Reavivados por Sua Palavra


ATOS 6 – ACESSE AQUI O POST DESEJADO by Jeferson Quimelli
1 de agosto de 2021, 1:00
Filed under: Sem categoria

TEXTO BÍBLICO ATOS 6 – Primeiro leia a Bíblia

ATOS 6 – COMENTÁRIO BLOG MUNDIAL (Associação Geral)

ATOS 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS

COM. TEXTO – ROSANA GARCIA BARROS

COM. TEXTO – PR HEBER TOTH ARMÍ

Acesse os comentários em vídeo em nosso canal do Youtube

(pastores Adolfo, Valdeci, Weverton, Ronaldo e Michelson)



ATOS 6 by Jeferson Quimelli
1 de agosto de 2021, 0:55
Filed under: Sem categoria

Texto bíblico: https://www.bibliaonline.com.br/nvi/atos/6

Por causa de minhas responsabilidades, muitos jovens me pedem fundos para suas várias necessidades, especialmente para a educação. Eu invisto muito tempo, até mesmo tempo pessoal, a fim de ajudar a arrecadar fundos para esses alunos carentes. Mas eu me senti convencido de que “Não é certo negligenciarmos o ministério da palavra de Deus, a fim de servir às mesas. Atos 6:2.”

Por isso, recrutamos auxiliares para cuidar das necessidades diárias desses alunos. “e nos dedicaremos à oração e ao ministério da palavra”. (Atos 6:4) O segredo de realmente viver é quando estamos fazendo aquilo para o qual fomos feitos / chamados / ordenados. Deus deu dons diferentes a pessoas diferentes para serem usados de maneira apropriada.

Visto que tenho estudado a Bíblia com o programa Reavivados Por Sua Palavra desde o seu início, convidei outras pessoas, especialmente aqueles jovens que vinham em busca de oração ou de ajuda financeira, a se unirem à igreja mundial na leitura da Bíblia! Agora tenho dois grupos de oração, cada um deles com 25 pessoas, que estudam a Bíblia diariamente e se reúnem para orar pelo Zoom uma vez por mês. Louvo a Deus porque cada membro desses dois grupos ora com outros a quem eles também incentivam a lerem diariamente a Bíblia.

Milton Das
Diretor do Ministério Jovem e líder do Programa BCSS (Bolsas Escolares para as Crianças de Bangladesh)
União Missão Adventista de Bangladesh

Texto original: https://www.revivalandreformation.org/?id=1270
Tradução: Pr Jobson Santos/Jeferson Quimelli/Gisele Quimelli/Luis Uehara



ATOS 6 – COMENTÁRIOS SELECIONADOS by Jeferson Quimelli
1 de agosto de 2021, 0:50
Filed under: Sem categoria

763 palavras

1 naqueles dias. Marca nova divisão no livro (cf 1.15). Bíblia Shedd.

O zelo missionário partiu dos crentes helenistas, menos tradicionais e desembaraçados do problema da língua, visto que o grego era língua franca do Império Romano. Bíblia Shedd.

Helenistas. Isto é Judeus de língua grega. Os helenistas eram judeus da diáspora que além de falar o grego, haviam absorvido em parte a cultura grega. Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia, vol. 6, p. 182.

Hebreus. Estes eram os judeus que haviam nascido na Palestina, moravam ali e falavam a língua aramaica. CBASD, vol. 6, p. 182.

viúvas. A igreja tinha assumido a responsabilidade de seu cuidado (4:32-34; 1 Tm 5:3-16). Andrews Study Bible.

Aqui o velho problema da discriminação tinha emergido: as viúvas dos judeus gregos (ou de fala grega) eram consideradas forasteiras pelos judeus nativos e assim não estavam recebendo sua porção na distribuição de alimentos, provavelmente derivada em parte da generosa doação de 4.34-37. Bíblia de Genebra.

2 a palavra de Deus. Nesta organização inicial da igreja do Novo Testamento, dois ministérios estão listados: o ministério da palavra e oração (v. 4) e o ministério de satisfazer as necessidades físicas do povo, tal como servir à mesa. Bíblia de Genebra.

3 Sete homens. Era razoável que os apóstolos pensassem no número sete. Havia uma reverência pelo numero entre os judeus. CBASD, vol. 6, p. 183.

5 escolheram. Pelos nomes gregos se supõe que todos eram helenistas, inclusive um prosélito (gentio convertido ao judaísmo) cristão. Bíblia Shedd.

6 Apresentaram-nos. Provavelmente para exame, instrução, e é claro ordenação. CBASD, vol. 6, p. 185.

impuseram as mãos. Ação que simboliza uma doação, quer de bênção (Mc 10.16), cura (Mc 6.5), o Espírito Santo (At 8.17; 19.6) ou responsabilidade e autoridade para serviço (At 13.3; 1Tm 4.4). Bíblia Shedd.

8 Cheio de graça e poder. Graça e beleza de espírito deveriam acompanhar a proclamação da mensagem evangélica. O “poder” era a realização de milagres. Estevão devia ter a mesma plenitude de dons do Espírito que os doze. CBASD, vol. 6, p. 186.

9 Libertos. Descendentes dos judeus levados a Roma por Pompeu (63 a.C.) e logo libertos, junto com outros das regiões mencionadas. Bíblia Shedd.

10 Não podiam resistir. Literalmente, “não eram fortes para permanecer contra”. Esta experiência cumpriu a promessa de Cristo a Seus seguidores (Lc 21:15). CBASD, vol. 6, p. 187.

Sabedoria. Estevão foi o primeiro mestre da nova comunidade a ser destacado por sua sabedoria. […] Possuía uma clara visão da verdade e a habilidade para revelar verdades não percebidas até então. CBASD, vol. 6, p. 188.

11 Subornaram. Às vezes, esta palavra era usada para o ato de empregar, instigar ou instruir um agente secreto. CBASD, vol. 6, p. 188.

Incapazes de contradizer os argumentos de Estêvão a respeito de Jesus, os membros da Sinagoga [dos Libertos] espalharam falsas acusações sobre ele. No furor resultante, Estêvão foi arrastado ao Conselho [Sinédrio]. Andrews Study Bible.

blasfêmias contra Moisés e contra Deus. Estêvão só dizia, como está evidente no cap. 7, que Moisés, como Jesus – e como o próprio Estêvão – foi rejeitado pelo povo (7.35, 39). Isto não poderia ser tomado como blasfêmia contra Moisés e contar Deus. Bíblia de Genebra.

12 Sublevaram. Por meio das acusações falsas, agitaram o povo que testemunhara os milagres de Estevão. CBASD, vol. 6, p. 188.

13 lugar santo. O templo, para os judeus, era o lugar mais sagrado do mundo, o centro do universo, por ser a habitação de Deus. Bíblia Shedd.

Estêvão não falou contra o templo, mas somente declarou que Deus não estava confinado a um templo terreno, uma vez que o céu era Seu lar e Seu trono (7.48-50). Estêvão, na verdade, sustentava a lei mosaica e o seu ensino, especialmente naquilo que apontava para o Cristo vindouro (7.37-38). Bíblia de Genebra.

14 Esse Jesus. Mais uma vez, uma menção com desprezo, embora este nome soasse belo ao sair de lábios cristãos. CBASD, vol. 6, p. 189.

temos ouvido dizer que esse Jesus … mudará os costumes que Moisés nos deu. Estêvão percebendo que a fé cristã não se manteria dentro do judaísmo (cf Mc 7.18, 19; Mt 23.25, 26; Lc 11.39-41), antecipa a teologia universal de Paulo. Sua visão é de um cristianismo mundial, sem as restrições do judaísmo e da Lei. Bíblia Shedd.

Para Estêvão, Jesus, aquEle que está à direita do Pai no Céu (7:55-56), é o “Profeta como eu” que Moisés mesmo predisse que viria, a Pessoa definidora da História cujo significado extrapolaria o judaísmo. Similarmente, nem o tabernáculo nem o templo poderiam conter Deus (7:44-50). Estêvão está plenamente convicto de que a culminação de todo o Antigo Testamento é alcançado em Jesus. Andrews Study Bible.

15 Rosto de anjo. Seu rosto devia estar iluminado com um brilho divino. […] O rosto de Estevão se iluminou por sua proximidade de Cristo e pela luz da visão que estava prestes a ter de Jesus à destra de Deus. CBASD, vol. 6, p. 188.



ATOS 06 – Comentado por Rosana Barros by Ivan Barros
1 de agosto de 2021, 0:45
Filed under: Sem categoria

“Todos os que estavam assentados no Sinédrio, fitando os olhos em Estêvão, viram o seu rosto como se fosse rosto de anjo” (v.15).

Quando estudamos nos evangelhos os dois episódios da multiplicação de pães e peixes, algo chamou a minha atenção. Na primeira multiplicação, sobraram 12 cestos cheios de alimento. Já na segunda, sobraram 7 cestos. Então, pensei: O Senhor escolheu 12 discípulos, e, depois, 7 diáconos foram eleitos. A multiplicação, porém, não se tratava mais de alimento, mas de pessoas, pois “se multiplicava o número dos discípulos” (v.7). No lugar do pão e do peixe crescia “a Palavra de Deus” e “também muitíssimos sacerdotes obedeciam à fé” (v.7). A igreja cristã estava crescendo e sendo alimentada pelo sólido e suficiente evangelho do reino.

Enquanto, porém, estivermos neste mundo de pecado, o ditado de que “quanto mais pessoas, mais problemas” continuará sendo uma realidade. Não foi diferente com a igreja primitiva. “Multiplicando-se o número dos discípulos, houve murmuração dos helenistas contra os hebreus, porque as viúvas deles estavam sendo esquecidas na distribuição diária” (v.1). Estava acontecendo uma acepção entre as viúvas helenistas e as viúvas palestinas. Os helenistas eram judeus de fala grega convertidos ao cristianismo. Ainda havia um certo preconceito e esta questão precisava ser resolvida com urgência.

Numa convocação extraordinária, os doze apóstolos reuniram a igreja e propuseram a eleição de “sete homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria” (v.3), que ficariam encarregados de atender as necessidades da comunidade. Foram os primeiros diáconos da igreja cristã. Dentre eles, contudo, um merece considerável destaque: “Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo” (v.5). Devidamente investidos, os diáconos deram início a uma sagrada obra em comunhão com os discípulos. Era um trabalho tão importante quanto o “ministério da palavra” (v.4). O serviço daqueles sete diáconos proporcionou o crescimento e o fortalecimento da igreja primitiva.

Estêvão, além de “servir às mesas” (v.2), “cheio de graça e poder, fazia prodígios e grandes sinais entre o povo” (v.8). Seu modo de falar e perfeita argumentação deixavam os líderes judeus sem palavras. Inspirado pelo Espírito Santo, suas palavras e obras despertaram tamanha inveja, que “o povo, os anciãos e os escribas… o arrebataram, levando-o ao Sinédrio” (v.12). Mas apesar das testemunhas falsas, da ira que lhes consumia o coração e do temor de que aquele servo de Deus continuasse convertendo mais judeus, nada disso os impediu de contemplar, provavelmente, uma cena que jamais haviam visto: Iluminado pela glória do Invisível, cheio do Espírito e tomado de santo temor, o rosto de Estêvão brilhava como a face de um anjo.

Sobre Estêvão declara Ellen White:
Não somente falava no poder do Espírito Santo, mas também era claro ser ele um estudioso das profecias, e instruído em todos os assuntos da lei. Habilmente defendia as verdades que advogava e derrotava completamente seus oponentes. Em relação a ele cumpriu-se a promessa: ‘Proponde pois em vossos corações não premeditar como haveis de responder; porque Eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem’. Lucas 21:14, 15” (EGW, Atos dos Apóstolos, CPB, p. 54). Ninguém conseguiu refutar as palavras de Estêvão porque, na verdade, não eram palavras dele, mas do Espírito Santo.

Entrega completa, amados, requer renúncia completa e completa dependência de Cristo. Estêvão estava disposto a sofrer o que fosse por amor a Jesus. Não havia ninguém ou nada que ele amasse mais do que a seu Salvador. E o mesmo brilho que um dia foi revelado no rosto de Moisés foi visto no rosto de Estêvão. Jesus deseja refletir o Seu brilho em nossa face, hoje. Ele deseja fazer de mim e de você Suas testemunhas. A mudança feita pelo Espírito Santo no coração de Estêvão, foi manifesta em suas palavras e fisionomia. Permita que esta mesma mudança alcance o teu coração, e o teu exterior brilhará “mais e mais até ser dia perfeito” (Pv.4:18).

Que se cumpra em nossa geração o que foi profetizado: “Servos de Deus, com o rosto iluminado e a resplandecer de santa consagração, apressar-se-ão de um lugar para outro para proclamar a mensagem do Céu. Por milhares de vozes em toda a extensão da Terra, será dada a advertência. Operar-se-ão prodígios, os doentes serão curados, e sinais e maravilhas seguirão aos crentes” (O Grande Conflito, p.612). Vigiemos e oremos!

Feliz semana, cheios do Espírito e de sabedoria!

Rosana Garcia Barros

#PrimeiroDeus #Atos6 #RPSP

Comentário em áudio: youtube.com/user/nanayuri100



ATOS 6 – COMENTÁRIO PR HEBER TOTH ARMÍ by Jeferson Quimelli
1 de agosto de 2021, 0:40
Filed under: Sem categoria

ATOS 6 – Na igreja têm pessoas que amam dinheiro (como Ananias e Safira) e tem pessoas necessitadas de dinheiro (como as viúvas). Além disso, nos capítulos anteriores ficou evidente a perseguição à igreja, a prisão dos apóstolos, a morte súbita dos hipócritas, e no capítulo em pauta, a murmuração dos gregos contra os hebreus.

Certamente, a igreja de Atos não é modelo de perfeição. Muitos problemas existiam e muitos surgiriam. Como uma instituição cheia de problemas poderia sobreviver?

Outra questão era o crescimento em massa da igreja. Como estruturar e atender as necessidades duma igreja que cresce muito rapidamente?

Além disso, o diabo estava por trás; note que…
• No capítulo 4 utilizou-se da perseguição para minar o poder da igreja.
• No capítulo 5 ele usou a infiltração dos hipócritas para reduzir o poder da igreja.
• No capítulo 6 ele armou armadilha que resultou na distração da igreja.

Interessante que, em cada situação, a igreja saiu-se vencedora!
• No capítulo 4, apesar de perseguida, mediante a oração e a pregação da Palavra, a igreja contra-atacou aos ataques do inimigo e cresceu enfrentando a perseguição.
• No capítulo 5, apesar dos hipócritas penetras, mediante a oração e a pregação da Palavra, a igreja contra-atacou as artimanhas diabólicas, então, o resultado foi um crescimento surpreendente.
• No capítulo 6, apesar dos problemas que surgiram devido ao crescimento colossal da igreja, os apóstolos, quase desfocados da oração e do ministério da Palavra, a tempo conseguiram colocar a igreja nos trilhos.

Tristemente, os apóstolos estavam abandonando o aspecto essencial da igreja que é a oração e a pregação da Palavra para atender às mesas. O que não era algo ruim, errado. Era um trabalho digno e urgente; mas, não deveriam tirar o foco da oração e pregação.

Embora Satanás quisesse eliminar esses dois aspectos da igreja, os apóstolos perceberam o perigo, se organizaram para, então, voltarem a priorizar ao que realmente importa mais (vs. 1-4).

Como resultado, surgiram os diáconos e, a igreja avançou admiravelmente (vs. 5-7). Como os diáconos mantiveram o mesmo foco dos apóstolos, eles eram pregadores poderosos, que instigavam seus ouvintes a tal ponto de suscitar ameaças – como se vê no caso de Estêvão (vs. 8-15).

• Pergunto: Sua igreja mantém o foco certo apesar nos ataques satânicos?

Estudemos, reavivemo-nos! – Heber Toth Armí.




%d blogueiros gostam disto: