Reavivados por Sua Palavra


DEUTERONÔMIO 33 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
18 de julho de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO DEUTERONÔMIO 33 – Primeiro leia a Bíblia

DEUTERONÔMIO 33 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL

DEUTERONÔMIO 33 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



DEUTERONÔMIO 33 by Luís Uehara
18 de julho de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/dt/33

O ato final de Moisés, registrado na Bíblia antes de subir ao Monte Nebo para morrer, foi pronunciar a bênção de Deus sobre os filhos de Israel. Bênçãos eram muito estimadas nesse período, como evidenciado pela conhecida história de Jacó e Esaú em Gênesis 27. As bênçãos, inspiradas pelo próprio Deus, eram tanto instrucionais quanto proféticas. Quando Moisés estava abençoando os filhos de Israel, ele também estava predizendo como e onde seus descendentes viveriam e se multiplicariam.

As bênçãos também foram baseadas no caráter ou comportamento passado do receptor. Em Gênesis 34, Simeão e Levi violentamente vingam a sua irmã, o que enfurece seu pai, que os deixa de fora do testamento, juntamente com os seus descendentes. Na bênção de Moisés, é interessante notar que a tribo de Simeão foi omitida e, subsequentemente, sua linhagem dispersou-se por Israel. Já à tribo de Levi, por causa de sua fidelidade, Deus estendeu a graça e a bênção deles foi restaurada.

Embora nossos pecados tenham consequências, Deus deseja estender Suas bênçãos e graça àqueles que são fiéis, assim como fez com os antigos israelitas!

Karina Sherwin-Bloom
Igreja Adventista do Sétimo Dia de Cedar Lake
Michigan EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/deut/33
Tradução: Pr. Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



DEUTERONÔMIO 33 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
18 de julho de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

1186 palavras

[Dt 33] Registra a bênção final de Moisés. Consiste em uma introdução (1-2), um pronunciamento de bênçãos (6-25) e uma conclusão (26-29). A bênção é um discurso profético de oração e louvor, em forma poética, na qual Moisés declara o favor divino concedido individualmente às tribos. Bíblia Shedd.

1 O tema de abertura aqui é a gloriosa natureza de Deus. A referência é à entrega da lei quando, no meio do fogo e com a mediação dos anjos, Deus desceu ao Sinai (Sl 18.7-9; Hc 3.3, 4). Comentário Bíblico Devocional Velho Testamento. F. B. Meyer.

Sinai… Seir… Parã. Montanhas associadas à outorga da lei (v. Gn 21.21 e nota; Jz 5.4, 5; Hc 3.3). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Das miríades de santos. Isto é, desde Sua habitação no céu onde há incontáveis seres santos, onde ele está entronizado em glória (ver 1Rs 22:19; Jó 1:6; Sl 89:7; Dn 7:10). CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 1, p. 1181.

de Seir (ARA; NVI: “desde o Seir”).

todos os Teus santos. Isto é, o povo de Israel, a nação santa (ver Êx 19:6; Dt 7:6; 14:2, 21; 26:19). CBASD, vol. 1, p. 1181.

e aprendem das Tuas palavras (ARA; NVI: “de Ti recebem instrução”).

rei. O Senhor, e não um monarca terrestre, devia ser rei em Israel (v. Jz 8.23 e nota). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Seu povo amado (ARA; NVI: “Jesurum”. Tb v.26).

6-25 Note a diferença das bênçãos que Deus deu a cada tribo. A uma Ele deu as melhores terras, força para outra, e segurança para outra. Muitas vezes vemos alguém com uma bênção particular e pensamos que Deus deve amar mais aquela pessoa do que os demais. Em vez disso, pense que Deus desenvolve em todas as pessoas seus talentos únicos. Todos esses dons são necessários para completar Seu plano. Não tenha inveja dos dons que outros têm. Em vez disso, olhe para os dons que Deus deu para você, e decida realizar a tarefa que somente você está qualificado a fazer. Life Application Study Bible Kingsway.

Viva Rúben e não morra; e não sejam poucos os seus homens! O segundo “não” neste versículo não está no hebraico. Esta é uma referência implícita ao pecado com Bila (Gn 35:22). Rúben era o primogênito (Gn 49:3), mas nunca chegou a ter relevância nacional. … contudo, Moisés assegurou aos rubenitas que não despareceriam por completo de Israel. CBASD, vol. 1, p. 1181.

Ouve, ó SENHOR, a voz de Judá e introduze-o no seu povo.Esta bênção subentende o papel guerreiro dos reis davídicos, descendentes de Judá, ao conduzirem Israel à batalha. Bíblia de Genebra.

Sendo a tribo real (Gn 49.8-10), Judá teria de defender a Israel de seus inimigos. Ao fazê-lo, precisava da ajuda divina. Bíblia Shedd.

8-11 Levi. Jacó também profetizara a dispersão de Levi (Gn 49.5-7). Mas Levi foi abençoada por haver mostrado devoção ao Senhor (8, 9) e foi escolhida pelo Senhor para importantíssimo ministério, especialmente o do sacerdócio (que pertencia aos descendentes de Arão). Bíblia Shedd.

8, 9 A bênção sobre Levi reflete a fidelidade deles ao tempo do bezerro de ouro, quando Levi pôs-se ao lado de Moisés e atuou no julgamento contra os descendentes de seus irmãos pecaminosos (Êx 32.27-29). Bíblia de Genebra.

A tribo de Levi teria a alta honra da liderança espiritual dos israelitas. CBASD, vol. 1, p. 1181.

9 pois guardou a Tua palavra e observou a Tua aliança. Levi comprova sua devoção ao Senhor no teste pelo qual passou, no Sinai (Êx 32.26-29). A lealdade a Deus tivera precedência sobre as relações de família. Bíblia Shedd.

13-17 José. Moisés ora para que essa tribo seja abençoada com abundância material da natureza (13-16) e com poder militar (17). Bíblia Shedd.

Com a bênção do Senhor, a terra de José na parte central de Canaã seria excepcionalmente fértil e produtiva. Bíblia de Estudo NVI Vida.

17 as suas pontas (ARA; NVI: “seus chifres”).

miríades de Efraim… milhares de Manassés (ARA; NVI: “dezenas de milhares de Efraim … milhares de Manassés”). O irmão mais novo [Efraim] teria preeminência sobre o mais velho [Manassés], que tem apenas “milhares”, cf Gn 48.14ss. Bíblia Shedd.

18, 19 Zebulom teria sucesso no comércio, e Issacar teria prosperidade na agricultura pátria. Bíblia Shedd.

19 chuparão a abundância dos mares (ARA; NVI: “farão um banquete com a riqueza dos mares”).

20, 21 O povo da tribo de Gade recebeu o melhor da nova terra porque obedeceram a Deus ao punir os ímpios inimigos de Israel. Punir é desagradável tanto para quem aplica quanto para quem recebe, mas é parte necessária do crescimento. Se você está em posição que exige que por vezes você corrija outros, não se omita de cumprir sua tarefa. Entenda que disciplina realista é importante para o desenvolvimento do caráter. Sempre se esforce para ser sempre justo e misericordioso, mantendo em mente o melhor interesse da pessoa que deve receber a punição. Life Application Study Bible Kingsway.

20 Bendito aquele que faz dilatar Gade (ARA; NVI: “Bendito é aquele que amplia os domínios de Gade”).

21 E se proveu da melhor parte… marchou adiante do povo. Pastagens para seus animais (v 3.12-20). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Essa tribo [Gade] preferiu habitar o lado oriental do Jordão, mas, ao mesmo tempo, ajudou as outras tribos a conquistarem sua herança, cf 3.18. Bíblia Shedd.

22 Dã… saltará de Basã (ARA; NVI: “vem saltando desde Basã”). Como um leão ou serpente (Gn 49.17), Dã seria perigoso para os adversários. Muitos danitas, depois, migraram para o extremo norte de Israel. Bíblia Shedd.

23 Naftali… possuirá o lago e o sul. Essa tribo foi favorecida por possuir uma bela e fértil região, especialmente na sua parte sul, junto às praias do mar da Galileia. Bíblia Shedd.

24 Aser… banhe em azeite o pé. Território famoso por suas oliveiras. Bíblia Shedd.

Banhar os pés com óleo era um sinal de prosperidade. Life Application Study Bible Kingsway.

25 Sejam de ferro e bronze os teus ferrolhos (ARA; NVI: “as trancas das suas portas”). A referência é à proteção de Aser contra os inimigos vindos do norte. Bíblia Shedd.

26 ó amado (ARA; NVI: “Jesurum”).

27 Deus… por baixo de ti estende os braços eternos (ARA; NVI: “e para segurá-lo estão os braços eternos”).

A canção de Moisés declara que somente Deus é nosso refúgio, nossa única segurança verdadeira. Quão frequentemente colocamos a confiança de nossas vidas a outras coisas – talvez dinheiro, carreira, uma causa nobre ou o desejo de uma vida longa. Mas nosso único refúgio verdadeiro é o Deus eterno, que sempre estende Seus braços para nos amparar quando os suportes instáveis em que confiamos falham e caem. Nenhuma tormenta pode nos destruir quando nos refugiamos nEle. .. Viver por Deus neste mundo pode parecer um negócio arriscado. Mas são os ateus que estão em solo instável. Porque Deus é nosso refúgio, podemos ousar ser ousados. Life Application Study Bible Kingsway.

26-29 Esta estrofe final tem abençoado os corações do povo de Deus através dos séculos. O Senhor é o Deus majestoso (v. 26), o Deus eterno (v. 27), o Deus protetor e providencial (v. 28). A grande bênção de Israel era que Ele era o Deus deles. Bíblia de Genebra.

Os últimos versículos deste capítulo são um encorajamento a ter fé em Deus. Ele é supremo. Ele abençoa grandemente Seus filhos fiéis, dando-lhes segurança, paz e abundância de coisas boas. Finalmente, Ele lhes dará uma herança eterna. Por isso, os filhos de Deus devem sempre ter bom ânimo. CBASD, vol. 1, p. 1183



Deuteronômio 33 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
18 de julho de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Esta é a bênção que Moisés, homem de Deus, deu aos filhos de Israel, antes da sua morte” (v.1).

Convocado pelo Senhor para subir ao monte Nebo, Moisés precisava despedir-se do povo que por tantos anos havia guiado e aprendido a amar como filhos. Não deve ter sido fácil para o idoso líder deixar para trás aquelas milhares de pessoas que tanto amava e pelas quais tantas vezes intercedeu. Um misto de sentimentos e recordações devem ter ocupado seus últimos instantes de vida nesta terra. Suas últimas palavras foram uma bênção especial à cada tribo de Israel. Como Jacó abençoou seus doze filhos (Gn.49), assim foi aflorada a paternidade de Moisés ao despedir-se dos filhos de Israel.

A bênção de cada tribo representava um pouco de sua história e de como cada uma assumiria uma função diferente em benefício de toda a nação. De Rúben a Aser, cumpria-lhes executar o que Deus havia estabelecido e viver em paz uns com os outros. As habilidades deveriam ser esquecidas ou as motivações egoístas abandonadas a fim de dar lugar à vontade de Deus, mas nem essas coisas poderiam afetar o propósito divino final. O papel central de cada tribo era o de exaltar o nome do Senhor e torná-lo grandioso entre as demais nações. Sobre este último discurso, Ellen White escreveu: “Pela última vez, Moisés achou-se na assembleia de seu povo. Novamente o Espírito de Deus repousou sobre ele, e na linguagem mais sublime e tocante pronunciou uma bênção sobre cada uma das tribos, finalizando com uma bênção sobre todas elas” (Patriarcas e Profetas, CPB, p. 344).

Semelhante à bênção dada às tribos de Israel, Deus possui uma bênção para cada filho Seu. Como membros do corpo de Cristo, somos chamados a elevar este corpo à estatura de um povo “cheio da bênção do Senhor” (v.23); que guarda a Sua Palavra e observa a Sua aliança (v.9). Contudo, como Laodiceia, corremos o risco de viver suas características como se fossem uma obrigação histórica a ser cumprida, quando, na verdade, é uma realidade que deve ser trocada por um coração no qual Cristo habita, através da constante e maravilhosa obra do Espírito Santo.

Tão perto como estamos do Grande Dia do Senhor, importa que o povo de Deus se coloque aos pés de Jesus e aprenda de Suas palavras (v.3). “Não há outro, ó amado, semelhante a Deus” (v.26), que, em Sua infinita misericórdia, nos concede a maior de todas as bênçãos: a salvação em Cristo Jesus. Portanto, “[povo] salvo pelo Senhor” (v.29), mesmo que ainda seja difícil dizer adeus para aqueles que amamos, lembremos que há uma bênção eterna reservada para nós ao lado dAquele que nos amou até à morte e morte de cruz (Fp.2:8).

Há uma promessa fiel e verdadeira para os filhos do Reino, apenas aguardando o tempo de seu cumprimento: “Os resgatados do Senhor voltarão e virão a Sião com cânticos de júbilo; alegria eterna coroará a sua cabeça; gozo e alegria alcançarão, e deles fugirá a tristeza e o gemido” (Is.35:10). Vigiemos e oremos!

Bom dia, filhos do Reino Celeste!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Deuteronômio33 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



DEUTERONÔMIO 33 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
18 de julho de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

DEUTERONÔMIO 33 – Cheio de amor divino pelo povo, Moisés foi um exemplo de líder espiritual que proferiu bênçãos ao despedir-se das doze tribos do povo de Deus.

Note que, apesar de tantos erros cometidos por Israel, Moisés não mencionou qualquer pecado das tribos. Isso evidencia que “não podemos melhorar qualquer caráter defeituoso, criticando-o; podemos, sim, melhorá-lo prestando-lhe amoroso serviço. Nunca poderemos levar alguém para o Céu por meio da crítica; mas podemos, sim, fazê-lo pelo amor. É pelo amor, e não pela crítica, que Jesus conquista almas. O mesmo meio tem de ser empregado pelos Seus discípulos para conquistar e erguer outros” (Arthur Spalding).

Deus é revelado como justo, porém misericordioso; santo e ao mesmo tempo gracioso. “Ele é o Deus da aliança, da história, do tempo e do espaço. Esse retrato de Deus é particularmente verdadeiro nesses dois poemas [o cântico e a bênção], visto que a teologia de Deuteronômio 32 e 33 explica o caráter de Deus, Seus ensinamentos e Sua lei. Essa extraordinária concepção aponta para o gênio literário que está por trás dessa inspirada obra magna, demonstrando que Deuteronômio é uma obra de arte sacra – uma verdadeira obra prima que reflete um conhecimento íntimo de Deus. Seu pensamento teocêntrico é consistente, revelando um desejo constante pela prosperidade e felicidade do povo de Deus. O pensamento do livro é totalmente relacional e ancorado no amor de Deus pelas pessoas. Quando o afetuoso líder de Israel conclui suas obras irrompendo em poesia, ele não apenas contribui para exaltar a beleza de Deus, como também ajuda as pessoas a se lembrarem melhor de suas palavras” (Jirí Moskala).

“O último poema de Deuteronômio… captura a esperança messiânica. No contexto imediato dessas bênçãos, é explicado que, por causa da desobediência das pessoas, o desastre acontecerá ‘nos últimos dias’ (Dt 31:29)… uma alusão ao futuro e ao fim dos dias. Moisés prediz que o chasid [Fiel/Leal]… a quem o Tumim e o Urim pertencem, virá – Aquele que foi provado em Massá e contendeu ‘nas águas de Meribá’ (Dt 33:8). O verso 16 faz uma alusão messiânica semelhante que fala do nazir [Separado/Príncipe] como Aquele que é separado ou consagrado dentre os irmãos. Esses textos apontam para o Messias vindo das linhas sacerdotais e reais” (Moskala). Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: