Reavivados por Sua Palavra


MARCOS 15 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
10 de junho de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO MARCOS 15Primeiro leia a Bíblia

MARCOS 15 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

MARCOS 15 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube

(pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



MARCOS 15 by Jobson Santos
10 de junho de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/NVI/mc/15

Tendo apresentado a Jesus como o ser surpreendente que faz todas as coisas bem, a narrativa de Marcos chega agora ao clímax com seu Herói compassivo recebendo a punição de um assassino. Entre o que Ele merecia e o que recebeu havia um abismo infinito. A mensagem que captamos é a seguinte: “Eis um mundo de injustiça!”

Esse grito, pronunciado pela primeira vez pelo sangue de Abel, permaneceu como uma música-tema na trilha sonora do filme da história da Terra. Cada um de nós conhece a dor de receber menos do que merece, em maior ou menor grau. Alguns de nós pertencem a grupos cujos membros recebem menos do que merecem. Os sofrimentos injustos, muitas vezes silenciosos, de todos os tempos encontram sua expressão mais alta no versículo 34, “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Por que meu amoroso Deus permite que eu sofra injustiças?

Ao usar as palavras de Davi, Jesus associou Seu sofrimento diretamente ao sofrimento injusto recebido por Davi e ao sofrimento injusto de qualquer pessoa que passou pela experiência descrita no Salmo 22. Essa lamentação, tomada emprestada, certifica o Rei do céu como o Protagonista Principal e Advogado Supremo de todas as vítimas de injustiças. Quando formos vítimas, recebamos a Sua compaixão. Quando formos observadores, sigamos o Seu exemplo de interceder a favor dos injustiçados.

Ean Nugent
Engenheiro de software, Bowie, Maryland, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1218
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



MARCOS 15 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
10 de junho de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

596 palavras

1. Conselho. O Sinédrio. Bíblia de Estudo Andrews.

7. Um, chamado Barrabás. O grego indica que ele tinha outro nome. Alguns manuscritos de Mt 27.16ss revelam que esse nome era “Jesus”. A omissão do nome “Jesus” explica-se pela reverência à Cristo. Bíblia Shedd.

tumulto mencionado em Marcos não é documentado em outras fontes, mas, ao que parece, foi bem conhecido na Palestina. Bíblia de Estudo Andrews.

15. Querendo contentar a multidão. Era mais do que um simples desejo de Pilatos; ele estava ansioso de agradar o povo, se possível, para que as descontroladas paixões da turba não desencadeassem uma revolta. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 5, p. 719.

21. Simão. Possivelmente Simão é o Níger (“negro”), o mesmo de Cirene (norte da África) de At 13:1. Bíblia Shedd.

23. mirra. Especiaria do deserto da Arábia, que, misturada ao vinho, era usada para aliviar a dor. Bíblia de Estudo Andrews.

24. crucificaram. O mais extremo método de execução dos romanos, reservado para os piores criminosos, como os revolucionários. A vítima era açoitada com um chicote feito de tiras de couro, em cujas extremidades prendiam pedaços de ossos e de chumbo. O condenado tinha de carregar uma viga da própria cruz, que pesava de 14 a 18 quilos. A vergonha (que incluía ser pendurado nu na cruz) era enorme, e a dor física, excruciante. Pesados pregos de ferro perfuravam o punho e os ossos do tornozelo. Era difícil respirar, o coração tinha problemas para bombear o sangue e, muitas vezes, a vítima tinha febre. A morte vinha lentamente, demorando, às vezes, de dois a três dias. Bíblia de Estudo Andrews.

25. hora terceira. Nove da manhã. Bíblia de Estudo Andrews.

26 Acusação. O motivo oficial da morte de Jesus foi Ele se ter feito Messias, i.e., segundo os judeus era pretendente o trono da Judeia. Bíblia Shedd.

31. Salvou os outros. Naquele momento, não pôde salvar-se porque não queria desistir de Sua missão expiatória que abriria uma fonte de salvação para os pecadores (Zc 13:1; Mc 10:45; Rm 5:8). Bíblia Shedd.

33. hora sexta …. hora nona. Meio-dia e três da tarde. Bíblia de Estudo Andrews.

34. Eloí… Citado de Sl 22.1 no aramaico. Ainda que seja paradoxal, reconhecemos que Jesus se identificou com nossos pecados (cf 2Co 5.21; Gl 3.13), de modo que Cristo sofreu, por nós, a inevitável separação entre Deus e o pecado. Bíblia Shedd.

35. Elias. Tradicionalmente, o judeu pedia socorro a Elias porque ele foi levado à presença de Deus. Bíblia Shedd.

37. Grande brado. De Jo 19.30, sabemos que Jesus bradou uma palavra (assim é, no grego) “consumado”. Foi o grito de triunfo. Bíblia Shedd.

38. Véu do santuário. Era o véu que separava o Lugar Santo do Santo dos Santos (cf b 6:19; 9:3; 20.20). Bíblia Shedd.

39. Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus. Este é o ápice da narrativa de Marcos. Pela primeira vez no evangelho, alguém – além de Jesus – e ainda mais um gentio – o identificou corretamente como o Filho de Deus, conforme anunciado aos leitores desde o início (1:1). Bíblia de Estudo Andrews.

40. Salomé. Uma comparação com Mateus 27:56 indica que Salomé era, possivelmente, a mãe de Tiago e João, filhos de Zebedeu. CBASD, vol. 5, p. 720.

42. dia da preparação. Sexta-feira era o dia ordenado por Deus para o povo se preparar para o sábado (ver Êx. 16:22-26). Bíblia de Estudo Andrews.

43. É possível que as informações sobre o processo que abriram contra Jesus, no Sinédrio, chegaram até Marcos por intermédio de José.

44. Admirou-se. Normalmente, demorava muito mais para morrer. Bíblia Shedd.

47. Observaram. No texto grego, isto significa que as mulheres observavam atentamente o sepultamento de Jesus, fazendo planos para embalsamar Seu corpo depois que as horas sagradas do sábado tivessem passado (ver Lc 23:55-24:1). CBASD, vol. 5, p. 720.o.



MARCOS 15 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
10 de junho de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Chegada a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra até a hora nona” (v.33).

As últimas cenas da vida de Cristo deveriam fazer parte de nossa meditação todos os dias. Este foi um conselho deixado pela escritora norte-americana Ellen G. White – que eu creio ter sido uma mulher inspirada por Deus com uma mensagem profética para os últimos dias. – Estas cenas, no entanto, precisam causar um impacto real em nossa vida. Ao ser levado perante Pilatos, Jesus foi acusado “de muitas coisas” (v.3). Mas nenhuma delas justificava a sua prisão e, muito menos, uma provável condenação. Ainda que amarrado como um malfeitor, estava claro para Pilatos quem era a inocente Vítima naquele caso. Diante das muitas acusações, “como ovelha muda” Jesus “não abriu a boca” (Is.53:7), e o governador logo percebeu “que por inveja os principais sacerdotes Lho haviam entregado” (v.10).

Certamente, Pilatos já tinha ouvido falar de Jesus, pois Sua fama havia alcançado toda a circunscrição romana. Contudo, estar diante dEle foi uma experiência que ele jamais esqueceria. Assim como as demais autoridades romanas, mais do que o desprezo pelo povo judeu era o desprezo de Pilatos pelos seus líderes religiosos. Ele não estava preocupado em agradar aqueles homens que ele considerava a pior estirpe do povo, mas em “contentar a multidão” (v.15). Pilatos percebeu que se a condenação não viesse por suas mãos, o próprio povo estava disposto a fazer isso.

Apesar de todas as evidências apontarem para um julgamento injusto e de perceber que Jesus não se tratava de alguém comum, Pilatos lançou sobre o povo a responsabilidade que se negava a assumir. Supondo que sua estratégia seria bem sucedida, escolheu dentre os presos o pior e o mais temido e o colocou como única opção de soltura caso Jesus fosse condenado. Qual não foi sua surpresa, e a do próprio Barrabás, os gritos da escolha insana foram acompanhados da sentença mais cruel e desumana: “Crucifica-O!” (v.13). Covardemente açoitado e humilhado, o nosso Salvador permaneceu em silêncio, não ousando proferir palavra alguma de reprovação. A cada açoite ou palavra depreciativa, Seu coração e Seu olhar só podiam revelar o mais puro amor e graça que O acompanharam até a cruz.

Sabendo o que lhe custaria o sacrifício de Cristo, Satanás incitou cada acusador e cada agressor da pior maneira possível. Entregue aos soldados, o Filho de Deus passou por momentos de tortura e humilhação. Aquele que desfrutava da adoração dos anjos no palácio do Céu, Se entregou à agressão humana no palácio romano. Praticamente sem forças, foi obrigado a carregar o Seu instrumento de morte. Perante a turba enfurecida que acompanhava o desfile da dor, a Sua resposta era a sabedoria do silêncio. E caindo pelo desgaste físico e emocional, um homem foi obrigado a carregar a Sua cruz.

Do lugar celeste ao “Lugar da Caveira” (v.22). De Rei dos reis a “Rei dos Judeus” (v.26). Da companhia dos santos anjos à companhia de “malfeitores” (v.28). O mais assombroso contraste podia ser visto na cruz. Mas “os que iam passando” (v.29), bem como “os principais sacerdotes com os escribas” (v.31), escarnecendo de Jesus, foram as testemunhas oculares mais estúpidas de toda a história. Testemunhas que jamais poderiam relatar os acontecimentos daquele fatídico dia com a precisão, a veracidade e a riqueza de detalhes contidos nos evangelhos. Em nossas mãos temos o privilégio de, pelo poder do Espírito Santo, sermos atraídos a Cristo através de Sua Palavra e de entender o Calvário melhor do que os que lá estavam.

Pela primeira e única vez em toda a eternidade, Jesus sentiu a separação do Pai. Aquele que é Um com Deus, clamava não por causa da dor física, mas da dor da separação. Ele carregou sobre Si os pecados de toda a humanidade e o Seu brado final “Está consumado” (Jo.19:30) fez estremecer Satanás e todo o seu exército. A sombra deu lugar à realidade quando à hora do sacrifício da manhã o Cordeiro de Deus foi crucificado, e à hora do sacrifício da tarde, Ele expirou. A maior missão de todos os tempos foi cumprida para que o maior dos eventos que este mundo já testemunhou pudesse acontecer: “Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória” (Mt.24:30).

Hoje, somos testemunhas oculares dos últimos momentos deste planeta caído. Mas a decisão de ser uma testemunha fiel de Cristo é individual . Atravessando séculos de indiferença e tempos de descaso, e até de tentativas frustradas de destruí-la, a Bíblia chegou até a nossa geração com o fim de não apenas relatar acontecimentos passados, mas de abrir os nossos olhos para um futuro bem próximo. Pois assim como o brado da cruz, Cristo está prestes a novamente declarar: “Feito está!” (Ap.16:17). Você está pronto(a) para este momento? O Grande Dia de Jesus se aproxima, quando “todo olho O verá” (Ap.1:7) e haverá apenas dois grupos de testemunhas: o de Apocalipse 6:15-16 e o de Apocalipse 12:17. De que grupo de testemunhas você deseja fazer parte? Agora é o momento de olhar para cruz e reconhecer: “Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus” (v.39). Vigiemos e oremos!

Bom dia, “os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” (Ap.12:7)!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Marcos15 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



MARCOS 15 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
10 de junho de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

MARCOS 15 – Diferentemente de Mateus que foi escrito aos judeus, o evangelho escrito por Marcos visa dar oportunidade aos romanos de saberem com Quem eles lidaram e oferecer-lhes a possibilidade de salvação.

Marcos, o evangelista dos romanos, dá “um retrato de Jesus como o poderoso Filho de Deus, cuja Palavra é Lei nos reinos natural e sobrenatural. O paradoxo é que esse forte Filho de Deus é servo do homem, Salvador e resgatador (Mc 10.45)” (Merril F. Unger).

Observe estes pontos:

1. Marcos revela o erro cometido pelos judeus que acabou envolvendo os romanos, os quais agiam baseando-se apenas em informações dos líderes judeus para crucificar Jesus (vs. 1-15).
Para evangelizar os romanos, Marcos oferece um contraste entre eles e os líderes judeus: “É incrível que um pagão [Pilatos] estivesse tentando salvar Jesus, enquanto os líderes religiosos, supostamente guardiões da fé, quisessem a Sua morte. É incrível que Jesus fosse chamado Rei dos judeus por um pagão e pelos seus soldados, enquanto Seu próprio povo, que há muito professava esperar por Ele, gritasse: Crucifica-O! É incrível que Pilatos tenha oferecido libertar Jesus, o doador da Vida, e a multidão quisesse Barrabás, um assassino” (William Johnsson).

2. Marcos revela quem era aquele que os romanos conduziram à morte; a base escriturística (v. 28) para entender o Servo sofredor apresentado por Marcos está em Isaías 53 (vs. 26-37).
Aquele que fez tantas coisas, mas agora, neste capítulo, “jaz impotente, crucificado entre criminosos, exposto ao sol e ao vento, às moscas e formigas” (Johnsson) é o Filho de Deus (v. 34); Sua morte teve impacto no Céu e na Terra (vs. 37-41).

3. Jesus morreu na sexta-feira antes da Páscoa Judaica. No sábado, permaneceu morto concedendo tempo à reflexão (vs. 42-47).
“Cristo na cruz desperta duas perguntas: ‘O quê?’ e ‘Quem?’ Consequentemente perguntaremos: ‘Qual o significado da cruz?’ A resposta da teologia de Marcos é: “A cruz não foi um erro judicial. Não foi um incidente infeliz na vida de um homem bom. Foi a revelação final do amor de Deus aos pecadores… Escolhendo a morte na cruz para derrotar o pecado, Cristo desafiou a morte e derrotou Satanás. Por meio dEle, a vida eterna se tornou possível” (Johnsson).

Portanto, reflita nisso! Não podemos ficar indiferentes! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: