Reavivados por Sua Palavra


Deuteronômio 29 by jquimelli
9 de janeiro de 2016, 1:00
Filed under: Sem categoria

Comentário devocional:

A maior parte do povo que participara da aliança original no Sinai morrera no deserto. A geração da incredulidade havia morrido e agora era a oportunidade para surgir uma geração de fé. Então, Moisés está aqui basicamente renovando a aliança, com um novo grupo de pessoas.

Israel vira grandes maravilhas vindas da mão de Deus, desde a saída do Egito. Os mais velhos de agora [no máximo 60 anos] eram crianças naquela época e tinham visto [enquanto jovens] as pragas, a morte dos primogênitos, a abertura do Mar Vermelho e a destruição dos exércitos egípcios. E todos eles testemunharam as vitórias obtidas pela oração no deserto,milagre após milagre.

Mas, os maiores milagres não seriam capazes de produzir mudanças, se Deus não enviasse o Seu Espírito para mudar os corações das pessoas e se elas não se submetessem à Sua direção.

Algumas pessoas hoje pensam que a maior ajuda para o evangelismo seria termos mais eventos milagrosos. Afinal, quem não creria diante de tais manifestações de poder espiritual?

Mas testemunhar grandes maravilhas não realiza nada sem o trabalho sobrenatural de Deus no coração e a aceitação das pessoas em ser ensinadas.

John Ash
União Missão Chinesa
Hong Kong

Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/deut/29 e https://www.facebook.com/ReavivadosPorSuaPalavra
Texto original: http://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/deut/29 e http://revivedbyhisword.org/en/bible/deut/29/
Texto original expandido em: https://reavivadosporsuapalavra.org/2012/10/15/
Tradução: Jeferson Quimelli/Pr Jobson Santos/Gisele Quimelli
Texto bíblico: Deuteronômio 29
Comentário em áudio
Leituras da semana programa Crede em Seus Profetas: Patriarcas e Profetas, cap. 1



DEUTERONÔMIO 29 – Comentário pr Heber Toth Armí by jquimelli
9 de janeiro de 2016, 0:45
Filed under: Sem categoria

DEUTERONÔMIO 29 – Nossas escolhas revelam se somos sábios ou ignorantes. Muitos vivem como animais, não pensam antes de agir. Parecem viver por instinto. Agem, depois pensam; se arrependem, mas é tarde demais.

• As consequências de más escolhas não levam em consideração nossa ignorância.

Os filhos inocentes sofrem por causa de pais displicentes. Muitos culpados e causadores dos próprios sofrimentos questionam Deus por permitir tamanha desgraça pela qual vivem. Outros tentam transferir sua culpa: Aos pais, governo, igreja e/ou a Deus, pelas irresponsabilidades vividas irrefletidamente!

De acordo com este sermão de Moisés, precisamos considerar…

1. As ações de Deus em nossa vida: Moisés reflete o que Deus fez a Israel desde o êxodo até a chegada aos campos de Moabe (vs. 1-8);
2. O compromisso de Deus conosco baseado na graça, não em méritos: Moisés reafirma o significado gracioso da aliança entre Deus e Seu povo antes de entrar na Terra Prometida (vs. 9-15);
3. As consequências de negligenciar as advertências de Deus: Moisés apresenta o que ocorreria aos que negligenciassem a Deus após entrarem em Canaã (vs. 16-29).

Cada um de nós tem capacidade de escolher sabiamente. Não precisamos viver por instinto, a não ser que não queiramos pagar o preço de buscar sabedoria em Deus. Mas, é importante saber que podemos pagar o preço de nossa negligência – o que é pior!

Cada um de nós sempre terá opções de escolhas, ainda que estejamos em uma prisão. Nosso coração e mente, e até mesmo nossas ações e reações podem ser submetidos a Deus ou ao diabo – a escolha é nossa!

Cada um de nós tem liberdade de obedecer ou desobedecer a Deus. Ninguém é obrigado a nada; por isso, Deus precisou insistir tanto, e revelar os prós e os contra de cada uma das opções disponíveis.

Sugestões:

• Antes de qualquer decisão, considere com atenção as nobres alternativas – assim escolherás bem!
• Antes de fazer qualquer escolha, considere o que a Bíblia diz – assim tomarás as mais nobres decisões de tua vida!

A Bíblia (v. 29)…

1. …Não é tudo o que Deus sabe – não devemos bisbilhotar/especular o que não foi revelado!
2. …É revelação daquilo que é útil para nosso bem – devemos estudar, praticar e transmitir aos filhos seus ensinamentos!

“Senhor, reaviva-nos por Sua Palavra!” – Heber Toth Armí.



Deuteronômio 29 – Comentários selecionados by jquimelli
9 de janeiro de 2016, 0:30
Filed under: Sem categoria

29:2 – 30:20 O terceiro discurso de Moisés exorta os israelitas a aceitar e manter os termos da aliança feita com eles na fronteira da terra prometida. Andrews Study Bible.

Além da aliança que fizera com eles em Horebe. Não outra além da que foi feita no Sinai, mas sim uma reafirmação dela. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 1163.

A aliança na terra de Moabe é a mesma que foi feita antes, em Horebe, com certas modificações devidas às novas circunstâncias. É distinta e nova, porém, no sentido que agora foi feita com uma nova geração. Bíblia Shedd.

Ao chamar isso de uma renovação da aliança do Sinai, devemos lembrar que a aliança era a mesma, mas não o povo. Todos os homens com mais de vinte anos de idade tinham perecido no deserto. Muitas das pessoas com menos de vinte anos então, agora entre os quarenta e os sessenta anos de idade, tinham visto os grandes acontecimentos, entretanto sem tomar parte deles. Agora eles também deviam afirmar aliança. Bíblia de Genebra.

No Monte Sinai, 40 anos antes, Deus e Israel estabeleceram uma aliança (Êx 19, 20). Apesar da aliança ser composta de várias partes (nos livros de Êxodos, Levítico e Números), seu propósito pode ser resumido em duas sentenças: Deus prometeu abençoar os israelitas em torná-los a nação através da qual o mundo poderia conhecer Deus. Por seu lado, os israelitas prometeram amar e obedecer a Deus para que recebessem bênçãos físicas e espirituais. Aqui Moisés revisa esta aliança. Deus ainda estava cumprindo sua parte no acordo (como sempre), mas os israelitas estavam negligenciando a sua parte. Moisés reapresentou a aliança para advertir o povo de que se eles não observassem sua parte do acordo, experimentariam disciplina severa. Life Application Study Bible Kingsway.

na terra de Moabe. Israel ainda estava acampado no mesmo local mencionado em Deuteronômio 1:5. CBASD, vol. 1, p. 1163.

o SENHOR não vos deu coração para entender. Positivamente, Deus não provoca a rebelião do homem contra Si, mas Ele conformou o oração do homem de tal maneira que, cada vez que este se recusa a fazer a vontade de Deus, torna-se menos sensível à próxima chamada ou mandamento. A consciência, assim, torna-se menos acessível, e o coração vai-se endurecendo. Bíblia Shedd.

Paulo combinou este versículo com Is 29.10 e aplica ambos os versículos aos judeus de seus dias (p. ex., 1.30; 4.20, 34; 5.6; 11.2-7). Bíblia de Genebra.

Quarenta anos. A preservação especial de roupas foi mencionada em 8.4. O fato adicional dado aqui é que eles não beberam nem vinho nem qualquer outra bebida fermentada, visto que não havia uvas no deserto. Eles também não tinham pães, mas Deus lhes supriu com o maná. Bíblia de Genebra.

Pão não comestes e não bebestes vinho nem bebida forte. Eles não semearam nem ceifaram, e, portanto, não tiveram colheitas. CBASD, vol. 1, p. 1163.

Israel tinha vivido do maná e de água miraculosamente providos por Deus (Êx 16-17). Andrews Study Bible.

15 e também com aquele que não está aqui. A aliança incluiria todas as gerações futuras. CBASD, vol. 1, p. 1164.

17 vistes as suas abominações. Propriamente, “suas coisas detestáveis”, isto é, tudo o que pertence ao culto e aos costumes pagãos. CBASD, vol. 1, p. 1164.

18 não haja entre vós raiz que produza erva venenosa e amarga. A idolatria seria como uma raiz a produzir fruto amargo, cf v 22-28. Bíblia Shedd.

A aplicação dessa passagem a qualquer homem que careça da graça de Deus, mostra que a tendência para a idolatria tem sua raiz na apostasia do coração. Comentário Bíblico Devocional Velho Testamento, Ed Betânia. F. B. Meyer.

Moisés advertiu que no dia em que os hebreus escolhessem se desviar de Deus, uma raiz seria plantada que produziria frutos amargos [e venenosos] (ver Hb 12:15). Quando decidimos fazer aquilo que sabemos que é errado, plantamos uma semente do mal que começa a crescer fora de controle, eventualmente produzindo uma colheita de tristeza e sofrimento. Mas podemos evitar que estas sementes de pecado lancem raízes. Se você fez algo errado, confesse-o a Deus e aos outros imediatamente. Se a semente nunca encontra solo fértil seu fruto amargo nunca será colhido. Life Application Study Bible Kingsway.

19 Terei paz. Isto é, tentar se convencer, por um processo de racionalização, que nenhuma das maldições cairá sobre a pessoa, mas que desfrutará as “boas coisas da vida”. CBASD, vol. 1, p. 1164.

O idólatra conhece a seriedade de sua ofensa, mas acha que pode pecar impunemente. Bíblia Shedd.

acrescentar à sede a bebedice. Provavelmente uma expressão proverbial. O sentido é que, embora a idolatria começasse em pequena escala, se propagaria e resultaria na ruína de todo o povo. Bíblia Shedd.

Provavelmente seja um provérbio que indica a destruição de muitos que foram mal influenciados por outros. CBASD, vol. 1, p. 1164.

20 O Senhor não lhe quererá perdoar. Não deve ser interpretado de modo contraditório a 2Pe 3.9 (“não querendo que ninguém pereça”). Pedro também diz que os que negam o “Soberano” trazem “sobre si mesmos repentina destruição” (2Pe 2.1). Bíblia de Estudo NVI Vida.

23 a destruição de … Admá e de Zeboim. Cidades que se localizavam perto de Sodoma e Gomorra (cf Gn 14.2) e partilharam de sua mesma sorte. A dramática destruição daquelas cidades servia de horrível memória do juízo divino, cf Os 11.8. Bíblia Shedd.

25 desprezaram a aliança. Ver 1Rs 19:10, 14; Jr 22:9. Por centenas de anos, a terra da Palestina tem sido testemunha da maldição divina. Há muito que a maior parte do país é um deserto árido. Isso aconteceu à terra por causa da apostasia da nação judaica, que abandonou a aliança. As pessoas se surpreendem que uma terra tão inóspita como a Palestina possa ter sido descrita um dia como terra que “mana leite e mel” (Êx 3.8, etc.; ver com de Gn 12:6). CBASD, vol. 1, p. 1164.

28 O SENHOR os arrancou. A perda de Canaã não foi resultado de circunstâncias ocorridas por acaso. Israel foi “arrancado” por Deus. CBASD, vol. 1, p. 1164.

29 As coisas encobertas. Moisés enfrentava aqui o futuro incerto da nação de Israel, lembrando-se da sua inconstância e de como eles se voltaram para o bezerro de ouro em Horebe (Êx 32). Nessa incerteza, Moisés entregou o futuro incerto nas mãos de seu Deus fidedigno. Bíblia de Genebra.

Os acontecimentos ocultos do futuro de Israel, em relação às bênçãos e às maldições; mas a expressão pode também ter uma aplicação mais ampla. Bíblia de Estudo NVI Vida.

Há mistérios divinos que vão além da compreensão humana. Mas o que precisamos saber nos foi revelado, e a isto devemos dar a nossa atenção. Bíblia Shedd.

O povo de Deus é responsável em ponderar, ensinar e seguir o que Deus revelou. Não precisa se preocupar em especulações vazias a respeito das coisas secretas que Ele não revelou (comparar 1Tm 1:4). Andrews Study Bible.




%d blogueiros gostam disto: