Reavivados por Sua Palavra


II Samuel 17 – sexta, 25.01.2013 by Jeferson Quimelli
24 de janeiro de 2013, 23:29
Filed under: Sem categoria
Texto bíblico à II Samuel 17

Texto de hoje do blog da Bíblia:

Os fatos do capítulo de hoje ocorreram em um tempo em que as pessoas colocavam o conselho de um homem em posição de igualdade com a palavra de Deus (2Sm 16:23). Quando Aitofel falava, as pessoas sempre pensavam que isto era um bom conselho (versículo 14), e foi dessa maneira que Absalão e todos os anciãos de Israel pensaram. Este capítulo contém vários eventos que chocam. O primeiro deles é o conselho do ex-assessor de rei Davi para que Absalão mate o rei (v. 2)! O segundo evento chocante é que este decreto de morte ao rei agradou tanto a Absalão quanto aos anciãos (v. 4). Anciãos são normalmente pessoas experientes. Surpreende como estava prejudicado o seu julgamento que se esperava sóbrio e sensato.

Assim como acontece com as ditaduras também acontece com as monarquias, ou seja, opositores e partidos de oposição não são tolerados. Essas pessoas devem ser mortas, mesmo que isso signifique matar o próprio pai, como no caso de Davi. Mas Davi tinha uma rede de espionagem montada por ele, baseada na permanência de Husai no palácio. Ele deveria obter informações e repassá-las aos sacerdotes Zadoque e Abiatar, que enviariam estas informações através de uma criada aos seus filhos, Jônatas e Aimaás. Eles as levariam a Davi (versos 15-18).

Husai foi então chamado por Absalão para ouvir se o plano de Aitofel era bom ou não. Husai discordou publicamente, destacando que Davi era um general guerreiro experiente e que o plano não funcionaria. Agora vem o terceiro evento surpreendente: Absalão e os homens de Israel, de forma imprevisível, acharam tão razoável o discurso de Husai, que mudaram sua forma de pensar e apoiaram Husai, o homem leal de Davi, contra Aitofel, o rebelde contra Davi. Neste ponto a superstição influenciou no julgamento, pois julgaram que os “bons conselhos” de Aitofel haviam sido ordenados pelo Senhor para trazer desgraça a Absalão. Para se opor ao conselho do Senhor (na visão deles), eles decidem seguir Husai e não Aitofel (v. 14).


Jônatas e Aimaás arriscaram suas vidas para avisar a Davi que ele deveria fugir e atravessar o rio Jordão. Davi e o povo de Israel que estava com ele se levantaram de noite e cruzaram o Jordão. Ao amanhecer estavam todos do outro lado (v. 22). O próximo evento chocante foi a reação de Aitofel quando ele viu que o povo não seguiu seu conselho. Ele tinha o peso da contrariedade (por seu conselho não ter sido seguido) e da condenação (consequência da vitória certa de Davi) em seus ombros e sofreu, assim, o resultado final de sua personalidade manipuladora e dominadora. Assim, ele cometeu suicídio (v. 23) (Note que suicídios não resolvem os problemas; apenas trazem choro e meses e anos de tristeza para aqueles que conheciam a pessoa).

Por fim, ficamos chocados ao saber que Absalão escolheu como general do seu exército a Amasa, que era sobrinho de Joabe, o general do exército de Davi.

Querido Deus
Nós, também, ficamos chocados, de tempos em tempos, por aqueles que nos rodeiam. Quando olhamos para dentro de nós mesmos, oramos para que retires de nós o espírito de manipulação, de controle sobre outros, de violência, do assassinato do espírito de livre escolha de outros. Mantenha nossos olhos sempre fixos em Ti, para que não confundamos os nossos julgamentos, que podem levar outros a ficarem chocados com nossos atos. Em nome de Jesus nós oramos,

Amém.

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul
Trad GASQ – Rev JAQ


Comentários bíblicos selecionados:


1. Aitofel. Conselheiro de Davi (16.23; 1 Cr 27.33), passou para o lado de Absalão. Bate-Seba era a sua neta (11.3; 23.34) e ele não podia perdoar a Davi o crime de ter seduzido à mesma e de ter morto o seu marido, Urias (Bíblia Shedd).


2 Enquanto está cansado. A essa altura Davi mal tinha tido tempo de chegar ao Jordão, e, uma vez que seus seguidores ainda não estavam completamente organizados, ele teria sido presa fácil para as forças de Absalão (CBASD-Comentário Bíblico Adventista do 7º Dia, vol. 2, p. 738).

Fugirá. Aitofel estava correto em sua estimativa da situação. Um ataque repentino à noite os deixaria em confusão e os espalharia em todas as direções. Dessa forma, poderiam ser evitadas as baixas de uma batalha em que as tropas estivessem organizadas, e Davi poderia ser capturado e morto sem praticamente nenhuma perda de homens em qualquer dos dois lados (Idem).

7-13 Os conselhos de Husai aproveitam, de modo sutil, a incerteza de Absalão, seu medo e seu egoísmo (Bíblia de Estudo Vida).


8 Bem conheces teu pai. Husai não se achava numa posição fácil. […] era necessário desviar a atenção dos fatos e fazer com que a situação parecesse totalmente diferente do que era. […] Portanto, ele chamou a atenção para Davi como o famoso guerreiro do passado, o tipo de homem que Israel amava e que outras nações temiam. […] O quadro que Husai pintou diante de Absalão criou na mente dele a imagem de um inimigo formidável: astuto e alerta, ousado e desafiador, sempre preparado para qualquer eventualidade. […] Seu discurso foi astuciosamente adaptado para engendrar medo no jactancioso, mas fraco filho de Davi (CBASD, vol. 2, p. 739).


10 cujo coração é como o de leões. Um símbolo de grande coragem. A fala de Husai é de excelente qualidade literária (Andrews Study Bible).

11 Eu, porém, aconselho. A sugestão era que eles tirassem o tempo necessário para reunir todo o Israel num grande e invencível exército e que Absalão assumisse seu comando pessoalmente. Esse era o tipo de argumento que agradava Absalão. Orgulhoso e vaidoso, o novo rei ficaria feliz em sair para a guerra à frente de suas tropas, marchando em pomposa majestade, sendo visto e admirado por todos e recebendo os aplausos de toda a nação. Nenhuma outra proposta conseguiria mexer tanto com a imaginação do rei. Além disso, talvez Husai tenha procurado criar uma brecha entre Absalão e Aitofel ao sugerir que Aitofel buscava os próprios interesses e glória particular ao desejar comandar as tropas (v. 1). Quão mais apropriado e eficiente seria que o próprio Absalão liderasse o exército vencedor!  (CBASD, vol. 2, p. 739, 740).

Desde Dã até Berseba. Significa “toda a nação de Israel” (Andrews Study Bible) [Dã era a tribo mais ao norte e Berseba, a cidade mais ao sul].

12 Atacaremos […] cairemos. Com a primeira pessoa do plural, Husai toma o cuidado de se vincular com a revolta (Bíblia de Estudo Vida).


17 Rogel (Fonte de Rogel). Um poço do Vale do Cedrom, próximo aos muros da cidade de Jerusalém (Andrews Study Bible).

Fica na parte sudeste da cidade, conhecida como a Fonte da Virgem, a atual Fonte de Jó (Bíblia Shedd).
Uma serva. Nenhuma suspeita seria despertada por uma serva indo até a fonte buscar água (Bíblia de Estudo Vida).

22 Quando amanheceu. Davi e seus homens estavam cansados da fuga repentina e tinham tido pouca oportunidade de repouso. Naquela mesma noite estavam novamente a caminho, atravessando o Jordão e colocando uma barreira de água entre si e o exército de Absalão. […] Quando as circunstâncias pareciam mais sombrias, Davi colocou sua confiança em Deus, sabendo que o Senhor, que até então o havia sustentado não o abandonaria. O Salmo 3 descreve suas reações ante essa penosa situação (CBASD, vol. 2, p. 741).


23 Foi para casa. Gilo (2Sm 15:12), que ficava perto de Hebrom. Ele considerou a rejeição de seu conselho como uma afronta pessoal, pois pediu para comandar as tropas que perseguiriam Davi (v. 1), enquanto que Husai aconselhou que as tropas fossem comandadas pessoalmente por Absalão (v. 11). Com o orgulho profundamente ferido, Aitofel abandonou a causa que havia apoiado (CBASD, vol. 2, p. 741).


24 Maanaim. Ironicamente, o mesmo lugar onde Isbosete tinha buscado refúgio depois da morte de Saul (2.8) (Bíblia de Estudo Vida).

Passado o Jordão. Logo que Absalão reuniu as forças de Israel, cruzou o Jordão com um grande exército em perseguição a Davi. O conselho de Husai, contudo, havia conseguido seu objetivo, pois deu tempo para Davi escapar e se estabelecer nesse novo quartel-general. Nessas regiões desérticas e acidentadas da Transjordânia, o tamanho do exército de Absalão era mais um problema do que uma ajuda, pois os soldados eram indisciplinados e mal treinados. Em sua pressa e inexperiência, contudo, Absalão continuou avançando, ansioso por travar com Davia a batalha que, segundo ele, lhe daria o reino (CBASD, vol. 2, p. 742).


II Samuel 16 – O sofrimento como bênção by Jeferson Quimelli
24 de janeiro de 2013, 8:55
Filed under: Sem categoria

O exílio, para Davi, foi uma bênção. Escreveu os Salmos 3, 4, 27, 41, 55, 61, 62, 63, um tesouro espiritual e literário. Ainda aprendeu a:

1) Humilhar-se;
“Sara a minha alma, porque pequei contra Ti” (Sl. 41.4); confessando os seus pecados, passou por um avivamento espiritual;
2) Confiar no Senhor somente;
“Só Ele é a minha rocha e a minha salvação” (Sl 62.1-2);
3) Não se irar inutilmente;
“Irai-vos e não pequeis” (Sl 4.4); o que Davi não tinha aprendido em 2 Sm 14.24. A resposta para o tipo de ofensas de Simei (16.5-8) é “consultar o coração no travesseiro” (Sl 4.4);
4) Louvar a Deus no sofrimento;
“Bendito seja o Senhor” (Sl. 41.13); todos louvam a Deus na alegria e na fartura, mas quase nunca na penúria e no sofrimento;
5) Amar a casa do Senhor (Sl 27.4-6);
6) Deixar a vingança com o Senhor.
“A Ti, Senhor, pertence a graça; pois a cada um retribuis segundo as Suas obras” (Sl 62.12). 
(Bíblia Shedd).



%d blogueiros gostam disto: