Reavivados por Sua Palavra


DANIEL 12 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de fevereiro de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Tu, porém, Daniel, encerra as palavras e sela o livro, até ao tempo do fim; muitos o esquadrinharão, e o saber se multiplicará” (v.4).

Intitulado de “O tempo do fim”, o capítulo de hoje revela a mais clara verdade de que este mundo de pecado possui uma data de vencimento. Semelhante ao dia em que Jesus Se levantou de Seu trono, encerradas as setenta semanas proféticas, ou quatrocentos e noventa anos literais, quando o martírio de Seu servo Estêvão selou este momento, Ele novamente Se levantará como Miguel, o Comandante dos exércitos do Céu, não mais para declarar a sentença sobre uma nação apenas, mas sobre toda a Terra. Com solene silêncio, todo o Céu ouvirá da boca do Senhor as palavras definitivas: “Continue o injusto fazendo injustiça, continue o imundo ainda sendo imundo; o justo continue na prática da justiça, e o santo continue a santificar-se” (Ap.22:11).

Os ímpios, então, “Andarão de mar a mar e do Norte até ao Oriente; correrão por toda parte, procurando a palavra do Senhor, e não a acharão” (Am.8:12) e “haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo” (v.1). Aqueles que estiverem vivos por ocasião dos dias que sucederão o fim do tempo da graça, a última geração de falsos e verdadeiros adoradores, hão de experimentar em grande medida os terríveis resultados da ausência do Espírito Santo; “mas, naquele tempo, será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro” (v.1). Deus não abandonará os Seus fiéis servos, todo aquele que tem “o seu nome no Livro da Vida” (Ap.3:5), ainda que estes sintam-se como ovelhas sem pastor. A fé e a força ser-lhes-ão dadas na proporção de que necessitam.

Coisas maravilhosas e grandiosas foram dadas a conhecer ao profeta Daniel, de modo que seu coração pulsava no desejo de entendê-las. Diante dAquele “que estava sobre as águas” (v.6), o profeta obteve apenas um vislumbre do que precisava ser guardado e selado “até ao tempo do fim” (v.4). Muitos se debruçaram sobre o livro de Daniel a fim de compreendê-lo. É provável que os “magos do Oriente” (Mt.2:1), tenham obtido algum conhecimento sobre a chegada do Messias a partir do estudo deste livro profético, bem como Simeão (Lc.2:25) e a profetisa Ana (Lc.2:36). Cumprida boa parte das profecias sobre os reinos descritos neste livro, Jesus mesmo apontou o livro de Daniel como um livro que deva ser lido e entendido (Mt.24:15). Portanto, chegaria o tempo em que o saber se multiplicaria com relação às profecias de Daniel.

Não foi sem razão que o Senhor declarou ao profeta a seguinte bem-aventurança: “Bem-aventurado o que espera e chega até mil trezentos e trinta e cinco dias” (v.12). Temos aqui mais um período profético. Período que muitos consideram misterioso, e também que tem sido passível de muitas conjecturas. Analisando, porém, conforme as demais profecias, segundo a linha historicista, temos que os 1290 (v.11) e os 1335 (v.12) dias proféticos também se tratam de anos literais, e se deram concomitante aos tempos proféticos dos 1260 anos (Dn.7:25) e dos 2300 anos (Dn.8:14), tendo início no ano 508 a.C., quando Clóvis derrotou os visigodos arianos, implementando a união entre Igreja e Estado a fim de punir os que consideravam “hereges”. Portanto, a contar deste ano, após os 1335 anos, chegamos ao ano de 1843, quando o mundo foi fortemente impactado pela mensagem milerita acerca da segunda vinda de Cristo; movimento que deu início à Igreja Adventista do Sétimo Dia.

No livro de Provérbios 9:10, está escrito: “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência”. Já no início de Seu ministério terrestre, Jesus afirmou: “Todo aquele, pois, que ouve estas Minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha” (Mt.7:24). E através de uma parábola, também classificou os prudentes como cinco virgens que, aguardando a chegada do noivo, “além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas” (Mt.25:4). A primeira voz angélica ordena: “Temei a Deus e dai-Lhe glória, pois é chegada a hora do Seu juízo” (Ap.14:7). A obediência e o preparo, portanto, são duas coisas imprescindíveis e que são os resultados inevitáveis de sabedoria e prudência.

O fato de fazermos parte de uma igreja profética não nos concede um direito adquirido. Se fosse assim, não precisaríamos ser “purificados, embranquecidos e provados” (v.10). Se, pela graça de Deus e obra do Espírito Santo não perseverarmos em praticar “o conhecimento do Santo”, seremos semelhantes ao insensato que constrói a sua casa sobre a areia (Mt.7:26). Bem como, se não buscarmos incessantemente pelo poder do Espírito Santo, seremos como as virgens néscias, tendo a lâmpada nas mãos, mas sem o azeite para mantê-la acesa (Mt.25:3). Nesses dias de crescente tensão e de sinais que apontam para o breve retorno de Cristo, “os perversos procederão perversamente, e nenhum deles entenderá” o que está acontecendo, “mas os sábios entenderão” (v.10).

Tu, porém, segue o teu caminho até ao fim” (v.13), vigiando e orando, e fazendo “discípulos de todas as nações” (Mt.28:19), conforme a ordem do Mestre. “Porque”, como o apóstolo Paulo, eu estou bem certa, “de que nem a morte […] poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm.8:38, 39). Pois, se perseverarmos, segundo a Sua promessa, o Senhor nos fará resplandecer “como o fulgor do firmamento”, e seremos “como as estrelas, sempre e eternamente” (v.3). Não sabemos o que nos espera neste tempo “qual nunca houve” (v.1). Mas de uma coisa podemos ter certeza: as palavras do Senhor “são fiéis e verdadeiras” (Ap.22:6). “Não fará Deus justiça aos Seus escolhidos, que a Ele clamam dia e noite, embora pareça demorado em defendê-los?” (Lc.18:7). Oh, amados, o Senhor não retarda “a Sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, Ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pe.3:9). Despertai, últimos filhos de Deus, “pois o tempo está próximo” (Ap.22:10)! “Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora. Amém! Vem, Senhor Jesus!” (Ap.22:20). Vigiemos e oremos!

Feliz sábado, sábios dos últimos dias!

* Dez Dias de Oração, 3° dia: Oremos por nossos familiares e para que nossa família permaneça fiel e realizando o culto familiar diário.

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Daniel12 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: