Reavivados por Sua Palavra


II Samuel 14 – terça, 22.01.2013 by Jeferson Quimelli
21 de janeiro de 2013, 23:02
Filed under: Sem categoria
Texto bíblico à II Samuel 14
Texto de hoje do blog da Bíblia:
Lembra-se da história comovente de Jesus sobre o filho pródigo relatada em Lucas 15:11-32? No Antigo Testamento, em 2 Samuel 14, encontramos um evento paralelo com  algumas semelhanças e algumas diferenças significativas
Absalão matou a seu irmão Amnom em um assassinato e teve que fugir para Gesur e lá viveu por três anos. O texto bíblico conta que Davi sentiu muito a sua falta (v. 1), mas ainda o mantinha à distância por haver ele matado seu primogênito. Joabe planejou mudar a atitude de Davi em relação a Absalão enviando uma mulher sábia para enganá-lo. Ela fingiu muita tristeza porque tinha dois filhos que haviam brigado e um deles morreu pela mão do outro. Agora, seus parentes queriam matar o outro também e deixá-la sem um futuro. Ela pediu ajuda a Davi sobre esta questão. Ele prometeu-lhe que nada aconteceria ao rapaz restante mas ela insistiu que queria mais ainda. Ela queria que Davi prometesse isso em nome do Senhor. E foi o que Davi fez. Então, ela lhe perguntou por que o rei não havia procedido assim com Absalão.
Ela, então, proferiu um pensamento de muita sabedoria: “Deus não tira a vida; ao contrário, cria meio para que o banido não permaneça afastado dEle” (v. 14 NVI). O que ela disse era a mais pura verdade e a essência do Evangelho. O Deus que ela descreveu e o Deus que Davi conhecia e por quem tinha sido perdoado eram o mesmo; sendo assim, o rei não poderia continuar rejeitando e banindo a seu filho Absalão.  
Davi então percebeu que alguém a colocara ali para dizer todas essas coisas e ele suspeitou de Joabe. Ela, de maneira honesta, confirmou isto. Deus estava falando através da mulher para mudar o coração de Davi. Então, ele chamou  Joabe e ordenou-lhe que buscasse Absalão e o trouxesse de volta. Joabe foi e trouxe Absalão de volta, mas o rei determinou que ele não viesse ao palácio, mas que ficasse em sua própria casa, onde efetivamente ficou por dois anos. Haviam agora se passado cinco anos desde que Davi havia visto o filho pela última vez.
Absalão desejava ver a Davi e pediu para Joabe organizar o encontro. Mas Joabe não veio. Ele o chamou uma segunda vez, mas Joabe não quis vir. Absalão estava muito ansioso para ver seu pai, tanto que ele fez uma coisa estranha para chamar a atenção de Joabe: ele incendiou o campo vizinho, que pertencia a Joabe. O que notamos é que o crime de assassinato premeditado teve um filho, ou seja, resultou em outro mandamento quebrado: tratar a propriedade de seu vizinho como se fosse sua.
Joabe agora faz algo para que pai e filho se reconciliem. Quando Joabe contou a Davi do pedido de Absalão para vê-lo, “chamou o rei a Absalão” (v. 33). O filho pródigo, depois de cinco anos de separação “veio e se prostrou com o rosto em terra diante do rei”, em atitude que ele não era digno de ser chamado de seu filho. A reação de Davi foi semelhante à do pai do filho pródigo: “O rei beijou a Absalão”. A reconciliação é algo divino.  
Querido Deus,
Também precisamos de reconciliação, contigo e com nossos semelhantes, homens e mulheres. No dia de hoje queremos, com a Tua ajuda, nos empenhar para promover a paz em todas as montanhas e colinas, em cada cidade e em cada aldeia e, acima de tudo, em nossos corações. Amém.
Koot van Wyk
Kyungpook Universidade Nacional
Sangju, Coréia do Sul

Trad JAD – Ver JDS


[NT: A reconciliação foi boa e necessária, mas superficial. E por não ter sido profunda, gerou resultados trágicos, como veremos no capítulo de amanhã. Os cinco anos de banimento haviam semeado rancores de amarga colheita…]




%d blogueiros gostam disto: