas vestes, mas na vida que dentro delas exala o bom perfume de Cristo. Que nossa voz e nosso exemplo possam soar qual trombeta de Deus a advertir o mundo caído. Clamemos pelo Espírito Santo! Eis, agora, o tempo sobremodo oportuno para isso. Vigiemos e oremos!

Bom dia, vestidos e consagrados por Deus!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Levítico8 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



LEVÍTICO 8 – COMENTÁRIOS PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
21 de abril de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

LEVÍTICO 8 – Deus lida graciosamente com o pecador. Sua graça alcança qualquer pessoa e a restaura a tal ponto de considerá-la como se nunca tivesse cometido pecado. Levítico nos desafia a conhecer o poder e o efeito da graça evidente no contexto do Santuário.

No capítulo em pauta, Moisés age em lugar de Deus chamando o povo perante a tenda da congregação, para a ordenação ministerial de Arão e seus filhos (Levítico 8:1-4). Seria a consagração ao posto mais alto do Santuário daquele Arão que construíra um bezerro levando o povo à idolatria no Sinai; e, mentiu quando questionado por Moisés, alegando que miraculosamente o bezerro surgiu ao jogar ouro no fogo (Êxodo 32:1-5, 21-24).

Arão não foi sumo sacerdote por escolha de seu irmão Moisés, foi Deus quem o escolheu. Então, diante da congregação, Moisés lavou e vestiu Arão com seus filhos e depois ungiu o tabernáculo e seus utensílios com óleo e também a cabeça de Arão (Levítico 9:5-12).

Após ungir o Sumo Sacerdote, Moisés oficiou vários sacrifícios (Levítico 9:13-29):
• Do novilho, da oferta pelo pecado, colocando sangue nas pontas e base do altar.
• Do carneiro, do holocausto (oferta queimada, aroma agradável a Deus), colocando sangue no altar e ao redor.
• Do carneiro, da consagração, colocando sangue na orelha e polegares das mãos e pés de Arão e seus filhos; os quais receberam um bolo asmo, outro de pão cozido, e uma obreia.
• Do peito do carneiro da consagração.

Depois dessa complexa cerimônia de purificação e unção das vestes de Arão e seus filhos aspergindo neles o sangue colhido do altar para consagrá-los, Moisés passou a instrui-los quanto ao quê fazer (Levítico 9:30-36):
• Cozer carne para comer com pão do cesto da consagração diante da congregação.
• Permanecer sete dias diante da porta da congregação até que Deus os consagrasse.

Esta cerimônia mostra quanta aversão tem Deus pelo pecado, e mesmo assim almeja a salvação do pecador. Sua graça pode não ser compreendida pela razão humana, mas pode ser recebida por todos.

Assim como Arão recebeu uma função especial após ter falhado terrivelmente, Pedro também tornou-se apóstolo após ter mentido e blasfemado sobre Jesus (Marcos 14:66-72; João 21:15-19). Essa graça incrível está disponível a nós ainda hoje. Portanto, reavivemo-nos nessa graça hoje mesmo! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: