Reavivados por Sua Palavra


ATOS 25 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
20 de agosto de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO ATOS 25 – Primeiro leia a Bíblia

ATOS 25 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

ATOS 25 – COMENTÁRIO SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube (pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



ATOS 25 by Jobson Santos
20 de agosto de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/atos/25

Paulo foi mantido sob custódia por dois anos. Assim que Festo, o novo governador, percebeu que algo não estava certo com a insistência dos judeus de que Paulo fosse julgado em Jerusalém, ele disse a eles que Paulo ficaria em Cesaréia. Se eles quisessem prestar queixa, poderiam procurá-lo lá.

As acusações eram falsas. Festo enxergou a intenção deles e do ódio veemente que os judeus tinham por Paulo. Ele testou uma solução conciliatória: perguntou a Paulo se ele estaria disposto a ser julgado pelo Sinédrio. Paulo sabia que essa seria uma sentença de morte – eles já haviam planejado matá-lo antes, quando ele estava em Jerusalém.

Portanto, como cidadão romano, Paulo apelou para César. Se um cidadão romano sentisse que não estava obtendo justiça em um tribunal provincial, ele poderia apelar para o próprio imperador para ouvir seu caso. Festo aceitou a decisão de Paulo. Isso deve ter frustrado profundamente os inimigos de Paulo. Eles não conseguiam entender por que não conseguiram fazer com que esse homem fosse morto. Eles falharam em Jerusalém e também perante o governador anterior. Agora, eles falharam novamente. Obviamente, Deus ainda tinha trabalho para Paulo fazer.

Ron E. M. Clouzet
Diretor da Associação Ministerial
Divisão Norte da Asia-Pacífico

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1289
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



ATOS 25 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
20 de agosto de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

1217 palavras

1-9 Mesmo depois de terem passado dois anos, os líderes judeus ainda estavam procurando um modo de matar Paulo. Eles falaram de Paulo a festo e tentaram convencê-lo a levar o julgamento para Jerusalém (assim eles poderiam preparar uma emboscada). Mas Deus e Paulo frustraram seus intentos novamente. Life Application Study Bible.

2 Os principais sacerdotes. Ismael era o sumo sacerdote, depois de ser nomeado por Agripa II. Os acusadores de Paulo tentaram se aproveitar de Festo antes que ele tivesse tempo de compreender as questões judaicas na perspectiva correta. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 462.

2-3 preparando uma emboscada. Os inimigos de Paulo ainda tinham esperança de matá-lo a caminho de ser ouvido em Jerusalém. Andrews Study Bible.

3 Pedindo com o favor. Queriam receber consideração especial de suas acusações contra Paulo, pois eram os maiorais da nação, Paulo não. Sua honra e integridade como líderes do povo estavam em jogo. Por causa de sua hostilidade a Paulo, colocaram-se numa posição delicada. Já se sugeriu que o “favor” que os judeus pediram foi uma ordem oficial, transferindo Paulo para a jurisdição deles. CBASD, vol. 6, p. 462.

6 No dia seguinte. Parece que os judeus conseguiram convencer Festo de que a solução adequada do caso de Paulo era de importância crucial para a manutenção de relações satisfatórias entre o administrador romano da Palestina e o povo judeu. CBASD, vol. 6, p. 463.

7 Rodearam-no. “Fizeram um círculo a seu redor”. Alguns dos que fizeram acusações contra Paulo, sem dúvida, o conheceram como o empedernido perseguidor dos cristãos mais de vinte anos antes, e o odiavam, considerando-o um traidor da nação judaica. CBASD, vol. 6, p. 463.

Nenhum pecado cometi contra a lei dos judeus. Talvez os líderes judeus soubessem do ensino de Paulo de que a circuncisão não passava de um ato simbólico (ver Rm 2:23-29) e retrataram isso como uma tentativa de transgressão da lei. Eles haviam feito a mesma acusação contra Jesus (ver com. de Mt 5:17; Mc 2:16; 7:1-5 [em CBASD, vol. 5]). Os judeus nunca confrontaram a Paulo a respeito do sábado, como [à semelhança do que] fizeram com Cristo (Jo 5:16-18). CBASD, vol. 6, p. 464.

9 queres subir a Jerusalém … ? Festo … quer remeter o caso novamente para o Sinédrio que tinha direito de julgar casos religiosos. O apóstolo sabe muito bem que seria impossível esperar justiça do Sinédrio. Bíblia Shedd.

10 Tribunal. Paulo preferia a justiça relativa da lei romana à hostilidade caprichosa de seus conterrâneos enraivecidos, os quais só conheciam a lei dos próprios preconceitos. CBASD, vol. 6, p. 464.

Convém seja eu julgado. Isto é, como cidadão romano. CBASD, vol. 6, p. 465.

11 Apelo para César. Temendo que Festo fosse conceder aos judeus os seus pedidos, Paulo exercitou o seu direito, como cidadão romano, de ser julgado perante César (Nero) em Roma. Nesta época, Nero estava sob a benevolente influência do filósofo Sêneca, e ainda não havia mostrado sua hostilidade ao cristianismo. Paulo podia ter esperança de ser inocentado por César. Bíblia de Genebra.

Isto não significa que o próprio César [Nero, naqueles dias] fosse ouvir o seu caso, mas que os casos dos cidadãos seriam julgados pelas mais altas cortes do império. Festo viu o apelo de Paulo como um modo de mandá-lo embora do país e portanto pacificar os judeus. Paulo queria ir a Roma pregar o evangelho (Rm 1:10), e ele sabia que seu apelo lhe daria esta oportunidade. Ir a Roma como prisioneiro era melhor do que não ir. Life Application Study Bible.

Paulo não teme a morte, mas não admite injustiça nem o desprezo das leis de Roma apenas para agradar os líderes dos judeus. Bíblia Shedd.

O pedido de Paulo foi incomum, porque ocorreu antes de um veredito. Andrews Study Bible.

… ganhar esta causa levaria a mais que mera inocentação de Paulo. Resultaria no reconhecimento oficial do cristianismo como religião distinta do judaísmo. Bíblia de Estudo NVI Vida.

12 Conselho. O apelo a César não foi concedido automaticamente, mas a consulta confirmou que o pedido de Paulo não podia ser negado, por ele ser cidadão romano. CBASD, vol. 6, p. 466.

13 rei Agripa. Este era Herodes Agripa II, filho de [Herodes] Agripa I e bisneto de Herodes, o Grande (26.3, nota). Bíblia de Genebra.

Era natural que Festo pedisse ajuda de Agripa, cabeça secular do judaísmo; cabia a ele nomear o sumo sacerdote. Bíblia Shedd.

Berenice. Irmã de Drusila e Agripa II. Bíblia Shedd.

Filha mais velha de Herodes Agripa I, Berenice ficou viúva duas vezes antes de entrar numa relação incestuosa com seu irmão Herodes Agripa II. Apesar do escândalo deste relacionamento, ela era frequentemente apresentada como a rainha de Herodes em ocasiões oficiais (p. ex., vs. 13, 23). Bíblia de Genebra.

Era famosa por sua beleza e foi casada com dois reis. Mais tarde, quando Tito retornou a Roma após esmagar a revolta judaica (66-70 d.C.), ele tomou Berenice como sua amante. Andrews Study Bible.

Saudar a Festo. Esta foi a primeira visita de cortesia de Agripa II ao novo procurador, com o propósito de lhe dar boas vindas. Agripa II era, logicamente, um rei vassalo de Roma. CBASD, vol. 6, p. 466.

14 Alguns dias. Paulo foi levado perante Agripa e Berenice quando a permanência prolongada dos dois abriu oportunidade para isso. Festo mencionou o caso de Paulo não como uma questão administrativa importante, mas no decorrer de uma conversa. CBASD, vol. 6, p. 466.

16 Neste versículo temos uma indicação da justiça da lei romana. Bíblia Shedd.

21 César (gr sebastos, latim Augustus). O título Augusto, como César, passou sucessivamente para os imperadores reinantes. Bíblia Shedd.

O imperador da época era Nero (54-68 d.C). CBASD, vol. 6, p. 467.

22 Gostaria de ouvir. Com certeza, Agripa havia ouvido falar sobre Paulo e estava curioso a respeito dele e de seus ensinos. CBASD, vol. 6, p. 467.

Cf o desejo de Herodes de ver a Jesus (Lc 9.9; 23.8). Bíblia Shedd.

23 Com grande pompa. Talvez para impressionar Festo e intimidar Paulo. Essa foi a primeira oportunidade do apóstolo de testemunhar de sua fé perante a realeza. CBASD, vol. 6, p. 467.

Paulo estava aprisionado, mas isto não o impediu de aproveitar o máximo da situação. Oficiais militares e proeminentes líderes da cidade se juntaram com Agripa para ouvir o caso. Paulo viu esta nova audiência como mais uma oportunidade de apresentar o evangelho. Em vez de reclamar da sua situação atual, busque modos de usar todas  as oportunidades para servir a Deus e compartilhá-Lo com outros. Seus problemas podem ser oportunidades disfarçadas. Life Application Study Bible.

24 Como aqui. Fica claro que os líderes de Jerusalém haviam incitado um grupo contrário a Paulo em Cesareia, que se uniu a eles na petição ao novo governador que condenasse o apóstolo à morte. CBASD, vol. 6, p. 468.

Clamando. Parece que as súplicas dos judeus para que Paulo fosse morto eram veementes e barulhentas. CBASD, vol. 6, p. 468.

25 Nada praticar a passível de morte. Três vezes Festo declara a inocência do réu. Bíblia Shedd.

Um romano consideraria absurda a ideia de condenar alguém à morte por uma ofensa contra a religião judaica. Mas Paulo havia apelado para César, e Festo receberia de bom grado sugestões para preparar seu relatório ao imperador. CBASD, vol. 6, p. 468.

26 Nada tenho. Festo conhecia tão pouco sobre a religião judaica que sentia dificuldades para apresentar uma acusação esclarecida contra Paulo em algo relacionado exclusivamente a questões religiosas do povo judeu. CBASD, vol. 6, p. 468.

Festo está com uma dificuldade séria. Não tem uma acusação substancial que Nero aceitaria. Espera que Agripa o possa ajudar. Bíblia Shedd.

Escreva. Festo deveria mandar um apanhado de pormenores sobre o caso para o trono imperial. CBASD, vol. 6, p. 468.

Mormente, à tua. Festo esperava que Agripa lhe desse um a ajuda especial para resolver este caso difícil. Ao mesmo tempo, o monarca ficaria satisfeito de ver seu conselho ser estimado. CBASD, vol. 6, p. 468.

27 Não me parece razoável. Ajustiça romana era, em princípio, íntegra, embora os juízes que a administravam fossem, por vezes, corruptos. Festo era um homem de certa honestidade. CBASD, vol. 6, p. 468.



ATOS 25 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
20 de agosto de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Então, Agripa disse a Festo: Eu também gostaria de ouvir este homem. Amanhã, respondeu ele, o ouvirás” (v.22).

Mostrando maior dignidade do que os líderes judeus, Festo proporcionou a Paulo e seus acusadores um interrogatório justo e imparcial. Apesar de apresentarem contra Paulo “muitas e graves acusações” (v.7), não tendo como prová-las, não conseguiram alcançar seu objetivo final: a morte de Paulo. A este foi dada a oportunidade de defesa e a possibilidade de retornar a Jerusalém para ali ser julgado. Contudo, munido de uma consciência tranquila de que “nenhum pecado” cometeu “contra a lei dos judeus, nem contra o templo, nem contra César” (v.8), ele apelou para o órgão máximo da justiça humana de sua época: “Apelo para César” (v.11).

Seu apelo foi concedido e ali permaneceu preso até que fosse enviado à suprema corte. “Passados alguns dias, o rei Agripa e Berenice chegaram a Cesareia a fim de saudar a Festo” (v.13). Eram comuns essas visitas e trocas de formalidades entre as autoridades da época. Era uma forma de fortalecer os laços políticos ou de cortar relações caso a cordialidade não fosse mútua. Neste caso, vimos que entre Festo e Agripa havia simpatia e que a visita do rei seria de grande utilidade para o governador, que ainda não havia conseguido chegar a uma conclusão com relação ao caso de Paulo.

Percebam que, mesmo com a intenção de angariar palavras que pudesse escrever em documento oficial, Festo despertou em Agripa a curiosidade de ouvir o que Paulo tinha a dizer. Era tudo o que o governador queria. Mesmo com a intenção errada, Festo encaminhou Agripa na direção certa. Aquela oportunidade foi dada não apenas ao rei, mas a todos os que estavam presentes naquela audiência extraordinária. Ao declarar: “vedes este homem” (v.24), outra vez, mesmo sem intenção, Festo apontou para o único naquele recinto que verdadeiramente era livre. Não era apenas curiosidade o que despertava todos a desejarem ver a Paulo e ouvir as palavras do apóstolo, e sim a realidade de corações carentes por algo melhor e maior do que uma religião meramente formal.

O que Paulo pregava e o evangelho que vivia não tinha a ver com “certo morto” (v.19), mas com Aquele que é “a ressurreição e a vida” (Jo.11:25). E mesmo que mal compreendido ou ignorado, aquele servo de Deus permanecia firme na certeza de que sua postura estava em pleno acordo com o “Assim diz o Senhor”. A prisão temporária daquele “réu” primário não foi suficiente para calar a sua voz e apagar o seu bom testemunho. Deus atua para salvar a todos. Desde o mais humilde servo até o mais honrado rei, Ele busca a todos. Àquelas autoridades foi dada a oportunidade de conhecer o Caminho e de escolher segui-Lo ou não. Porém, mesmo sentindo o coração arder e percebendo que nas verdades da Palavra de Deus conseguem enxergar a luz que em nenhum outro lugar há, quantos têm dado para trás quando confrontados a abandonar as concupiscências deste mundo.

Deus sempre teve na Terra um povo para chamar de Seu. Nem que este seja composto de apenas oito pessoas, como o foi no dilúvio ou de apenas um homem levado a um tribunal por causa de sua fé. Deus possui Seus representantes hoje também. Homens e mulheres que, semelhante a Paulo, têm se esforçado por manter uma “consciência pura diante de Deus e dos homens”; que não temem em chamar o pecado pelo nome e que têm reconhecido, a cada dia, a sua condição de completa dependência do Espírito Santo. Cristãos que têm despertado em seus semelhantes o desejo de conhecer o Senhor e dEle se aproximar.

Ser cristão, amados, não é ser esquisito, e sim diferente. É ser um ímã que atrai pessoas a Cristo. Pode ser que isso incomode alguns, mas a paz de Cristo no coração nos torna livres mesmo em cadeias. Que pelo poder do Espírito Santo, nossas palavras e ações andem em perfeita coerência. E ainda que chegue o tempo em que alguns manifestem não ter nada de positivo para dizer a nosso respeito (v.26), há um Deus no Céu que milita a nosso favor e que em breve, muito em breve, nos dará recompensa eterna. Vigiemos e oremos!

Bom dia, representantes de Cristo!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Atos25 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ATOS 25 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
20 de agosto de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

ATOS 25 – Religiosos que não têm relacionamento com Jesus são causadores de confusão. Nem bem tinha chegado Porcio Festo de Cesaria em Jerusalém e os judeus já se aproximaram para levar seus problemas.

Por outro lado, religiosos que mantêm relacionamento com Cristo, fazendo Sua vontade e proclamando Seu evangelho a tempo e fora de tempo, estão constantemente tentando manter a paz. Mesmo acusado falsamente, não perde a cabeça; mesmo preso, suas atitudes são nobres e atraem pessoas de renome na sociedade.

Paulo é um grande exemplo de cristão para todos os tempos. Quem dera aprendêssemos de seu extraordinário exemplo e pudéssemos deixar um legado tão importante para a humanidade como ele deixou.

Analise o capítulo em pauta. Depois, continue a leitura:
• Festo teve Paulo em seu poder, mas agiu de forma frouxa tanto quanto Félix (vs. 1-9).
• Paulo desafiou o procurador em relação à verdade sobre sua pessoa, devido à fraqueza do seu governo (vs. 10-12).
• Festo, desejando esclarecimento do caso “Paulo”, solicitou a ajuda de Agripa (vs. 13-27). “A audiência no belo salão do pretório foi um evento emocionante”, analisa Merrill F. Unger.

Paulo não temia a morte (v. 11), ele aproveitava sua prisão para pregar Jesus àqueles que, talvez, nunca teriam oportunidade de ouvir o evangelho (v. 23). Precisamos, como Paulo, estar bem preparados para testemunhar de nossa fé perante os Agripas, Festos e Césares dos dias atuais com poder e coragem.

“O que a igreja necessita nestes dias de perigo é de um exército de obreiros que, como Paulo, se tenha educado para a utilidade, que tenham uma profunda experiência nas coisas de Deus, e que sejam cheios de fervor e zelo em Seu serviço. Necessita-se de homens preparados, refinados, santificados e abnegados; homens que não se esquivem a provas e responsabilidades, mas que ergam os fardos onde que sejam encontrados; homens que sejam corajosos e fieis, homens que tenham a Cristo formado dentro de si, e que, com lábios tocados pelo fogo sagrado, ‘preguem a palavra’ em meio aos milhares que estão pregando fábulas. Por falta de tais obreiros, a causa de Deus definha, e erros fatais, como veneno mortal, pervertem a moral e minam as esperanças de grande parte da raça humana” (Ellen G. White).

Portanto, reavivemo-nos! Preparemo-nos! Testemunhemos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: