Reavivados por Sua Palavra


SALMO 89 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
1 de maio de 2020, 0:50
Filed under: Sem categoria

993 palavras

O Salmo 89 tem sido chamado de salmo da aliança. Ele recorda a promessa de que o trono de Davi seria estabelecido eternamente e então expressa preocupação sobre o fato de que Deus aparentemente quebrou a aliança. O salmo se inclina naturalmente em duas partes contrastantes, em que uma mudança abrupta, marcada peça adversativa “mas” (v. 38, ARC [“porém”, na ARA]), separa os v. 1 a 37 dos v.38 a 52. Nas duas grandes divisões ocorrem as seguintes ideias: (1) a tônica de louvor (v. 1-4) e exaltação a Deus por Sua grandeza e suas promessas (v. 15-37); (2) queixa em vista da aparente falha das promessas de Deus (v. 38-45), súplica pelo cumprimento das promessas e restauração do favor de Deus (v. 46-51), doxologia e duplo amém (v. 52). CBASD, vol. 3, p. 940.

Fundada. O salmista parece certo de que, apesar das aparências, a promessa feita a Davi seria, por fim, realizada. Como um palácio bem construído, ela permaneceria para sempre. CBASD, vol. 3, p. 940.

Tua posteridade. Os descendentes literais de Davi falharam, mas as gloriosas promessas feitas a Davi e sua casa se cumpririam em Cristo. CBASD, vol. 3, p. 940.

Os céus. Neste verso, de modo ilustrativo, uma indicação dos habitantes celestiais. CBASD, vol. 3, p. 940.

A fúria do mar. É impressionante o poder de Deus sobre a fúria do mar (ver Jó 38:8011; Sl 65:7; 107:23-30; Mt 8:26, 27). Impressionante também é Seu poder sobre as ondas de dificuldades e aflições que nos sobrevêm. ele as tranquiliza para que nenhuma onda de pesar perturbe a paz da alma. CBASD, vol. 3, p. 940.

10 Raabe. Nome usado simbolicamente beste verso para representar o Egito (ver com. de Sl 87:4). CBASD, vol. 3, p. 940.

12 Tabor. Uma montanha com cerca de 561 m de altitude, 19,2 km a oeste do ponto onde o rio Jordão sai do mar da Galileia (ver com. de Jz 4:6). CBASD, vol. 3, p. 941.

Hermom. Montanha ao norte da Palestina, com elevação de 2.813 m. CBASD, vol. 3, p. 941.

17 és a glória de sua força [do Seu povo] .Um símbolo d força. CBASD, vol. 3, p. 941.

19 Outrora. Evidente se referindo aos eventos registrados em 2 Samuel 7:8 a 17. CBASD, vol. 3, p. 941.

Aos Teus santos. Possivelmente a Natã, a quem foi feita uma revelação (ver 2Sm 7:4, 17). CBASD, vol. 3, p. 941.

Concedi o poder de socorrer. Deus capacitou a Davi para as tarefas para as quais fora chamado. As ordens de Deus são “promessas habilitadoras” (PJ, 333). CBASD, vol. 3, p. 941.

Do meio do povo. Ver 1Sm 16:1-13. Deus escolheu a Davi dentre o povo comum, não da nobreza. Destaque-se que seu poder provinha de Deus (ver 2Sm 7:8; Sl 78:70-72). CBASD, vol. 3, p. 941.

25 Os rios. A promessa de Deusa Abraão é estendida nas palavras deste verso (ver Gn 15:18; ver com. de Êx 23:31). CBASD, vol. 3, p. 941.

26 Meu pai. O relacionamento entre Davi e Deus é descrito carinhosamente neste verso. CBASD, vol. 3, p. 941.

27 Meu primogênito. Davi foi o primeiro de uma linhagem de descendentes reais [que] se estendeu até o Messias (ver Êx 4:22; Jr 31:9). CBASD, vol. 3, p. 941.

28 Minha aliança. Ver Is 55:3; cf Sl 89:33-37. Os descendentes literais de Davi quebraram a aliança, mas as promessas seriam cumpridas em Cristo (ver com. de 2Sm 7:14-16; 23:5). CBASD, vol. 3, p. 941.

29 Farei durarpara sempre. Se a linhagem de Davi tivesse permanecido leal a Deus, esta promessa teria sido cumprida literalmente. Ela terã cumprimento no Israel espiritual e em Cristo, a semente de Davi. CBASD, vol. 3, p. 941.

30 Desprezaram a Minha lei. Salomão, o filho de Davi, começou a abandonar a lei de Deus (ver 1Rs 11:1-8). Muitos dos reis que o seguiram “fizeram o que era mau perante o SENHOR”. CBASD, vol. 3, p. 942.

32 Punirei. Esta punição é parte necessária do pai a seus filhos (ver Hb 12:6-11). As punições de Deus são salutares e têm o objetivo de restaurar o pecador. CBASD, vol. 3, p. 942.

33 nem jamais desmentirei a minha fidelidade. Deus não pode ser falso consigo mesmo. CBASD, vol. 3, p. 942

34 Nem modificarei. O caráter de Deus não muda (ver Tg 1:17; Ml 3:6; cf Sl 111:5, 9). CBASD, vol. 3, p. 942.

38 Tu, porém. A partir daqui há uma mudança abrupta do louvor e regozijo para a queixa e lamento. Apesar das promessas de Deus e de Sua fidelidade, parecia que a aliança fora quebrada e que nenhum bem sobrevinha a Israel e ao ungido do Senhor, somente o mal. O salmista pergunta: Como é isto? Qual será o resultado? A fidelidade de Deus está falhando? … O salmista apresenta os fatos evidentes, mas pela fé triunfa sobre as aparências. CBASD, vol. 3, p. 942.

40 Seus muros todos. Todos os muros e fortificações do rei foram destruídos (ver 2Cr 11:5-10; Sl 80:12; cf Is 5:5, 6). CBASD, vol. 3, p. 942.

43 Viraste o fio. Isto é, virou o fio da espada para que, ao golpe dela, o objeto em questão não fosse cortado. Israel não foi bem-sucedido na batalha. CBASD, vol. 3, p. 942.

45 Abreviaste. O vigor da juventude foi interrompido. O período de prosperidade do rei foi reduzido. CBASD, vol. 3, p. 942.

Ignomínia. A linhagem real caiu em desgraça. Tudo que se relacionava à aparência e circunstâncias do rei parecia indicar o desagrado de Deus. CBASD, vol. 3, p. 942.

46 Até quando, SENHOR? A reclamação do salmista dá lugar à súplica. Ele pede  ao Senhor o fim de seus problemas. Esta transição é a chave para entender o clamor do salmista. Neste verso, o frágil espírito humano, sentindo o inadequado estado das coisas, apela a Deus para que as endireite. CBASD, vol. 3, p. 942.

47 Minha existência. Do heb. cheled, “duração da vida”. O salmista suplica que, se Deus for intervir, deve agir rápido, porque o salmista está prestes a morrer. CBASD, vol. 3, p. 943.

49 Tuas benignidades de outrora. Isto é, das várias provas do cumprimento da promessa do passado. CBASD, vol. 3, p. 943.

50 No peito. O salmista parece levar no coração as reprovações de todo o Israel. Como Moisés (ver Nm 11:11-15), o salmista sentia que os fardos de todo o povo repousavam sobre ele, tanto que á não conseguia mais suportar o peso. CBASD, vol. 3, p. 943.

52 Bendito. A doxologia e duplo amém (não são partes essenciais do salmo) marcam o final do Livro Três dos Salmos (ver p. 705 [CBASD]; ver com. de Sl 41;13; 72:18; 106:48; 150). Sem dúvida, a mensagem deste verso é muito apropriada, apesar de tudo. “Bendito seja o SENHOR”. CBASD, vol. 3, p. 943.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: