Reavivados por Sua Palavra


DEUTERONÔMIO 33 – COMENTÁRIO PR. HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
18 de julho de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

DEUTERONÔMIO 33 – Cheio de amor divino pelo povo, Moisés foi um exemplo de líder espiritual que proferiu bênçãos ao despedir-se das doze tribos do povo de Deus.

Note que, apesar de tantos erros cometidos por Israel, Moisés não mencionou qualquer pecado das tribos. Isso evidencia que “não podemos melhorar qualquer caráter defeituoso, criticando-o; podemos, sim, melhorá-lo prestando-lhe amoroso serviço. Nunca poderemos levar alguém para o Céu por meio da crítica; mas podemos, sim, fazê-lo pelo amor. É pelo amor, e não pela crítica, que Jesus conquista almas. O mesmo meio tem de ser empregado pelos Seus discípulos para conquistar e erguer outros” (Arthur Spalding).

Deus é revelado como justo, porém misericordioso; santo e ao mesmo tempo gracioso. “Ele é o Deus da aliança, da história, do tempo e do espaço. Esse retrato de Deus é particularmente verdadeiro nesses dois poemas [o cântico e a bênção], visto que a teologia de Deuteronômio 32 e 33 explica o caráter de Deus, Seus ensinamentos e Sua lei. Essa extraordinária concepção aponta para o gênio literário que está por trás dessa inspirada obra magna, demonstrando que Deuteronômio é uma obra de arte sacra – uma verdadeira obra prima que reflete um conhecimento íntimo de Deus. Seu pensamento teocêntrico é consistente, revelando um desejo constante pela prosperidade e felicidade do povo de Deus. O pensamento do livro é totalmente relacional e ancorado no amor de Deus pelas pessoas. Quando o afetuoso líder de Israel conclui suas obras irrompendo em poesia, ele não apenas contribui para exaltar a beleza de Deus, como também ajuda as pessoas a se lembrarem melhor de suas palavras” (Jirí Moskala).

“O último poema de Deuteronômio… captura a esperança messiânica. No contexto imediato dessas bênçãos, é explicado que, por causa da desobediência das pessoas, o desastre acontecerá ‘nos últimos dias’ (Dt 31:29)… uma alusão ao futuro e ao fim dos dias. Moisés prediz que o chasid [Fiel/Leal]… a quem o Tumim e o Urim pertencem, virá – Aquele que foi provado em Massá e contendeu ‘nas águas de Meribá’ (Dt 33:8). O verso 16 faz uma alusão messiânica semelhante que fala do nazir [Separado/Príncipe] como Aquele que é separado ou consagrado dentre os irmãos. Esses textos apontam para o Messias vindo das linhas sacerdotais e reais” (Moskala). Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.


Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Comente:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.



%d blogueiros gostam disto: