Reavivados por Sua Palavra


Deuteronômio 30 by jquimelli
10 de janeiro de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

Moisés chega agora à conclusão do seu terceiro e último discurso. Mais uma vez ele apresenta o seu conhecido conselho, que é também um mandamento divino, dizendo: “hoje lhes ordeno que amem o Senhor, o seu Deus,” (Dt 30:16, NVI). Moisés ainda repete: “amem o Senhor, o seu Deus,” (v. 19).

O sistema do Antigo Testamento sempre foi um sistema espiritual e apresentava o amor a Deus como sendo a essência da religião. Infelizmente, as pessoas concentraram-se no “sistema” e não no Deus para o qual o sistema apontava. Quando Paulo proclamou que “o amor é o cumprimento da lei” (Romanos 13:10, NVI), estava apenas repetindo o ensinamento deste capítulo. Em sua essência, o amor se manifesta quando você e eu “imitamos a Deus” e “obedecemos a Sua voz.” A obediência às orientações de Deus para o nosso viver é uma evidência de que possuímos o amor verdadeiro.

Por fim, segundo Moisés, conhecer a lei de Deus é um privilégio. A lei possui autoridade para colocar um ponto final na busca incansável da humanidade, por um guia confiável, para uma vida bem sucedida.

Não precisamos tentar subir ao céu ou cruzar os oceanos a fim de encontrar sabedoria suficiente para nossas necessidades. Aqueles que consideram os mandamentos de Deus como um fardo cometem um erro, pois, na verdade, são instruções misericordiosas que nos conduzem à vida plena.

John Ash
União Missão Chinesa
Hong Kong

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/deut/30 e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra
Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/deut/30 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/deut/30/
Texto original expandido em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2012/10/16/
Tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Deuteronômio 30
Comentário em áudio
Leituras da semana programa Crede em Seus Profetas: Patriarcas e Profetas, cap. 2



DEUTERONÔMIO 30 – Comentário Pr. Heber Toth Armí by pastorheber
10 de janeiro de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

DEUTERONÔMIO 30 – Precisamos ser avivados, pois estamos muito desanimados com as coisas espirituais, e muito animados com as coisas que nos desviam do Céu.

· O pecado custa muito caro, seu fim é a morte.

Estamos indo como boiada para o matadouro, ao precipício. Deus, porém, pretendo desviar-nos deste destino, agiu miraculosamente, revelando milagrosamente o caminho da salvação, o caminho da vida. Além disso, o Salvador não mede esforços para incentivar-nos a fazer a melhor das escolhas para evitar a pior das tragédias.

Suas promessas são alento ao aflito, alcançam ao pobre e ao rico, aos doentes e saudáveis… Pela fé, todos podem beneficiar-se delas, sem custo algum. Em nossa caminhada louca nesta vida corrida, Deus tenta chamar nossa atenção ao Seu espetacular plano de vida eterna. Ignorá-lO implica preferir à morte e o sofrimento em detrimento à vida e à felicidade eterna.

Este capítulo intitulado “Chamado a tomar uma decisão: Vida e bênção ou morte e maldição” por Peter C. Craigie, é o final dos sermões de Moisés. Ele prega/escreve inspirado pelo Espírito Santo, estando à beira da morte. Lidara com o povo de Deus por duros 40 anos no deserto. Ele não mediu esforços para apelar ao coração dos ouvintes.

· Primeiramente, Moisés deixa bem claro as bênçãos existentes de voltar-se para Deus com todo coração; ele enfatiza as promessas divinas baseadas na infinita misericórdia divina (vs. 1-10)

· Em seguida, demonstra que o ideal de Deus não é um padrão inatingível, inacessível, impossível de praticar diariamente – isso nunca deveria ser desculpa para nossos pecados (vs. 11-14);

· Finalmente, o sermão apresenta dois caminhos, da vida e da morte; e, apela veementemente aos ouvintes a darem preferência ao caminho da vida (vs. 15-20).

Atualmente nosso compromisso espiritual concretiza-se no tanque batismal. A partir daí cabe a nós perseverar diariamente até o dia final, quando daremos adeus a este mundo e receberemos de Deus as boas-vindas, na Canaã Celestial.

A palavra “HOJE” aparece sete vezes no texto: Hoje é dia de decidir. Em relação à salvação, Deus nunca pediu-nos para decidir amanhã. Pois, pode ser muito tarde!

Então, valorize esta oportunidade. Não ignore-a; aceite-a!

“Senhor, aviva-nos. Dá-nos poder para termos mais paixão por praticar Tua Palavra e mais amor pelas almas por quem Cristo entregou Sua vida…” – Heber Toth Armí.



Deuteronômio 30 – Comentários selecionados by jquimelli
10 de janeiro de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

1 Quando, pois, todas estas coisas vierem sobre ti. As bênçãos e maldições eram condicionais. As maldições poderiam ser evitadas. Mas Moisés disse que elas se cumpririam porque os israelitas se desviariam de sua lealdade a Deus no futuro. De tafo, as bênçãos e maldições do cap. 28 soam como uma profecia sobre o aconteceria no resto do Antigo Testamento (ver especialmente o livro de Juízes). Andrews Study Bible.

se te recordares dela. Literalmente, “trazê-las de volta ao coração”. A mesma expressão ocorre em 1 Reis 8:47. Como passo preliminar para a restauração do favor de Yahweh, os israelitas teriam de meditar nas causas de seu exílio e na sua relação com Deus (ver Lv 26:40; Dt 4:29, 30). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 1166.

e tornares. Também devia haver abandono do pecado e retorno à adoração de Yahweh (ver Ne 1:8, 9). A sinceridade seria refletida na obediência. CBASD, vol. 1, p. 1166.

de todo o teu coração e de toda a tua alma. Moisés referiu-se de novo ao grande mandamento de Dt 6.5, apegando-se à esperança do arrependimento onde houvera apostasia e julgamento. Bíblia de Genebra.

ajuntará, de novo. O retorno do exílio babilônico começou com Zorobabel. Mas esse retorno tipificou outra restauração. Bíblia Shedd.

O mais importante não é uma libertação do cativeiro físico, mas sim libertação do cativeiro do pecado (ver Sl 4:14; Jr 3:22; 17:14; Os 14:4; Mt 13:15). CBASD, vol. 1, p. 1166.

extremidade dos céus. O profeta Neemias menciona a promessa deste versículo (Ne 1:8, 9; ver ainda Dt 4:32; Sl 19:4;Is 13:5). Yahweh não desprezaria Seu povo; nunca os havia rejeitado como indivíduos. O castigo seria a dispersão. O castigo divino sempre tem objetivo particular. Uma vez atingido o objetivo, Deus Se volta para Seu filho e oferece restauração e a ajuda necessária para alcançá-la (ver Jó 23:10; Os 6:1-3; Hb 12:11). CBASD, vol. 1, p. 1166.

e te fará bem. Ver em Jeremias 32:42, 43 como o Senhor propôs cumprir esta promessa. CBASD, vol. 1, p. 1166.

circuncidará o teu coração. Comparar com Lv 26:41; Jr 31:33. Circuncidar o coração significa avivar a percepção espiritual e tornar a consciência sensível. CBASD, vol. 1, p. 1166.

O SENHOR… porá todas estas maldições. O arrependimento genuíno reverte a maldição que segue a rebeldia. Não existe separação tão grande e tão profunda entre Deus e o pecador que não possa ser estreitada imediatamente quando o pecador se volta para o Senhor. A alegria de Deus é completa quando o pecador se arrepende, pois as bênçãos do Céu podem ser derramadas. Só o pecador persistente sofrerá a maldição do pecado. CBASD, vol. 1, p. 1166.

De novo, pois (ARA; AA: “Tu te tornarás”). Refazer o caminho trilhado, como quando se volta de uma viagem. A expressão é usada com frequência de forma figurada para retratar quem se volta para Deus em humilde arrependimento (ver Is 10:21; 19:22; Jr 4:1; 15:19; 18:11; Ez 18:23; etc.). CBASD, vol. 1, p. 1166.

O SENHOR, teu Deus, te dará abundância. Quando alguém ama a Deus e obedece á Sua vontade (ver Jo 14:15) porque tem prazer nos Seus mandamentos (ver 1Jo 5:3), os princípios divinos são entesourados em seu coração (ver Sl 40:8). Isso permite que Deus fortaleça a alma e a vida dessa pessoa e lhe acrescente bênçãos materiais (ver Dt 28:63; Jr 32:41; Mt 6:33). CBASD, vol. 1, p. 1166.

10 As bênçãos da aliança renovada serão inseparáveis da obediência do remanescente restaurado do povo aos mandamentos do Senhor (cf. p. ex., Mt 7.21), mas essa obediência não servirá de base. A obediência a Cristo, que é a vitória sobre o pecado, da qual o remanescente pela fé compartilhará, é a única base meritória de tais bênçãos. Bíblia de Genebra.

neste Livro da LeiTorah, a vontade de Deus revelada. CBASD, vol. 1, p. 1166.

11-20 O objetivo imediato dessa passagem é animar o povo lembrando-lhe que todas as coisas necessárias para uma vida santa estão ao seu alcance. Paulo se refere a ela com a mesma finalidade (Rm 10.6). O amor e a graça de Deus não estão escondidos, como mistérios ocultos poderiam estar. Para obtê-los não há necessidade de empreender uma longa e perigosa viagem como a que fizeram os magos do Oriente para chegar à manjedoura em Belém. O Verbo de Deus, que é outro nome para o Senhor, está muito perto de nós. Basta-nos levantar o coração para Ele, com simples fé, e confessá-lo como nosso Salvador e Senhor, e já temos a garantia da salvação do castigo e do domínio do pecado. Comentário Bíblico Devocional Velho Testamento, Ed. Betânia. F. B. Meyer.

12, 14 Paulo aplica essa passagem à disponibilidade da “palavra da fé” (Rm 10.6-10). Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 Quem subirá por nós aos céus…? É possível que os v. 12 e 13 citem um provérbio. O significado é que não se exige da pessoa realizar tarefa sobre-humana, fazer jornada longa e penosa, subir aos céus a fim de entender a vontade de Deus. O Senhor revelou claramente Suas intenções para Israel, por meio de Seu profeta Moisés. Seus justos mandamentos foram escritos; o ser humano estava plenamente informado sobre eles. Comparar com o argumento do apóstolo Paulo (Rm 10:5-13*). CBASD, vol. 1, p. 1167.

14 esta palavra está mui perto de ti. Paulo argumentou que Deus conscientiza as pessoas acerca de Sua vontade (At 20:26, 27; Fl 1:8). CBASD, vol. 1, p. 1167.

15 Vê que proponho. Moisés requereu uma tomada de decisão. Existem dois caminhos: o da vida e da morte, a bênção de Deus ou o julgamento certo. Josué apresentou as mesmas alternativas (Js 24.15) e Jesus, maior do que Moisés ou Josué, conclamou os Seus discípulos a seguirem a vereda estreita que leva à vida (Mt 7.13-14). Bíblia de Genebra.

19 céus e a terra… por testemunhas. A aliança tipica na antiguidade fora do AT continha uma lista de deuses que serviam de “testemunhas” das suas estipulações. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Na aliança bíblica, a criação de Deus [os mundos não caídos] foi chamada para testemunhar contra Seu povo. Bíblia de Genebra.

20 disto depende a tua vida. Propriamente, “esta é tua vida”, isto é, amar a Deus. Levar uma vida inspirada e dirigida pelo amor de Deus é herdar a vida eterna. As possibilidades de vida para todo ser humano se reduzem a duas: uma é amar a Deus com todas as forças. O resultado final é vida plena, que herda a imortalidade. Outra alternativa é desacatar a boa vontade de Deus, dedicando a vida às coisas desta terra. Uma vida gasta dessa forma conduz à morte eterna. Essas alternativas são uma exortação a todos.  CBASD, vol. 1, p. 1167.

A vida não é a mera extensão dos dias. Consiste em amar, obedecer e apegar-se ao Senhor, em lugar de seguir os caminhos idólatras. Bíblia Shedd.

Em 32.46, 47 é declarado que todas as palavras desta lei é a vida deles. A lei, o Senhor e a vida estão vinculados entre si. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Deus sustém a vida que Ele criou. Andrews Study Bible.

Moisés desafiou Israel a escolher a vida, a obedecer a Deus e, portanto, continuar a experimentar Suas bênçãos. Deus não força Sua vontade a ninguém. Ele nos deixa decidir se iremos segui-Lo ou rejeitá-Lo.Esta decisão, contudo, é uma questão de vida ou morte. Deus quer que saibamos isso, porque gostaria que todos escolhêssemos a vida. Diariamente, em cada situação, devemos afirmar e reforçar este comprometimentoLife Application Study Bible.

Aqui termina o quarto discurso de Moisés. CBASD, vol. 1, p. 1167.

 

* Rm 10:5-13:

5 Moisés descreve desta forma a justiça que vem da Lei: “O homem que fizer estas coisas viverá por meio delas” .

6 Mas a justiça que vem da fé diz: Não diga em seu coração: “Quem subirá aos céus?” (isto é, para fazer Cristo descer)

7 ou “Quem descerá ao abismo?” (isto é, para fazer Cristo subir dentre os mortos).

8 Mas o que ela diz? “A palavra está perto de você; está em sua boca e em seu coração”, isto é, a palavra da fé que estamos proclamando:

9 Se você confessar com a sua boca que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo.

10 Pois com o coração se crê para justiça, e com a boca se confessa para salvação.

11 Como diz a Escritura: “Todo o que nele confia jamais será envergonhado”.

12 Não há diferença entre judeus e gentios, pois o mesmo Senhor é Senhor de todos e abençoa ricamente todos os que o invocam,

13 porque “todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”.

 




%d blogueiros gostam disto: