Reavivados por Sua Palavra


Hoje leremos III João! by jquimelli
26 de junho de 2015, 2:00
Filed under: Estudo devocional da Bíblia, heresias, igreja | Tags: , ,

Que bênção podermos ler hoje a terceira carta de João, breve mas muito significativa!

Desfrute dessa carta escrita por João na sua velhice, inspirada por Deus para nossa edificação!

 



III João by jquimelli
26 de junho de 2015, 1:00
Filed under: companheirismo, relacionamento | Tags: , , , , , ,

Comentário devocional:

Através das horas de um determinado dia, temos a oportunidade de cumprimentar pessoas – família, amigos, colegas de trabalho, aqueles que nos auxiliam e, às vezes, até mesmo aqueles que nos incomodam. Como são os nossos cumprimentos? Calorosos ou vazios?

Eu amo a saudação na qual João saúda a seu amigo amado, Caio: “Amado, oro para que você tenha boa saúde e tudo lhe corra bem, assim como vai bem a sua alma” (v 2 NVI). Que saudação! Que bênção ele pronuncia! Alguns argumentam que essa era a maneira de João dizer: “Eu espero que você esteja bem e prosperando em todos os sentidos.” Do ponto de vista tendencioso de um médico que é apaixonado pela Mensagem de Saúde Adventista, a qual enfatiza a totalidade do corpo, mente e espírito, tomo coragem e também a permissão de enfatizar o modo como valorizamos o conceito de bem-estar holístico [NT: O ser humano como um todo].

Nós podemos ser completos, embora possamos estar fracos fisicamente – “plenitude no quebrantamento” – através da habitação do Espírito de Deus que transforma nossas vidas. Sim, é importante buscarmos a saúde total.

João elogia Gaio por sua fidelidade e carinho por todos, incluindo estranhos. De modo semelhante a II João, o apóstolo se preocupa e se alegra com seus “paroquianos” (ou convertidos), que continuam em seu relacionamento com Jesus. Esta inquietação pastoral é uma virtude que devemos imitar em nossos relacionamentos na família de fé, apoio, cuidado e partilha. Ao mesmo tempo, João adverte contra o comportamento de divisão de Diótrefes, prometendo tratar desse assunto em sua próxima visita (e isto não é apenas uma crítica, mas comentários sobre o que ele logo pretende colocar em prática!). Em seguida, ele nos encoraja a imitar aqueles que seguem a Jesus, o nosso exemplo divino, e, então cita Demétrio.

Assim como fez em sua carta anterior, João deixa muito por dizer, preferindo tratar algumas questões pessoalmente, em particular. Mas, eu suspeito que (como eu, pessoalmente, preferiria fazer), tratar do assunto com a congregação toda. 

Que ao conversamos, enviarmos mensagens de texto, escrevermos, tuitarmos, e talvez até nos comunicarmos especialmente através de nossa linguagem corporal, possamos imitar o coração, a mente e as instruções de Jesus.

Ah, e que assim como João, possamos tornar nossos cumprimentos positivos, edificantes e memoráveis!

Peter Landless
Diretor mundial dos Ministérios de Saúde da IASD
Estados Unidos




Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/3jn/1/
Traduzido por JAQ/GASQ/IB
Texto bíblico: 3 João 1 
Comentário em áudio 



III João – Comentários Selecionados by tatianawernenburg
26 de junho de 2015, 1:00
Filed under: Sem categoria | Tags: , , ,

1 Gaio. Nome comum no império romano e de pelo menos outros três personagens do NT. (At 19:29; 20:4; Rm 16:23; ICo 1:14; At 19:29). Não há motivos para a identificação de qualquer um desses homens com o Gaio a quem João escreveu. Nada se sabe sobre este homem além do que é informado nesta epístola. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 7, p. 767.

2 Com respeito ao Verbo. Tua alma. Aqui, a referência parece ser à vida espiritual de Gaio, que era forte. É possível que sua condição física não fosse tão boa. Ele pode ter negligenciado as necessidades físicas da vida por causa das religiosas. Tal negligência é prejudicial; o equilíbrio é essencial para uma vida de sucesso. O inimigo das almas também está bem ciente da importância do equilíbrio e pretende levar os cristãos sinceros a posições extremas. CBASD, vol. 7, p. 767.

4 Andam na verdade. Ou, “vivem de acordo com a verdade”, isto é, continuam a ordenar sua vida em harmonia com a revelação do caráter de Deus, conforme Jesus Cristo. CBASD, vol. 7, p. 768.

Bem farás. A hospitalidade que Gaio dava aos irmãos itinerantes, além de promover a pregação do evangelho, contribuía para a união dos crentes e se contrapunha à tendência de obreiros se separarem numa hierarquia. CBASD, vol. 7, p. 768.

8 Portanto. Porque os missionários não levavam nada dos pagãos e por não haver apoio regular de uma tesouraria naquela época, era necessário que homens como Gaio ajudassem os trabalhadores e, assim, aliviassem a necessidade de pedir donativos. Pelo uso de “nós”, João reconhece o dever dele mesmo nessa questão de hospitalidade. CBASD, vol. 7, p. 768.

9 Diótrefes. Do gr. Diotrephês. de Dios, significando “de Zeus”. Alguns têm sugerido que pode haver significado no fato de Diótrefes ter mantido seu nome pagão. Ele pode ter mantido elementos da filosofia pagã, portanto, era suscetível a influências gnósticas. CBASD, vol. 7, p. 769.

Gosta de exercer a primazia. Diótrefes abrigava ambições profanas. Aspirava a ser o primeiro por causa da posição e não pelo bem que podia realizar. A posição em si não é definida, e não há provas de que se refira a um bispado. A igreja cristã já era bem instruída sobre a ambição indesejávelCBASD, vol. 7, p. 769.

10 Não satisfeito. Diótrefes não estava satisfeito com as palavras más destinadas a minar a autoridade apostólica. Manteve sua oposição, com atos hostis. CBASD, vol. 7, p. 769.

11 Não imites. Ou, “não sigas”. João faz uma pausa em sua discussão sobre o conflito dentro da igreja e afirma verdades gerais que, se observadas, permitiriam a Gaio sempre tomar decisões certas. CBASD, vol. 7, p. 770.

12 Nós também damos testemunho. Gaio não tem de contar com uma recomendação geral somente sobre Demétrio, mas é dado aqui o testemunho pessoal de João e de seus associados. CBASD, vol. 7, p. 770.

14 Em breve. Do gr. eutheõs, quase sempre traduzido no NT como “imediatamente”, ou seu equivalente. Se esta terceira epístola foi destinada à mesma igreja que à segunda, a palavra eutheõs indicaria que a ordem canônica dos livros é também a ordem cronológica, com a terceira carta a ser escrita logo antes da visita à igreja pretendida por João. CBASD, vol. 7, p. 771.

15 Nome por nome. Já que os nomes não são mencionados, é provável que o apóstolo conhecesse pessoalmente todos os companheiros de Gaio. A epístola termina com uma nota pessoal e amistosa, do mesmo modo que começou. Embora a paz da igreja ainda fosse perturbada por Diótrefes, o apóstolo não permitiu a ruptura, que destruiria o santo companheirismo que os unia como filhos espirituais. CBASD, vol. 7, p. 771.



Atos 28 by jquimelli
26 de fevereiro de 2015, 1:00
Filed under: companheirismo, comunhão, unidade | Tags: , ,

Comentário devocional:

Paulo e seus companheiros passaram os três meses de inverno em Malta. Durante esse tempo, Lucas menciona três milagres pelas mãos de Paulo: sacudindo uma cobra venenosa, curando o pai do homem mais influente na ilha, e curando os demais doentes (vv.1-9). Paulo era um homem cheio do Espírito Santo. Somente podemos imaginar o que deve ter passado pela mente de Lucas, o médico, vendo tantos serem curados por Paulo! 

Finalmente, eles embarcaram num outro navio que passava por lá e navegaram para Puteoli, o porto próximo de Roma. O centurião, profundamente impressionado com este homem de Deus, permitiu que Paulo e seus amigos se encontrassem  com os cristãos daquele lugar por uma semana. A notícia de que Paulo estava para chegar a Roma certamente alcançou os cristãos que moravam em Roma e na região e os crentes vieram até um lugar chamado Três Pousadas (ou Três Vendas), e ao mercado de Ápio, situados na Via Ápia, para recebê-lo e a seus amigos ( v.15). Esses lugares estavam a 33 e 43 quilômetros de Roma, respectivamente.

Ellen White conta-nos mais deste encontro. Paulo, Lucas e Aristarco caminhavam para Roma, guardados por soldados: “De súbito ouve-se um grito de alegria e um homem se destaca da turba que passa, e lança-se ao pescoço do prisioneiro, abraçando-o e chorando de alegria, como um filho que saudasse o pai por muito tempo ausente. A cena se repete muitas vezes à medida que, com a vista aguçada por expectante amor, muitos reconhecem no preso acorrentado aquele que em Corinto, Filipos e Éfeso, lhes havia pregado as palavras da vida … Os soldados impacientam-se com a demora, mas não têm coragem de interromper essa feliz reunião; pois também eles aprenderam a respeitar e estimar seu prisioneiro. Nessa face macerada e batida pela dor, os discípulos veem refletida a imagem de Cristo. Asseguram a Paulo que nunca o esqueceram nem deixaram de amá-lo; que lhe são devedores pela feliz esperança que lhes anima a vida, e dá-lhes paz para com Deus “(Atos dos Apóstolos, pp.448, 449).

Que recepção! A cidade que Paulo tanto almejava impactar com o evangelho de Jesus, lhe mostra sinais de que Deus tinha ido à frente dele para preparar-lhe o terreno e dar-lhe sucesso, mesmo em cadeias! Assim, o livro de Atos termina dizendo-nos que Paulo ficou “em sua própria sede alugada” (v. 30), desfrutando de uma relativa liberdade, por dois anos. Durante este tempo, embora acorrentado a um soldado, ele se manteve “pregando o reino de Deus e ensinando a respeito do Senhor Jesus Cristo, com toda a confiança” (v. 31). De lá, ele enviou trabalhadores para fortalecer as igrejas e plantar novas.

A obra de Deus não pode e não será interrompida. O mundo ouvirá as boas novas de Jesus Cristo. A questão é: você fará parte deste grande empreendimento? Que Deus nos use para a Sua glória!

Ron E. M. Clouzet 
Diretor do Instituto de Evangelismo NAD
Professor de Ministério e Teologia
Seminário da Universidade Andrews

 

Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/act/28/
Traduzido por JAQ/JDS
Texto bíblico: Atos 28 
Comentário em áudio 



Cantares 7 by jquimelli
23 de fevereiro de 2014, 0:00
Filed under: amor conjugal | Tags: ,

Comentário devocional:

Neste quarto e último dos wasfs (“descrições” de louvor ) de Salomão para a Sulamita (versos 1-9), ele começa admirando suas formas a partir dos pés até a cabeça, enquanto seu primeiro wasf (4:1-7 ) se inicia com a cabeça de sua noiva e se move para baixo para elogiar a beleza de suas formas. Tal contraste é um exemplo da estruturação simétrica e elegante de Cantares. (os quatro wasfs estão em 4:1-7; 4:8-15; 6:4-9 e 6:13b a 7:9).

Este capítulo contém várias expressões com aplicações duplas. Aqui e em outros lugares na última metade de Cantares, o inspirado escritor Salomão fala com delicadeza e bom gosto acerca da intimidade sexual com sua esposa (p. ex., ver 7:7-8, 12-13; cf 5:2-5; 8:2, 14). O verso 10 indica que o “desejo” do homem pela mulher foi observado com satisfação pela mulher.

Cantares representa com muita propriedade a beleza e a alegria do amor conjugal como vivenciados no paraíso edênico, ao saírem Adão e Eva das mãos de Deus, ainda em harmonia com Ele. Deste modo, o amor do casal original, no Éden, teria sido: 
(1) belíssimo (1:15-16; etc), 
(2) experimentado de maneira maravilhosa, 
(3) uma celebração exuberante (5:1, etc.), 
(4) uma aventura emocionante (1:4, 2:8, etc.), 
(5) um prazer requintado (2:3-4, etc.), 
(6) plenamente satisfatório (ver os versos acima, além de inúmeras outras passagens com duplas aplicações), 
(7) sem pudor e desinibido (ver as descrições de 4:1-5; 5:9 – 7:10 ); 
(8) contido e de bom gosto – a relação íntima do casal é descrita de modo não ofensivo (2:7; 3:5; 8:4), 
(9) uma interação alegre e despreocupada (1:7-8; 7:9), 
(10) um caso de amor romântico (7:11-12, etc,), 
(11) poderosamente apaixonado (2:5; 4:9; 5:4; 7:4) e 
(12) um mistério inspirador (6:4, 10; 8:6). 

Estas são as qualidades do casamento que Deus anseia que todos os casais desfrutem, sem medo ou vergonha, em harmonia com Sua intenção amorosa! Mesmo em um mundo decaído, podemos ter casamentos que são um retorno ao Éden.

Senhor Deus, muito obrigado pelo extraordinário, multi-facetado dom da sexualidade e companheirismo do amor conjugal que criastes para que desfrutássemos. Ajude-nos a valorizar e proteger este presente! Amém.

Richard M. Davidson
Professor de Interpretação do Antigo Testamento
Seminário Teológico da Universidade Andrews



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/son/7/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Cantares 7 



Salmo 134 by jquimelli
19 de dezembro de 2013, 0:00
Filed under: Salmos | Tags: , ,

Comentário Devocional:

Um grupo de viajantes caminha durante todo o dia. Enquanto viajam, cantam. Não como as canções que ouvimos e cantamos em nossas viagens de carro hoje, mas, sim, músicas para lembrá-los da importância de sua peregrinação a Jerusalém.

Ao se aproximarem do Templo, avistam os levitas trabalhando no turno da noite, e a sua última canção começa assim: “Bendigam o Senhor todos vocês, servos do Senhor, vocês, que servem de noite na casa do Senhor” (v. 1 NVI).

Imagine como esta canção podia valorizar e motivar aqueles cujo trabalho normalmente passaria desapercebido ou desvalorizado por ser executado no turno da noite!

O que eu gosto nessa música é que ela reconhece e incentiva esses trabalhadores noturnos sem lisonjeá-los. A canção poderia descrever o grande trabalho que esses levitas estavam fazendo ou elogiá-los por sua dedicação, mas o que ela faz é incentivá-los e lembrá-los de sua responsabilidade, da importância da atividade desempenhada por eles.

Isso me faz lembrar um dia quando havia acabado de ensinar na escola bíblica para crianças e um avô veio me visitar com a mão estendida: “Eu só queria apertar a mão do ministro mais importante desta igreja”, disse ele. 

Eu sabia o que ele estava tentando me dizer. Ele estava reconhecendo meu trabalho e me lembrando da importância de conduzir crianças a Cristo. Embora não tenha inflado o meu ego com bajulações, ele me fez sentir que meu trabalho era apreciado e me motivou a fazer o melhor para o meu pequeno e muitas vezes despercebido ministério.

Quais são algumas das maneiras pelas quais você pode incentivar (sem lisonjear) aqueles trabalhadores voluntários de sua igreja que quase não são notados?

Lori Futcher

Estados Unidos



Texto original: http://revivedbyhisword.org/en/bible/psa/134/

Traduzido por JAQ/JDS

Texto bíblico: Salmo 134  



I Crônicas 24 by jquimelli
13 de abril de 2013, 0:01
Filed under: adoração, serviço | Tags: ,

Comentário devocional:

Os sacerdotes e levitas viviam espalhados pelo país, nas cidades designadas a eles. A fim de participarem nos serviços do tabernáculo tinham que viajar uma certa distância e para isso precisavam saber com antecedência em que data os seus préstimos seriam necessários.

Para definir quem iria trabalhar com quem e quando isto ocorreria, em primeiro lugar foram montadas as equipes de trabalho. Zadoque e Aimeleque, os dois sacerdotes principais, organizaram vinte e quatro equipes de sacerdotes tendo como base os grupos de famílias. Cada pessoa trabalharia com seus parentes mais próximos sob a coordenação do patriarca da família.

A seguir, a escala de serviço foi definida por meio de um sorteio realizado na presença do rei Davi, do líderes da nação e dos representantes de todas as famílias envolvidas. A maneira transparente e imparcial com que a escala foi montada contribuiu para que cada sacerdote se sentisse valorizado.

A escala de trabalho dos levitas também foi definida por sorteio. Desse modo ninguém se sentiu favorecido ou excluído e todos foram motivados a dar a melhor contribuição possível, independente de ter sido escalado para trabalhar em dias de festividade nacional ou em dia comuns.

A maneira como os sacerdotes e levitas foram escalados para trabalhar aponta para o fato de que Deus não tem favoritos. Ele valoriza a todos e trata a todos igualmente. Nós, como seus seguidores, devemos também estimular o companheirismo e a cooperação entre as pessoas.

Pai nosso, ajude-me a tratar aqueles que me cercam com a mesma consideração com que Você me trata.

Jobson Santos

Rede Novo Tempo

Ministério da Oração

 

Texto bíblicoI Crônicas 24

 




%d blogueiros gostam disto: