Reavivados por Sua Palavra


ATOS 12 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
6 de maio de 2018, 0:30
Filed under: Sem categoria


“Pedro, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele” (v.5).


Quando um certo grupo social é considerado perigoso ou de alguma forma danoso ao bem-estar geral, as autoridades são cobradas a fim de que tomem iniciativas que venham coibi-lo. Em alguns casos, a depender do local e das leis que o regem, medidas extremas são tomadas, não apenas para coibir, mas eliminar os vilões da sociedade. Só que nem sempre o que a maioria vê como justiça realmente o é. Herodes era um rei do povo. Não no sentido de atender as necessidades da população, mas de ser aclamado, de ter seu ego acariciado pela aprovação pública de seus atos.

Vendo ser isto agradável aos judeus” (v.3), iniciou uma ferrenha perseguição aos cristãos “para os maltratar” (v.1), tornando-se o algoz de Tiago, o segundo mártir da igreja primitiva. “Prendendo também a Pedro” (v.3), guardou o apóstolo como uma espécie de troféu que ergueria após a festa da Páscoa. O que Herodes não esperava era que sua autoridade não tinha poder algum de frustrar os desígnios de Deus. Enquanto cuidava de guardar Pedro em prisão de segurança máxima, milhares de cristãos elevavam aos Céus suas orações a favor do apóstolo. Haviam escoltas de soldados guardando Pedro, mas havia um exército de oração intercedendo por ele.

A promessa da proteção divina aos que confiam no Senhor é uma das promessas que mais vezes aparece na Bíblia. O Salmo 91, para mim, é o texto bíblico que mais expressa esta verdade, e que se cumpriu na vida de Pedro. Enquanto deitado naquele lugar sombrio e intimidante, seu coração dizia: “Meu refúgio e meu baluarte, Deus meu em Quem confio” (Sl 91:2). Ao contemplar aquele ser celestial pensando se tratar de uma visão, lembrou: “Porque aos Seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem” (Sl 91:11). Então, sentiu as cadeias caindo de suas mãos e lembrou da promessa: “Pois Ele te livrará do laço do passarinheiro” (Sl 91:3). Ao caminhar por entre os sentinelas sem ser notado, sentiu a cobertura divina, cumprindo-se a promessa: “Cobrir-te-á com as Suas penas, e, sob Suas asas, estarás seguro” (Sl 91:4).

Ao caminhar pelas ruas escuras, sentia uma sensação de plena segurança. “Não te assustarás do terror noturno” (Sl 91:5). A sua confiança em Deus e as orações dos irmãos provaram ser as mais potentes ‘armas’ no grande conflito. Todos estamos envolvidos neste conflito cósmico que está com seus dias contados. Cada lágrima derramada, cada pedido de socorro, cada injustiça cometida, cada insanidade humana, é registrada no Céu como um arquivo que muito em breve será destruído. Pois Deus “enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram” (Ap 21:4).

Ao cair em si, Pedro percebeu que estava realmente livre e que Deus tinha enviado o Seu anjo para livrá-lo da morte certa. Ao chegar na casa de Maria, ele não sabia, mas ali estava acontecendo uma vigília em prol de sua vida. “Reconhecendo a voz de Pedro” (v.14), a alegria de Rode foi tão grande que, deixando-o do lado de fora, correu para dentro a fim de dar as boas-novas aos outros. E enquanto era taxada de louca, “Pedro continuava batendo” (v.16). E ao abrirem a porta, que grande surpresa! Era Pedro mesmo! Mas antes que pudessem gritar de alegria, Pedro fez “sinal com a mão para que se calassem” (v.17).

O destino final de Herodes, no entanto, nos confirma de que, assim como Deus comissiona anjos poderosos para proteger Seus filhos, também envia Seus anjos como justiceiros de Seu povo. Enquanto um anjo do Senhor foi enviado para libertar Pedro, “um anjo do Senhor” foi enviado para ferir a Herodes, que morreu “comido de vermes” (v.23). A morte de Herodes representa o fim de todos os que têm tomado para si a glória que só pertence a Deus, rejeitando a voz do Espírito Santo e engrandecendo a voz humana.

Não sabemos até quando a longanimidade de Deus se estenderá. Não sabemos a medida do cálice de Sua ira. Mas uma coisa deveríamos saber: “Quem é sábio, que entenda estas coisas; quem é prudente, que as saiba, porque os caminhos do Senhor são retos, e os justos andarão neles, mas os transgressores neles cairão” (Os 14:9). Que na reta final da história deste mundo, você e eu façamos parte dos “sete mil joelhos” (1Rs 19:18) que só se prostram perante “Aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas” (Ap 14:7) e que a voz do Espírito Santo nos conduza à eterna liberdade.

Feliz semana, exército de oração!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus
#Atos12
#RPSP


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: