Reavivados por Sua Palavra


JOSUÉ 8 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
27 de julho de 2022, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO JOSUÉ 8 – Primeiro leia a Bíblia

JOSUÉ 8 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL

JOSUÉ 8 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal no Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



JOSUÉ 8 by Luís Uehara
27 de julho de 2022, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/js/8

Deus perdoou os israelitas pelo pecado de Acã e os enviou de volta a Ai para outra batalha. Desta vez, Deus deu-lhes um elaborado plano de batalha. Os israelitas deveriam fingir uma fuga do exército de Ai. Com o exército inimigo ocupado, outro grupo de soldados israelitas invadiria a cidade desprotegida, incendiaria e começaria a saqueá-la. Então, quando os soldados de Ai vissem que a cidade estava em chamas, os soldados israelitas que fingiam fugir se voltariam contra o inimigo. O inimigo ficaria então encurralado entre os israelitas atacantes e sua cidade em chamas.

Depois que a cidade foi destruída e o inimigo derrotado, os israelitas se dedicaram a Deus e à Sua lei. Os israelitas tentaram atacar Ai antes, mas havia algo entre eles e Deus, então o esforço não prosperou. Uma vez que Deus se tornou o primeiro em seus planos, Ele foi capaz de usá-los da maneira que Ele queria.

É importante para nós também colocar Deus em primeiro lugar e permitir que Ele realize o Seu plano em nossas vidas. Deus quer usar nossos dons para ajudar as pessoas, mas Ele só pode nos ajudar ao máximo quando entregamos toda a nossa vida a Ele.

Laura Muse
Capelã dos agentes de saúde
Coffeyville, Kansas, EUA

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/bhp/en/bible/jos/8
Tradução: Pr. Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara




JOSUÉ 8 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
27 de julho de 2022, 0:50
Filed under: Sem categoria

1636 palavras

toma contigo toda a gente de guerra. Os espias tinham sugerido a Josué que não exigisse a participação de todo o povo no ataque a Ai (Js 7.3), e ele aceitara a sugestão. A sabedoria humana, guiada por excesso de autoconfiança, havia ditado esse primeiro plano, que fracassou. Na nova ordem, parece que Deus repreendeu esse esquema de participação parcial. Instruiu que todos deviam participar da tarefa de tomar Ai e receber uma porção dos despojos. O mesmo se aplica hoje à causa de Deus. Todos devem trabalhar na obra do evangelho, e depois compartilhar suas recompensas. CBASD – Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 2, p. 206.

As lições que aprendemos de nossa falhas deveriam nos fazer mais hábeis para lidar com a mesma situação na segunda vez que ocorressem. … Podemos dizer que tipo de pessoas somos pelo que fazemos na segunda e na terceira tentativas. Life Application Study Bible Kingsway.

põe emboscadas à cidade. O próprio Deus deu instruções detalhadas quanto à estratégia a ser empregada. Josué deveria ter esperado por essas instruções divinas antes de realizar o primeiro ataque. Muitas vezes, as pessoas correm à frente de Deus e andam iluminadas por sua própria luz (ver Is 50:11), crendo estar fazendo a vontade do Senhor. Em cada decisão da vida, deve-se perguntar com toda avidez: “Esta é a vontade de Deus?”. CBASD, vol. 2, p. 206.

saqueareis os seus despojos. A distribuição do saque das cidades que não estavam sob ban [julgamento por idolatria] era parte normal da situação de guerra. Provia os alimentos, rebanhos e armas necessárias ao sustento na situação de guerra ao exército e à nação. Ai não estava sob ban. O exército conquistador precisava de comida e equipamento. Tendo em vista que os soldados não eram pagos, a pilhagem era parte de seu incentivo e recompensa por guerrearem. Life Application Study Bible Kingsway.

subir contra Ai. A conquista de Ai era muito importante para os israelitas. A apenas 17 km de Jericó, Ai era uma fortaleza chave para os cananeus e uma fortificação de proteção para Betel (8.12). Life Application Study Bible Kingsway.

trinta mil homens. Só os cinco mil [do v. 12] foram indicados para tomar parte da emboscada, ficando os restantes 25.000 em prontidão, em caso de necessidade. Bíblia Shedd.

10 passou revista ao povo. Literalmente, “visitou o povo”, ou seja, “vistoriou” ou os “reuniu”. Isso se referia, é claro, como se explica no v. 11, aos homens de guerra. CBASD, vol. 2, p. 207.

14 vendo-o o rei de Ai. Ou seja, logo depois de ter… ficado sabendo. … É provável que os guardas tenham sido os primeiros a descobrir Josué e suas tropas e a informar a presença dos inimigos ao rei. … Imediatamente o rei acordou seus oficiais e soldados, que juntos correram para combater israel, talvez na expectativa de obter outra vitória fácil. CBASD, vol. 2, p. 207.

defronte das campinas. Literalmente, “à vista do Arabá”. O heb. ‘arabahsignifica “um lugar desolado”, “um deserto”. Junto ao artigo, refere-se especificamente ao vale ou à planície do Jordão. A fuga de Israel provavelmente os levou na direção de Gilgal [de onde vieram, antes do ataque a Jericó]. CBASD, vol. 2, p. 207.

16 todo o povo … foi convocado. Literalmente, “recebeu o brado de se reunir”… Isso parece indicar que a repentina fuga do exército de Israel foi uma surpresa, pois os habitantes de Ai não esperavam isso. em seu zelo por se defender, os homens de Ai pelo menos demonstraram mais coragem que seus vizinhos de Jericó. Não tiveram medo de assumir a ofensiva. Incentivados pela vitória anterior, tinham grande confiança no sucesso. No entanto, seu zelo foi em vão, pois estavam lutando contra  Deus. O mesmo ocorre com todos que desempenham um plano de oposição a Deus. A pergunta mais importante é: “Em minhas inquietantes iniciativas, de que lado estou? Se estiver do lado errado, só há um caminho sensato a seguir: render-me. Se estiver do lado do Senhor, resta-me combater ‘o bom combate da fé’ (1Tm 6:12)” com todas as energias. CBASD, vol. 2, p. 208.

17 Nem em um só homem ficou em Ai, nem em Betel. Esta cidade ficava a poucos quilômetros de Ai. Talvez as duas cidades tivessem um sistema de sinais entre si, a fim de que, quando uma delas fosse atacada, a outra fosse alertada de imediato para sair em socorro da primeira. CBASD, vol. 2, p. 208.

A operação militar conjunta indica que as duas cidades eram íntimas aliadas entre si, embora se declare que cada uma delas tinha um rei (12.9, 16). Bíblia de Estudo NVI Vida.

18, 19 O Senhor deu a cidade a Josué. A derrota de ontem se tornou a vitória de hoje. Uma vez que o pecado é tratado, perdão e vitória estão à frente. Life Application Study Bible Kingsway.

26 não retirou a mão. Este ato de Josué é semelhante à ação de Moisés durante a luta de Israel com os amalequitas (Êx 17.11, 12). Bíblia Shedd.

28 Ai… a reduziu … a um montão, a ruínas. O nome “Ai” significa um montão de “ruínas”. Bíblia Shedd.

30 Então, Josué edificou um altar ao SENHOR. Era um momento oportuno para interromper a campanha militar e renovar a aliança com o Senhor. Em duas ocasiões diferentes, Deus tinha ordenado que Israel se reunisse em assembleia solene de todas as tribos sobre os montes Ebal e Gerizim, pouco depois de sua entrada em Canaã (Dt 1:26-30; 27:2-8). Israel deveria ouvir a releitura da lei, e seus preceitos seriam inscritos em pedra e colocados no coração da terra, para que tanto israelitas como pessoas de outros povos pudessem lê-los. Desse modo, o Senhor estendeu a todas as nações um convite para que conhecessem Seus propósitos e se unissem a Seu povo. Geograficamente, o lugar ficava no centro do país e na encruzilhada das rotas de viagem. … Muito embora estivesse no meio de uma terra inimiga ainda não conquistada, Israel não sofreu dano porque o “terror de Deus” recaiu sobre as cidades ao redor, como quando Jacó havia passado por essa mesma região em seu caminho para Betel muito tempo antes (Gn 35:5).

Depois da queda de Ai, a guerra foi suspensa por algum tempo. A mão divina impediu que os cananeus de interferirem com a observância de Israel ao código mosaico. A nação inteira foi conduzida ao vale entre Ebal e Gerizim, para ouvir recitação da lei e responder com seu forte “Amém” (Dt 27.15). Comentário Bíblico Devocional Velho Testamento, F. B. Meyer.

no monte Ebal. O nome “Ebal” significa “nu” ou “descoberto”. Talvez isto indique que essa montanha seria de rocha e quase sem vegetação. Deus mandou cravar a sentença de castigo sobre essa montanha (Dt 11.26-29), enquanto as promessas de bênçãos eram cravadas sobre Gerizim, uma montanha do outro lado do mesmo vale. Ambas ficavam quase no centro de Samaria. Bíblia Shedd.

No sopé desse pico montanhoso, havia a cidade-fortaleza de Siquém, onde Abraão construíra um altar (Gn 12.6, 7). Bíblia de Estudo NVI Vida.

Na hora do triunfo completo precisamos estar diante do Senhor! Foi nesse local [Siquém/Sicar] que o incidente de João 4 aconteceu (ver Jo 4.5]. Jesus o transformou num vale de bênção! Comentário Bíblico Devocional Velho Testamento, F. B. Meyer.

Deus instruiu que o altar fosse erigido no estéril monte Ebal, a montanha das maldições, não em Gerizim, a montanha das bênçãos (Dt 11:29; 27:13). Isso aponta para a morte de Jesus, o Cordeiro de Deus, que tomou sobre Si as maldições que a humanidade merece (Gl 3:13) para que aqueles que nEle cressem pudessem receber as bênçãos. Bíblia de Estudo Andrews.

Ebal continha em si a maldição. Era apropriado que o altar ali estivesse. Comentário Bíblico Devocional Velho Testamento, F. B. Meyer.

30, 31 O altar deveria ser construído com pedras não lavradas para que não fossem profanadas (ver Êx 20:25). Isto preveniria as pessoas de adorarem os altares como se fossem ídolos, ou adorassem a perícia manual dos trabalhadores ao invés dos grandes atos de Deus. Life Application Study Bible Kingsway.

30-35 No calor da vitória em Ai, pareceria sábio para Israel, em termos militares, avançar de imediato na conquista de Canaã. Entretanto, havia um trabalho mais importante que deveria receber prioridade: o dever espiritual de renovar a lealdade à aliança com Deus em Siquém, em cumprimento à instrução do Senhor a Moisés (ver Dt 11:19; 27:11-28:68). Bíblia de Estudo Andrews.

31 Livro da Lei de Moisés. Esta palavra faz referência à citação específica do livro de Deuteronômio (cf Dt 31.9, 24, 26), mas a expressão é usada para referir a todos os livros do Pentateuco (de Gênesis a Deuteronômio, os cinco livros de Moisés). Bíblia Shedd.

32 Escreveu ali, em pedras, uma cópia da Lei de Moisés. Provavelmente os Dez Mandamentos (registrados em Êxodo 20). Este era o coração de todas as leis de Deus e ainda são relevantes hoje. Life Application Study Bible Kingsway.

Moisés ordenara ao povo que primeiramente rebocasse as pedras, para então gravar sobre elas as palavras da lei (Dt 27.2-4). Essas pedras são o quarto monumento na terra de Canaã. Bíblia de Estudo NVI Vida.

33 como Moisés… ordenara. Cf Dt 27.12, 13. Bíblia Shedd.

34 leu todas as palavras… bênção… maldição. Já foi provado, por várias vezes, que o povo, no vale, entre os dois montes, poderia ouvir com clareza as palavras pronunciadas dos dois lados. Bíblia Shedd.

Ambos os aspectos da aliança de Deus já tinham sido experimentados na Terra Prometida: a bênção, no cap. 6 e em 8:1-29, e a maldição, no cap. 7. Ver Dt 27-28. Bíblia de Genebra.

35 toda a congregação. As mulheres, as crianças e os estrangeiros, como Raabe e sua família, estavam ali. Todos, velhos e jovens, deviam escutar as palavras do Senhor. O esclarecimento do intelecto é um dos primeiros passos para o crescimento espiritual. Não se pode viver em harmonia com Deus na ignorância. A ignorância e o verdadeiro cristianismo nunca coexistem no mesmo indivíduo. É por isso que Deus atribuiu grande importância à educação cristã. Nada deveria interferir na liberdade de os filhos receberem a educação que o Senhor ordenou.Apesar das dificuldades da viagem até o monte Ebal, as crianças do antigo Israel deviam acompanhar os pais. CBASD, vol. 2, p. 210.



Josué 08 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
27 de julho de 2022, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Palavra nenhuma houve, de tudo o que Moisés ordenara, que Josué não lesse para toda a congregação de Israel, e para as mulheres, e os meninos, e os estrangeiros que andavam no meio deles” (v.35).

O mesmo povo que há pouco havia perseguido os homens de Israel e os derrotado por causa do pecado de Acã, agora teria a sua cidade tomada e destruída sob a liderança do Senhor dos Exércitos. Desta vez, Deus concedeu a Israel dos despojos da guerra. Josué então elaborou uma estratégia de combate que fez com que os inimigos caíssem em suas mãos. No versículo quatro, ele disse aos homens: “todos estareis alertas”. Ao lermos este relato, percebemos que seguir esta ordem foi fundamental para a conquista da vitória. Estar alerta, ficar atento, fez toda a diferença para o povo. Uma orientação tão útil e necessária, hoje, quanto o foi no passado.

Quando a Bíblia diz que devemos temer a Deus e guardar os Seus mandamentos, está implícita a ordem: “todos estareis alertas”! Mas alertas para quê? Para não nos encontrarmos na situação dos moradores de Ai, que “não puderam fugir nem para um lado nem para outro” (v.20). Foram facilmente enganados pelos israelitas, porque, confiantes na conquista anterior, ficaram autoconfiantes. O engano só acontece quando não conhecemos a verdade. Uma nota de trinta reais não engana ninguém simplesmente porque não existe, mas, a menos que conheçamos muito bem uma nota de cinquenta reais, a sua falsificação pode passar despercebida. Cristo mesmo nos advertiu: “porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos. Vede que vo-lo tenho predito! […] Portanto, vigiai […] ficai também apercebidos; porque, à hora em que não cuidais, o Filho do Homem virá” (Mt.24:24, 25, 42 e 44).

Estes alertas de Cristo são especialmente para o tempo que antecede a Sua segunda vinda, ou seja, para os nossos dias. A mesma renovação da aliança do Senhor feita pelo povo (v. 31), Cristo espera que façamos com Ele diariamente. Cada dia é uma nova oportunidade que recebemos para renovarmos a nossa vida com Quem selou a Sua aliança com o próprio sangue. O Seu amor que salva e a Sua verdade que liberta está à disposição de todo aquele que crê. Precisamos estar atentos à Sua Palavra. Não abandonemos a nossa torre de vigia! Diante de nós está “a bênção e a maldição” (v.34). “Palavra nenhuma houve” (v.35), relevante para a nossa salvação, que o Senhor nos ocultasse. “Certamente, o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem primeiro revelar o Seu segredo aos Seus servos, os profetas” (Am.3:7).

Somente por meio das Escrituras e de uma vida de oração e testemunho, podemos nos manter alertas contra os enganos do inimigo. Assim como “toda a congregação” parou para ouvir a Palavra do Senhor (v.35), o chamado de Deus é o mesmo para nós, hoje: Pare, ouça, obedeça e esteja atento! Precisamos ser “sóbrios e vigilantes”, pois, “o diabo, [nosso] adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (1Pe.5:8). Portanto, vigiemos e oremos!

Bom dia, vigias do Senhor!

* Oremos pelo batismo do Espírito Santo. Oremos uns pelos outros.

Rosana Garcia Barros

#Josué8 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



JOSUÉ 8 – COMENTÁRIOS PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
27 de julho de 2022, 0:40
Filed under: Sem categoria

Josué 8 – Deus pode usar nossos erros para dar-nos vitórias. Ele pode reverter maldições em bênçãos.

Deus orientou Israel a formar um grupo que deveria fugir fingindo estar com medo de uma nova derrota – a fuga serviria de isca levando o exército inimigo a abandonar a cidade; na sequência, outro grupo do exército israelita a incendiaria. O esquema de Deus deu certo, mostrando que Ele pode usar nossos fracassos para acertar nossa rota (Josué 8:1-29).

Por outro lado, observa-se que nem toda vitória sobre o povo de Deus significa absoluta derrota. O exército de Ai venceu Israel uma vez, mas assim que Israel resolveu o problema eliminando Acã (Josué 7:24-26), e submeteu-Se às instruções divinas, seus inimigos nada mais puderam contra o povo.
• Ainda que a igreja sofra ataques, enfrentando dores de algumas derrotas, sejamos cientes que, certamente Deus pode reverter frustração em vitória.

O livro de Josué ensina dependência constante a Deus, a qual passa pela independência do próprio eu. Quando Deus orienta, é importante acatar (Josué 8:1), pois o sucesso vem dEle (Josué 8:7). Por isso, é fundamental ouvir Seu apelo: “Façam o que o Senhor ordenou. Atentem bem para as minhas instruções” (Josué 8:8).
• Confiar em si mesmo impede a ação divina em nossa vida. Portanto, e imprescindível submeter-se a Deus e à Sua Palavra.

Sobre submissão a Deus que trata o final do capítulo. As instruções divinas dadas a Moisés, escritas no Livro da Lei de Moisés, foram seguidas à risca. Após um grupo se colocar em pé defronte do monte Gerizim e outro defronte do monte Ebal, “para que o povo fosse abençoado… Josué leu todas as palavras da lei… não houve uma só palavra de tudo o que Moisés tinha ordenado que Josué não lesse para toda a assembleia de Israel, inclusive mulheres, crianças e os estrangeiros que viviam no meio deles”.

Independente da idade e nacionalidade, acatemos “toda Palavra que sai da boca de Deus” (Mateus 4:4); pois “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16-17). Assim viveremos Seus planos maravilhosos para nós! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: